Sociedade

Ruiu mais um edifício de valor arquitectónico e histórico

 

Uma parte da antiga casa de Patrão da Roça Amparro II, ruiu no último fim de semana. O edifício que décimo quarto Governo Constitucional liderado por Patrice Trovoada concedeu à ordem dos advogados de São Tomé e  Príncipe, para fixar a sua sede, não resistiu ao abandono.

Localizado há cerca de 3 quilómetros da capital São Tomé, o edifício que funcionou na década de 90 como escritório central de um dos projectos de desenvolvimento agrícola de São Tomé, passou para a tutela do ex-Presidente Fradique de Menezes, e depois regressou para administração do Governo.

No dia 20 de Julho do ano 2011, o décimo quarto governo constitucional, reunido em conselho de ministros, produziu uma resolução em que decidiu conceder a casa grande de Amparro II à Ordem dos Advogados de São Tomé e Príncipe, para aí instalar a sua sede.

A resolução do Conselho de Ministros presidida pelo então Primeiro Ministro Patrice Trovoada, dizia que à Ordem dos Advogados foi concedido o Direito Exclusivo de uso e fruição do imóvel, « a título não oneroso, e por tempo indeterminado».

Os sucessivos bastonários e bastonárias da Ordem dos Advogados(Gabriel Costa, Celiza de Deus Lima, André Aragão e Célia Posser), não conseguirem transformar o edifício de arquitetura parecida com um castelo, na sede da Ordem dos Advogados de São Tomé e Príncipe.

Célia Posser, actual bastonária da Ordem dos Advogados, confesoou ao Téla Nón que sob a sua direcção o Conselho da Ordem dos Advogados, tomou a decisão de devolver o edifício ao Estado, porque «não temos meios para manter aquilo», afirmou a Bastonária.

Há seis meses, numa diligência para informar a Direcção do Património, sobre a sua decisão a Ordem dos Advogados, recebeu uma resposta de alívio. «Fui informada que o edifício nãos nos pertencia. Há seis meses que foi retirada à Ordem, por uma deliberação do Conselho de Ministros», explicou a bastonária da Ordem dos Advogados.

«Fiquei mais descansada, pois sabíamos que ia ruir», acrescentou Célia Posser.

Ordem dos Advogados manifesta-se aliviada. O Governo que por diversas vezes anunciou que tem plano para reabilitar as casas coloniais para estimular o turismo, não reagiu, e espera que o capim cresça o mais rápido possível para esconder para sempre mais uma ruína de valor histórico-cultural e arquitectónico de São Tomé e Príncipe.

O Téla Nón sabe que o edifício que foi reabilitado e apetrechado na década de 90, poderia ter sido hoje a sede ou escritório central da Associação das Cooperativas Agrícolas de São Tomé e Príncipe. Em 2011, o Governo recusou tal possibilidade, e entregou o edifício ainda inteiro, aos advogados para que instalassem a sua sede.

A história da casa grande sob gestão do Governo terminou como de muitas outras… em ruínas.

Téla Nón

    14 comentários

14 comentários

  1. JOAO CARLOS

    26 de Março de 2018 as 15:34

    Este é o exemplo a que o País está votado; ” enquanto a burocracia e o bla bla bla dos decisores vão marcando o nosso quotidiano, o País vai-se desmoronando em toda a sua dimensão; são as antigas casas coloniais, é o abate indiscriminado das arvores é o extermínio das espécies é o roubo da areia nas praias etc… Ainda assim falam em desenvolver o turismo. é uma lastima !

  2. RL.-

    26 de Março de 2018 as 16:00

    É esse o destino dos edifícios arquitectónicos existentes nas ex-empresas agrícolas, no centro das cidades distritais e capital. Enfim sem fim. Não construímos e nem sabemos manter os que herdamos.

  3. MATRUSSO

    27 de Março de 2018 as 9:28

    No comento…

  4. manuel

    27 de Março de 2018 as 9:46

    a seis meses é um passado muito recente, logo o edifício já tinha seus dias contados para tombar. Conheci o edifico quando foi cedido a Ordem dos advogados. Enfim e assim vai o nosso S. Tomé.

  5. Joaquim Rita

    27 de Março de 2018 as 10:01

    Duas questoes a levantar sobre mais esta baixa patromonial em STP.
    Primeira questão é que de facto é de admirar como é que o governo de Patrice Trovoada em 2011 concede o edifico a Ordem dos advogados e é outra vez o governo de patrice Trovoada que retira o edificio à ordem dos advogados, sem no entanto dar satisfação a Ordem?
    Segunda questão a colocar é nada mais nada menos do que uma lamentação. Quando Fradique de Menezes geria o secador de Santa Margarida, tinha sub sua tutela este edificio que acabou de ruir. Ao desfazer-se do secador de Santa Margarida, Fradique devolveu ao Estado esse mesmo edificio de Amparo II em perfeitas condições de habitabilidade, mas no entanto fez uma proposta para que esse mesmo edificio fosse transformado num centro de arte, costura e colunaria para as jovens e adolescentes, à semelhança do espaço ainda hoje existente em São João de Angolares que ele proprio vem patrocinando desde 1998 e que já permitiu a formação de centenas de jovens sobretudo de sexo femenino. O Estado, na ocasião recusou a proposta e ai esta o resultado. A casa caiu e cada um vai saindo de mansinho, porque parece que distruir, ou o prazer de ver distruido esta no sangue de alguns.
    E assim vai o nosso Dubai.
    O Dubai que não se consegue construir, nem imitar e nem mesmo preservar o que já existe.
    Muita tristeza.

  6. Mitó

    27 de Março de 2018 as 14:24

    Oh, gente de lá! Não refiram em nome Dubai. Este nome Dubai é uma fantasia do vosso PM.
    Na altura qndo vos prometera Dubai, foi de forma irônica. Na verdade vos prometeu é oposto de Dubai, mas vocês até hoje ainda não entenderam essa promessa?
    Pensem como humanos de cabeça leve e massa cinzenta bem desenvolvida.
    Por favor não erfiram mais em nome Dubai, isso me irrita prq até hoje vocês não entenderam.

    • MIGBAI

      27 de Março de 2018 as 16:16

      Minha gente
      Isto que está a acontecer a STP desde a independência, foi e é, fruto dos actos, de sua excelência pinto da costa e seus capangas.
      Uma democracia em que não se admite a propriedade privada, é tudo menos uma democracia.
      Quando dizem, e é verdade, que a democracia se deve a pinto da costa, a realidade é que o sujeito pinto da costa, impôs-nos uma ditadura e depois uma democracia única no mundo e á sua medida.
      A base de uma democracia é o respeito pelo pensamento diferente e pela propriedade privada.
      Nós continuamos com o cooperativismo e o desrespeito pela propriedade privada.
      Olha que bela democracia que pinto da costa implantou em STP.
      Tudo destruído, tudo abandonado, tudo á mão dos oportunistas.
      Mas pronto para que certas criaturas não fiquem zangadinhas, aqui vão os meus vivas de hoje:
      Viva o comunismo;
      Viva as ocupações das roças;
      Viva a economia de direcção Central;
      Viva a ditadura do proletariado;
      Viva as nossas forças armadas;
      Vivam os nossos políticos lindos;
      Enfim viva a destruição de STP.

  7. Jose Magalhaes

    27 de Março de 2018 as 15:58

    Com politicas acertadas muitos desses edifícios seriam recuperados e colocados à disposição de instituições que pudessem fazer melhor uso deles. Temo que daqui por mais uns anos, não tenhamos nada de arquitetura colonial, que pudesse servir como legado as futuras gerações. Há muitas casas a caírem, por exemplo o edifício junto a Intermar e que em tempos foi a Direção do Cadastro, caso não houver uma intervenção, brevemente também não sobreviverá…. Definitivamente, o que anda o Governo desse País a fazer ??????

  8. José de Santo Amaro

    27 de Março de 2018 as 16:50

    Patrice Trovada não está a se preocupar com o bem-estar do povo e do país. Aproveita-se do fundo colocado a disposição dos Parceiros Intencionais para colocar no seu Banco privado instalado em sua propriedade, o ministro das finanças, governador do BCSTP e Nino Monteiro fazem parte da desgraça deste país.

    É urgente a decisão dos são-tomenses, por favor coloquem esses carrascos no Ministério Público.

  9. MRS

    27 de Março de 2018 as 19:23

    Viva Stp independente, Viva os Políticos que governaram o País nos últimos 42 anos, Viva as intenções de desenvolver o turismo em Stp, Viva os Santomenses que estão a apagar todo o Património deixado pelos Colonialistas, Viva a miséria de espírito!!!!

    • MIGBAI

      27 de Março de 2018 as 21:34

      Adorei este comentário do MRS. Vemos que consegue ser mais parvo que o pinto da costa

  10. Alcídio Lázaro de Almeida

    28 de Março de 2018 as 18:47

    Pois é; quanto ao meu modo de ver as coisa, embora possa estar enganado, é a destruição total da presença colonial; caso contrário, tão inteligentes que os governantes das ditas Ilhas Maravilhosas são, teriam aproveitado estes ricos patrimónios para fins turísticos.
    Falei!

  11. MATRUSSO

    29 de Março de 2018 as 15:26

    MIGBAI tem uma dor de cotuvelo com Pinto da Costa de dar febre de ódio até parece dor do chifre. Só que para aumentar tua dor de cotuvelo, nos 15 anos da 1ª República fez-se muito mais que em 28 anos das restantes repúblicas.

    Repara só: a excepção da chamada ditadura, tudo que se fez na 1ª República foi construtivo e para auto-sustento. E nas restantes repúblicas, concretamente apartir de 1991 foi início da instalação de ódio, da vingança, oportunismo e destruição dos bens públicos.
    De 91 até a data de hoje a destruição, ódio, vingança de oportunismo vai em crescente acelaração.
    É isto que mais doi no teu chifre.

  12. Metido a Besta

    7 de Abril de 2018 as 10:59

    Facil acusar pessoas de serem responsaveis de todo mal que acontece e tenho assistido tais afimacao em Sao Tome , Portugal, Reino Unido e os Estados Unidos de America, Alias , em Angola, Franca.

    Sem querer defender alguem,nao foi e nem sera possivel have um Pinto da Costa a chefiar todas as rocas nacionalizada e ainda bem pouco tempo ouvi uma parte da historia dos feitores que nao sabiam ler nem escrever e as folhas eram feitas por terceiros que ponham nomes dos amigos e amigas que nem trabalhavam e recebiam.

    Fradique foi vender cacau e nao recgressou se nao depois de alguns anos quando ja estava prescrito qualquer auto liicito que houvera praticado.

    Alguem publicou uma lista de crime, roubo e desvio com nome dos autores e todos ficaram sem condenacao e o Pinto da costa ja nao estava no poder.

    A quanto Pinto da Costa esta fora de poder? e que tem sido a governacao dos sucessivos governos.

    Qual parte deste mundo onde um governo necessita de 6a 7 meses para apresentar um OGE como fez o ADI a recentemente.

    Nenhum governo democratico legisla contra cidado, empresa, groupo economico, ou ainda quando sabe que alguem importa produto e ja na alfandiga vai fazer uma lei que impoe 110 a 120% de sobre taxa,

    Nao vejo a hora de regressar a sao Tome e quero ver com os meus olhos quem em sao Tome pensam que tem o poder de todo poderoso.

    As Lei da Naturesa sao bem clara vives de deixes viver porque nao sabes os dia de amanha.

    Nao tens a chave nem o control de futuro e muito nemo que sera feito de seu legado
    depois da sua parte de poder ou a morte.

    Nao sejas tolo nem tirano porque Deus odeio ambos

    Deus encarregara de retirar reino e poder ao avarentos e tiranos

    Sempre foi e continuara sendo Deus todopoderoso a Quem eu deixo a minha causa porque Ele melhor que ninguem conhece o coracao de homem e as suas maquiavelica ideias.

    Haverao de perecer juntamente com suas ideias maquiavelica

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo