Cultura

Lançamento do livro “Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do «Massacre de 1953»

Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do «Massacre de 1953» em São Tomé e Príncipe” (Edições Afrontamento), de Inês Nascimento Rodrigues (CES), que terá lugar este sábado, dia 30 de junho, pelas 16h00, na Cena Lusófona – Pátio da Inquisição.

A apresentação do livro será feita por Catarina Martins (CES/FLUC) e Diana Andringa (CES), cabendo a moderação a Bruno Sena Martins (CES).

Notas sobre a obra

“Espectros de Batepá” resulta de um projecto de doutoramento elaborado no âmbito do programa de ‘Pós-Colonialismos e Cidadania Global’ do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (CES/FEUC) e do trabalho desenvolvido no projecto “CROME – Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais”, do qual Inês Nascimento Rodrigues é investigadora.

Nesta obra – adianta a autora no texto de apresentação – o massacre de 1953 em São Tomé e Príncipe é “encarado não apenas como um evento histórico, mas como um evento cuja dimensão simbólica necessita de ser trazida para o centro da investigação”. “Na impossibilidade de aceder totalmente ao que constituiu a experiência do massacre – explicita –, é através da imaginação e das representações que se podem contar múltiplas memórias do evento”: as que “legitimam as narrativas públicas e/ou oficiais” e outras, “que fazem parte de um processo mais inclusivo, em que se criam espaços discursivos, simbólicos e políticos que permitem articular memórias não-dominantes sobre os referidos acontecimentos”.

É aqui que entra a figura do espectro: “O que é que os espectros contam sobre as memórias de Batepá e sobre o colonialismo português nas ilhas? O que é que revelam sobre as relações de poder e sobre a sociedade colonial? O que é que os espectros dizem sobre identidades sociais e grupos marginalizados no arquipélago? Quem escreve o massacre e quem o comemora? Como são desenhados Portugal e São Tomé e Príncipe nestas representações?” – eis algumas das questões a que Inês Nascimento Rodrigues procura responder com o seu trabalho.

Com prefácio de António Sousa Ribeiro (CES/FLUC) e posfácio de Miguel Cardina (CES), o livro é o segundo volume da coleção Memoirs das Edições Afrontamento.

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo