Política

Resposta às preocupações dos EUA em relação à questão de Taiwan

Os EUA alegam que a China mudou o status quo no Estreito de Taiwan e esperam que a China tenha maior contenção!

  • Taiwan nunca foi um país. Existe apenas uma China e ambos os lados do Estreito de Taiwan pertencem a um país. Este tem sido o status quo de Taiwan desde os tempos antigos. O Comunicado Conjunto China-EUA sobre o Estabelecimento das Relações Diplomáticas emitido em 1978 enfatiza claramente que o governo da República Popular da China é o único governo legal que representa toda a China, e Taiwan faz parte da China, o que tem sido o status quo em todo o Estreito de Taiwan por décadas.”

Quem quebrou o status quo?

”O destruidor não é a China, mas os Estados Unidos e as forças separatistas de Taiwan.” No ano 2000, os EUA criaram unilateralmente o ‘Ato de Relações de Taiwan’, pondo em causa os três comunicados conjuntos China-EUA. Isso não está mudando o status quo?

Há alguns anos, os EUA impuseram descaradamente o chamado ‘Seis Garantias’, que foi mantido em segredo, em sua declaração de política de uma só China. Isso não está mudando o status quo? A escalada das vendas de armas dos EUA a Taiwan continuaram a aumentar, totalizando mais de 70 mil milhões de dólares, ou seja, mais de 1,1 mil milhões durante o actual governo dos EUA.

Os EUA ajudam Taiwan a expandir o seu chamado “espaço internacional”. Isso não está mudando o status quo? As autoridades do Partido Progressista Democrata (PPD) de Taiwan vêm continuamente impulsionando a ideia de “independência”, fazendo de tudo para criar “duas Chinas” ou então, uma China, e uma Taiwan”. Isso não está mudando descaradamente o status quo?

Os EUA em violação do seu compromisso de “só podem ser mantidas relações não oficiais com Taiwan” declarado nos três comunicados conjuntos China-EUA, tolerou persistentemente a visita da figura número três da administração, Pelosi, a região de Taiwan, apesar das repetidas objecções e advertências da China. Agora, está na hora de assumir a responsabilidade e as consequências devidas. No entanto, está a exigir que a China mantenha contenção. Isto é completa hegemonia, bullying e coerção.

  • Os EUA dizem que as contramedidas da China são excessivas, e os exercícios militares ameaçam a paz regional?

 Nossas contramedidas à visita de Pelosi a região de Taiwan são legítimas, razoáveis e lícitas, com o objetivo de alertar e disciplinar as forças da ‘independência de Taiwan’.

A China tem o melhor registo das Nações Unidas em questões de paz e segurança e nunca tomou a iniciativa de provocar uma guerra ou ocupou um centímetro do território de outro país. Taiwan faz parte do território da China. Nossos exercícios militares normais nas águas próximas à ilha são abertos, transparentes e profissionais, estão alinhados com nosso direito interno, direito internacional e prática internacional comum, e são ações justificadas de salvaguarda da soberania e a integridade territorial nacional.

 Os EUA e seus aliados costumam provocar problemas nas águas vizinhas da China. As forças norte-americanas realizam centenas de exercícios militares todos os anos, sem falar as guerras e ações militares ilegais. Os Estados Unidos são o país mais apropriado para receber o rótulo de quebrador de paz e origem de confusões. A táctica habitual dos EUA é criar problemas e depois utilizá-los para atingir os seus próprios objectivos. Apelamos aos EUA para não criar uma crise maior.

3.Os EUA disseram que a China suspendeu a cooperação EUA-China em áreas como as mudanças climáticas, punindo não os EUA, mas o mundo inteiro, especialmente países em desenvolvimento como a África?

A China já advertiu com seriedade e antecipação aos EUA que a visita de Pelosi a região de Taiwan irá afectar seriamente os intercâmbios e a cooperação China-EUA. A China apenas suspendeu as conversações bilaterais sobre mudanças climáticas entre a China e os EUA, mas os EUA não representam o mundo.

A China continuará a participar activamente na cooperação internacional e multilateral face às mudanças climáticas, e continuará a promover inabalavelmente o objectivo do pico do carbono e da neutralidade de carbono, especialmente fornecendo apoio e assistência dentro da sua capacidade aos pequenos Estados insulares e países em desenvolvimento, como São Tomé e Príncipe, e fazendo contribuições chinesas para enfrentar vários desafios globais. Os EUA não devem encontrar desculpas para os seus erros e devem assumir as suas próprias responsabilidades e obrigações internacionais.

4.Os EUA disseram que a comunidade internacional expressou preocupação com as acções da China?

Atualmente, mais de 170 países, incluindo São Tomé e Príncipe, se levantaram publicamente e reafirmaram sua firme adesão à política de Uma Só China e sua compreensão e apoio à posição legítima da China. O secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou claramente que as Nações Unidas continuarão a defender a Resolução 2758 da Assembleia Geral da ONU, cujo núcleo é o princípio de Uma Só China. Isto é a voz da justiça da comunidade internacional.

A norma de não interferência é a norma internacional importante, conforme estipulado na Carta das Nações Unidas. Se o princípio de não interferência nos assuntos internos dos Estados soberanos for ignorado ou abandonado, o mundo será arrastado de volta à lei da selva e os Estados Unidos se tornarão ainda mais inescrupulosos em intimidar outros países, particularmente os pequenos e médios países, com a sua chamada “posição de força”.

O povo chinês defende firmemente os seus interesses fundamentais e diz aos EUA para parar de pensar em “usar Taiwan para controlar a China” e regressar ao princípio de uma só China e aos três comunicados conjuntos China-EUA, de modo a acrescentar energia positiva ao desenvolvimento estável das relações China-EUA.

Comunicado da Embaixada da China em São Tomé e Príncipe

3 Comments

3 Comments

  1. Dionisio

    10 de Agosto de 2022 at 21:59

    Já não há mais paciência para estes comunicados tipo re-educação Comunista, os chineses tem que perceber que sómos pretos mas não somos burros.

    Se Taiwan quer ser independente da China, está no seu direito e os Santomenses não têm nada a ver com isso, é assunto do povo de Taiwan, é escusado andarem a difundir esse tipo de propaganda.

    São Tomé e Príncipe também se tornou independente de Portugal, hoje somos felizes, Portugal tamvem é feliz, temos gente do lado de cá e do lado de lá e cada um segue o seu caminho.

    • Kuca

      11 de Agosto de 2022 at 8:10

      o senhor Dionisio,
      é bem sábio! e eu achou que você também quer deixar a ilha Príncipe ser independente e cujo povo estar em feliz,nhé?

  2. bocal_k

    11 de Agosto de 2022 at 13:43

    Viva os EUA!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top