Opinião

Portugal Político

Na iminência de crise política em Portugal, um jornal citado pela SIC pergunta: Se não houver acordo orçamental e consequente dissolução do parlamento quem perde ou ganha com isso? Qual a resposta senão O POVO.
Numa fase e conjuntura dessas ainda em pandemia, já com alguns avanços e fundos europeus,  e ainda mais, com beneplácito do PR que revelou que não preferia eleições antecipadas com as consequências que certamente advirão, certamente haverá retrocesso.
Os partidos podem perder imagem e o poder…isso não é relevante para o povo. Ele sofre na pele, na vida concreta.
Mas confesso que, não obstante a tudo isso, essas vicissitudes de sinais de crise política é para mim fascinante porque  isso é  laboratório de ciência política.
Qualquer politico deve acompanhar esses acontecimentos. Com algum exagero, direi que vivo desses fenómenos. Sendo nós membros da CPLP, com todo respeito pelo essencial que é a política brasileira, eu tenho Portugal como referência para as minhas reflexões. Não tanto porque lá estudei Direito na FDUL e porque era “piucu” da vida pública portuguesa como ainda sou, por ser um país com quem temos relações mais intensas e termos linguísticos, de cooperação e amizade, por razões históricas e,  a verdade seja dita, por alguma limitação minha em termos linguísticos.
Lembrem-se da “geringonça” que acabou com a troica de Passos Coelho e que Espanha admirou e tentou aplicar! Que eu saiba, essa engenharia política foi inédita. E não se repetiu na legislatura seguinte. Não que seja melhor solução! Mas foi uma arquitectura bem montada, em que os partidos que apoiaram o governo nem quiseram “fulu” tachos.
Era uma mera garantia de governabilidade cujo apoio era parlamentar.
Hoje, “adeua congô”!
Mas como disse o Marcelo até ao último minuto ele conta com acordo orçamental.
E isso que PR está a fazer é para mim o auge da magistratura de influência, pois procura levar os partidos ao consenso e ao entendimento, evita do assim as eleições antecipadas.
E ele não pode ir além disso! A magistratura de influência não significa interferência,  nem muito menos usurpação de papel de cada actor político.
Tenho dito e mais não digo porque muito diria ainda.  É  fascinante ver esse ziguezague político.
Juiz Conselheiro Hilario Garrido 
    5 comentários

5 comentários

  1. luisó

    27 de Outubro de 2021 as 10:34

    Esta geringonça irá ser enterrada hoje.
    O governo da troyka só fez o que devia pois os anteriores deixaram o País na bancarota e por isso veio a troyka com todos os inconvenientes e quem passou a governar teve que o fazer com as regras e apertos deles. O Sócrates lá sabe o que fez ou não fez e tem os tribunais á perna.
    Aliás diga-se que sempre que Portugal chamou a troyka foi após governos dos socialistas. Interessante……
    Este OGE é uma miséria e mais do mesmo. É só Estado, Estado e mais nada.
    O País precisa de empresas fortes, emprego e exportação. Não precisamos de mais ESTADO.
    O Estado é o ARBITRO, não é empresário.
    Precisamos cortar nas centenas de Fundações que ninguém sabe o que são.
    Precisa-se de um Estado mais liberal nos negócios e nas leis laborais.
    O governo está cheio de maridos, esposas, filhos, sobrinhos, tios, etc dos boys do PS.
    Isto é uma vergonha e nunca visto.
    Morre uma pessoa no aeroporto e em vez de julgarem os criminosos dissolve-se uma policia e agora está um caos nos aeroportos, nos agendamentos, etc.
    É um fartar de vilanagem e ninguém do governo responde por nada.
    Exige-se uma mudança. Passaram 6 anos e está tudo cansado do Costa.
    Seja lá qual for a mudança é sempre bom mudar.
    Disse.

  2. Bom só

    27 de Outubro de 2021 as 10:41

    Outra vez? Mas até quando temos de aturar esse senhor…o que é demais é moléstia

  3. SEMPRE AMIGO

    27 de Outubro de 2021 as 12:01

    Credo1Credo! Credo!….Ma gis tra do do… TRIBUNAL CONSTITUCIONAL?Está tudo tão descarado na nossa República!Até as masturbações são publicitadas.

  4. Sem+assunto

    27 de Outubro de 2021 as 17:16

    Antes que se faça tarde…. esta de volta o nosso ilustre masoquista.
    Seja bem vindo monsieur Garrido!

  5. Chicão da Mina

    28 de Outubro de 2021 as 8:51

    Olá, por onde tem andado o Hilário Garrido – Juiz Conselheiro do Tribunal Constitucional de STP? Já tinhamos saudade das suas efabulações 😂😂😂

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo