Sociedade

Nova central eléctrica de emergência entra em acção em Novembro

A empresa de água e electricidade, EMAE, e a empresa Centro Industrial Electromecânico (CIEM), assinaram na terça feira o contrato que permite a instalação de uma nova central térmica, para pôr fim a crise cíclica de energia eléctrica no país.

A nova unidade térmica, terá capacidade de produzir 10 megawatts de potência eléctrica. No total serão instalados 5 geradores eléctricos no valor de 4,5 milhões de euros.

Duas empresas petrolíferas que operam nas águas nacionais, nomeadamente a BP e a Kosmos, são os financiadores do projecto de energia. No quadro da responsabilidade social inscrita no acordo de partilha de produção de um dos blocos petrolíferos em fase de prospecção, as duas companhias decidiram injectar os 4,5 milhões de euros na aquisição dos novos grupos que geradores.

A CIEM, empresa são-tomense e representante da marca Caterpillar, mereceu a confiança do governo para realizar a operação de compra e instalação dos grupos de geradores.

A direcção geral da EMAE sente-se aliviada. Celestino Andrade garantiu que a população e os clientes de grande consumo de energia, vão beneficiar do produto com mais qualidade.

Mais importante ainda para o alívio, é que a nova central, evita o colapso do fornecimento principalmente na ilha do Príncipe. «Vivemos uma situação bastante difícil na ilha do Príncipe, em que a todo o momento pode haver um colapso. A aquisição de novos geradores vai permitir a manutenção do grupo de geradores na ilha do Príncipe. Não poderíamos parar o grupo que lá está a operar porque colocaria a ilha num apagão por longo tempo», explicou o director geral da EMAE.

Para o Governo, trata-se da última aposta na produção de energia térmica. Energia produzida a base de gasóleo, e consequentemente poluente. «Vemos esta aquisição como a última fase de vida dos geradores no país. Era necessário fazer esta aquisição de emergência tendo em conta o estado em que se encontra algumas centrais térmicas do país» assegurou o Ministro das Obras Públicas, Osvaldo Abreu.

Algumas unidade térmicas estão obsoletas. Geradores com mais de 20 anos de serviço. Mesmo assim segundo o Ministro continuam a garantir o fornecimento de energia as populações, apesar das sucessivas avarias. «Esta aquisição vai dar a EMAE capacidade para aumentar a eficácia da produção, tirando de circulação alguns geradores mais velhos», concluiu.

Abel Veiga

.

    17 comentários

17 comentários

  1. Atento aos que sonharam acordados.

    21 de Agosto de 2019 as 15:40

    Porra,mais geradores? Eólicas em todo mundo e ainda continuamos com geradores? Vão brincar pra outro lado.

  2. Lupuye

    21 de Agosto de 2019 as 16:48

    Esperemos que esta aquisicao seja a ultima deste tipo como referiu o ministro. Com o sol, a agua e o vento que temos nao precisamos continuar investindo em energias poluidoras e do seculo passado. Ja e hora de pensarmos com maturidade e olhos postos no futuro. Com tanta gente formada e inteligente nao vejo porque STP ainda esta nesta situacao.

  3. marlene

    21 de Agosto de 2019 as 16:58

    A ver vamos no que vai resultar esta suposta medida de emergência que não é nada barata. Porque enquanto leiga na matéria de engenharia eléctrica, mas ser pensante pergunto-me até que ponto, não seria mais lógico começar a financiar a troca de energia térmica por solar, hídrica ou eólica. A EMAE continua a ter uma dívida monstruosa com a ENCO, este novo grupo garante a manutenção desta conta. E para quando o início do investimento em energias renováveis e sustentáveis? Este país, parece (para não dizer que é) uma pescadinha de rabo na boca, vai dar tudo sempre ao mesmo.

  4. Português

    21 de Agosto de 2019 as 19:15

    Assim os numeros da divida para com a sonangol ganham mais digitos, pk nao optar por uma centar de emergencia de energia renovavel meus caros?

  5. STP Terra linda e gente boa

    21 de Agosto de 2019 as 21:04

    Bom dia a todos. Sou um são-tomense residente na Suíça e pretendo ir à S.Tomé em Dezembro. Aproveito essa oportunidade no Téla Non para perguntar ao shr ministro, quanto é que estará a nova companhia aérea que vai operar entre Lisboa/S.Tomé/Lisboa. Já que a EuroAtlântico não o fará após o termino do contrato até 31 de Outubro.
    Por favor, espero e antecipadamente agradeço a resposta.

  6. Vanplega

    21 de Agosto de 2019 as 21:08

    Quanto tempo vai durar?

    Vai enter eeeeeee. Construimos alguma abraham?
    Ou e outro comedor de gasoleo e deixar povo na mesma situacao?

    Senhores Politicos, acabem logo com isto. Anos e anos, andamos nisto. Compras e mais compras de geradores.

    Acabem com isto. Tiram logo o projecto da abraham de iou grande. Se nao sabem perguntem ao Chineses.

    Acabem logo com esta pouco vergonha

  7. Cobra branca

    21 de Agosto de 2019 as 21:43

    Mas si continuamos na mesma con geradores de gasoil nada vai mudar. Temos que virar para energias limpas.

  8. Frederico Ferreira Major

    22 de Agosto de 2019 as 6:22

    Procurar outras fontes alternativa de energia a energia solar e eólicas vai poupar o país não só de poluição como fazer gastos desnecessários com o combustiveis.

  9. WXYZ

    22 de Agosto de 2019 as 7:15

    O anúncio devia vir depois da central entrar em acção em Novembro. Ainda bem que não foi citado Novembro de que ano. Assim vamos estar preparados psicologicamente para esperar, esperar até que esse novembro chegue. Para quando mesmo o início das obras de reabilitação do aeroporto?

  10. antonio dias guadalupe

    22 de Agosto de 2019 as 8:41

    Pensava que a noticia fosse uma novidade mas não. Compra de mais geradores quando se sabe que é a energia térmica a causa de todos os nossos males. Ó Osvaldo aprenda com os Cabo Verdianos que souberam resolver este problema de uma forma inteligente investindo em renováveis. Criticam quando estão na oposição e quando entram para o Governo dançam a mesma música. É só paleio. Alguém deve ganhar com a compra dos geradores não é possível tanta insistência nesse tipo de central. E depois o Abel vem dizer que a CIEM mereceu a confiança do Governo! Convenhamos. Agora a pergunta que fica no ar é a seguinte será que houve concurso público? A lei da licitação é clara.

  11. antonio dias guadalupe

    22 de Agosto de 2019 as 8:45

    E já agora quanto a STP airways estamos a espera da tua reacção Osvaldo…até agora o povo não sabe o que irá se passar após 31 de Outubro….é bom que esclareçam a população os detalhes do eventual novo negócio que os senhores andam a preparar….não somos bestas.

  12. Descamizado

    22 de Agosto de 2019 as 13:45

    Tanto quanto me a percebi na noite do Telejornal do dia 21 de Agosto, trata-se de Geradores de Emergência. Mais ainda, o Governo destaca-se que esta aquisição é para uma saída de Emergência, enquanto o Governo vai estudando a alternativa para uma outra forma de energia.A energia solar e eólica são duas fontes renováveis de energia. A energia solar utiliza o Sol como fonte de produção energética enquanto que a eólica utiliza a força dos ventos como fonte de energia. Para a energia solar é comum o uso de painéis solares e para a eólica usam-se os hélices. A energia eólica é a transformação de energia do vento em energia útil e quanto maior for a altura da Torre de energia maiores são as pás de captação de energia dos ventos. O uso de energia solar foto voltaica tem vantagem em relação à ocupação de área. Os investimentos estruturais necessários para aplicação dessa fonte são extremamente inferiores a eólica A energia eólica pode ocupar uma área de 50 à 100 km2. Estas são as comparações que nós tenhamos que conhecer para fazermos a nossa análise. Será que temos uma altura suficiente para seguimos a energia eólica com a sua própria extensão? Vamos ter de arranjar um vasto terreno com cerca de 50 quilómetros contra o meio ambiente? ou vamos ter que seguir pela energia solar que necessita de um vasto Terreno para a sua instalação O que diferencia estas duas modalidades é apenas nas alturas,conhecendo obrigatoriamente o Terreno de maior incidência do e o outro no local mais alto.

  13. Adeliana Nascimento

    22 de Agosto de 2019 as 14:40

    Então, o Pinta Cabras, não havia dito que após a compra daquele Velho Grupo gerador seu, que seria ultima aquisição de maquinas deste tipo? Isto é movidas a combustivel fossil?Quer dizer que este visionário do Pinta cabras falhou, como em tudo?

  14. Pedro costa

    22 de Agosto de 2019 as 14:46

    Espero só que não venham adquirir geradores usados. Esta é a informação q tive num dado momento: chegar, ver os usados, mandar dar uma pintura que hoje em dia até parece novo e levar para o país. Porque? Talvez assim o negociador/comprador possa meter na sua conta bancária o remanescente entre um novo e um usado. E como neste país não se controla nada, assim se vai fazendo a vida.
    Por favor, sr. Primeiro ministro, controla estes negócios

  15. STP Terra linda e gente boa

    22 de Agosto de 2019 as 15:39

    Pois é… Peço o favor ao jornalista Abel Veiga que procure informações com o ministro da tutela. Os emigrantes são-tomense estão a espera. Será que é preciso mendigar? Deixem de ser infantil e estejam prontos para os desafios em benefício do povo. Nunca se cria um problema sem soluções. O JBJ não vos ensinou isso? Uma vergonha.

  16. de melo

    22 de Agosto de 2019 as 16:32

    Não querem apostar na energia limpa porque o gasóleo e a fonte de enriquecimento de muitos senhores ali em s.tome , se começarmos a produzir energia limpa o negocio deles vai acabar ,esses senhores não querem saber de s.tome mas sim nos seus bolsos.

  17. maria da graça

    23 de Agosto de 2019 as 14:05

    Jornalistas por favor investiguem as informações, porque sendo elas mal passadas gera confusão. Não é que “a empresa santomense CIEM mereceu confiança do governo”, por favor jornalistas! Houve um concurso e a empresa em causa teve melhor proposta e ganhou. Simples!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo