Sociedade

Golpes de catana tiraram vida a administradora de um hotel em São Tomé

Cidadã portuguesa, radicada há mais de uma década em São Tomé e Príncipe, Catarina Barros de Sousa, cultivou sobretudo amizade no seio da sociedade são-tomense.

Mulher de 51 anos, era amiga de quase todos são-tomenses. Trabalhou em várias empresas e instituições privadas de São Tomé e Príncipe.

Nos últimos 2 anos, administrou Mucumbli. Trata-se de uma unidade hoteleira de turismo rural e ecológico, localizada na região norte da ilha de São Tomé.
O seu percurso de dedicação ao trabalho, muitas vezes assegurado por uma motorizada que conduzia sobretudo na cidade de São Tomé, foi travado por volta das 18 horas e 40 minutos de segunda-feira, 3 de Março.

No seu gabinete de trabalho, no edifício que alberga os escritórios do Hotel Mucumbli, Catarina Barros de Sousa, terá sido atacada por alguém. Pois, o seu corpo sem vida foi encontrado estatelado no chão ensanguentado do gabinete.

Vários golpes na zona da cabeça e um violento rasgo no pescoço, deixam antever a possibilidade de ter sido um ataque à catana.

«A investigação prossegue. Tomamos contacto com a ocorrência, deslocamos ao local e confirmamos que se trata de uma cidadã estrangeira de nacionalidade portuguesa», afirmou Maribel Rocha, directora da Polícia Judiciária de São Tomé e Príncipe.

Desde a noite de segunda-feira que a polícia judiciária decidiu manter sob custódia, um funcionário da unidade hoteleira, por sinal, o guarda, que alegadamente encontrou o corpo sem vida no escritório do hotel Mucumbli.

Na manhã de terça feira, a Directora da PJ, acompanhada pelos inspectores seguiu viagem rumo Mucumbli, o local do crime, a mais de 27 quilómetros da cidade de São Tomé.

A Polícia Judiciária, prometeu empenho na investigação, para esclarecer o crime de sangue, que chocou a cidade de Neves(capital da região norte de São Tomé), e entristeceu o país em geral.

Abel Veiga

    18 comentários

18 comentários

  1. Miguel Teixeira

    3 de Março de 2020 as 17:15

    Uma mulher de bem, que adotou STP como sua casa, espalhava amor por todos em especial por crianças
    É triste muito triste, eu sei quem é o culpado e esse culpado é um governo que á 45 anos está nas tintas para a população.
    Ontem li um comunicado do governo que dúzia que STP não tinha recursos, pois no meu ponto de vista STP é dos países do mundo com mais recursos comparativamente com o seu tamanho, governar nada, criar delinquentes pose ser.

    • Augusto de Barros Sepúlveda

      5 de Março de 2020 as 11:12

      Caro Miguel Teixeira,
      Muito bom dia.
      Concordo totalmente consigo.
      Vivi nesse belo lugar do “leve leve” e sei que o que se passa atualmente se deve à falta de perspetivas de futuro para essa boa gente, principalmente os jovens.
      Um abraço,
      Augusto de Barros Sepúlveda

  2. Antonio

    3 de Março de 2020 as 18:19

    Racismo?! Banditismo?! Ambos?! Lamentável! Que a justiça dos homens não falhe; a de Deus é certa!

  3. MEZEDO

    3 de Março de 2020 as 19:43

    O crime é co denavel e deve ser investigado ao fundo para se apurar. Mas por favor santomense nao aproveita essa situação para culpar governo.
    É momento de lutu e nao de politiquice.

  4. Nelson Tavares

    3 de Março de 2020 as 23:11

    Boa noite,

    Não se deve fazer aproveitamentos políticos dessa situação. Mas talvez fosse importante lembrar que o que se passa no país também é responsabilidade do Estado. Veja-se, diz-se que o país não tem recursos e por isso não faz mais ou não cumpre melhor algumas das suas funções.

    Se não há dinheiro para gastar com os hospitais, com os professores, com as polícias, com os bombeiros e os demais sectores públicos, como é que há sempre dinheiro para comprar carros novos para o Estado? O Tribunal de contas tem um veículo novo, fruto da irresponsabilidade de gestão do erário público. E eu que sempre ouvi que o recém eleito presidente é um homem sensato.

  5. Vanplega

    4 de Março de 2020 as 5:00

    Sao coisas que acontece em qualquer parte do mundo, certo. Agora, cabe as autoridades encontrar os/o assassino/a

    Continuo a dizer: E chegado a hora do governo ser duro nas leis.

    Voce roubo bens publico ou bens da populacao comum e fuzilado na praca publica. Seja ele quem for, politicos ou um triste cidadao.

    Porque se nao for assim, nunca mais este pais vai em frente.

    Se nao for assim, nunca mais organizamos, nunca mais vai acabar essa falta de educacao, respeito e de uma impunidade sem fim a vista.

    Rouba coisa publica e uma doenca que unico remedio que ha e fuzilamento na praca publica. Ai sim, quem tem ocu tem medo

  6. António cunha dos santos

    4 de Março de 2020 as 8:18

    Errado, muito errado. O crime não compensa. Mão dura para este bandido. É preciso castigar e muito bem aqueles que andam a fumar Maconha em STP. Se for o caso tiro neles

    • Jack sparrow

      4 de Março de 2020 as 22:07

      Voce deve ser burro!
      Eu tenho o meu trabalho, pago os meus impostos, e nao é por fumar umas ganzas que devo ser castigado a tiro como voce afirma. Va trabalhar e largue de burrices na net!

  7. José Gonçalves

    4 de Março de 2020 as 8:28

    Não quero fazer a especulação nem o aproveitamento desta situação.
    No entanto, as condições de privilégio que os presos e criminosos têm tido com este novo governo, incentiva os crimes.
    É frequente encontrar-se criminosos condenados na cadeia a passear pela rua em todas as horas e lugares da capital como se fossem turistas. Dizem que estão de folga, ou que estão nos trabalhos de chefes.
    Os criminosos e presos são tratados melhor do que qualquer funcionário público. Comida na hora, televisão, descanso todo o dia, vêm a rua e ameaçam as pessoas de bens que estão a trabalhar, tudo isto porque os chefes das cadeias querem estar de bem com os mesmos para que eles possam trabalhar nos seus campos, nas suas roças, nas suas obras e assim aproveitarem dos mesmos pondo a vida da população em perigo.
    Um militar, o senhor Manuel que assassinou uma jovem na zona de Lucumi, a menos de dois anos, já se encontra na rua a conduzir motas e caros e fazer turismo defronte da casa da mãe da vitima no Lucumi todos os dias. E dizem que o mesmo continua a receber o seu chorudo salário no exercito.
    Um individuo que se apelia de Paga Logo, cortou a cabeça a um jovem inocente e ficou 3 ou 4 anos na cadeia e já se encontra na rua a trabalhar na agricultura.
    Um outro individuo de Desejada que matou a sua tia, ficou menos de 1 ano na cadeia e já se encontra na Desejada a dizimar com motossera a floresta dessa localidade como madereiro
    Um outro individuo que matou o senhor Roldão em Desejada, já se encontra a passar os fins de samana na sua casa em Desejada como se nada tivesse passado.
    Estes são apenas alguns casos que põem o cidadão revoltado. Só porque querem granjear votos, o governo e a sua equipa de juízes corruptos passam por cima da lei e põe a vida de todos os cidadãos em perigo.
    Quando o Governo anterior quis construir uma cadeia de segurança máxima fora da cidade para amedrontar os criminosos, os partidos actuais no pder criticaram e disseram que isto não era prioridade.
    E agora. Onde é que vamos parar com tudo isto. Esta cadeia actual é um hotel de 5 estrelas para os presos. Entram lá magrinhos e saiem todos gordos e quando saiem querem voltar logo, devido a regalias que lá têm.
    Se é isto que querem e que a justiça quer e que o Governo quer, o Povo não pode fazer nada.
    A ver vamos
    JG

  8. tudo está dificil

    4 de Março de 2020 as 9:16

    Este governdo incentivou muito a violência antes e depois de chegar ao poder. Vejam como mandaram incendiar a viatura de uma juiza, as barricadas que mandaram colocar nas estradas, o assalto e destruição das igrejas de reino de Deus que culminou com a morte de uma criança inocente. Até agora nada disso foi esclarecido. Nem sei o que o Ministerio Público anda a fazer.
    Quando se apela a população a ter comportamentos violentos e ódio, como aconteceu com figuras deste governo, o resultado só pode ser este.
    Tenho muita pena desta pobre coitada que faleceu. Uma pessoa boa que jamais faria alguma coisa a uma mosca. Que a sua alma descanse em paz. Este país não merece respeito de ninguém.
    Na verdade este governo liderado por boboioco não tem feito nada para inverter o estado de coisas. Os policias não fazem patrulha senão para incomodor os taxistas e motoqueiros que circulam numas estradas sem condições, os presos que estão na cadeia têm ordem de sr. afonso para sairem de folga. A policia Judiciária é liderado por uma incompetente. Enfim só com cristo.
    Com toda essa desgraça o governo ainda acha que está a trabalhar bem.
    Gostaria de saber se fosse um cidadão sao tomense que foi morto em portugal, como é que as pessoas reagiriam.
    Depois vêm dizer que querem desenvolver o turismo. Aliás a Direcção do turismo nem diz nada sobre o assunto. Tudo estranho numa terra de desgraça.
    Nunca vi um pais onde se semeia tanto ódio e violência.

  9. Paulino

    4 de Março de 2020 as 14:34

    Lamento muito o sucedido. Vivo longe de STP mas tenho-vos no meu coração depois de aí ter estado de férias. Não conheço os problemas locais mas aconselhava a que houvesse ponderação e que se deixassem as autoridades actuarem. Pelo que tenho lido está mais ou menos identificado o criminoso. Que se faça justiça. Se tal não acontecer então é STP que perde. Uma vida já se perdeu, e parece de alguém que se tinha dedicado ao vosso povo. Essa já não a conseguimos reaver. Agora é o tempo da justiça de forma a que exemplarmente seja feita a bem de STP.

  10. Patrícia

    4 de Março de 2020 as 15:30

    Sou portuguesa e tenho casa em São Tomé. Não sei se o Governo é o único culpado, se o somos todos nós. Uma geração de bandidos sem escrúpulos e de pessoas que não conhecem o valor da vida, não se forma numa legislatura. O problema somos todos nós, cidadãos de qualquer pátria, que amamos esse país e não conseguimos dar-lhe qualquer sentido ou ordem. É lamentável! Pela amiga que perdi; pela imagem que fica; pelos turistas, agora, mais inseguros; pelo desencanto…

  11. modesto

    4 de Março de 2020 as 15:39

    Quero em primeiro lugar manifestar o meu pesar aos familiares e amigos pelo sucedido.

    Não creio ser o memento para fazer aproveitamento político. É uma pena que alguns não perdem esta oportunidade para tal.

    Ouví em conversas que há tecnologias para se ter acesso às últimas imagens que a pessoa tenha captado antes de falecer. Isto é real? Será esta tecnologia muito cara para se obter? Se assim é, a PJ não tem como recorrer as suas congéneres para averiguar este detalhe?

    Outra questão que me preocupa é a forma como se investiga neste país.
    Uma instituição como a PJ deve reunir mentes realmente avançadas para investigar com base em técnicas de dissuasão humanamente aceites e não a través de recurso a espancamentos ou outros tipos de violência, que possam induzir em erros ou prejuízos irreparáveis a terceiros.

    Existem agentes na PJ que jamais deviam usar um distintivo policial, pois são também delinquentes e uma autêntica vergonha para a instituição.

    Que apenas pague e sofra as consequências gravosas pelos crimes, únicamente os culpados!

  12. eu

    4 de Março de 2020 as 15:42

    Ainda não se conhece o criminoso?

  13. Sempre atento

    4 de Março de 2020 as 16:25

    Neste jornal só tem pessoas que só querem criticar o governo por tudo quanto é coisa. Acham que um crime desse tão bárbaro o governo tem alguma coisa há ver? Gente ponham o juízo da cabecinha.

  14. wilson bonaparte

    4 de Março de 2020 as 17:23

    será que o gatuno comeu a mulher ? tem que saber se foi crime sexual ou não. a senhora pode ter negado a paxaxa e o homem ficou xatiado e furioso, mas nada justifica matar alguem por causa da paxaxa.

  15. Bem de S.Tomé e Príncipe

    4 de Março de 2020 as 18:10

    José Gonçalves começou muito bem o seu comentário. Perdeu importancia p mim quando fala do governo de Patrice que quis fazer cadeia de alta segurança e os partidos agora no poder criticaram. Agora pergunto, pq o governo de Patrice não construiu? Os partidos agora no poder tinham condicoes para impedir? Não meta na política qd nao sabes.

  16. Seabra

    10 de Março de 2020 as 1:23

    Senhora Maribel Rocha, em pés está o dossiê do crime assassinato do economista sãotomense Jorge Pereira dos Santos ? Ele foi bárbaramente, atrozmente e cruelmente assassinado em 2 à 3 de junho de 2018,cuja cúmplice foi a empregada dele Marlene. Em quase 2 anos nenhum assassino foi julgado e condenado. Porquê ? Todos os criminosos deste ato macabro continuam em liberdade e impunes. Onde está a justiça sãotomense para os nacionais ?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo