Sociedade

“Team Europe” agiliza testes do vírus SARS-COV-2 em STP

A parceria entre a União Europeia, Portugal e o Instituto Marquês de Valle Flôr, permitiu elevar a capacidade do laboratório nacional de referência na realização dos testes do vírus que causa a Covid-19.

A Unidade de testes PCR instalada no laboratório nacional de referência pela OMS, garantia até a última semana, análises a cerca de 50 amostras por dia.

Na quinta-feira, a capacidade de testes no laboratório de referência, conheceu um aumento exponencial. Tudo por causa de um extractor automático oferecido pela União Europeia, no quadro do projecto “Team Europe”. Portugal e o Instituto Marquês de Valle Flor, juntaram-se a iniciativa.

Doravante em 30 minutos o laboratório nacional, pode realizar 48 testes PCR da Covid-19.

Albert Losseau, adido de cooperação da União Europeia em São Tomé e Príncipe, disse que o extractor automático, vai permitir a realização de testes massivos a população. «Agora vai haver possibilidade de fazer muito mais testes», afirmou.

O embaixador de Portugal em São Tomé e Príncipe, realçou a importância do equipamento, numa altura em que a doença parece estar cada vez mais sob controlo das autoridades sanitárias.

«Este é um problema mundial. Todos os nossos povos estão  confrontados com este problema. Felizmente em São Tomé e Príncipe, estamos a passar por um período relativamente estável», declarou o embaixador Luís Gaspar.

O Ministro da Saúde Edgar Neves, destacou o facto de o reforço das capacidades do laboratório nacional de referência, contribuir para combater outras endemias que ameaçam a saúde pública em São Tomé e Príncipe. «Melhora a resposta a Covid-19, e a outras doenças endémicas que nos preocupam da mesma forma, como o HIV – Sida, tuberculose e o paludismo», frisou.

A OMS através da sua representante em São Tomé, Anne Ancia, se pronunciou a favor da parceria internacional, para combater um vírus mundial. «Um país com menos casos, significa o mundo inteiro com menos casos. Parabéns ao ministério da saúde que vai poder assim fazer o maior controlo e diagnostico desta doença em São Tomé e Príncipe», sublinhou a representante da OMS.

Por sua vez António Lima, representante do Instituto Marquês de Valle Flôr, prometeu continuar a apoiar o laboratório nacional de referência. «Vamos continuar a prestar uma atenção muito cuidada, as necessidades deste laboratório, inclusive conseguindo outros aparelhos que poderão melhorar a capacidade de execução dos exames», concluiu.

Um comunicado da cooperação portuguesa, explica que o projecto de apoio à resposta à pandemia de Covid-19 em São Tomé e Príncipe «é co-financiado pela União Europeia e pelo Governo Português, através do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., no montante global de 480.000 mil euros».

O comunicado acrescenta que do total de 480 mil euros, 360 mil são financiados pela União Europeia e 120 mil euros, pelo Camões, Intituto da Cooperação e da Língua.

«O projecto tem a duração de 18 meses (1 de julho de 2020 a 31 de dezembro de 2021) e é implementado pelo IMVF», conclui o comunicado.

Abel Veiga

 

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo