Sociedade

Reforço cubano chegou numa altura em que boa parte de médicos está de baixa

Joaquim Roberto epidemiologista cubano, é o único médico especialista que São Tomé e Príncipe, conseguiu convencer o Governo de Cuba, para enviar como reforço na luta contra a Covid-19.

Desde Março passado que os outros países africanos de expressão portuguesa, receberam reforços cubanos em dezenas de médicos especialistas para tratar dos casos da Covid-19.

Em finais de Março passado, São Tomé e Príncipe, fechou as suas portas para impedir a importação do vírus que provoca a Covid-19. Mas tudo indica que o vírus já estava cá dentro, antes do fecho da fronteira.

Ao invés do vírus, quem acabou por ficar retido no exterior do país, foi o único epidemiologista que São Tomé e Príncipe conseguiu contratar junto ao Governo de Cuba.

Joaquim Roberto(na foto), chegou a São Tomé no último fim de semana 10 de Maio, após várias semanas retido em Luanda – Angola. Tudo por causa da interdição do espaço aéreo decretada pelo Governo em Março para impedir a entrada da Covid-19 em São Tomé e Príncipe.

O epidemiologista cubano, aterrou em São Tomé, mas não vai começar a trabalhar. Tem que ser submetido a 15 dias de quarentena, para comprovar se o médico trouxe ou não o vírus SARS-CoV-2 a partir de Angola.

Enquanto isso, a situação de atendimento clínico aos casos de Covid-19, e de outras patologias, no hospital Ayres de Menezes, parece ter atingido a fase mais crítica de sempre.

O Téla Nón apurou de fonte segura, que do grupo de cerca de 10 médicos cubanos que trabalham em São Tomé e Príncipe no quadro da cooperação no domínio da saúde, entre os dois países, apenas dois estão ainda no activo. A maioria está de baixa por causa do contágio pelo vírus da Covid-19.

Da mesma forma a maioria dos médicos nacionais, que esteve desde a primeira hora na linha de frente no atendimento aos pacientes com sintomas respiratórios, acabou por estar infectado pelo vírus Covid-19.

Segundo fonte do Téla Nón, mais de metade do pessoal clínico santomense, com destaque para médicos e enfermeiros, está actualmente de baixa, ou em quarentena para tratamento da Covid-19.

São Tomé e Príncipe, recebeu o seu primeiro e único reforço médico, oriundo de Cuba. Segundo a fonte do Téla Nón , o país precisa e muito de um especialista em medicina intensiva, e não tanto de um epidemiologista.

Tudo acontece numa altura em que o Hospital Central Ayres de Menezes, começa a ficar desguarnecido em termos de pessoal clínico saudável, para atender os pacientes de Covid e também de todas as outras doenças.

No caso da Covid-19, a fonte do sistema nacional de Saúde, disse ao Téla Nón, que Deus deve evitar que surjam casos graves que exigem a ventilação.

Pois, segundo a Fonte do Téla Nón, o país já recebeu alguns ventiladores, mas não tem nenhum quadro clínico capaz de pôr o ventilador a funcionar, para salvar uma vida que esteja em aflição com dificuldades de respirar.

Note-se que em menos de duas semanas, com base nos testes rápidos realizados no país, e pelas amostras enviadas ao laboratório do Gana, São Tomé e Príncipe tinha até a última sexta feira, um registo total de  212 casos de Covid-19.

Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. salmarçal 2

    11 de Maio de 2020 as 15:10

    Manos,
    Já não há “nada de borla”! a prova disso é que o Governo de Angola, que paga sempre e pede nada de borla, recebeu mais de 200 médicos cubanos, ao contrário de São Tomé.
    Manos, temos que crescer economicamente e deixar de pedir tudo a toda hora.

    Temos que ser respeitado, mas para isso, temos que crescer também.
    Bem haja

  2. Gentino Plama

    11 de Maio de 2020 as 16:14

    Há que ter modo de falar, e de escrever: ser jornalista não é servir de meio que dispõe para quantificar o que quer que seja, Desgosto da expressão “ÚNICO” em qualquer contexto pois, ela tem o sentido pejorativo; ninguém lhe perguntou a quantidade de quê…

  3. Vanplega

    11 de Maio de 2020 as 18:46

    E hora dos politicos, mudarem de mentalidades. Apoiar mais o que e nosso.

    Em vez de estamos a pedir e pequeno larapio roubar tudo. Deixaram um unico hospital Central, sem um laboratorio.

    E uma desgraca, 45 Anos de independencia.

    Que aja justica, pouca vergonha

  4. Andorinha

    11 de Maio de 2020 as 18:57

    A vinda do medico Cubano a S.tomé é bom mas eu gostaria de alertar que este medico não vai conseguir fazer omelete sem ovos eu quero com isso dizer que sabemos que o nosso hospital não esta minimamente equipado e não sei se ja montaram os dois ventiladores que foram ofertados pelo Chineses.

    • Como será

      13 de Maio de 2020 as 0:17

      Realmente Andorinha, o coitado do médico nao fara milagres, se nao tem equipamentos, sobre os ventiladores que tanto se fala ofertado pela china, quero aqui dizer que nada servira por nao se ter uma estrutura propria para instalar estes ventiladores, assim como medicos e enfermeiros formados na area de cuidados intensivos, os governantes nao se importarao em investir no sistema nacional de saude, porque têm Portugal como seu porto Seguro, onde iam gastar os milhoes roubados, e agora que ninguem sai e nem entra, assim ficamos todos juntos. Eles com cara de PAU, esperando pelas ajudas de mao de obra dos Portugueses que tanto ja fazem para este país, um dia se portugal virar as costas a santome, nao se sabe o que sera deste país, ainda assim tem gente que tanto fala mal dos Portugueses, atitude triste, como se diz na gíria “vomitar no prato onde comeu”, Vamos mudar a nossa forma de pensar.Deixar o dito fenomeno de Banho nas eleições, este povo perdeu dignidade, seu valor por venderem os votos em troca de bebidas e um valor misero que os politicos distribuem por ai na epoca das eleições,agora esta ai o resultado o povo que vota para os gatunos, arrogantes,iresponsavel nao querem saber do POVO ;Como diz os nossos irmaos Moçambicanos “Os Bandidos,malandros e preguiçoso”Cidade de santome quem lhe viu;e quem lhe vê hoje; dar tristeza.Enfim espero que depois da Pandemia os santomense mudam de mentalidade.

  5. Fuba cu bixo

    11 de Maio de 2020 as 20:12

    Pelo aquilo que o Abel Veiga nos trouxe através das suas fontes espelha bem a gravidade da situação e são situações que são ocultadas pelos camaradas e governo S.tomé não tem ninguém para por os ventiladores ofertados a funcionar não sei uque andamos a fazer durante os 45 anos de independência todos os políticos só foram para política para auto enriquecer e deixar o pais desgraçado.

  6. Jaqueline Moreira

    11 de Maio de 2020 as 21:59

    Meus compatriotas STP está a colher o que plantou nestes 45 anos da independência. Com dividida de mais de Seiscentos Milhões de Dólares em 10 anos não conseguiram equipar um hospital em condições? Nem formar quadros a altura. Os 17 milhões de dólares do KUWEIT não foram suficientes para construir e equipar um hospital de referência ao longo de 3 anos de mandado? Passaram a vida na politiquie de caça às bruxas, prendendo opositores e indo a busca de dívidas ocultas, quando deveriam pensar e realizar acções concretas em prol.do país. Estav preocupados com Parlamento de 7 andares com 2 pisos para estacionamento quando a saúde estava a gemer de agonia. Obrigado COVID por nós mostrar todos lixos que estavam no tapete governamental. Apenas sabiamos. Agora com o COVID estamos a ver. Mais uma vez, obrigado COVID! Esses políticos e governantes ladrões ainda tem.coragem de escrever poesias exaltando tarefas de casa, quando a situação de saúde actual e manifestamente preocupante. Alguém ainda tem cabeça ou serenidade de pensar em escrever sobre ajuda as esposas em casa? Só pode ser alguém muito abastado, mas de cabeça muito oca. O estado actual da.nossa saúde espelha exactamente quão ocas são as cabeças dos que.nos governaram durante esses 45 anos. Semeamos o vento (festas, desnudas, viagens, carrões, mansões, prédio para o banco central, o roubo, venda da ENCO, venda da ROSEMA, venda da Pousada, compras de geradores absoletos, etc, etc), arrogância, perseguição aos adversários políticos, a desordem, a preguiça e o deixa andar, agora estamos a colher a te ouovoada. Non tlába cu má flamenta, non xca mole cu dolo de amblu.

  7. Coronavirus

    12 de Maio de 2020 as 7:58

    Sejam bem vindos…Ao País aonde encontra as pessoas adormecidas. Não por motivo Coronavirus.

  8. Como será

    12 de Maio de 2020 as 23:43

    Pois conterras, realmente a COVID19, veio mesmo para distapar as carecas destes govetnantes que nao têm amor a sua patria, nao se entende essa governacao vazia, descarada,imunda que se vive em santome, chegou a hora de santomenses acordarem e por um basta nisto,no momento da pandemia o governo esta de mãos atadas, com um sistema de saude precario, so falta eles tambem se contaminarem a covid19, so tenho pena do pessoal medico e enfermeiros que se contaminarao, o Ministro da saúde é um administrativo incapaz de dar resposta numa fase desta, dora vante aprenderão a valirizar os quadros e formar os demais, santome tem muitos medicos e enfermeiros intensivista que trabalham na diaspora porque o pais nao lhes deu valor e agora estao a previsar. Em 45 anos de indepencia nao temos pelo menos um intensivista no pais !!!😭😭😭😭MISERICÓRDIA.Meus senhores investem na formação do homem, sigam exemplo de Cuba, mandou para Angola 254 medicos de diferente especialidades, na Africa do Sul foram 200 médicos.

  9. Ralph

    13 de Maio de 2020 as 6:24

    Que situação triste. Tenho muita pena de São Tomé e Príncipe e desejo-vos toda a sorte no mundo na luta contra esta pandemia. Isto só reforça a importância de se obedecer às regras de higiene e distanciamento social.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo