Política

Comandante Geral da Polícia de Moçambique dá lição aos agentes da polícia de STP

Bernardino Rafael, comandante-geral da polícia de Moçambique visitou esta sexta-feira as instalações da escola de formação de polícia, e o comando da polícia do distrito de Água Grande que envolve a capital São Tomé.

O comandante moçambicano visita o país no âmbito da celebração do quadragésimo sétimo aniversário da institucionalização da polícia nacional de São Tomé e Príncipe.

Acompanhado pelo superintendente Roldão Boa Morte comandante geral da polícia nacional, o visitante conversou com os agentes da polícia nacional responsáveis pelos diversos departamentos. Constou in loco, que a criminalidade, os acidentes de viação, a violação sexual e a violência doméstica estão a aumentar em São Tomé e Príncipe.

Comandante Geral da Polícia Nacional Superintendente Roldão Boa Morte e o seu homólogo moçambicano Bernardino Rafael

No entanto, Bernardino Rafael, chamou a atenção dos agentes da polícia nacional, para o facto de terem que mudar de comportamento, para combater os fenómenos violentos e a criminalidade crescente.

«Onde é que o comandante vai arranjar gabinete para todos os polícias?», interrogou.

Em diálogo com os responsáveis da secção de trânsito da polícia nacional, reforçou que «têm que ir ter com as pessoas, sensibilizá-las.  O primeiro a sair para o terreno deve ser o comandante. Quando ele sair, todos os outros agentes vão sair,  tem que ser esta a teoria. Agora sentado aqui, não vai resolver nada…», precisou o chefe máximo da polícia de Moçambique, na secção de transito.

A conversa com a intendente da polícia nacional, responsável pelas questões do género e da violência doméstica, teve o mesmo sentido. Promover acções de proximidade com as populações.

«Vão trabalhar no terreno para reduzir a violência doméstica. Não exijam gabinete. Não há gabinetes para combater a violência doméstica», frisou Bernardino Rafael.

Encorajou o comandante geral da polícia nacional o superintendente Roldão Boa Morte, a intensificar o combate contra o crime e a violência, e prometeu formar mais quadros da polícia são-tomense. 

«Viemos consolidar a cooperação com a Polícia de São Tomé e Príncipe. O Presidente da República de Moçambique abre as portas da cooperação com a polícia de São Tomé e Príncipe, em que nós mesmos podemos formar cada vez mais os quadros da polícia são-tomense», concluiu.

Moçambique tem tradição na formação dos agentes da polícia nacional, e manifesta-se disponível para receber nas suas academias, mais oficiais da polícia são-tomense.

O comandante da polícia de Moçambique está em São Tomé no quadro da celebração este sábado, 27 de Agosto do quadragésimo sétimo aniversário da institucionalização da polícia.

Abel Veiga  

3 Comments

3 Comments

  1. Guilherme

    26 de Agosto de 2022 at 18:19

    Titulo exagerado e deselegante

    Não devemos confundir partilha de conhecimentos e de experiências com “dar lições”. Julgo que o Comandante moçambicano está partilhando os seus conhecimentos e experiência profissional, pois que, pelo elevado índice de criminalidade de todas as espécies do quotidiano moçambicano, incluindo terrorismo, traição e corrupção nas fileiras da policia e não só, obriga o Comandante a ser um homem de “todo terreno”. Contudo, concordo plenamente com a politica de proximidade aos cidadãos e a preparação acadêmica, física e ética contínua dos nossos policias. Sobretudo, elevar os requisitos para ser policia e apostar na sensibilização para prevenção de acidentes e crimes.

  2. Sem assunto

    26 de Agosto de 2022 at 20:00

    O homem numa visita relâmpago constatou de que por cá andam sentadinhos nos confortáveis gabinetes debaixo do ar condicionado afrente do computador, gordinhos, meio deformados e inchados, feito meninos precisando de desparasitantes, enquanto lá fora a prosmicuidade, o vandalismo, o abuso sexual entre outros, cresce num ritmo assustador, dizem estar na luta, todavia deles só ordens, prática zero.
    Obrigado senhor comandante geral da polícia moçambicana, de fato estas lutas travam se no terreno e não nos gabinetes.
    Acorda São Tomé, é agora ou nunca.

  3. VAI TU

    28 de Agosto de 2022 at 15:03

    Gostava que informasse qual o horário de prestação de serviço da Polícia.
    Das 18h às 06h não há Polícia na rua excepto os gratificado à porta dos Ministérios, Bancos e em edifícios de Organismos Internacionais.
    E o resto, todos os outros lugares do País quando há um apagão.
    A segurança é uma miséria, à vinte anos ou mais, talvez não fosse necessário uma força musculada na rua à noite, mas agora infelizmente a criminalidade aumentou muito. Compreensível com a situação social em S.Tomé e Príncipe

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top