Política

Vaidade de alguns impediu Evaristo Carvalho de reencontrar-se com a sua ancestralidade em Santana

Reencontro com a sua ancestralidade no cemitério de Santana, foi um dos grandes desejos do ex-Presidente da República, Evaristo Carvalho. A revelação foi feita ao país pelo filho, Pedro Carvalho, quando em nome da grande prole de Evaristo Carvalho, leu a mensagem fúnebre e de despedida do pai no cemitério de Alto São João.

A cerimónia fúnebre realizada no dia 4 de Junho, revelou que Evaristo Carvalho não queria ser sepultado no cemitério da capital São Tomé, o Alto São João.

«Quis o destino que os homens da sua terra, não ouvissem esse apelo do chamamento da terra mãe, o que não permitiu a restituição do seu corpo às terras de Santana, o que daria uma dimensão transcendental de reencontro com a sua ancestralidade», declarou o filho Pedro Carvalho.

Evaristo Carvalho queria morrer em São Tomé e repousar na sua terra natal, Santana.

«Evaristo Carvalho tinha um desejo profundo que mesmo na agonia da morte pôde exprimir claramente, morrer na sua terra», reforçou.

No entanto foi em Portugal em que a morte roubou a vida do ex-Presidente da República.

Pedro Carvalho – Filho de Evaristo Carvalho na leitura da mensagem de despedida

Em nome dos filhos e filhas, cerca de 25, o representante Pedro Carvalho, denunciou que foi por vaidade de alguns são-tomenses(autoridades), que o nex-Presidente não foi sepultado em Santana.

«Insistia sempre em evidenciar as suas origens. A terra que o viu nascer e que acolheu o seu Ululu(cordão umbilical). Esta terra onde infelizmente e por vaidade de alguns, não repousarão para sempre os seus restos mortais. Muitas histórias contou ele sobre Santana, onde viveu até aos 10 anos», pontuou.

Uma semana após o funeral de Estado, o Téla Nón realça a verdade sobre o desejo do ex-Presidente, que foi insatisfeito por vaidade de alguns.

Momento alto do funeral no cemitério do Alto São João, na capital São Tomé

Mas, o seu legado vai perpetuar no seio da sociedade são-tomense. Evaristo Carvalho, escreveu sua memória e deixou para os filhos divulgarem.

«A memória que ousou escrever e que posteriormente publicaremos, será um inquestionável contributo, tanto para as gerações actuais como aquelas que hão de nos suceder», concluiu Pedro Carvalho, porta voz dos filhos.

Abel Veiga

6 Comments

6 Comments

  1. Fernando sousa rio

    10 de Junho de 2022 at 11:11

    ok. Muito bem. Mas, com muito respeito os filhos do ex-presidente Evaristo devem saber que ele deixou de ser exclusivamente deles e passou a ser uma pertença do Estado e da Nação santomense.Ele foi e é um simbolo da nossa pátria. Por isso, o Estado santomense tinha que ter a ultima palavra.

    É bom, caso não exista legislação que os políticos comecem a alinhavar as arestas sobre o assunto.

  2. sempre amigo

    10 de Junho de 2022 at 12:30

    Credo,credo,credo!Aproveita-se tudo, em qualquer altura e em qualquer circunstancia,para instalar polemicas.CREDO!Nem sequer se deixa arrefecer o cadaver do ex-cidadao ex-Presidente da Republica,desrespeitando a memoria daquele que sempre evitou alimentar polemicas, um defensor do dialogo,em forjador permanente de consensos entre conterraneos desacertados.Os familiares do cidadao EVARISTO CARVALHO vao ter que respeitar a sua vontade derradeira.Os restos mortais enterrados no Alto de Sao Joao na capital da RDSTP eram os do ex-Presidente EVARISTO DO ESPIRITO SANTO CARVALHO,e nao do cidadao Evaristo de Carvalho.Este podera ser,a seu tempo, transladado para o cemiterio de Santana ,no “reencontro com a sua ancestralidade.”As cerimonias funebres no Alto de Sao Joao, na capital,foram as do ESTADO santomense ao seu antigo chefe.

  3. Sem assunto

    10 de Junho de 2022 at 15:02

    É um Estado que viola e passa por cima dos direitos e desejos de todos, das crianças, dos adultos, dos velhos e até dos mortos.
    Terra de selvagens!

    • Gregorio+Furtado+Amado

      11 de Junho de 2022 at 12:12

      Salazar quando morreu ele foi enterrado no cemitério de Santa Coba dão sua terra natal. Lá em Portugal não há Estado? Só aqui em São Tomé é que tem Estado? Que parte da constituição que se encontra isso escrito? Foi capricho desses vigarista que o Presidente aceitou cedendo. Não fica bem fazer campanha até com sentimento do cidadão.

    • Carlos Alberto do Espirito Santo

      11 de Junho de 2022 at 15:33

      Voçê è ignorante e burro

  4. Mepoçom

    12 de Junho de 2022 at 15:20

    A política tornou-se uma cultura na sociedade que nem defunto escapa! Será que fazem do cemitério do Alto de São João um panteão? Se é que cada filho ilustre da Nação que morre tem o direito a um jazigo para depósito de seus restos mortais, porque não enterrar o Evaristo em Santana, com as mesmas cerimónias, cumprindo o seu último desejo, e construir ali um jazigo com uma lápide do malogrado, até valorizaria historicamente a cidade ou vila como queiram chamar!? Até subscrevo com o comentário de quem mencionou Salazar que foi enterrado na sua terra natal, Santa Comba Dão, em 1969, no auge da política do fascismo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top