Sociedade

Cancro da mama em STP preocupa sistema nacional de saúde

No quadro do projecto saúde para todos, chegou a São Tomé mais uma missão médica de imagiologia. Uma especialidade técnica da medicina que permite realizar diagnóstico dos vários órgãos do corpo humano.

Desde o ano 2013 que a equipa de imagiologia do projecto Saúde Para Todos, actua em São Tomé, e tem diagnosticado número cada vez maior de tumores malignos em pacientes, sobretudo nas mulheres, o cancro da mama. «Desde que começou o diagnóstoico do cancro da mama no país, regista-se uma subida de casos. Fazemos a mamografia desde 2013, e temos verificado um aumento de casos diagnósticos» assegurou Celeste Alves, chefe da missão médica de imagiologia.

A especialista em imagiologia, explicou ainda que não está em condições de afirmar com propriedade que se regista um aumento de casos de cancro da mama em São Tomé e Príncipe.

Pois, os casos até agora diagnosticados, resultam de pacientes que recorreram aos serviços do hospital central, e que foram atendidos pela equipa de especialistas que periodicamente vem de Portugal. «Não vamos dizer que aumenta o número de casos de cancro da mama. Aumenta o número de casos que conseguimos diagnosticar», esclareceu Celeste Alves. 

Para dissipar as dúvidas, e conhecer a fundo a situação cancerígena no país, a missão de imagiologia do projecto Saúde para Todos, fez-se acompanhar por uma médica oncologista e por um cirurgião geral que se dedica a cirurgia de tumores na mama.

Para além de tratar dos pacientes diagnosticados, a equipa de imagiologia pretende estender a base de dados de registo de tumores malignos a todo o país. Só assim, poderá produzir estatística esclarecedora sobre a prevalência do cancro em São Tomé e Príncipe.

Segundo a especialista Celeste Alves, à semelhança do que acontece em toda a parte do mundo, o cancro da mama «é um cancro muito prevalecente em São Tomé e Príncipe», frisou.

Ao mesmo tempo que procura alargar o diagnóstico a nível nacional, o projecto Saúde para Todos, começa a agir no sentido de planear formas de tratamento precoce do cancro da mama em São Tomé e Príncipe.

A missão médica portuguesa, trabalha durante uma semana no país, onde segundo Celeste Alves, vai realizar várias cirurgias mamárias, a pacientes já diagnosticados.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. ANCA

    30 de Maio de 2019 as 17:05

    Existem matérias que devem fazer repensar o título da matérias.

    “Cancro da mama,preocupa Sistema Nacional de Saúde?”

    Ou se devia escrever que preocupa a missão técnica portuguesa, saúde para todos?

    Por acaso se pode falar de sistema Nacional de Saúde em São Tomé e Príncipe?

    Primeiro se deve investigar o conceito, depois desenvolver a noticia.

  2. ANCA

    30 de Maio de 2019 as 17:51

    Os próximos tempos, anos, com efeitos das alterações climáticas, que se faz sentir a nível mundial, da qual o País,(Território/População/Administração), não foge à regra, com várias alertas, estudos que se tem vindo a realizar, impondo como consequência o aumento de mortalidade, redução dos cuidados de saúde primários, redução de acesso a saúde, países insulares periféricos, pobres, que dependem do exterior, devem ou deveriam estar a conduzir um esforço de organização interna, em parceria internacional do seu sistema de Saúde de modo a vir a minimizar, os danos sócias e populacionais que ai se advêm.

    Desde aumento wdas temperaturas, alimentos adúlterados, perda da biodiversidade, com mais agravantes nas ilhas, juntando a falta de rigor e planeamento, a nível social, Cultural, ambiental,desportivo, político, económico e financeiro, irá impor duras consequências para cumprimentos dos objectivos do milênio ou se quiserem agenda 2030.

  3. Madredeus.igreja

    30 de Maio de 2019 as 20:16

    Pois é, já não tomam chá de folha de a bacate, nem comem mais folhas da terra.

    Só querem, arroz, massa, frango congelado, de província desconhecido.

    Compram medicamentos na praça, sem indicação médica. Medicamentos fora do prazo.

    Usuoa só, cacharanba só, sem ver o grau de álcool. Alimentar como deve ser nada, beber só.

    Tudo nesta vida, têm que ter regra, se aqueles que cuidam, a coisa não é boa, quanto mais aqueles que não cuidam.
    Santomense, está perdido, não querem criar e nem produzir. O que vêm de fora é melhor.

    Estão enganados e perdidos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo