Política

Reabilitação do Centro de Saúde Militar das FASTP com apoio de Portugal

Realizou-se no Centro de Saúde Militar (CSM) das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe (FASTP), em 10 de setembro de 2021, uma cerimónia alusiva à reabilitação desse Centro, cuja obra foi efetuada com o apoio do Estado-Maior-General das Forças Armadas  (EMGFA) de Portugal, bem como a doação de consumíveis hospitalares e medicamentos a esse Centro, através do Hospital das Forças Armadas.

A obra em apreço, decorreu entre março e julho do corrente ano e foi coordenada pelo Adido de Defesa junto à Embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe, Coronel Costa dos Reis, tendo contado, para o efeito, com o apoio técnico do Assessor Técnico do Projeto 3 (Pelotão de Engenharia Militar de Construções) da Cooperação no Domínio da Defesa (CDD), 1º Sargento de Engenharia Cláudio Barros, do Exército Português.

A intervenção no CSM foi realizada com recurso à Companhia de Engenharia do Exército santomense, com um efetivo permanente de 02 Sargentos e 09 Praças.

Adicionalmente, e no âmbito da capacitação das Forças Armadas e das Forças de Segurança, Proteção Civil e Bombeiros de São Tomé e Príncipe com competências destinadas a prestar primeiros socorros e a estabilizar uma vítima em situação de emergência médica, foram ainda entregues diplomas a 12 formandos que frequentaram com aproveitamento o curso de formação de formadores no âmbito do Suporte Básico de Vida. Esta iniciativa foi coordenada pela CDD, mormente o Projeto 2 (Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe), e contou com a participação do EMGFA de Portugal, através da Unidade de Ensino, Formação e Investigação da Saúde Militar e do NRP Zaire.

A cerimónia contou com a presença do Primeiro-Ministro na qualidade de Ministro da Defesa e Ordem Interna de São Tomé e Príncipe, Dr. Jorge Bom Jesus, do Ministro da Defesa Nacional de Portugal, Professor Doutor João Gomes Cravinho, do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe , Brigadeiro Idalécio Pachire, do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de Portugal, Almirante António Silva Ribeiro, do Embaixador de Portugal, Dr. Rui Carmo e do Chefe do Estado-Maior do Exército de Portugal, General José Nunes da Fonseca, para além de outras entidades civis e militares.

A concretização da obra no CSM consubstancia-se em mais um testemunho da proximidade que caracteriza a cooperação entre Portugal e STP, particularmente em setores de crucial importância para a família militar e a população no geral.

Fonte : Adido de Defesa da Embaixada de Portugal em São Tomé e Príncipe

    8 comentários

8 comentários

  1. A Pátria

    13 de Setembro de 2021 as 10:32

    Podem reabilitar e apetrechar que eles vão roubar aquilo tudo. Se no hospital central não tem controlo, naquela enfermaria ainda é pior. Os oficiais daquele quartel não têm nada que fazer. Ganham o dinheiro do estado a boa vida, todos gordos, sentam nos escritórios a fofocar e dar ordens para cumprir. Por isso que eles têm o tempo mais que suficiente para planear os golpes. O único que vos estende a mão só é Portugal, porque o resto já vos conhece como dirigentes incompetentes e preguiçosos.
    Esse país não tem futuro.

  2. Anjo+do+Céu

    13 de Setembro de 2021 as 14:50

    Só agora ke abriram os olhos? D4esde Independencia deveria ter um Hospital Militar forte com todas as valencias num espaço adequado e não uma enfermaria de 6 camas onde posderiam usufruir dos apoios destinados aos Militares e não só para um País tão pequenno.Mente fechada.
    Até Ministro Joao Cravinho cansou de rir com esta cerimonia pensado que ia ver um verdadeiro hospital Militar.Francamente

  3. Tony

    13 de Setembro de 2021 as 17:06

    Pois…. novamente ajuda externa !! porque STP pela sua mão não consegue fazer nada, isto é a historia da independencia !!

    Somente, critico a intervenção no centro de saude militar, e não no hospital Central. Porquê, porque o exercito em STP é unica e exclusivamente uma despesa… Não serve para nada a não ser engordar pseudos oficiais, sargentos e afins, nunca tiveram uma luta armada, é obsoleto em equipamentos, alias antes da independencia nada ocorreu a nivel militar, não entendo a existencia do “exercito” de STP. Qualquer vizinho invade Stp em horas, mas nem esse caso existe!

    Deviam , sim investir em segurança interna atraves das policias, vejam muitos Paises que acabaram com exercitos de brincadeira, é só ir ao google !!

    Mas no fim têm que ser sempre os Portugueses, Brasileiros, etc

  4. Paulo Durães

    13 de Setembro de 2021 as 20:19

    Nestas alturas o JBJ fica todo torto e a curva-se como se de um japonês trata-se. Quando é para esticar a mão parecem os filhos bem comportados a espera da semanada. Francamente. PT tem que voltar para arrumar com estes gajos pah. Como querem negociar em high tablet sabendo que têm postura de pedinte?
    A caminhar para o abismo!!!

  5. Lima

    14 de Setembro de 2021 as 12:05

    Pouca vergonha.Depois da independencia destruimos tudo.Nao soubemos fazer a diferencia entre os bens publicos e os bens privados.Nao soubemos conservar ,manter e mesmo amelhorar o pouco que nos tinham deixado e que foi construido com o suor do nosso povo e a nossa economia na epoca colonial.Porque tudo isso que existia foi apesar de tudo o nosso cacau,cafe, copra etc que de uma estranha manobra foi utilizado para que possamos ter tudo aquilo que na epoca tinhamos mesmo se nao nos servia completamente mas nos nao precisavamos ter sempre a necessidade de pedir junta medica para receber tratamento em Portugal.
    Hoje sem esse pedido quase nenhuma doenca é tratada na terra.Esse famoso visto que nem sempre é obtido,essa famosa junta medica que é tao rara e que so aqueles tais ou tais podem obter.
    Pois é, portugal,nao oferece so armas oferece tambem hospital.
    Mas ate quando vamos saber respeitar aquilo que temos ou que nos”dao”?Ate quando o roubo, o destrago dos bens publicos vai parar?Onde esta o hospital de Agustinho Neto?
    Estamos agora colonizados de uma outra maneira.Com dividas mesmo se qualquer pais du mundo tem dividas mais o nosso nem tem nome.Nao sabemos quando nem quanto temos que pagar.Com essas “ofertas”a terra esta hipotecada.
    So agora estao a aprender os gestos de promeiro secorro?Mais de quarenta anos?Esses gestos deveriam ser explicados nas escolas,nos policias, sempre com reciglagem nos hospitais,nos postos medicos da saude etc etc.
    Quando eu vejo certas fotos da-me impressao que a era nao mudou.Sempre brancos a mostrarem aos pretos como deve ser feito.Saimos para estagios,estamos sempre a procura de minima oportunidade para percorer o mundo ecibindo que estivemos em tal ou tal pais,regressamos com as malas cheias ou com o bolso cheio porque sao utilizamos o dinheiro da conferencia ou do estagio porque queremos acabar a casa e meter uma piscina etc etc.
    Que fazer de nos?200000 almas em que ralvez uma minima percentagem transformou em bobo.
    Voce de 60,voce de 70 voce de um pouco mais de 50,nao te esquecas que ias a escola com os pes no chao,ias ao liceu so com uma sapatilha durante o ano lectivo e muitas vezes com furo.
    Entao se hoje tens nao tenha demais.Pense nos outros acompanhe os outros ,os filhos dos outros sem que ela ou ele seje da tua familia ou a tua “vivencha”.

    Os digamos diplomados,esses doutores de todas as marcas que temos,formados eles nas altas escolas segundo certas exibicoes (Sorbone,Coimbra,etc) nao sabem dar exemplos,nao sabem educar os que infelizmente nao obtiveram e nem obterao essa oportunidade.
    Enfim uma coisa é ter fome,outra coisa é comer,lamber os pratos e as panelas ate fazer burraco sem se aperceber que quem fica a perder somos nos porque ja nao teremos nem pratos nem panelas para eventualmente preparar de novo uma comida.Esquecemos sempre que teem-se que comer pelo menos uma refeicao por dia.

  6. Fuba cu bixo

    14 de Setembro de 2021 as 14:09

    Nos nem uma reabilitação conseguimos fazer com o nosso dinheiro é muito triste, o pouco dinheiro que conseguimos nos roubamos e compramos casa em Portugal e enchemos a nossa cara assim são os camaradas governantes.

  7. Chicão+da+Mina

    15 de Setembro de 2021 as 9:34

    Estou cansado de dizer mas aqui vai mais uma vez: STP DEVERIA FAZER UM REFERENDO. PERGUNTAR AO POVO SE QUER OU NÃO QUER SER UMA REGIÃO AUTONOMA DE PORTUGAL COMO A MADEIRA OU OS AÇORES. SERIA MUITO MELHOR PARA O POVO E CONCERTEZA QUE SE ACABAVA COM MUITAS VERGONHAS DOSA NOSSOS GOVERNANTES. TENHO DITO.

  8. Antônio martins

    18 de Setembro de 2021 as 14:26

    São Tomé através de alguns políticos e uma tristeza e vai continuar
    Eu que fui roubado pelo estado de são Tomé através dos políticos se estes tivessem vergonha nunca mais vinham ao meu país Portugal pedir fosse o que fosse
    Cambada de corrupotos vigaristas
    Perdi o meu dinheiro que me custou a ganhar para ser roubado e ser dado aos chineses Agostinho Neto
    Espero um dia acertar contas com o traste desse ministro de meia tijela
    E bom que eu não me cruze mais com essa porcaria no meu país
    Por mim nao e bem vindo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo