Sociedade

INEM melhorou capacidade de resposta do Hospital Central  

Fotografia de destaque – Camões ( Instituto da Cooperação e da Língua Portuguesa)

A unidade de cuidados especiais do hospital central Ayres de Menezes, foi apetrechada com novos equipamentos, incluindo ventiladores. Equipamentos ofertados pela OMS, e que foram instalados pela equipa do INEM(Instituto Nacional de Emergência Médica) de Portugal.

A equipa composta por 4 membros que por solicitação da OMS, veio trabalhar em São Tomé no quadro da luta contra a Covid-19, formou o pessoal clínico nacional, em vários domínios de abordagem da doença, assim como no manuseamento dos equipamentos de tratamento, com destaque para os ventiladores.

Mais do que formar e estruturar as equipas de saúde para combater a Covid-19, a missão do INEM em nome da OMS, reforçou as capacidades do hospital central Ayres de Menezes, para dar resposta as situações de emergência médica.

Trata-se de uma das vertentes de assistência médica que São Tomé e Príncipe, apresenta graves carências técnicas e profissionais.

«Constata-se que a equipa que veio reforçar o combate à Covid-19 não apenas se surgiu neste aspecto, mas também contribuir para reforçar a capacidade do hospital e melhorias no sistema de saúde», referiu Antonim Ray Mankele, representante interino da OMS em São Tomé e Príncipe.

O Ministro da Saúde Edgar Neves, acompanhado pela representação da OMS e a equipa do INEM, visitou as instalações da unidade de cuidados especiais do hospital Ayres de Menezes. Uma unidade fulcral para casos de emergência, mas que se encontrava infuncional, tanto por falta de equipamentos, como por falta de pessoal capacitado.

«Nós temos as doenças não transmissíveis, que constituem maior taxa de mortalidade no lugar. Temos outras doenças, temos as endemias… e é preciso uma resposta sistémica, robusta ….Eis a razão que a equipa do INEM, com o patrocínio e orientação da OMS, apresenta-nos isto. Sem dúvidas houve mudanças na capacidade de resposta das situações mais graves, mais crítica», precisou o ministro da saúde.

Pascoal d´Apresentação, director geral do hospital Ayres de Menezes, fez um diagnóstico positivo. «Nós nos sentimos mais reforçados especificamente na unidade de cuidados intensivos, vocacionado para atender os doentes mais críticos, mais graves….Isto é uma grande melhoria para a unidade que nós já tínhamos, mas ela foi requalificada e trouxe uma grande melhoria para o hospital», frisou.

Arquitectos da melhoria da capacidade da unidade de cuidados especiais do hospital central, os 4 membros da equipa do INEM expressaram o compromisso de dar sequência ao trabalho de parceria com o sistema nacional de saúde.

«O trabalho vai continuar. Já não estaremos aqui em presença física mas vamos continuar a apoiar remotamente. O hospital de campanha está a funcionar correctamente com a equipa de cá, ajudamos a aperfeiçoar alguns circuitos do próprio hospital Central Dr. Ayres de Menezes. Também vamos continuar a ajudá-los na parte dos cuidados especiais para podermos melhorar o atendimento ao doente crítico e emergente», afirmou Ana Correia, chefe da equipa do INEM.

O titular da saúde enalteceu este trabalho realizado pela equipa portuguesa.

Na companhia da OMS, a equipa do INEM reuniu-se com o Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus. Reunião que serviu para despedidas. A equipa do INEM deixou lembrança para o sistema nacional de saúde. Lembrança que foi entregue ao Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Vanplega

    10 de Junho de 2020 as 18:41

    Quanto tempo vai durar em servico da populacao?

    Vamos ver se nao apareceu um desses senhores que acham que bem do estado e desses ladroes.

    Vamos esperar para ver.

  2. Santo

    12 de Junho de 2020 as 9:46

    Segundo as palavras do Pascoal d´Apresentação, director geral do hospital Ayres de Menezes,!Nós nos sentimos mais reforçados especificamente na unidade de cuidados intensivos, vocacionado para atender os doentes mais críticos, mais graves….Isto é uma grande melhoria para a unidade que nós já tínhamos, mas ela foi requalificada e trouxe uma grande melhoria para o hospital!, frisou.
    O povo agradece, sobretudo os doentes que recorrem ao hospital a procura da cura e que os profissionais da saúde os tratem com carinho e amor. Que o hospital passe a ser esperança de vida e não o fim da vida.

  3. Francesco Sinibaldi

    14 de Junho de 2020 as 15:03

    La frontière de mes mots.

    Je mentionne la
    vie qui brille,
    silencieuse, dans
    la première pensée
    d’une nouvelle
    émotion et ainsi
    cette mémoire,
    dans ton coeur,
    rappelle la lumière.

    Francesco Sinibaldi

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo