Sociedade

 Escândalo de Cocaína no poder judicial de STP

Em finais de Março 58 cápsulas de cocaína foram roubadas no edifício do Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé e Príncipe. Droga que tinha sido apreendida pela Polícia de Investigação Criminal, e submetida aos tribunais como prova de crime cometido por um cidadão da Guiné Bissau que foi detido no aeroporto internacional de São Tomé. A Polícia de Investigação Criminal, conseguiu prender 5 suspeitos, e recuperou pelo menos 57 cápsulas de cocaína.

Na última terça – feira 10 de Abril, o Ministério Público de São Tomé e Príncipe, constatou que a cocaína que nos últimos anos foi apreendida pela Polícia e guardada nas suas instalações também desapareceu, ou melhor, foi roubada.

Dados ainda por confirmar, indicam que o Ministério Público de São Tomé e Príncipe, tinha um stock de cerca de 8 quilos de cocaína apreendidos a partir do ano 2015. Desta quantidade 2 quilos foram apreendidos no final de Dezembro de 2017 pela polícia de investigação criminal, numa operação no aeroporto internacional, que envolveu um cidadão são-tomense e uma cidadã do Equador.

Ambos oriundos do Brasil transportavam os 2 quilos de cocaína nos intestinos, e a mulher tinha outra parte da droga na vagina. Um cidadão Nigeriano que reside em São Tomé há mais de 14 anos, também foi detido pela Polícia como sendo o chefe da operação, aliás, esteve no aeroporto para receber as duas mulas(pessoas que transportam droga nos intestinos).

Toda droga apreendida pela PIC foi guardada no edifício da Procuradoria Geral da República Democrática de São Tomé e Príncipe. Em consequência do que aconteceu no edifício do Supremo Tribunal de Justiça em finais de Março, os agentes da Polícia de Investigação Criminal, decidiram averiguar se a cocaína guardada na Procuradoria Geral da República estava em segurança.

A averiguação provou que o poder judicial de São Tomé e Príncipe não está seguro, e que os tentáculos da teia do tráfico de cocaína em São Tomé, ameaçam dominar a estrutura do poder judicial.

Segundo fontes da PIC, cerca de 8 quilos de cocaína apreendidos nos últimos 2 anos e guardados no edifício da Procuradoria Geral da República, foram roubados.

Desde terça feira que a Polícia de Investigação Criminal, desencadeou uma operação com vista a capturar os autores do roubo da cocaína na Procuradoria Geral da República. O Téla Nón sabe que um escrivão do Ministério Público já foi interrogado pela polícia. A investigação prossegue.

Um escândalo que revela uma perigosa ameaça, para a subsistência do próprio Estado de Direito e Democrático em São Tomé e Príncipe.

Téla Nón

    6 comentários

6 comentários

  1. Pois

    12 de Abril de 2018 as 14:43

    Causa e efeito, tds funcionários judiciais que foram nomeados para trabalharem no tribunal inconstitucional do adi, estão relacionados com o caso… Tirem as vossas conclusões…

  2. MATRUSSO

    12 de Abril de 2018 as 15:08

    Agora é que são elas….

    Isto vai de pior a infinito.

    Não sei quem poderá salvar aquela terra.

    Os tropas agora têm menos de 2 bagos…
    O povo anda a espera do banho que devia ser no ano passado, mas para consumar tribunal inconstitucional talvez será este ano. E nada poderá fazer, porque com a cabala que foi montada na urna é melhor esquecer. Talvez o Batalhão Búfalo, mas quem poderá os contratar se quem os conhece é o mesmo que tomou de assalto a RDSTP.

    Quem? Quem poderá salvar aquela terra? Quem?

  3. explicar sem complicar

    12 de Abril de 2018 as 15:35

    Recordo as declarações do Deputado Jorge Amado na Assembleia depois do partido ADI ter assumido o poder em 2014 :
    ” QUE S.TOMÉ E PRINCIPE ESTAVA A CAMINHO DE UM BARCO-ESTADO ” e não só,também dando pistas e pistoleiros da droga.
    E estamos a ver isto hoje.
    Agora quero ver :
    Tendo em conta que toda a máquina do Ministerio Público é do ADI,
    Como vai ser tratado este assunto uma vez que o procurador geral Frédéric SAMBA é aliado directo de Patrice Trovoada?
    Vem encobrindo tudo quanto é crime relacionado sobre o actual poder.
    O SAMBA deve muito EXPLICAR SEM COMPLICAR sobre o assunto.

    • explicar sem complicar

      12 de Abril de 2018 as 22:07

      Corrijo : NARCO-ESTADO e não BARCO-ESTADO.

  4. Vexado

    12 de Abril de 2018 as 15:43

    Augerio amado Vaz já vai tecendo comentários com olhos na procuradoria-geral.

    É dessa vez que o ministro Varela o irá colocar naquele tacho.

  5. Pascoal Carvalho

    13 de Abril de 2018 as 13:49

    Isto tudo é tão preocupante é triste,que carreço de palavras para me exprimir.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo