Política

Covid e as Eleições : Reunião de Alto Nível deu resposta às preocupações da Sociedade Civil

Desde 2 de Junho que o Téla Nón publicou uma informação do Observatório Transparência STP, uma plataforma da sociedade civil santomense, a denunciar o desrespeito pelas recomendações das autoridades sanitárias nas acções de pré-campanha eleitoral.

A informação sustentada por imagens, prova o desrespeito por parte de quase todas as candidaturas presidenciais, às medidas preventivas contra a Covid-19, decretadas pelas autoridades santomenses no âmbito da situação de alerta em vigor.

As acções de pré-campanha eleitoral desencadeadas pelos diversos pretendentes ao cargo de Presidente da República, desde Maio passado, representam perigo à saúde pública. Uma explosão de transmissão do vírus que provoca a Covid-19 no país pode ser uma das consequências a curto prazo, caso persistam os ajuntamentos eleitorais.

A sociedade civil protestou no Observatório Transparência STP, e o protesto teve eco em vários fóruns, nomeadamente na Reunião de Alto Nível convocada pelo Presidente da República Evaristo Carvalho, para análise da situação da Covid-19 no país.

Confrontado com as preocupações levantadas pelo Chefe de Estado em relação ao avanço da pré-campanha eleitoral sem o cumprimento das medidas preventivas contra a Covid-19, o governo decidiu em concertação com os demais órgãos de soberania que integram a reunião de alto nível, interditar a realização de comícios e das grandes aglomerações.

A interdição de realização de comícios por parte das candidaturas às eleições presidenciais entrou em vigor imediatamente. Vigora durante a pré-campanha, prossegue após a abertura oficial da campanha eleitoral, até o dia das eleições 18 de Junho, e matem-se depois do dia das eleições, ou seja, nas celebrações da candidatura vencedora.

A reunião de Alto Nível decidiu, no entanto autorizar a realização de passeatas durante a fase eleitoral que o país vive. No entanto sujeitas a regras de segurança sanitária. Os candidatos e os seus apoiantes devem usar máscaras, e as passeatas devem ser marcadas pelo distanciamento físico das pessoas nelas envolvidas.

A sociedade civil deverá estar atenta para comprovar a implementação efectiva das novas medidas anunciadas para evitar a proliferação da Covid-19 em São Tomé e Príncipe. Para o bem da saúde pública.

Abel Veiga

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo