Sociedade

Setembro de 2020 foi o mais quente desde que há registros

Todos os 10 setembros mais quentes ocorreram desde 2005; após um declínio temporário causado pelo bloqueio e desaceleração econômica causado pela crise da Covid-19, emissões estão agora caminhando para os níveis antes da pandemia.

O mês  passado foi “o setembro mais quente de que há registro em todo o mundo”, informou a Organização Meteorológica Mundial, OMM.

A agência da ONU cita ainda dados Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, Noaa, mostrando que os primeiros nove meses de 2020 foram os segundos mais quentes, depois de 2016.

Vale da morte, nos Estados Unidos, onde terá sido registrado o novo recorde de temperatura, by Unsplash/Sarah Lachise

Recordes

Todos os 10 setembros mais quentes ocorreram desde 2005. Além disso, os sete setembros mais quentes ocorreram nos últimos sete anos, entre 2014 e 2020, continuando a tendência de aquecimento de longo prazo.

A variação da temperatura da superfície terrestre e oceânica do hemisfério sul da média em setembro de 2020 foi a maior já registrada. Enquanto isso, o Hemisfério Norte teve seu terceiro mês de setembro mais quente já registrado.

Em relação à extensão do gelo marinho do Ártico, foi a segunda menor já registrada. Por outro lado, o gelo marinho da Antártica ficou acima da média.

Pandemia

Os dados mais recentes sublinham a principal conclusão do recente relatório Unidos pela Ciência, coordenado pela OMM, de que as alterações climáticas não pararam com a Covid-19.

As concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera estão em níveis recordes e continuam aumentando. Após um declínio temporário causado pelo bloqueio e desaceleração econômica, as emissões estão agora caminhando para os níveis antes da pandemia.

Em comunicado, o secretário-Geral da OMM, Petteri Taalas, disse que os anos entre 2016 e 2020 “estão se tornando o quinquénio mais quente já registrado.”

Taalas contou que “embora muitos aspectos de nossas vidas tenham sido interrompidos em 2020, a mudança climática continuou inabalável.”

Os anos entre 2016 e 2020 estão se tornando o quinquénio mais quente já registrado

Segundo ele, “o mundo não está no caminho certo para cumprir as metas acordadas para manter o aumento da temperatura global bem abaixo de 2 ° C ou 1,5 ° C acima dos níveis pré-industriais.”

Temperaturas

Entre janeiro e setembro, a temperatura da superfície do oceano e da terra no hemisfério norte empatou com os valores de 2016, se tornando o período mais quente desde que os registros globais começaram em 1880.

Já o Hemisfério Sul, teve seu quarto período mais quente registrado.

Nesses meses, Europa, Ásia e Golfo do México tiveram seu período mais quente. No norte da Ásia, as temperaturas estavam pelo menos 3° C acima da média. A região da América do Sul e do Caribe teve uma temperatura que se classificou como a segunda mais alta já registrada.

Enquanto isso, condições mais frias do que a média apenas aconteceram no Alasca, oeste do Canadá, norte da Índia e oceanos do sul.

PARCERIA – Téla Nón / Rádio ONU

    2 comentários

2 comentários

  1. Ralph

    22 de Outubro de 2020 as 2:25

    Estas notícias são, indubitavelmente, muito perturbadoras. Se o mundo como um todo não pudesse conseguir reduzir o nível dos gases estufas durante uma pandemia global, não haveria muita hipótese de alcançar reduções significativas quando o mundo começar mais uma vez a emitir gases estufas aos níveis como costumava antes da eclosão da COVID-19. Dá-me pouca esperança de melhorias a longo prazo.

  2. Como será

    23 de Outubro de 2020 as 8:24

    Tudo isso. Mais as cortes de arvores duma forma anarquica e sem reposição das mesmas, incendios das matas, nos aqui no pais producao de carvao uma pratica que prejudica o nosso solo, e os homens do Ambiente fazem quase nada fazem, apenas ficam a espera da data para mostrarem a cara e depois dai tudo fica engavetado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo