Sociedade

STP no meio do perigo

São Tomé e Príncipe, está localizado no meio do Golfo da Guiné. Uma posição geográfica estratégica numa região rica em petróleo e outros recursos naturais.

Há cerca de duas décadas que as autoridades projectam o desenvolvimento do arquipélago, como uma plataforma de prestação de serviços na região do Golfo da Guiné.

Uma região marítima que no entanto se transformou nos últimos anos, na mais insegura do mundo. O anúncio do Golfo da Guiné como sendo o epicentro da pirataria marítima mundial, foi feito na última quinta – feira pelo Centro de Informação sobre Pirataria do Bureau Marítimo Internacional(BMI).

Noel Choong, responsável do Bureau Marítimo Internacional, disse a imprensa internacional que a região do golfo da Guiné regista 72% dos sequestros no mar ocorridos em todo mundo. Mais ainda, 92% de tripulantes de navios feitos reféns por piratas, são registados no golfo da Guiné.

O BMI, explica que a pirataria marítima marcada por ataques contra navios e o sequestro de tripulantes e passageiros, duplicou no Golfo da Guiné durante o ano 2018, em comparação com o ano 2017.

No ano 2018 o mundo registou o sequestro de 6 navios mercantis. Todos aconteceram no golfo da Guiné. O Bureau Marítimo Internacional, registou 18 navios que foram alvos de de ataques de piratas, tendo sido alvos de disparos. Deste total, 13 casos foram registados no Golfo da Guiné, onde se localiza o arquipélago de São Tomé e Príncipe.

No passado dia 15 de Agosto, quinta – feira, os piratas deram ao mundo mais uma demonstração de que a insegurança marítima no golfo da Guiné continua a crescer no ano 2019.

Dois navios comerciais que navegavam no Golfo da Guiné, foram atacados. O primeiro a ser atacado foi um navio, com bandeira das Antigua e Barbados, e pertencente a uma empresa alemã.
O Jornal francês Le Monde, que publicou um artigo da Agência France Press, dá conta que o segundo ataque ocorreu em curto espaço de tempo. Os piratas apoderaram-se de uma embarcação de bandeira liberiana cujo armador é uma empresa da Grécia.

Ambos os ataques piratas, ocorreram ao largo da cidade camaronesa de Douala, onde se localiza o maior porto dos Camarões. Nas duas operações os piratas sequestram 9 marinheiros de nacionalidade chinesa, e 8 de nacionalidade ucraniana.

Noel Chong, do Bureau Marítimo Internacional, disse que a instituição, «emitiu um comunicado de alerta a todos os navios que navegam na região no sentido de reforçarem as medidas de segurança».

As autoridades camaronesas suspeitam que os piratas que interceptaram as duas embarcações são cidadãos nigerianos.

O BMI, também denunciou que a maioria dos ataques piratas que ocorrem ao largo do porto de Douala, região fronteiriça entre a Nigéria e os Camarões, é realizada por piratas Nigerianos .
Segundo o Bureau Marítimo Internacional, os piratas atacam os navios, sequestram os membros da tripulação, para depois exigirem o pagamento do resgate.

São Tomé e Príncipe localizado no meio do turbilhão da pirataria marítima do Golfo da Guiné, ainda não perdeu nenhum navio comercial, (aliás não tem), para os piratas. Mas os piratas circulam pela região.

O BMI, diz que as acções dos piratas são mais constantes ao largo das costas da Nigéria e dos Camarões(vizinhos próximos de São Tomé e Príncipe), assim como da Guiné Conacry, Togo e Benin.

Abel Veiga

    8 comentários

8 comentários

  1. Manuel do Rosario

    17 de Agosto de 2019 as 14:53

    Tendo sido detetado esta situação na região e havendo sobretudo suspeitos, deve-se reforçar medidas de segurança e de vigilância para que o pior não venha acontecer. Uma reunião do alto nivel, envolvendo personalidades de cada um destes países vulneráveis, torna-se urgente.

  2. Rapaz de reboque

    17 de Agosto de 2019 as 18:57

    Com tantos ladrões tem que esta mesmo no meio do perigo

  3. João Reis

    18 de Agosto de 2019 as 13:18

    Pois agora ficamos mesmo no meio do perigo e eu não sei se seria bom uma força conjunta com a Europa e EUA, outros perigos ou ficarmos no nosso canto e deixar quem sofre com isso diretamente tomar a iniciativa. Porque uma aliança com os policias do mundo poderia colocar outro perigo a soberania nacional. Haja sensatez e iniciativa viável, sem queimamos no meio do perigo

    • Rapaz de reboque

      19 de Agosto de 2019 as 21:00

      Calado eras um poeta

  4. Vanplega

    18 de Agosto de 2019 as 17:51

    Kkkkkkkkkkk, brincadeira tem horas.

    A quanto tempo os Nigerianos, chegam a sao tome e principle, de canoa?

    O perigo, ja existe faz tempo. Quando o Miguel Trovoada, decidiu vender nossas argues, por 17% para bolso dele.

    Os Nigerianos, sejam a nosso pais de canoa.

    Qual e o perigo? Ela esta no roubo dos nosso peixes, aonde nao fazemos frente aos Chineses e o Europeus.

    Qual e o perigo? Ladroes

    • Rapaz de reboque

      21 de Agosto de 2019 as 9:01

      Escrev3s muito mal para criticar , aperfeiçoa um pouco na escrita e na constituição das frases

  5. Patrice

    19 de Agosto de 2019 as 11:55

    Chamem o Patrice. Parece que ele entende dessas coisas.

    • Rapaz de reboque

      21 de Agosto de 2019 as 9:07

      Nao defendendo o Patrice porque teve ma governação, mas o mal vem desde 1975 quando se apoderaram de são tomé e distruiram tudo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo