Opinião

O papel das mulheres no desenvolvimento socioeconómico da Ilha do Príncipe

A ilha do Príncipe é dominada pelo sector primário (agricultura, pesca e pecuária), onde se encontra uma percentagem significativa de mulheres a trabalhar, nas roças e campos agrícolas. Nos sectores secundários a mão- de-obra predominante é masculina.

Sendo considerada uma sociedade conservadora e tradicional desde a sua gênese, muitos preconceitos ainda prevalecem e a mulher ainda é alvo de estigmas sociais, o que por muito tempo lhe impediu trabalhar fora de casa.  Com a integração da mulher no mercado de trabalho, as mulheres assumiram um papel crucial para o desenvolvimento económico das sociedades modernas. Além de donas de casa, são mães, empresárias e empreendedoras de sucesso, que desta forma contribuem diretamente para o aumento das receitas económicas na ilha. Mas têm se debatido com muitas dificuldades e entraves ao seu percurso laboral.

Pouco incentivos sociais por parte de Estado, falta de subsídios para criação de seus filhos, aumento de casos de violência doméstica, discriminação social, pouca ação da proteção social, são só algumas das dificuldades que têm feito as mulheres  se sentirem desprotegidas e incapazes  na própria sociedade.

Sendo ainda reduzido o número de mulheres na vertente política e nos órgãos de decisão na sociedade, verifica-se o aumento das mesmas na participação em movimentos sociais e políticos.

Por parte da própria sociedade é necessário, apostar-se no investimento em programas de apoio ao empreendedorismo feminino de forma a combater ao desemprego.

Programas que promovam a capacitação feminina, autossustentabilidade e o empreendedorismo, onde a mulher   possa criar o seu próprio negócio, sem ser dependente financeiramente do seu companheiro. Programas como a Cooperativa de Valorização Resíduos do Porto Real, a Associação ‘Quai Iê’, são alguns exemplos de programas sociais e culturais de sucessos implementados na ilha do Príncipe, constituídos por mulheres que promovem o empreendedorismo social e económico.

Sendo a Região Autónoma do Príncipe uma sociedade matriarcal, é fundamental se valorizar a cada dia, o potencial da mulher e a sua contribuição para o desenvolvimento da região do Príncipe em todas as vertentes sociais.

Por:

Maida Salima Pequeno Paraíso

Formada em Sociologia

Ilha do Príncipe

    2 comentários

2 comentários

  1. Ofélia

    18 de Abril de 2019 as 22:38

    Parabens Maida. Belo texto. Continua assim a dar o teu contributo para o teu pais.

  2. SEABRA

    19 de Abril de 2019 as 11:10

    Eis o trabalho feito com interesse para com o seu povo….boa iniciativa.
    Em STP nao hà muitos SOCIOLOGOS , ora que é uma formaçao interessante para os nossos
    paises em desenvolvimento.
    Algumas pessoas podem ser formados neste dominio, mas têm mais teoria do que a Pràtica, visto nunca terem exercido (trabalhado), pelo menos no dominio dito de formaçao em SOCIOLOGIA. Certas pessoas fizeram esta formaçao por facilidade, quer dizer , para serem chamados de INTELECTUAIS, sem nenhuma convicçao ou vocaçao e por cima nunca desempenharam as suas funçoes (conheço o caso de uma senhora, que pouco conhece sobre os estudos da SOCIOLOGIA, que ela fez).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo