Sociedade

Engenheiro que proclamou a independência de STP é o patrono do aeroporto internacional

Aeroporto internacional “Nuno Xavier”. É a nova designação do único aeroporto internacional do país que completa hoje 47 anos como Estado independente.

Nuno Xavier, é uma figura de relevância política e histórica para São Tomé e Príncipe. Foi o primeiro Presidente da Assembleia Constituinte, e nesta qualidade proclamou a independência do arquipélago no dia 12 de julho de 1975.

Engenheiro Aeronáutico, foi o primeiro-ministro das infra-estruturas de São Tomé e Príncipe, antes de falecer em 1976 vítima de um acidente aéreo ocorrido em Portugal.

Nuno Xavier – Proclama a Independência de STP na praça da Independência – 12 de julho de 1975

Nélia Daniel Dias(na foto), filha de Nuno Xavier, e em nome da família discursou na cerimónia de inauguração do aeroporto com o nome do seu pai.

Nélia Daniel Dias – Filha de Nuno Xavier

«É um grande dia porque os são-tomenses estão a fazer homenagem ao meu Pai. Nuno Xavier Dias», declarou.

Segundo Nélia Daniel Dias, para além do seu pai, São Tomé e Príncipe tem muitas pessoas que precisam ser lembradas. «O nosso país tem o maior recursos que se possa imaginar, são as pessoas», frisou.

Nuno Xavier, é um nome consensual em São Tomé e Príncipe. «Gostava de realçar que o meu Pai é uma figura unânime, que não levanta a questão de consenso. O meu pai é homenageado pelo povo de São Tomé e Príncipe», acrescentou.

A empresa que administra o aeroporto, a ENASA, reabilitou as infra-estruturas, principalmente o parque de estacionamento de automóveis, e a zona de acesso para o espaço aeroportuário.

Sinal de modernização de um aeroporto agora com nome do primeiro piloto do país. Gaudêncio Costa o Director da ENASA, não escondeu a satisfação e empenho de todos os trabalhadores da empresa, na execução do projecto de denominação e reabilitação do aeroporto.

Aeroporto Internacional Nuno Xavier

«Estou satisfeito pela forma como nos entregamos a esta causa», afirmou, Gaudêncio Costa. Um momento de paz, e de concertação com a história do país.

«Hoje São Tomé e Príncipe, fez as pazes com um dos capítulos mais importantes da sua história, que é atribuir o nome da principal porta de entrada do nosso país, a um dos mais ilustres filhos Nuno Xavier Dias», acrescentou Gaudêncio Costa.

Por sua vez Osvaldo Abreu Ministro das Infra-estruturas, declarou, «para o mundo fica Nuno Xavier o Patrono do aeroporto de São Tomé».

A inauguração do aeroporto internacional Nuno Xavier aconteceu na véspera do dia da independência Nacional, 12 de julho.

Familiares de Nuno Xavier acompanhados pelo Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, e o Vice-Presidente da Assembleia Nacional Levy Nazaré

«Estamos a comemorar a quadra festiva dos 47 anos da nossa independência. Relembrar que a independência é um património inalienável. Por isso, ter o nome de Nuno Xavier Daniel Dias, intimamente ligado a este momento alto de liberdade do povo de São Tomé e Príncipe me deixa honrado», precisou o Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus.

Agora com nome de peso político, o aeroporto de São Tomé, avança no processo de modernização e ampliação.

Abel Veiga

6 Comments

6 Comments

  1. Armindo

    12 de Julho de 2022 at 15:00

    A homenagem merecida .
    Bem haja S.Tomé

  2. Andorinha

    12 de Julho de 2022 at 16:21

    Eu até não discordo com o nome que deram o aeroporto mais vocês acham que lavar cara do aeroporto com tinta e alcatroar estrada depois com aquele tapete rolante pequeno que colono deixou vai enganar o povo? Olha a placa o chão onde estaciona o avião esta uma lástima, eleição faz muita porcaria faz sai.

  3. Fuba cu bixo

    12 de Julho de 2022 at 16:35

    Vocês acham que vão conseguir enganar sempre este povo? A única coisa novo ali no aeroporto é o nome e de certeza que ouve sub-faturação.
    Vão mazé arranjar a mangueira do carro do bombeiro que esta todo furado marginal esta uma porcaria.

  4. Clemilson brasileiro

    12 de Julho de 2022 at 21:04

    Aeroporto mais ruim da África

  5. Onorio Pimentel de Sousa Almeida

    13 de Julho de 2022 at 13:54

    A homenagem atribuída agora ao Engenheiro Nuno Xavier Daniel Dias foi ideia minha levantada em 2016 aquando da Conferência Internacional sobre Transporte Aéreo realizada pelo Instituto Nacional de Aviação Civil INAC)no Hotel Praia. Quando fiz a proposta na altura alguns participantes da Conferência puseram-se a rir de mim mas hoje tornou – se realidade. À semelhança de muitos aeroportos do mundo inteiro dá- se um nome ao aeroporto , nome esse que pode ser de uma figura ilustre do país ou de algum acontecimento histórico do país.
    À semelhança disso , eu tomei parte numa reunião do Conselho Distrital de Àgua Grande de um partido da nossa Praça há dois meses atrás e levantei algumas preocupações inclusive uma que há muito tempo me preocupa. Trata se do nosso único hospital no país, quando os utentes chegam ali é um pandemónio para se fazer consulta por causa do processo ou ficha, como quiserem chamar, você precisa ter este processo para efectuar consulta e ele fica lá no chão ,procuram e não veêm. Eu na referida reunião propûs que se arranjasse dois jovens com conhecimento na informática e dois computadores e se informatizasse tudo isso o que vinha facilitar em muito a vida dos trabalhadores do sector e também dos utentes/pacientes. Isto é uma coisa simples e muito fácil de se fazer.
    Por hoje fico por aqui, há mais!

  6. Edson NEVES

    16 de Julho de 2022 at 2:27

    Homenagem aos heróis da pátria é um gesto honroso , mas certamente, se vivo estivesse também ficaria feliz em ver a sua pátria amada com uma verdadeira infraestrutura aeroportuária e não essa coisa parecendo pista de pouso de fazendeiros. Gestores desse país deveriam sentir vergonha por comemorarem 47 anos de nada, apenas de miséria, de sofrimento a que colocaram a população. 47 anos de estradas que ligam nada a lugar nenhum porque simplesmente, esburacadas (sem acostamento, sem sinalização ou mal sinalizada), 47 anos sem um porto marítimo digno de nome, sem uma cidade administrativa, sem planejamento, 47 anos de dilapidação da coisa pública, 47 anos de corrupção, 47 anos de decepção de um país que mal conseguiu preservar a infraestrutura recebida aquando da independência. 47 anos sem política pública de desenvolvimento social, 47 anos sem um cemitério digno para dar o último adeus aos que partem desse mundo. Comemorar o quê mesmo? Deveria ser um dia pra reflexão! A sociedade debater os erros cometidos nesses 47 anos, fazer pacto de não corrupção e traçar estratégias para desenvolver o país e tirar o povo da miséria. Ou será que virão + 47 anos desse jeito?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top