Sociedade

François Abel Lopandza

Um nome conhecido por várias gerações de santomenses, e que deu conhecimento a várias gerações de santomenses.

Professor de língua francesa em todos os níveis de ensino do país, François Abel Lopandza, veio do Congo – Brazaville, desde os finais da década de 70 do século XX, para trabalhar em São Tomé e Príncipe. Ele e outros 3 colegas eram designados de professores cooperantes.

Uma missão pioneira de cooperação no sector da educação, entre São Tomé e Príncipe e a República do Congo. Jean Boscou, foi outro nome congolês, companheiro de François Lopandza no único Liceu de São Tomé e Príncipe até finais da década de 90 do século XX.

O francês falado e escrito por muitos santomenses da geração do Téla Nón, chegou a merecer reconhecimento de entidades estrangeiras como sendo de boa qualidade.  Algumas individualidades estrangeiras questionavam sobre a origem da escola de língua francesa, que tais santomenses frequentaram. Alguns pensavam ter sido uma universidade de língua no estrangeiro.

Mas não….o francês falado, lido e escrito, considerado de bom nível, é apenas o resultado da enorme competência dos professores congoleses que ensinavam a língua francesa com rigor no Liceu de São Tomé durante as décadas de 80 e 90 do século XX.

François Abel Lopandza, que perdeu a vida na madrugada de sexta feira 8 de Maio, vítima de uma paragem cardíaca, foi o decano dos antigos professores cooperantes do Congo-Brazaville.

No décimo e no décimo primeiro anos, insistia muito com os seus alunos, a se dedicarem ao estudo profundo da literatura francófona. Obras literárias de escritores de renome no contexto africano, constituíam matéria de trabalho, de estudo e de reflexão para os estudantes que no então ensino pré-universitário, optavam pelo estudo da língua francesa.

Um homem nascido no Congo, mas que São Tomé e Príncipe fez ser um dos seus filhos. Casou-se com uma santomense, professora de Francês, Maria Mandinga Lopandza. Já como santomense criou família com 3 filhos.

Yanick Lopandza, um dos filhos, foi quem anunciou para a imprensa a morte do pai.

François Abel Lopandza, foi apanhado desprevenido por uma dor no peito, que segundo o filho provocou mal estar enorme, e uma morte repentina, algum tempo depois de ter chegado ao hospital Central Ayres de Menezes.

Abel Veiga

    11 comentários

11 comentários

  1. Seabra

    9 de Maio de 2020 as 1:50

    Que Deus lhe dê paz nos resplendores da luz perpétua.
    Consolação e conforto aos familiares.

  2. Vicen

    9 de Maio de 2020 as 6:35

    Um eterno descanso ao grande professor de Francês! Que Deus lhe conceda o Céu.

  3. Pagué

    9 de Maio de 2020 as 7:31

    Obrigado professor Lopandza, tenho muito boas recordaçoes suas como professor competente e muito exigente e muito amigo, tambem recordo o fabuloso jogador de futebol salao com um putente pé esquedo 😥😥😥 que saudades….descansa em paz meu Prof….🙏🙏🙏

  4. Edjaley

    9 de Maio de 2020 as 8:09

    Há duas maneiras de viver para sempre, ambas importantes mas, uma mais que a outra, tens a vida eterna quando dás continuidade vida, perpetuando a espécie, e a meu ver a mais importante quando deixas para trás um bom legado uma boa obra, e fizeste as duas coisas.
    Um homem certamente tem que viver imaginando como ele quer ser recordado, certamente serás pelos teus feitos.
    Meus pêsames aos familiares.
    Não existe palavra de conforto para a morte, mas sendo ela a verdade absoluta para todos, os bons momentos ajudam a atenuar a dor.
    Força.

  5. SEMPRE AMIGOC

    9 de Maio de 2020 as 9:53

    É um atuentico monumento nacional que nos deixa.Desde os primeiros dias de existência da nossa República, FRANÇOIS LUPANDZA assumiu ,de corpo e alma o grande desafio de “construir em SÃO TOMÉ E PRINCIPE com as nossas próprias mãos uma pátria renovada”.O emérito PROFESSOR contribuiu para a formação de gerações de estudantes santomenses que hoje participam, com o seu saber, no processo da RECONTRUÇÃO NACIONAL.Por tudo isso, sou da opinião que o nosso liceu nacional poderia passar a ser designado:LICEU FRANÇOIS LOPANDZA.

  6. AMIEDEFRANCOIS

    9 de Maio de 2020 as 11:06

    MERCI GRAND MÊTRE.
    A VOUS ET A TOUS LES AUTRES CONGOLES COME SENATOR EDOUARD, PROFESSEUR BOSCOU, PROFESSEUR DIÊ_DONNÉ.
    QUI LA TERRE SOIS LÉGÈRE POUR VOS. MERCI.
    VOUS AVEZ M’ENSEIGNE A AIMÉ LINGALA, LA LANGUE DE FRANCO.
    ON A PARTAGÉ DES BONNE CONGOLE MUSIQUE A VOTRE APARTMENT AU “PREDIO DO BANCO”.
    J’ETAIS AN PETIT GARCON ENVIRON 18 ANS.
    ET TOUJOURS JE ME SUIVIEN DE VOUS…
    FRANCOIS. J’ETAIS LES PREMIER VOTRE AMIS A SAO TOME.

    MARIA, MA COLEGUE. QUI DIÈ TE PROTEGE. JE VOUS AIME BIEN. SOIS FORTE.

    AN AMI PLUS PRÈS DE VOUS:

  7. Nanana

    10 de Maio de 2020 as 18:56

    O meu muito obrigada ao eterno Professor Lopanza
    Menos um construtor de qualidade,
    de várias gerações de Santomenses.

    Este pais começa a perder as melhores peças intelectuais da sua sociedade… Preocupante!

    À família enlutada, os meus mais sentidos pêsames
    Professora Maria Mandinga, um abraço forte!

  8. Humberto Dias

    10 de Maio de 2020 as 23:03

    Antes de mais, muito e muito obrigado, professor François Lopanza, pela sua dedicação, esforço e trabalho em prol da educação de jovens de STP.
    Muito obrigado por ter dado tudo o que pôde dar à educação linguística dos jovens como eu e outros tantos. Obrigado por também ser santomense.
    Os governantes podem não ter prestado atenção devida ao seu abnegado trabalho, mas os santomenses como eu e muitos outros estamos eternamente agradecidos.
    Descanse em paz, e deus lhe dê o melhor descanso no resplendor da luz perpétua.

    Reconforto para a família.

    Sinceramente os meus agradecimentos.

  9. A VERDADE

    11 de Maio de 2020 as 13:41

    Como é possível tanta ingratidão para com o professor.
    Quando ele estava vivo, quantos de vós aqui lhe foram dizer o muito obrigado?
    Agora que ele morreu é que vêem aqui com os muito obrigados professor!
    Palhaços que não souberam agradecer em vida ao homem, para ele poder sentir alguma gratidão e calor dos alunos a quem ensinou.
    São mesmo palhaços!!!

  10. Albertino Bragança

    13 de Maio de 2020 as 19:48

    Faz tempo que não sentia tamanha dor pela morte de um amigo, alguém que mantinha dentro de si, com invulgar naturalidade – algo nem sempre humanamente possível – uma inequívoca paixão por duas pátrias que considerava suas – o Congo Brazzaville e S. Tomé e Príncipe.
    Excelente professor, do grupo de docentes cooperantes da língua francesa, que tive a oportunidade de receber no Liceu Técnico nos longínquos finais dos anos 70, François Abel Lopandza sempre se destacou pela dignidade do seu porte, o que lhe permitiu granjear o respeito e a amizade dos mais díspares sectores da sociedade santomense.
    Minha querida prima, Maria de Jesus Mandinga Lopandza, sabes bem quanto eram próximas as relações de convívio que mantive durante décadas com o teu desventurado marido!
    Morreu François Lopandza, companheiro dos inesquecíveis lances no 5 da Manhã, nosso grupo de eleição, nas a sua presença decerto que ultrapassará o inevitável rigor do tempo para jamais se esfumar no rol das das nossas mais saudosas e íntimas recordações.
    Daí que, eu e a Guilhermina, nos associemos a ti, aos teus filhos e demais familiares em contexto de tanta consternação e dor e vos enderecemos as nossas mais profundas e sentidas condolências.

  11. Fernandes

    17 de Maio de 2020 as 20:17

    Que a terra lhe seja leve. Vá com DEUS meu instrutor e conselheiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo