Sociedade

Taxistas e motoqueiros começaram a ser vacinados contra a Covid-19

São Tomé e Príncipe recebeu recentemente mais 24 mil doses de vacinas AstraZeneca. Vacinas fornecidas no quadro da iniciativa Covax.

Desta vez os Taxistas, os Moto-taxis mais conhecidos no país por motoqueiros, fazem parte do grupo alvo a ser vacinado.

O processo de vacinação que começou em Março passado, foi suspenso após a administração das primeiras 24 mil doses. A COVAX manifestou dificuldades em fornecer ao país, as 96 mil doses de vacinas que estavam previstas para chegar ao país Maio último.

Em Junho São Tomé e Príncipe recebeu mais um lote de 24 mil doses de vacinas. A imunização dos taxistas e motoqueiros, começou no dia 23 de Junho. O Ministério da saúde fixou dois postos de vacinação diante do edifício do mercado municipal.

À semelhança da primeira campanha, o ministério da saúde pretende vacinar mais 12 mil pessoas com este novo lote de 24 mil doses da AstraZeneca.

Megafones da equipa de sensibilização alertaram os taxistas e motoqueiros para a necessidade de vacinar contra a Covid-19.

Plácido Paulo, Presidente da Associação dos Taxistas liderou a marcha da sua classe rumo aos postos de vacinação. Foi um dos primeiros a vacinar. «O processo está a decorrer bem. Já apanhei a dose, e os outros colegas estão também a aderir», afirmou o Presidente da Associação dos Taxistas.

Os motoqueiros, também são chamados a receber a primeira dose da vacina Astrazeneca. No entanto a equipa de sensibilização do ministério da saúde, confrontou-se com alguma resistência.   Um grupo de motoqueiros rejeitou o convite para vacinação.

Nelson Silva Barbosa, é um dos motoqueiros que mais protestava contra a vacinação. «Eu não vou vacinar. Não vou vacinar porque São Tomé não tem coronavirus», declarou o motoqueiro.

Florentina Rafael, consultora da OMS disse ao Téla Nón que esse tipo de resistência, e de declarações, são fruto do choque natural que uma Pandemia provoca na sociedade. Garantiu que a equipa de sensibilização e informação do ministério da saúde está a trabalhar no terreno para eliminar as incertezas, dúvidas, e a circulação de notícias falsas sobre o coronavirus no seio da população.

Paulino Monteiro, é outro motoqueiro que se manifestava ruidosamente contra a vacinação em curso. Segundo ele, o coronavirus não existe em São Tomé e Príncipe. Dinheiro, é outro problema que instiga o protesto de alguns santomenses contra a vacinação. Condicionam a toma da vacina, com a recepção de dinheiro.

«Muito dinheiro de coronavirus entrou no país. Eu não recebi.» Declarou o motoqueiro Nelson Silva Barbosa.

Paulino Monteiro, também reclamou pela não recepção de dinheiro que chegou ao país no âmbito do combate à Covid-19. «Distribuíram dinheiro para algumas pessoas. Nós não recebemos. Não vamos vacinar», frisou o motoqueiro.

Genoveva Bastos, enfermeira e coordenadora do posto de vacinação, rejeitou o protesto dos motoqueiros. Segundo a técnica de saúde, a população de São Tomé e Príncipe, beneficia de uma importante oferta da comunidade internacional em vacinas para evitar a propagação da Covid-19. «A população deve aproveitar esta oportunidade e proteger-se contra a doença. Não se vacina as pessoas a troco de dinheiro», pontuou a enfermeira Genoveva Bastos.

A equipa de sensibilização do ministério da saúde, tem pela frente um grande desafio. Combater os boatos em torno da Covid-19 em São Tomé e Príncipe, e provocar uma mudança de mentalidade e de atitude de alguns populares em relação ao processo de vacinação em curso.

Abel Veiga

    1 comentário

1 comentário

  1. Sotavento

    28 de Junho de 2021 as 9:26

    “Eu não vou vacinar.Não vou vacinar porque S.Tomé não tem coronavirus”
    Que ignorante, burro ,inculto…por isso estamos como estamos.Que sabe um tonto deste,que base tem para dizer semelhante barbaridade?
    Mal agradecidos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo