Política

353 filhos do Príncipe subscrevem Manifesto Público exigindo Autonomia efectiva

Autonomia do Príncipe – Um Desígnio Regional e Nacional

É este o título do manifesto público, assinado por 353 cidadãos nacionais naturais da ilha do Príncipe. No país e na diáspora os naturais da ilha do Príncipe, defendem que a Autonomia da ilha deve estar suportada pela construção do regionalismo «em todas as suas dimensões, em oposição ao existente compromisso político e administrativo que consideramos ligeiro desajustado e ainda distante das reivindicações e aspirações das nossas gentes…» diz o manifesto público.

O documento foi endereçado a todos os órgãos de soberania do país, e também aos órgãos de poder executivo e legislativo da Região Autónoma do Príncipe.

António Salvaterra(na foto), natural da ilha do Príncipe e residente no Reino Unido, em representação dos 353 conterrâneos seus, enviou para o Téla Nón, o texto do manifesto público, e a respectiva lista dos subscritores para que seja publicado, para que a opinião pública nacional e não só seja informada e tome conhecimento das ideias e propostas dos naturais do Príncipe, com vista a efectiva autonomia da ilha.

O leitor tem acesso em formato PDF ao manifesto, assim como a lista dos subscritores :

1 – Manifesto Público–Autonomia do Príncipe–Um Desígnio Regional & Nacional

2 – CARTA DOS SIGNATÁRIOS DO MANIFESTO PÚBLICO-AUTONOMIA REGIONAL

3 – Signatários do Manifesto Público – Autonomia do Príncipe

    31 comentários

31 comentários

  1. Bandalheira

    23 de Junho de 2021 as 10:14

    Sou do principe e acho isso uma autêntica palhaçada. Cabo Verde tem 9 ilhas habitadas, não são autónomo. Quando que um país formada por duas ilhas uma é autónoma da outra? Isso só pode ser brincadeira. A culpa de tudo isso é dos sucessivos governos centrais. Deixaram a ilha do principe para um grupo herdar, a que exercer autoridade do Estado em todo território nacional e ponto final. Estupidez. Ninguém presta conta nesta ilha.

    • Xixaro

      23 de Junho de 2021 as 21:50

      Se o senhor é do Príncipe deve ser de certeza absoluta membro direto e um dos priviligiados deste maldito governo que tem feito uma autêntica palhaçada na governação do país. É por isso que o senhor acha que a culpa é dos sucessivos governos. O senhor sempre foi um priviligiado. deve estar a usufruir de benesses ou migalhas que o atual governo e maioria lhe dá. É obvio que não lhe interessa a autonomia do Príncipe nem a melhoria de condições de vida dos outros. A palhaçada de governação que a atual maioria tem feito tem contribuido para envergonhar o país lá fora e cá dentro. O senhor acabou de tirar a máscara.

  2. Sem assunto

    23 de Junho de 2021 as 10:44

    353 gatos pingados, não subjugam os 7 mil residentes que ali residem, sem incluir a disporá, longo isto deve ser mais um expediente para aparecer, ter os 15 minutos de fama, ou se não a base para criar um partido político sem ideia nem ideologia.
    Santomenses, bandos de semios ingovernáveis.

    • Junjá

      24 de Junho de 2021 as 22:00

      Eu sei que o senhor é político e está no direito de continuar a espalhar a sua ignorância em muitos lugares, como alias a maioria dos políticos do nosso país faz. Mas o senhor deveria, em primeiro lugar, ler e investigar um bocadinho só (não é preciso muito) o conceito de autonomia e então vir para cá com mais responsabilidade e argumentos falar sobre este tema. E eu não estou a pedir o senhor para ler grande livros ou coisa parecida. Basta o senhor ir para a Wikipédia e o senhor encontra lá a definição, ainda que superficial, do conceito de autonomia. A autonomia, em termos políticos, de acordo com a Wikipédia, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade as suas próprias leis e normas com vista a proporcionar aos habitantes daquele território condições de desenvolvimento. Este conceito difere do de soberania, segundo a Wikipédia, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática por exemplo ou relações internacionais, o que faz com que na autonomia, os poderes não são plenos.
      Senhor percebeu agora ou quero que eu faço um desenho para o senhor? Eu sei que o senhor deve ser ministro ou Diretor e como o senhor existe aqui em S.T.P muita gente que manifesta este tipo de ignorância. Portanto este não é um problema político mas de manifestação de ignorância. É por isso, mesmo, que é preciso um trabalho de explicação, sensibilização, informação e até de formação para os políticos em primeiro lugar porque são também pessoas que precisam de formação nesta área e noutras áreas. Basta ver como o país está e as decisões que os políticos tomam todos os dias.
      O senhor sabia, por exemplo, que as autarquias têm autonomia? O senhor sabia, por exemplo, que os poderes constitucionais que conformam a atuação dos diversos órgãos de soberania no nosso país decorrem da autonomia e interdependência entre eles?
      A explicação relacionada com o facto do país ser constituído por duas ilhas e como tal uma delas não poder ter autonomia é, por si só, a maior manifestação de ignorância porque o senhor não sabe nada sobre organização administrativa, autonomia, descentralização, regionalismo e até democracia como elementos centrais de estruturação de um verdadeiro estado de direito democrático.
      Por isso eu estou com os irmãos do príncipe e até acho que alguns deles são mais inteligentes do que a maioria de nós, sobretudo políticos que nos governam de forma desgraçada, que andam a espalhar a grandiosidade do nosso forro perante outros habitantes do nosso S.T.P.

  3. Matabala

    23 de Junho de 2021 as 13:34

    Entendo perfeitamente a revolta dos nossos irmãos no Príncipe. Mais um projecto de autonomia energética foi por água abaixo por causa da prepotência do Governo Central. Não resolvem problema de ligação entre ilhas, preço de tudo é mais caro, só erguem barreiras por politiquices sem considerar o povo da ilha. Muita maldade e crueldade. E será que nós em São Tomé não podemos fazer algo semelhante? Pedir autonomia de São Tomé do país São Tomé e Príncipe? É que este país é tudo menos isso e mais vale um referendo para acabar com este desmando de décadas que só trouxe independência financeira a uma elite de colonos negros que passaram do zero em património e dinheiro a ricos e milionários em 40 anos…o povo esse continua na mesma …a pedir a pedir a pedir

  4. Agnel

    23 de Junho de 2021 as 14:50

    Tomara que fique somente na manifestação, Porque não faz sentido algum!

    • Lula está a cair

      23 de Junho de 2021 as 22:06

      Senhor Agnel lê o texto e deixa de ignorância. O que é que não faz sentido para o senhor?

  5. Arménio Camblé

    23 de Junho de 2021 as 15:12

    Muita palhaçada, mas muita palhaçada mesmo e até mesmo, muita trapalhada desmedida.
    Que perguntem ou procurem saber como é e como funciona a autonomia , por exemplo, na Madeira e nos Açores, para não irmos buscar outros exemplos.
    O Principe que em nada contribui para o OGE, o Principe que não presta contas ao sistema finanveiro nacional, o Principe que “não luz nem reluz”, não pode querer ter o que não pode fazer nem conduzir, nem sustentar…..
    As ambições ai no Principe, tal como na ilha maior de S.Tomé, são desmedidas, basta ver agora o caso da compra, sem necessidades de uma viatura topo de gama para um presidente do overno regional que nem um ano de funções tem. Com o dinheiro dessa viatura construia-se casas sociais para “N” familias a viverem ai ao relento….
    E o To-Zé Cassandra lhe deixou uma viatura ainda bem nova,….muita decepção!
    Francamente…..

    • Junjá

      23 de Junho de 2021 as 22:04

      Palhaçada, senhor Camblé é a porcaria que o seu governo atual tem feito no país. É de facto uma autêntica palhaçada que até o seu candidato Delfim Neves, autêntico palhaço, também é candidato para presidente. Num país sério ele nem seria um bom jardineiro. Isto é que é palhaçada que os seus conterrâneos têm feito ao país contribuindo para a imagem negativa de todos nós, incluindo da ilha do Príncipe. O senhor antes de falar de autonomia deve saber noções básicas do conceito. Não fale do que não sabe. O Príncipe não contribui para o OGE, segundo o senhor, sendo assim porquê que o senhor tem tanto medo da autonomia do Príncipe? Se são assim tão insignificantes deixa-os governar a terra deles. Eu sou de S.Tomé (Água Porca) mas detesto a manifestação deste tipo de ingerência e atitudes de prepotência, contra o snossos irmãos do Príncipe, sobretudo vindos de pessoas como o senhor que manifestam muita ignorância naquilo que escreve. O senhor não disse nada de importante na sua explanação, tendo em conta o conteúdo do documento escrito pelos nossos irmãos do Príncipe, para além de ter espalhado ignorância no seu texto. Não é assim que se contribui para desenvolvimento do país. Lê o texto dos nossos irmãos do Príncipe e responde com outros argumentos seus que justifiquem e permitem o debate. Temos de deixar deste hábito que o senhor e outras pessoas têm de limitar a ofender e chamar nomes aos outros quando não têm argumentos racionais que alimentam uma discussão séria. É também por isso que o país está com este clima de ódio e perseguição que os políticos falam. Eles escreveram este texto. O senhor se é capaz, lê e responde com seus argumentos sem desrespeitar nem chamar nomes. O palhaço foi o senhor como tem sido o governo atual que o senhor defende.

      • Ferreira

        25 de Junho de 2021 as 13:20

        Concordo Junjá!Se o senhor Arménio Camblé tem de me explicar, já que ele disse que o Príncipe não contribui para o orçamento do estado do país, para onde vai o dinheiro dos contratos de pesca que o estado de S.T.P faz com países estrangeiros e que permite aos barcos destes países pescarem sobretudo nas águas do Príncipe porque em S.Tomé praticamente não tem peixe?
        O senhor Arménio Camblé tem de me explicar onde é vai o dinheiro que várias empresas de petróleo tem dado ao país para exploração de petróleo que se encontra sobretudo nas águas do Príncipe?
        O senhor Arménio Camblé quer mais?
        Muito obrigado.

    • Abuso

      23 de Junho de 2021 as 23:05

      Vocês de mlstp são desgraçados. Mandaram principe viatura e são os mesmos a atacar rapaz nas redes sociais. Diabos

  6. R.T

    23 de Junho de 2021 as 15:52

    Acho perfeitamente legítimo, muito embora não seja do Príncipe. Neste caso acho que a autonomia da região do Príncipe é algo compreensível até porque se trata de consolidação da mesma porque tal já está inscrita na constituição de S.T.P. Além disso os resultados recentes do Príncipe com a autonomia só vem provar que é um caminho a seguir para melhoria de vida das pessoas que vivem lá. Não vejo mal nenhum nisso e só espero que as autarquias aqui de S.Tomé comecem também a apresentar resultados como a ilha irmã do Príncipe está a apresentar.

  7. Seabra

    24 de Junho de 2021 as 0:12

    Duas perguntinhas. Que fez o senhor TÓZÉ CASSANDRA durante os longos anos do seu mandato na îlha do Príncipe?
    O que fez o senhor GABRIEL COSTA para a îlha do Príncipe quando foi (2×), primeiro ministro?
    O que têm feito os mais esclarecidos homens e mulheres desta îlha?
    Só sabem é PALAVREAR sem nada fazer, prometendo mundos e fundos apenas para iludir os demais e recrutar simpatia política para poderem continuar no PODER com privilégios e mordomias.
    Aliás, o que é feito do homem político Gabriel Costa, o camaleão que trocou ou seja que traíu o MLSTP para se juntar com o MIGUEL TROVOADA ADI ( antes de ser expulso pelo rebento PT)que queria ser presidente em STP ( assunto negociado em Paris 1989/1990). O Gabriel Costa continua na vida política?

    • Ferreira

      25 de Junho de 2021 as 13:27

      Senhor Seabra! Duas ou três perguntas muito simples, tendo em conta a sua capacidade de compreensão.
      1- O que é que tem feito os seus sucessivos governos centrais, dirigidos pelo Pósser da Costa, Rafael Branco, Patrice Trovoada, Maria das Neves, Jorge Bom Jesus e outros, para além de distribuir ignorância e malfeitoria no país? Olha para o estado do seu pobre país ou ilha que não lhe aflige nada mas o Príncipe é que lhe incomoda? Olhá para si mesmo? Já pensou parar um bocadinho que seja e olhar para si e ver o que o senhor fez pelo seu país durante este tempo todo? Tenha este diálogo consigo mesmo antes de apontar o dedo aos outros.
      Muito obrigado

      • Seabra

        25 de Junho de 2021 as 22:54

        Senhor Ferreira Alamão da Costa Gabriel Arcanjo, lá conseguimos tirá-lo da sua TOCA(buraco)…você encheu-se de coragem para se manifestar, e responder a vários comentários. Valeu!
        Apraz-me lê-lo…sinal que o seu médico já lhe autorizou a se “agitar” paulatinamente e políticamente. Que ôptimo!
        Ora bem, o senhor estava ávido para se exprimir que de 2 a 3 perguntas acabaram sendo 4. O seu estilo, muito pessoal, de se comunicar por escrito é RECONHECÍVEL, tem traços únicamente seus, embora já lá vão anos que vocessemecê desapareceu da cena.
        Quanto aos sucessivos governos aqui citados pelo senhor Ferreira da Costa, gostaria de refrescá-lo a memória que você Gabriel já fez parte de vários governos, como os seus camaradas…inclusive o seu governo também distribuiu” ignorância e malfeitoria” em STP.
        Será necessário citá-los? Não creio.
        Todos estes camaradas políticos foram um dia os seus colegas e amigos e até foram do mesmo partido : Rafael Branco, Pósser da Costa, JBJ,Maria das Neves( MLSTP), Patrice Trovoada(ADI), e você Ferreira Gabriel da Costa, você foi a testa de ferro da campanha do Trovoada Pai, que começou em França.
        Quanto ao Pósser da Costa, sabemos que existe um grande contencioso entre você e ele, cuja razão tem a ver com o maltrato/ violência física que você tem exercido contra a sua exboquita(hoje sua mulher),que é da família do senhor Pósser. Este assunto só cabe a vós dois.
        Para terminar, queria dizer ao senhor Ferreira Gabriel Costa, que a ilha do Príncipe incomoda-me de saber dos maltratos e das negligências que os oriundos desta ílha lhe aplicam…e você faz parte destes individuos oportunistas que se servem dele como um elevador para obter posição política.
        Finalmente,cobfirmo ao senhor Ferreira da Costa que tenho sempre o diálogo comigo mesma, ou seja, com a minha consciência que não me impede de dormir” paisiblement”.
        E o senhor Ferreira Gabriel, tem esta mesma paz de consciência? Tem uma boa moral para me dizer ” olha para si mesmo”?
        Penso que não. Vejamos,eu nunca induzi alguém alguém a falsificar assinatura em meu nome para eu receber dinheiro do Estado e pôr este alguém em risco. Você Gabriel Costa, já fez isto com a sua pequena, ela assinava e ia cair diretamente na sua conta para você depois ir curtir e gastar com as suas boquitas-quatorzinhas, abandonando a sua pequena em França e por cima você casou-se com outra sem nunca ter rompido com a sua pequena, que foi informada por duas sãotomenses residentes em França.
        O senhor Ferreira Gabriel Costa quer que eu exponha tudo sobre o seu dossiê e ficámos por aqui?
        Você tem alguma moral, Gabriel?

  8. Unidade

    24 de Junho de 2021 as 6:26

    Nós próprios aqui da ilha de São Tomé que somos culpados porque tratamos muito mal o Príncipe principalmente o mlstp. Como agora vamos para 3 anos de mandato e só preocupamos com os distritos. Nada de investimento e transferência para Príncipe. O processo de energia solar EDP que começou a ser negociado com governo regional e governo central de ADI este atual conseguiu cancelar. Anfitriti 2 anos e nenhuma resposta…

  9. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    24 de Junho de 2021 as 7:39

    80% dos signatários residem fora do país.

  10. Marlene

    24 de Junho de 2021 as 7:40

    Nem posso acabar de rir. Acho incrível que queiram a autonomia mas paga pelos residentes de s.tomé. governo central não fez isso, governo central não fez aquilo. Oi? Qual a finalidade do governo regional? Nos anos dourados da HBD fizeram o quê 🧐🧐🧐?. E mais, quem ouve estes ditos intelectuais até acredita que em s.tomé estamos a curtir uma vida boa e fácil. Os residentes do reino unido podem vir cá morar na santa terrinha ( em qualquer das ilhas) antes de andar a mandar bocas foleiras

    • Junjá

      24 de Junho de 2021 as 22:01

      Camblé! Peço desculpa tratar o senhor assim. Eu sei que o senhor é político e está no direito de continuar a espalhar a sua ignorância em muitos lugares, como alias a maioria dos políticos do nosso país faz. Mas o senhor deveria, em primeiro lugar, ler e investigar um bocadinho só (não é preciso muito) o conceito de autonomia e então vir para cá com mais responsabilidade e argumentos falar sobre este tema. E eu não estou a pedir o senhor Camblé para ler grande livros ou coisa parecida. Basta o senhor ir para a Wikipédia e o senhor encontra lá a definição, ainda que superficial, do conceito de autonomia. A autonomia, em termos políticos, de acordo com a Wikipédia, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade as suas próprias leis e normas com vista a proporcionar aos habitantes daquele território condições de desenvolvimento. Este conceito difere do de soberania, segundo a Wikipédia, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática por exemplo ou relações internacionais, o que faz com que na autonomia, os poderes não são plenos.
      Senhor Camblé percebeu agora ou quero que eu faço um desenho para o senhor? Eu sei que o senhor deve ser ministro ou Diretor e como o senhor existe aqui em S.T.P muita gente que manifesta este tipo de ignorância. Portanto este não é um problema político mas de manifestação de ignorância. É por isso, mesmo, que é preciso um trabalho de explicação, sensibilização, informação e até de formação para os políticos em primeiro lugar porque são também pessoas que precisam de formação nesta área e noutras áreas. Basta ver como o país está e as decisões que os políticos tomam todos os dias.
      O senhor sabia, por exemplo, que as autarquias têm autonomia? O senhor sabia, por exemplo, que os poderes constitucionais que conformam a atuação dos diversos órgãos de soberania no nosso país decorrem da autonomia e interdependência entre eles?
      A explicação relacionada com o facto do país ser constituído por duas ilhas e como tal uma delas não poder ter autonomia é, por si só, a maior manifestação de ignorância porque o senhor não sabe nada sobre organização administrativa, autonomia, descentralização, regionalismo e até democracia como elementos centrais de estruturação de um verdadeiro estado de direito democrático.
      Por isso eu estou com os irmãos do príncipe e até acho que alguns deles são mais inteligentes do que a maioria de nós, sobretudo políticos que nos governam de forma desgraçada, que andam a espalhar a grandiosidade do nosso forro perante outros habitantes do nosso S.T.P.

    • Ferreira

      25 de Junho de 2021 as 13:31

      Faz-me confusão que a senhora diga que a autonomia seja paga pelos residentes de S.Tomé e não tenha a coragem de dizer para onde vai o dinheiro dos contratos de pesca que o país faz com entidades estrangeiras cujo domínio de intervenção destes barcos se restringe às águas do mar do Príncipe tendo em conta que em S.Tomé já não há peixe. A senhora já pensou nisso? A senhorita Marlene já pensou que os contratos para exploração de petróleo estão praticamente todos inseridos na +area geográfica do Príncipe? A senhorita sabia disso? A senhorita deveria perguntar em primeiro lugar para onde vai este dinheiro.
      Muito Obrigado

      • Marlene

        25 de Junho de 2021 as 19:37

        Eu adoraria que o príncipe se tornasse independente. Lembro-me lindamente do ex-presidente dizer que o príncipe não precisava mais dos tecnocozecos de s.tomé, e dos sucessivos relatório do TC onde ficava transparente o total desrespeito pelas regras da governação nem que fosse no faz de conta. Vamos lá dividir as ilhas, fazer o percentual por território e população e vamos ver o que cabe ao Príncipe. Aqui não há pão para maluco nem pente para carecas, querem mais façam mais. Sempre a passar a bola da culpa nunca assumindo a responsabilidade de não fazer. Afff e escusa de andar a mandar verificar a Wikipédia que em termos de ensino/educacionais é a fonte de conhecimento menos confiável que existe.

        • Ferreira

          25 de Junho de 2021 as 22:19

          Senhorita Marlene! Vamos dividir sim. Eu quero e muito. E depois quero ver onde vão buscar o peixe que comem desalmadamente nas vossas mesas. Acaba a exploração do petróleo que já começaram a comer a “massa”. Ai é que eu quero ver a dança. Gostava de vê-la a chorar porque os bons peixes que a senhora come desalmadamente ao almoço e jantar, vindos do Príncipe, a senhora passaria a comer voador panhã que é a vossa dieta alimentar diária e búzios de mato. Fartava de me rir.

  11. Arménio Camblé

    24 de Junho de 2021 as 9:44

    Como disse e escreveu muito bem o Senhor “Bandalheira”, faço questão de repor para uma saudáveçl reflexão;
    ” Sou do principe e acho isso uma autêntica palhaçada. Cabo Verde tem 9 ilhas habitadas, não são autónomo. Quando que um país formada por duas ilhas uma é autónoma da outra? Isso só pode ser brincadeira. A culpa de tudo isso é dos sucessivos governos centrais. Deixaram a ilha do principe para um grupo herdar, a que exercer autoridade do Estado em todo território nacional e ponto final. Estupidez. Ninguém presta conta nesta ilha. ”
    Haja paciencia caros irmãos. Digo irmão porque também sou natural do Principe pese embora esteja no exterior ha largos anos. Não é o regionalismo que me faz mudar da forma de pensar, porque mais do que regionalista, sou nacionalista.
    Quanto ao Sr, “Junga” (que não dá a cara e se esconde por detrás de um falso nome) e o seu comentário, ou melhor a sua comédia, vai o meu apelo patra ler o que acabei de transcrever do Sr. Bandalheira.

    • Junjá

      24 de Junho de 2021 as 21:59

      Camblé! Peço desculpa tratar o senhor assim. Eu sei que o senhor é político e está no direito de continuar a espalhar a sua ignorância em muitos lugares, como alias a maioria dos políticos do nosso país faz. Mas o senhor deveria, em primeiro lugar, ler e investigar um bocadinho só (não é preciso muito) o conceito de autonomia e então vir para cá com mais responsabilidade e argumentos falar sobre este tema. E eu não estou a pedir o senhor Camblé para ler grande livros ou coisa parecida. Basta o senhor ir para a Wikipédia e o senhor encontra lá a definição, ainda que superficial, do conceito de autonomia. A autonomia, em termos políticos, de acordo com a Wikipédia, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade as suas próprias leis e normas com vista a proporcionar aos habitantes daquele território condições de desenvolvimento. Este conceito difere do de soberania, segundo a Wikipédia, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática por exemplo ou relações internacionais, o que faz com que na autonomia, os poderes não são plenos.
      Senhor Camblé percebeu agora ou quero que eu faço um desenho para o senhor? Eu sei que o senhor deve ser ministro ou Diretor e como o senhor existe aqui em S.T.P muita gente que manifesta este tipo de ignorância. Portanto este não é um problema político mas de manifestação de ignorância. É por isso, mesmo, que é preciso um trabalho de explicação, sensibilização, informação e até de formação para os políticos em primeiro lugar porque são também pessoas que precisam de formação nesta área e noutras áreas. Basta ver como o país está e as decisões que os políticos tomam todos os dias.
      O senhor sabia, por exemplo, que as autarquias têm autonomia? O senhor sabia, por exemplo, que os poderes constitucionais que conformam a atuação dos diversos órgãos de soberania no nosso país decorrem da autonomia e interdependência entre eles?
      A explicação relacionada com o facto do país ser constituído por duas ilhas e como tal uma delas não poder ter autonomia é, por si só, a maior manifestação de ignorância porque o senhor não sabe nada sobre organização administrativa, autonomia, descentralização, regionalismo e até democracia como elementos centrais de estruturação de um verdadeiro estado de direito democrático.
      Por isso eu estou com os irmãos do príncipe e até acho que alguns deles são mais inteligentes do que a maioria de nós, sobretudo políticos que nos governam de forma desgraçada, que andam a espalhar a grandiosidade do nosso forro perante outros habitantes do nosso S.T.P.

  12. Jorge Salvaterra de Barros

    24 de Junho de 2021 as 11:39

    O que é isto de autonomia efectiva? Quem são os filhos do Principe? Existe ilha de São Tomé e existe a Ilha do Príncipe em separado? Não . Existe sim as ilhas de São Tomé e Principe.

    Então daremos autonomia a ilha de São Tomé e autonomia a ilha do Principe. Agora autónomo em relação a quem?

    • Junjá

      24 de Junho de 2021 as 22:03

      Jorge Salvaterra de Barros! Peço desculpa tratar o senhor assim. Eu sei que o senhor é político e está no direito de continuar a espalhar a sua ignorância em muitos lugares, como alias a maioria dos políticos do nosso país faz. Mas o senhor deveria, em primeiro lugar, ler e investigar um bocadinho só (não é preciso muito) o conceito de autonomia e então vir para cá com mais responsabilidade e argumentos falar sobre este tema. E eu não estou a pedir o senhor Jorge Salvaterra de Barros para ler grande livros ou coisa parecida. Basta o senhor ir para a Wikipédia e o senhor encontra lá a definição, ainda que superficial, do conceito de autonomia. A autonomia, em termos políticos, de acordo com a Wikipédia, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade as suas próprias leis e normas com vista a proporcionar aos habitantes daquele território condições de desenvolvimento. Este conceito difere do de soberania, segundo a Wikipédia, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática por exemplo ou relações internacionais, o que faz com que na autonomia, os poderes não são plenos.
      Senhor Jorge Salvaterra de Barros percebeu agora ou quero que eu faço um desenho para o senhor? Eu sei que o senhor deve ser ministro ou Diretor e como o senhor existe aqui em S.T.P muita gente que manifesta este tipo de ignorância. Portanto este não é um problema político mas de manifestação de ignorância. É por isso, mesmo, que é preciso um trabalho de explicação, sensibilização, informação e até de formação para os políticos em primeiro lugar porque são também pessoas que precisam de formação nesta área e noutras áreas. Basta ver como o país está e as decisões que os políticos tomam todos os dias.
      O senhor sabia, por exemplo, que as autarquias têm autonomia? O senhor sabia, por exemplo, que os poderes constitucionais que conformam a atuação dos diversos órgãos de soberania no nosso país decorrem da autonomia e interdependência entre eles?
      A explicação relacionada com o facto do país ser constituído por duas ilhas e como tal uma delas não poder ter autonomia é, por si só, a maior manifestação de ignorância porque o senhor não sabe nada sobre organização administrativa, autonomia, descentralização, regionalismo e até democracia como elementos centrais de estruturação de um verdadeiro estado de direito democrático.
      Por isso eu estou com os irmãos do príncipe e até acho que alguns deles são mais inteligentes do que a maioria de nós, sobretudo políticos que nos governam de forma desgraçada, que andam a espalhar a grandiosidade do nosso forro perante outros habitantes do nosso S.T.P.

    • Ferreira

      25 de Junho de 2021 as 13:34

      Não espalhe a ignorância com tanta facilidade. Vai ler em primeiro lugar o conceito de autonomia. Por favor, respeite a si próprio antes de falar sobre aquilo que nunca leu ou investigou.

  13. Zé de Neves

    24 de Junho de 2021 as 18:16

    Dei-me ao trabalho de ler o manifesto e a conclusão é a seguinte:

    O problema do Princípe, segundo estes rapazes, é não poderem ter acesso à “massa” sem que esta passe primeiro por São Tomé. Essa é que é essa, querem acesso à teta.

    Proposta, e porque não fundam um partido independentista que vá a eleições com uma proposta muito mais revolucioária e que corte de vez a lgação a ST. Vá força, coragem!

    • Junjá

      24 de Junho de 2021 as 22:05

      Não!!! Não é este o problema.. Eu sei que o senhor é político e está no direito de continuar a espalhar a sua ignorância em muitos lugares, como alias a maioria dos políticos do nosso país faz. Mas o senhor deveria, em primeiro lugar, ler e investigar um bocadinho só (não é preciso muito) o conceito de autonomia e então vir para cá com mais responsabilidade e argumentos falar sobre este tema. E eu não estou a pedir o senhor para ler grande livros ou coisa parecida. Basta o senhor ir para a Wikipédia e o senhor encontra lá a definição, ainda que superficial, do conceito de autonomia. A autonomia, em termos políticos, de acordo com a Wikipédia, é a qualidade de um território ou organização de estabelecer com liberdade as suas próprias leis e normas com vista a proporcionar aos habitantes daquele território condições de desenvolvimento. Este conceito difere do de soberania, segundo a Wikipédia, uma vez que um Estado soberano tem plenos poderes sobre si próprio em termos de representação diplomática por exemplo ou relações internacionais, o que faz com que na autonomia, os poderes não são plenos.
      Senhor percebeu agora ou quero que eu faço um desenho para o senhor? Eu sei que o senhor deve ser ministro ou Diretor e como o senhor existe aqui em S.T.P muita gente que manifesta este tipo de ignorância. Portanto este não é um problema político mas de manifestação de ignorância. É por isso, mesmo, que é preciso um trabalho de explicação, sensibilização, informação e até de formação para os políticos em primeiro lugar porque são também pessoas que precisam de formação nesta área e noutras áreas. Basta ver como o país está e as decisões que os políticos tomam todos os dias.
      O senhor sabia, por exemplo, que as autarquias têm autonomia? O senhor sabia, por exemplo, que os poderes constitucionais que conformam a atuação dos diversos órgãos de soberania no nosso país decorrem da autonomia e interdependência entre eles?
      A explicação relacionada com o facto do país ser constituído por duas ilhas e como tal uma delas não poder ter autonomia é, por si só, a maior manifestação de ignorância porque o senhor não sabe nada sobre organização administrativa, autonomia, descentralização, regionalismo e até democracia como elementos centrais de estruturação de um verdadeiro estado de direito democrático.
      Por isso eu estou com os irmãos do príncipe e até acho que alguns deles são mais inteligentes do que a maioria de nós, sobretudo políticos que nos governam de forma desgraçada, que andam a espalhar a grandiosidade do nosso forro perante outros habitantes do nosso S.T.P.

    • Ferreira

      25 de Junho de 2021 as 13:38

      Ainda bem que é mesmo o senhor que pensa em “massa” e “teta”. Isso diz tudo da perceção que o senhor e os seus, políticos dos diferentes governos centrais, têm da governação de um país. Isto diz tudo sobre o seu caráter e dos seus camaradas do partido e da ilha. Por favor estamos juntos mas não estamos misturados. É também por isso que o país está como está.

  14. MÁRIO MARTINS

    25 de Junho de 2021 as 6:03

    Antes de mais nada informo aos distraídos que era previsível, alias já fiz comentário ao respeito desse tema”Autonomia”. Devemos saber que essas ilhas são inseparáveis. A questão está no Bicho Homem/ ganância e falta de várias oportunidades. Os homens estão de passagem e estas ilhas estarão sempre Unidas. Subscreveram 190 cidadão na Diáspora e os que vivem nas ilhas são 163. Hora vejamos,falta saber da idade dos que estão de acordo. Já vimos as distintas categorias, sobretudo muitos intelectuais que estão dando cabedal na terra dos outros incluindo eu que também estou distante. saibam uma simples coisa; Os que ergueram e engrandeceram as ilhas durante o período colonial, certamente não tinham tanta sabedoria,certamente só tinham 4ª classe, muitas das vezes analfabetas. Sim tinham vontade de trabalhar, por isso deixaram esses edifícios de referencia que hoje os Governos transformaram em Hoteis ou sua casa. Não havia fome, havia conforto e muito trabalho para todos. Por isso, caros compatriotas, a Autonomia não será solução do problema, será inicio de outros …. Essas duas Ilhas e eu diria Três incluindo Ano Bom, são reféns de má governação e de má fé dos que vivem na Diáspora querem esticar tentáculos e destruir em vez de Unir e lutar contra Pobreza. Bem Haja!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo