Sociedade

“É preciso punição” para a ordem ser reposta na capital-São Tomé

Antiga, a cidade de São Tom+e completa 485 anos no dia 22 de Abril próximo. É uma das primeiras cidades construídas pelo reino colonial português no continente africano.

Começou a ser invadida pela anarquia a partir de 1991, quando o novo sistema político instalado em São Tomé e Príncipe, promoveu a democracia, mas não impediu que a anarquia avançasse sobre os alicerces do recém nascido Estado de Direito.

A capital cujas ruas e o então único mercado municipal, eram lavados semanalmente, passou paulatinamente a ser uma lixeira a céu aberto.

A autoridade do Estado, foi suplantada pela anarquia na cidade de São Tomé. Centenas e centenas de campanhas de sensibilização para tratar a insalubridade, foram desenvolvidas nas ruas da cidade, mas sem sucesso.

A cidade de 485 anos, se transformou nos últimos 30 anos de democracia, num mercado de rua em expansão, e consequentemente numa lixeira a céu aberto.

Anarquia, ganhou raízes fortes, ao ponto de comprometer as primeiras obras para requalificação dos esgotos da cidade. As obras não avançam porque o negócio de rua, teima em entupir os esgotos que estão a ser requalificados. O negócio de rua sem lei, não abre espaço para São Tomé recuperar o seu estatuto como a cidade mais limpa de África.

«Nossa população tem tido alguns comportamentos desviantes e poluentes», denunciou >José de Carvalho, Presidente da Autarquia de Água Grande.

Para a autarquia os cidadãos que põem em causa a ordem e a salubridade pública, devem ser punidos. «Achamos que temos que intensificar a sensibilização. Mas acompanhado com a punição. Sem a punição não vamos conseguir corrigir os comportamentos desviantes que temos tido na sociedade», frisou.

Poder local de Água Grande, defende a implementação de medidas punitivas na cidade de São Tomé, após longos anos de promoção de medidas preventivas(sensibilização), que resultaram no aprofundamento da anarquia na capital do país.

Abel Veiga

    6 comentários

6 comentários

  1. Vexado

    9 de Fevereiro de 2020 as 16:25

    Se o próprio país não está organizado, não há caixote de lixos, os presidentes de câmaras roubam, governantes roubam e não são punidos. População é que deve ser punida?

    Se um simples ex ministros não conseguem prender, querem prender cidadão comum porquê? Por culpa da má governação?

    Convenhamos.

    Um bem haja

  2. Osvaldo Santos

    9 de Fevereiro de 2020 as 16:51

    Gostaria de corrigir o Sr. Abel Veiga, que se ele não sabe porque é mais novo ou vivia na roça, o nosso mercado Municipal era lavado todos os dias à partir das 17h:30, com água em alta pressão através das bocas de incêndio que eram instalados em vários cantos da cidade.

  3. Fuba cu bixo

    9 de Fevereiro de 2020 as 17:48

    Punição mas a Câmara tem que fazer o seu trabalho camarário como o texto refere lavava-se cidade mercado todas as semanas pergunto sera que ainda fazem?
    Os propios políticos não são patrióticos estão sempre a viajar pelas cidades europeias limpas mas não fazem em S.tomé estes políticos nem andam nas ruas de S.tomé passam de vidros fechados muito triste.

    • todos olhos veram

      10 de Fevereiro de 2020 as 8:59

      meus senhores o governo não pode fazer tudo, claro é que a população também tem que ajudar. embora que a maioria das partes tem que ser feito pelo governo. se o governo implementasse a politica de cada lojas, hotéis, residenciais, quiosque, etc, cuidasse do recinto afrente das mesma a nossa cidade seria outra e mais limpa. se não têm projecto eu posso explicar como isso funciona.

  4. Jose Tolas

    9 de Fevereiro de 2020 as 21:26

    Infelizmente as ultimas geraçoes de Saotomenses nao querem saber, é o total desinteresse. A juntar a isso a fraquissima qualidade dos governantes, idependentemente dos partidos, prevejo o pior para a nossa Cidade e para o nosso querido País…

  5. Vergonha

    10 de Fevereiro de 2020 as 9:50

    Partiram igrejas incendiaram carro de juíza e nada aconteceu até hoje. Está terra está de mal a pior.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo