Desporto

 Nem com 100 países STP teria lugar no mundial  

Em 2026 o maior evento de futebol mundial, Campeonato do Mundo, será organizado pela primeira vez em três países (EUA, Canadá e México) e terá também pela primeira vez 48 selecções, anunciou a FIFA na última Assembleia Ordinária do organismo, realizado em Moscovo, capital da Rússia, à margem da competição que decore no país de 14 de Junho a 15 de Julho.

Esta notícia fez renascer a esperança dos países do “terceiro mundo de futebol”, como São Tomé e Príncipe, porque com o ampliação de números de representações, aumentará também o número das nações por continente, com destaque para a África, que deixará de ter cinco, com vimos agora, e também em 2022, no Qatar, e passará a ter nove agremiações.

Esta dilatação dará chance aos países que até agora ficaram à porta da competição, de lá chegar. Mas, não será de todos a tarefa mais fácil!

Aqueles que nunca estiveram quase lá, vão continuar a ficar de fora desta festa, mesmo com este alargamento, que segundo à crítica de futebol santomense, não contempla o arquipélago, se não for feito neste período uma intervenção profunda na modalidade, que a cada ano vai desapaixonando os seus simpatizantes, que numa sondagem sobre o assunto atiraram na maioria que “nem com 100 equipas São Tomé e Príncipe teria lugar numa fase final da competição”, outros só vêem a hipótese, quando começar a existir a boleia da “universalidade”, como acontece nos Jogos Olímpicos, onde o país tem à presença garantida por esta via, não obstante de ter conseguido pela primeira vez nos jogos do Brasil em 2014, a presença por mérito, através do canoísta, Bully Afonso.

Já os mais optimistas acreditam que é possível sem a dita boleia o país marcar presença na fase final do maior acontecimento de futebol mundial em 2026. Mas para isso, seria imperial o cumprimento às riscas das seguintes recomendações:

1ºCriação de uma escola de futebol personalizada em cada distrito e na Região Autónoma do Príncipe;

2º Institucionalização dos campeonatos iniciados, juvenis e júnior;

3º Criação de uma terceira competição para sénior;

4º Promover anualmente duas provas entre selecção da diáspora e selecção doméstica;

5º Aumentar os dias e horas de treino;

6º Construção de três campos de futebol, com mínimas condições [relva sintética, iluminação, balneários, ginásios];

7º Formação contínua dos treinadores e dos árbitros;

8º Criação de um plano de marketing para a promoção da modalidade;

9º Colocação dos potenciais talentos nos clubes europeus;

10º Realização com regularidade dos amistosos com as congéneres;

11º Realização de estágio nos países amigos;

12º Fomentação do jornalismo desportivo no arquipélago;

13º Reeducação dos santomenses sobre a importância do futebol.

Foram essas, as sugestões listadas pelos mesmos para transformar o sonho ou pretensão, em realidade.

Será isso possível em oito anos? Talvez sim, talvez não! A resposta depende do nosso desejo em primeiro lugar, e no segundo, do dinheiro para por em prática às advertências desta imensa lista.

Henrie Martins

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo