Sociedade

Sindicato da EMAE “indica” o culpado pela crise de energia

O sindicato dos trabalhadores da empresa de água e electricidade EMAE, apelou a população são-tomense a calma, e a reflectir bem sobre a actual situação de crise de energia eléctrica nunca antes vista no país.

Reflexão, para o povo não castigar o inocente e deixar o culpado impune. Tudo porque segundo o sindicato da EMAE, os trabalhadores da empresa estão a ser alvos de ataques no exercício das suas funções. Mais grave ainda, é o facto dos funcionários, estarem a ser  responsabilizados pela actual situação de crise de energia, com a acusação de serem incompetentes.

O sindicato esclarece a população em geral que « os grupos geradores de acordo as normas, têm necessariamente em tempo útil, sofrer de manutenções em função das horas de funcionamento».

Esclarece ainda o sindicato que teve vários encontros, « com a direcção da EMAE e sempre alertou para a necessidade de se proceder as referidas manutenções, o que não aconteceu em tempo útil».

Para além do sindicato, os próprios técnicos responsáveis pela manutenção dos grupos de geradores, também alertaram o patronado, neste caso o Governo, «produziram relatórios referentes ao estado dos grupos geradores no sentido de se proceder as devidas manutenções, diligências que não foram tomadas em consideração», reforçou o sindicato.

O sindicato da EMAE, esclarece ao público são-tomense, que «os grupos de geradores trabalharam para além das horas previstas, e agora as peças acabaram por danificar exigindo assim uma intervenção de fundo e mais demorada».

Em representação dos trabalhadores da EMAE, o sindicato diz que os factos provam que os profissionais da empresa, não podem ser culpabilizados pela crise de energia sem precedentes que tem o país completamente paralisado. «Vem comunicar a população de que de modo algum se pode atribuir a culpa aos técnicos da EMAE perante o momento crítico que se tem registado no que concerne a falta de energia», precisa o sindicato.

De quem é a culpa pela actual situação? Uma pergunta que os profissionais da EMAE deixam no ar. No entanto, o sindicato faz recordar a todo o povo de São Tomé e Príncipe, que os profissionais da EMAE são daqui, residem aqui, e por isso mesmo, são também vítimas da mesma crise de energia, que anulou toda actividade económica, comercial e social na ilha de São Tomé.

Abel Veiga

    18 comentários

18 comentários

  1. helmer dias

    9 de Novembro de 2018 as 13:24

    BOAS.
    O nosso não está em que as coisas aconteçam.Porque máquina é máquina. O nosso desleixo, laxismo, o deixa andar até ver entre outros, é o maior pecado de todos nós são-tomenses. Não gostamos de assumir as responsabilidades pensando que as coisas são nossas, e que não devemos cuidar. Não interessa de quem é a culpa o que interessa é que todos nós temos que ser mais eficazes, preocupados, competentes, comprometidos e principalmente profissional para o nosso bem colectivo e individual, e depois ficamos com imagem de pessoas que não são capazes e tem que vir pessoas de fora dar-nos lições e envergonha-nos. Chega meus senhores São Tomé e Príncipe, é de todos nós, vamos valorizar-nos.

  2. STP

    9 de Novembro de 2018 as 13:35

    Culpado é quem andou a puxar fio para todas as localidades sem aumentar produção, pensando em ganhar as eleições com maioria absoluta. Só mesmo na República das Bananas.

  3. Souza

    9 de Novembro de 2018 as 13:50

    o título desta notícia deveria se outra uma vez que não condiz com o texto desenvolvido

  4. WXYZ

    9 de Novembro de 2018 as 13:57

    «produziram relatórios referentes ao estado dos grupos geradores no sentido de se proceder as devidas manutenções, diligências que não foram tomadas em consideração» – Esses relatorios deviam estar ca espelhados como prova da verdade.

  5. Mx

    9 de Novembro de 2018 as 13:58

    OS técnicos da EMAE avisaram a Dcao da EMAE…como era o seu deber e responsabilidade. A Dcao da EMAE avisou por sua ves ao Exmo Senhor Ministro, como era a sua responsabilidad? E o Exmo Semhor Ministro explicou a situacao a seu Chefe o Primeiro Ministro, como tinha que ter feito para preservar o bem publico?
    Procurem as respostas para fazer pagar pela “Gestao dañosa” dos bens santomenses.

  6. Nuno Menezes

    9 de Novembro de 2018 as 13:59

    O sindicato dos trabalhadores da empresa de água e electricidade EMAE, apelou a população são-tomense a calma.
    Eheheheheheheheheheheheh ( “rir ‘e o melhor remedio “)
    No dia que o Povo pobre ou o Povo Rico que vivem dentro de Sao Tome and Principe nao Tiverem dinheiro e chega a conta da Luz para assim pagarem,,,O Povo deveriam informar tambem a EMAE a compania de electricidade de Sao Tome and Principe para assim terem tambem a calma,informando,hoje nao tenho dinheiro para pagar as contas e por favor tenha calma EMAE,e por favor, nao cortarem a luz, porque assim tenho crianca em casa e outras coisas mais,no Reino unido se da muito Prioridade as criancas o povo deveria informar os mesmos assim.
    No meu ponto de vista,acho que os funcionarios da EMAE nenhum deles vivem dentro de Sao Tome and Principe,estao todos fora dessa mesma situacao,dormem no Hotel, e depois a resolverem a situacao de falta de luz os mesmos voltam para a Europa,se na realidade eles vivesse dentro de Sao Tome and Principe fariam algo para assim resolver essa mesma situacao para sempre e tambem saber estimar aquilo que ‘e nosso,e estar sempre atento sem ouvir outras vozes que pode causar a distruicao daquilo que nos pertence a todos.
    Um investimento o mesmo se paga pouco a pouco, e se resolve de uma vez por todas essa situacao, e quem paga o investimento somos nos o POVO,a raca Branca e a Raca Negra que esta a viver dentro de Sao Tome and Principe.
    Um investimento tem sempre a sua garantia a parte que vai emprestar o dinheiro para esse mesmo investimento deve essa parte analizar se vale a pena emprestar esse mesmo dinheiro,e neste sentido vale a pena,porque assim existe a garantia de pagamento o fornecedor fornece e a populacao paga incluindo os funcionarios da EMAE.
    O Petroleo ‘e um investimento,quantos barril de petroleo ‘e necessario vender para resolver de uma vez por todas essa situacao de energia?
    O GAS ‘e um investimento, quantos Barril de Gas ‘e necessario vender para resolver de uma vez por todas essa situacao de energia em Sao Tome and Principe?
    Temos que ter cabeca e saber negociar…Quem termina no mundo em que estamos somos nos,as dividas ficam e outros olham para o papel e vai pagando as informacoes que esta no papel,Um Pais existe sempre uma garantia…e no ultimo caso para o bem da Populacao se vende Sao Tome and Principe,e concerteza vamos ter compradores,e vamos ter energia e outras coisas mais que assim a Populacao esta a necessitar e vamos viver na lei do novo comprador e concerteza nunca sera igual a epoca colonial porque hoje nos os Pretos e Brancos ja se pode apresentar queixa a Europa union e etc…

    Nuno Menezes
    Lincoln,Reino Unido

    • Joao de Lemba

      10 de Novembro de 2018 as 6:52

      Nuno Menezes.
      Você é psicopata. Como vender o país ? desgraçado…

      • Nuno Menezes

        10 de Novembro de 2018 as 20:08

        Joao de lemba

        Nao sera uma ma ideia vender Sao Tome and Principe,para a melhor condicoes de vida das pessoas que assim vive dentro de Sao Tome and Principe.
        Sao Tome and Principe consegue ser mais velho do que eu apenas 1 ano de idade a contar da data da independencia,e desde dai,tudo comecou a acontecer,se perdeu controlo de tudo,ate muitas casas em ruinas e outras coisas mais como por exemplo nautico de Sao Tome and Principe,e esse problema de luz ‘e um problema no meu ponto de vista deveria estar resolvido a muito tempo.
        Vejamos se o senhor andar as voltas na cidade o senhor ve casas,e essas casas sao de pessoas privadas,e a obrigacao do governo ‘e melhorar a situacao das estradas,hospitais,energia,e tambem pagar aos funcionarios Publicos.
        Sao Tome and Principe ‘e um Pais que nao nasceu com riqueza,mais no entanto fomos abencoados e na nossa area economica temos apenas 40% de petroleo,aonde o nosso governo deveria jogar para assim resolver de uma vez por todas essa mesma situacao.
        Dividas todos nos temos,A vida da volta,hoje morremos e podemos nascer em Sao Tome and Principe ou outro Pais,e se nascer outra vez em Sao Tome and Principe e da forma como vai as coisas se vai viver nova geracao sem Luz,e tudo isso se torna uma incerteza,mais no entanto podemos todos nao importa a cor ou a raca renascer no Pais mais pobre do mundo e isso muita gente fala sera muito doloroso porque nesta geracao que esta em vida essa mesma pessoa esta habituado a viver bem e a comer bem.
        Sao Tome and Principe o governo deveria resolver essa situacao de uma vez por todas e resolvendo essa mesma situacao vai chegar o momento que o Povo volta a chorar outra vez, a razao para tal o a mesmo vai chorar e informar que a energia esta muito cara,esquecendo o mesmo se esta car ‘e para pagar o emprestimento que assim fez o governo.
        E em relacao a desgracado…. ate sou desgracado,sou pobre,nao tenho dinheiro,vivo mal,nao tenho casa nem carro,e outras coisas piores que assim considero como um rapaz ou um menino de cor desgracado.

        Nuno Menezes
        Lincoln,Reino Unido

  7. BRUNO Cruz

    9 de Novembro de 2018 as 14:59

    Como diz o ditado “situações que a EMAE procura evitar mas não consegui”

  8. ONDE MESMO?

    9 de Novembro de 2018 as 15:02

    “De quem é a culpa pela actual situação? Uma pergunta que os profissionais da EMAE deixam no ar. No entanto, o sindicato faz recordar a todo o povo de São Tomé e Príncipe, que os profissionais da EMAE são daqui, residem aqui, e por isso mesmo, são também vítimas da mesma crise de energia, que anulou toda actividade económica, comercial e social na ilha de São Tomé”.
    Muito engraçado isto. O sindicato da EMAE quem com isto dizer que o responsável pelo apagão com que temos estado a conviver não é daqui e não vive aqui em S. Tomé, portanto não é afectado.
    Alguém poderá me dizer de quem se trata?

  9. JOAO CARLOS

    9 de Novembro de 2018 as 16:55

    Quer se queira ou não, a culpa deve recair sempre sobre quem governa….Neste caso o pinta cabras…

  10. Pedro Costa

    9 de Novembro de 2018 as 18:29

    O culpado é adquirirem geradores em segunda mão. Bem “pintadinho”, chegam ao país com a lata de dizerem que é novo. A diferença (valor) que fica, entra nos bolsos do negociante/comprador e ninguém fiscaliza estas compras.
    O problema é que não somos enganados! Os próprios compradores é procuram geradores em segunda-mão, ou seja usado. Usados, há muitos por aí.
    Por outro lado, se é usado o tempo de vida é menor e sem manutenção é complicado.

  11. Matrusso

    9 de Novembro de 2018 as 20:07

    Sr Pedro Costa, não é bem assim. Penso que na verdade os geradores que avaraiaram são os fornecidos anteriormente pelos taywaneses o qual eles próprios asseguravam as manutensões até a data de fim das relações diplomáticas.
    E os geradores q aqui o sr Pedro refere, os pintados e comprados e passsdos por novos, esses nunca funcionaram.
    Mas como não há fiscal,até prq agora em stp o jogador que quer jogar em todas as equipas, ele próprio é 1*árbitro, juízes de linha, 4*árbitro e VAR.

    • ONDE MESMO?

      12 de Novembro de 2018 as 8:23

      Nãp Sr. Matrusso. Os geradores fornecidos pelo Taiwan não novos e dos cinco ofertados, um está em manutenção e outros quatro é que estão a fornecer os seis megawantas dos sete que a EMAE nos brinda com a escuridão em que estamos ha caminho do mais além. Agora os avariados são os pintados que o pinta cabra exibiu na praça pública.

  12. Madredeus.igreja

    10 de Novembro de 2018 as 6:24

    Pinta cabra, fugiu. Talvez, o rapaz, aquele que abre bem os olhos. Puxa, aquele que veste como muçulmanos, pois é, ele mesmo, Varela, pode nos explicar, o que passa na EMAE

  13. Adeliana Nascimento

    12 de Novembro de 2018 as 7:20

    Claro. O Governo, sobretudo o PM, relaxou-se, porque precisava grana para fazer campanha antecipada e viajar. Por isso deu no que deu.

    Os incompetentes são os senhores do Governo ligados a questão.

  14. Caminheira Peregrina

    12 de Novembro de 2018 as 13:55

    Dou meus parabéns ao Sindicato da EMAE
    Não devemos estigmatizar os nossos irmãos trabalhadores da EMAE, porque são pais de família e vivem e fazem tudo em São Tomé como nós. Eles fizeram o seu papel como parceiro de desenvolvimento. Aliás experiências demonstram que as grandes multinacionais de sucesso têm os Sindicatos como maiores parceiros. Por isso é que fazem esse sucesso todo. Imaginemos que essa corja da direccção seguissem os conselhos sindicais. Hoje teríamos energia a vontade e o mérito ainda iria para direcção. Mas como corrupção e sindicalismo nunca andam em mesmo sentido deu nisso. Segundo ouvi dizer que com a tentativa falhada de instalação da ditadura os sindicatos tinham que ser exterminados. Por acaso se assistiu a tentativa de abate de alguns líderes sindicais. Um da USTP, dois da Assembleia Nacional e um da polícia judiciária ex-pic. Uma vergonha na democracia. Também quê que se pode esperar de um governo que faz fraude em eleições! Todos sabemos que se projectarmos os resultados das autarquias para legislativas é claro que adi irá rondar dentre 14 a 16 deputados… Suspeita-se de uma clara operação ilusionismo. Fraude a estilo de mágica, que finta olhares mesmo dos mais atentos… ADI deveria nos poupar e sair mais rápido possível, pois adi sabe que não tem 25 deputados mas sim 15…

  15. Amar o o que é nosso

    13 de Novembro de 2018 as 13:00

    Tanto prejuízo! Já desligamos a arca. Tudo estragado… Não tem como engomar as camisas… Telefone sequer chega a carregar. Medo de andar na rua… Ruas completamente escuras a noite, os assaltos começam a aumentar! Pq não dizer basta? Todos os patamares têm uma certa culpa. Começando pelo próprio povo que nunca soube exigir! Sempre fechamos os olhos para tanta corrupção, sem vergonhice, injustiças. Hoje está tudo como está. Mas pode mudar…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo