Sociedade

Príncipe fecha escola secundária por causa da Covid-19

A ilha do Príncipe perdeu o estatuto do espaço territorial santomense que estava imunizado de forma natural contra o vírus SARS-Cov-2.

Há mais de 7 meses, que Príncipe não registava qualquer caso de Covid-19, doença provocada pelo vírus SARS-COV-2. Os casos registados na ilha há cerca de 7 meses, tinham sido importados de São Tomé, a ilha maior. Mas nos últimos dias, e de repente foram registados 5 casos positivos da Covid-19 na região autónoma.

Num comunicado distribuído à imprensa, o Governo Regional do Príncipe, lançou o alerta, impôs medidas mais restritivas, e pediu socorro. «Em face do agravamento da situação pandémica na Região Autónoma do Príncipe, com registo de cinco casos positivos nas últimas horas, encontrando-se 3 no hospital de campanha e 2 em isolamento domiciliar, depois de sete meses sem qualquer registo de caso oficial, …….»

O comunicado explica que por causa desse cenário, o Conselho do Governo Regional reuniu-se com carácter de urgência no último sábado.

Dentre as medidas adoptadas para conter a propagação do vírus na ilha habitada por pouco mais de 7 mil pessoas, destaca-se a suspensão das aulas no ensino secundário. Tudo porque um dos pacientes testado positivo é um professor, que segundo o comunicado teve contactos com outros professores.

«Suspender as aulas do primeiro e segundo ciclos do ensino secundário, ou seja, da 7ª à 12ª classes, durante um período de uma semana, isto é, de 11 à 15 de janeiro corrente, tendo em conta que dos pacientes testados positivos inclui professor que nos últimos dias esteve reunido no Conselho de Notas com demais professores, e, por outro lado, a necessidade de se criar as condições de segurança em ambiente escolar e realização de testes de despistagem no seio dos professores suspeitos», refere o comunicado do Conselho do Governo da Região Autónoma do Príncipe.

Por causa da propagação da Covid-19, pela primeira vez Príncipe não vai poder comemorar de forma efusiva o seu descobrimento, ou achamento. A história diz que a ilha foi descoberta por navegadores portugueses, no dia 17 de Janeiro de 1471.

«Suspender todas as atividades comemorativas do 17 de janeiro, com exceção do Ato Central restrito que se realizará em estreita observância das medidas de contingência sanitária», sublinha o Governo Regional.

Outras festas previstas para este mês de Janeiro na ilha, foram canceladas.

«O Governo Regional, em articulação com o Governo Central, está a criar as condições para realização da busca ativa integrada para uma maior clarificação da situação epidemiológica do Príncipe», acrescenta o comunicado.

As autoridades da ilha do Príncipe anunciam o reforço de outras medidas preventivas. O conselho do Governo Regional, liderado pelo Presidente Filipe Nascimento, diz que está a mobilizar recursos para a produção de máscaras que serão distribuídas à população.

Ao mesmo tempo, o poder político na região autónoma, faz saber que a ilha do Príncipe ainda não tem capacidade técnica e material para realizar o teste mais importante de diagnóstico da Covid-19, o PCR.

«O Governo Regional aguarda a todo tempo a certificação da câmara de segurança para a realização de teste PCR no Príncipe…», pontua o comunicado.

7 meses depois, Covid-19, ameaça a saúde pública na ilha do Príncipe.

Abel Veiga

    2 comentários

2 comentários

  1. Deus

    11 de Janeiro de 2021 as 17:55

    Deus vai ajudar população do príncipe e do país. Força pessoal da saúde. Medidas bem tomadas. Força Governo Regional

  2. Focotó

    11 de Janeiro de 2021 as 20:42

    Resultado da gala de futebol, meus parabéns que fizeram com que covid ganha se espaço no Príncipe.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo