Sociedade

Projecto SAPELIN – apoio aos nossos idosos mais vulneráveis em tempos de COVID-19

Projecto SAPELIN – apoio aos nossos idosos mais vulneráveis em tempos de COVID-19
“pa ni uã nguê na monha suba sê fá”

A motivação
Desde o anúncio das medidas restritivas implementadas pelo Governo de São Tomé e Príncipe em resposta à evidência de propagação do COVID-19 à escala mundial, ao que se seguiu o decreto de Estado de Emergência pelo Presidente da República, instalou-se-nos quase de imediato, uma preocupação sobre “o quê-e-como” fazer para apoiar e proteger os grupos de risco face a possibilidade do coronavírus entrar e se alastrar pelo país adentro.

Esta preocupação, entretanto, convertida em projecto já em fase de estruturação e mobilização de apoios para sua materialização para as próximas semanas, viu-se confrontada com anúncio do dia 6 de Abril.

Naquela manhã, o país acordou com a confirmação, sempre perturbadora, da existência de quatro pessoas infectadas com coronavírus, cujo teste haviam sido realizados num laboratório de referência no Gabão. Esta informação foi comunicada ao país pelo Primeiro Ministro.

O planeamento do nosso projecto, que pretendíamos ponderado, informado e estendido no tempo – pois estas coisas exigem tempo de preparação e recolha de informação-, viu o a sua utilidade prática confrontada com o factor tempo.

Sentimos que precisávamos responder rápido ao momento actual. O tempo, sugere-nos que os impactos que o coronavírus impõe sobre o grupo de risco da população, podem ser trágicos. Estamos a falar dos idosos carenciados e sem estrutura de apoio familiar ou comunitário consistente.

Os manuais da pandemia atribuem-lhes o epíteto “grupo de risco”, por apresentarem “características” como idade avançada (70 anos ou mais), serem portadores de doenças crónicas pré-existentes (doenças cardiovasculares, diabetes, doença crónica respiratória, hipertensão, doença oncológica…) e terem sistema imunitário comprometido.

Por todas estas considerações, nasce o projecto SAPELIN.

“Sapelin” é sinónimo de guarda-chuva no crioulo forro – língua materna mais falada pela população.
O mote é “pa ni uã nguê na monha suba sê fá”. Que é o mesmo que dizer, tudo pretendemos fazer para que ninguém se molhe nessa chuva.

A chuva é o impacto do COVID-19 em STP. Estamos mais preocupados com a franja dos vulneráveis.
Queremos ser esse guarda-chuva modesto, mas de mãos seguras e confiantes…

O que pretendemos fazer

Este projecto pretende prestar o serviço social de apoio aos nossos idosos em situação de maior vulnerabilidade aos riscos e alteração dos hábitos de vida que o COVID-19 vai inevitavelmente impor a todos- em especial o confinamento. São os idosos uma população que já vive com a condição de dupla fragilidade: doenças e o isolamento social.

Este apoio pretende desdobrar-se essencialmente em quatro aspectos-chave. A saber:

Promover a sensibilização para o confinamento dos idosos, evitando assim a sua exposição ao contágio;
Providenciar uma refeição quente diária ou noutra periodicidade mais ajustada;
Fornecimento de água potável e cesta básica semanal
Apoio de higiene pessoal e limpeza doméstica
Assegurar algum apoio/acompanhamento médico ao domicílio, em centros de abrigo.

Como pretendemos fazer

Para implementação desta empreitada, pretendemos adoptar uma estratégia operacional que considera os seguintes agentes:
Bolsa de voluntários angariados na sociedade que se disponibilizem a prestar este serviço;

O conjunto de capacidades e recursos humanos e meios disponibilizados pelas organizações parceiras desde a primeira hora, bem como aqueles que contamos mobilizar ao longo do percurso;

Fornecedores de serviços que iremos identificar em função da necessidade e proximidade “geográfica” com o ponto de entrega. Este grupo será remunerado pelo serviço prestado, acrescendo, portanto, a oportunidade de rendimento de família neste período de confinamento de arrefecimento da economia.

Serão, portanto, posto de trabalho a ser criados ou “reanimados”. As cozinheiras que assegurarão as refeições, os motoqueiros para o transporte, as palaiês, os agricultores, e outros tantos de grupos de fornecedores a serem identificados, integram esta categoria.

Toda a infraestrutura funcional e operacional deste projecto deve sustentar-se na criação de um centro de comando operacional, coordenado por uma equipa executiva com elementos das principais instituições parceiras, com experiência e perfil técnico e humano adequado. Os detalhes das actividades e esquemas operacionais serão definidos em sede de desenvolvimento do projecto.

Entretanto, pensamos mobilizar os seguintes requisitos estratégicos:
Estrutura de comando ágil e disciplinada;
Angariação e gestão de voluntários;
Capacidade de gestão operacional e de logística necessária ao desenvolvimento das actividades
Articulação permanente com as autoridades de saúde e proteção social;
Sistema e meios de comunicação intraequipa;

Pensar numa estratégia de comunicação e integrar a utilização de soluções tecnológicas actuais para obter maior eficácia sempre que possível.
A execução deste projecto terá de obedecer critérios escrupulosos de proteção sanitária, com supervisão técnica das autoridades e parceiros do sector da saúde.

A economia do projecto

Beneficiários e apoio
A caracterização do idoso em dificuldade será avaliada no terreno e com apoio das autoridades da área de apoio social. Mas estamos a assumir pessoa maior de 65 anos com antecedentes de saúde ou situação precária. Assim, a lógica será:
Idoso solitário = refeição quente diária + vigilância médica
Idoso com rede familiar = cesta básica quinzenal ou mensal e + vigilância médica

Cobertura
Desejavelmente a cobertura deverá ser nacional, sendo as áreas piloto, Mé-Zóchi – onde já temos alguma presença-, zona sul – ao que sabemos, bastante vulnerável-, e, eventualmente Pagué – a ser avaliado com as autoridades do GRAP;

Duração
Consideramos um período de impacto de pandemia de seis meses. Condições de continuidade serão avaliadas à posteriori.

Orçamento da operação
Estão ainda a ser concluídos levantamentos para a estrutura de custos de referência.

Financiamento
Os proponentes juntamente com os parceiros tudo estão fazendo para assegurar os recursos necessários para o arranque do projecto;
Pretendemos igualmente testar campanhas de angariação de donativos e apoio e ajudas.

Quais os resultados e compromissos esperados
Idosos atendidos, cuidados e protegidos
Dinamização de economia comunitária e rendimento para famílias
Combate à eventual propagação da doença no geral
Garantia de um exigente sistema de utilização e prestação de contas a sociedade

Quem somos
A “iniciativa Krypton Cidadania” é a impulsionadora deste projecto. Trata-se do cunho de solidariedade e cidadania da start-up Krypton. Esta empresa dedica-se à promoção do ecossistema de empreendedorismo em STP, através de soluções e abordagens inovadoras e disruptivas que procuram responder aos desafios do progresso e do bem-estar das populações no país.
A “Associação Vé Nón de STP” é uma organização que se dedica ao apoio e prestação de serviços sociais aos idosos. Criada em 2011, desenvolve actualmente as suas actividade com cobertura nacional e impactando um universo de mais de 100 idosos.

Como podem as pessoas envolver-se
Contamos já com alguns paceiros do sector social de STP que se manifestaram disponíveis a colaborar com este projecto. Os contactos e mobilização estão curso no sentido de termos uma base sólida de acção. Estamos igualmente a trabalhar na organização da capacidade de comunicação/informação nas redes sociais.

Todas as ideias, contribuições e comentários, devem ser dirigidos por email (sapelinstp@gmail.com ) ou no Facebook (sapelin).

Pretendemos que esta iniciativa seja de todos e com envolvidos de todos que queiram prestar a sua solidariedade e tempo a causa.

Deus nos abençoe a todos.
Vamos a luta “pa ni uã nguê na monha suba sê fá”

Luiselio Salvaterra Pinto

    3 comentários

3 comentários

  1. Vanplega

    15 de Abril de 2020 as 1:09

    Sobre doacoes que Sao Tome e Principe, recebeu ou vai receber, para fazer compras para tratamentos dos virus covid-19

    Essas doacoes monetaria deve ser acompanhadas pela policia Europeia( INTERPOL OU EUROPOL)

    Para nao haver desvios de finalidades.

    • Luiselio Salvaterra Pinto

      8 de Junho de 2020 as 14:45

      Caro, o nosso processo, embora experimental, é transparente e solidário mesmo. Acompanhe-nos no facebook. Participe e apadrinhe um idoso. Abraço

  2. A a Z

    15 de Abril de 2020 as 20:43

    A Holanda pediu que a Espanha e a Itália fossem investigadas devido a bancarrota sanitária com o Covid-19. Só um exemplo para dizer que a Europa tem muito com que se preocupar neste momento…penso eu de que.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo