Economia

Assalto ao Banco Privado?

Esta interrogação toma conta da opinião pública nacional e internacional, após a reacção dos accionistas do Banco Privado de São Tomé e Príncipe, em relação a decisão do Governo através do Banco Central, em assumir a administração provisória do banco privado.

Desde 13 de Fevereiro último que o Banco Central decidiu administrar o Banco Privado. Segundo os accionistas do Banco Privado, já  no dia 26 de Fevereiro, o Banco Central decidiu «pela venda dos activos do banco sob pretexto duma “suposta” situação de pre-falência».

Numa carta-protesto, endereçada ao Primeiro Ministro Patrice Trovoada, ao Ministro das Finanças Américo Ramos e ao Governador do Banco Central Hélio Almeida, o conselho de administração do Banco Privado, denuncia as acções desencadeadas pelo Banco Central. « Com efeito, em 1 de Fevereiro de 2018 o Banco não se encontrava em situação de insolvência e a sua situação financeira contradizia completamente os vossos argumentos e a decisão de possível falência», lê-se na carta do Conselho de Administração do Banco Privado.

A partir de Luxemburgo, Cédric Yoan FOTSO, Presidente do Conselho de Administração do Banco Privado de São Tomé e Príncipe, informou ao FMI e aos principais doadores internacionais do país, sobre a acção considerada injusta desencadeada pelo Banco Central. Os accionistas « apelam  ao Fundo Monetário Internacional (FMI), bem como outros credores internacionais e europeus, para constatarem a arbitrariedade da qual são vítimas neste processo considerado injusto», lê-se na carta cm data de 5 Março.

O Conselho de administração faz uma radiografia da situação financeira do Banco Privado até 1 de Fevereiro, para provar que não havia qualquer situação de pré-falência.

Diz o conselho de administração, que o Banco Privado, foi alvo de uma forte injecção de capital no ano 2015 e em duas operações. A primeira no valor de 4 milhões, 24 mil e 20 euros, e a segunda que atingiu 4 milhões e 100 mil euros. «Perfazendo um total de investimentos em numerário no país unicamente por este banco, e  pelo nosso grupo no montante de Euro 8,1 Milhões ou seja STN 198,45 milhões», diz o Conselho de Administração do Banco Privado.

Os accionistas acrescentam que tendo o banco sido reestruturado e adoptado a nova designação, “Banco Privado”, não mais teve derrapagens financeiras que pusessem em causa a sua sobrevivência. « Depois dessa reestruturação com a injecção portanto de novos capitais, ninguém poderá contestar que os Fundos Próprios do Banco Privado STP (BSTP) até 01 de outubro de 2017, no valor de  3,77 milhões de euros, não respeitava os níveis mínimos exigidos. Em Fevereiro de 2018 o nível dos Fundos Próprios eram de 3,1 Milhões de euros, quando o mínimo exigido é de 3,4 Milhões de euros», sublinha o Conselho de Administração.

O Banco Privado recorda que o Governo de Patrice Trovoada, é um dos seus principais devedores. Até 11 de Fevereiro, o banco privado tinha concedido crédito ao Governo, em mais de 256 mil euros, para pagar salário dos funcionários públicos. «E detinha em 11/02/2018 um crédito concedido ao Governo de São Tomé e Príncipe no montante de STN 6,3 Milhões (Euro256 415) correspondente a um avanço de fundos para a regularização dos salários de Janeiro de mais de 1350 funcionários públicos), o que pressupõe uma  cobertura apreciável  ao nível de 160%», revela o Banco privado.

O conselho de administração, desmente também o Banco Central, quanto a questão de  segurança dos depósitos dos clientes. «Em nenhum momento da gestão do banco os depósitos dos clientes estiveram em risco, elevando-se em 12 de Fevereiro de 2018 a Euro 1 022 300 (STN 25,07 milhões) contra uma carteira de créditos de Euro 1 636 168 (STN 40,09 milhões) », detalha o BPSTP.

Por estes e mais factos detalhados na carta endereçada ao Governo são-tomense, o Conselho de Administração do Banco Privado, chega a seguinte conclusão …« os acionistas do Banco constatam que a decisão do Banco Central de São Tomé e Príncipe, de proceder a alienação  dos activos do BPSTP é na realidade uma tentativa grosseira de espoliação dos seus activos, portanto duma expropriação brutal dos depósitos dos clientes que à luz dos relatos acima referidos nunca estiveram em causa», concluiu.

Na luta contra a alegada espoliação dos seus activos por parte do Governo, via  Banco Central, o Banco Privado já avançou com uma providência cautelar junto ao Tribunal Judicial de São Tomé e Príncipe.

O leitor deve ler na íntegra a carta que o Conselho de Administração do Banco Privado, enviou ao Primeiro Ministro Patrice Trovoada, ao Ministro das Finanças e ao Governador do Banco Central.

Cópia original em francês – Banco Privadofrancês

Cópia traduzida  –Banco Priv 1

Téla Nón

    12 comentários

12 comentários

  1. João Carlos

    28 de Março de 2018 as 16:36

    O que tem o Banco Central a dizer sobre isso ?

  2. Vexado

    28 de Março de 2018 as 17:22

    Agora está assim…interesse obscuros, atropelo de leis e etc.

    Estranho o banco central não tentar recuperar as dívidas nem exigir ao Estado dinheiro. A administração cessante pode interpor uma acção judicial de execução contra os bens do Patrice trovoada no mundo fora.

  3. Acacio

    28 de Março de 2018 as 17:36

    Isto é uma autêntica brincadeira!!!! Isto não é pais não é nada! Estou envergonhado. Isto parece uma sociedade de mafiosos que estão a gladiar, utilizando todos os meios, para ver quem é que fica com maior quinhão para si. Está tudo muito confuso, imperceptível, nada transparente e muito complicado. Ninguém percebe neste momento o que é que se passa neste país.

  4. ADI a cair no poço

    28 de Março de 2018 as 19:18

    Tudo isto é uma operação de Patrice Trovoada junto ao Banco Central.
    Informações seguras dão conta de que este Banco será assumido por RAMY Libanês sócio de Patrice Trovoada, para fazerem lavagem de dinheiro.

  5. Ralph

    29 de Março de 2018 as 1:34

    Que atrapalhaça! Um governo soberano interferir nas operações de um banco é uma ação muito séria para tomar e não deveria ser feito sem primeiro serem tido feitas todas as precauções necessárias. Infelizmente, esta é o tipo de coisa que tende a prevalecer em países subdesenvolvidos, dando um mau nome a aqueles países como serem demasiado rápidos a violar o reger de lei e lançar-se em atividades corruptas. Cuidado!

  6. SAMPONHA

    29 de Março de 2018 as 11:12

    Este Banco Privado tem como o seu máximo representante dos accionistas o senhor Cédric que não é de agrado do senhor Patrice Trovoada, Primeiro Ministro que deve ao senhor RAMY uma soma vakliosa em dinheiro e viu que a melhor maneira que o senhor Patrice Trovoada tem de saudar a dívida é por o Ramy como accionista principal orientado pelo senhor Patrice Trovoada.Vêem aí as eleições e a melhor maneira de sacar dinheiro do cofre do Banco Privado é ter o RAMY como parceiro para poder compra consciência dos eleitores. O Banco Privado não tem problemas com os seus clientes.Os funcionários públicos afectos a este Banco recebem salário quando o Estado puser lá dinheiro, dado que o Estado é o maior devedor. Sabendo Banco desta situação, não arriscar enquanto o Estado não puser o dinheiro para pagamento aos seus funcionários. Os Partidos Políticos deveriam deslocar-se a este Banco para o apuramento da verdade e sair em sua defesa para salvaguardar os seus clientes

  7. Gerondino costa

    29 de Março de 2018 as 13:07

    Pois, é preciso reforçar o BGFI no mercado. Por isso, o Banco privado deve ser esmagado. Não viram que mandaram todas as empresas públicas abrirem contas no BGFI, mesmo os projectos?

  8. Democrático

    29 de Março de 2018 as 14:41

    A maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos.

    Os cidadãos São-tomenses precisam saber que o XVI Governo de Patrice Trovoada, Hélio Almeida, Américo Ramos tem levado São Tomé e Príncipe à verdadeiro caos financeiros e económicos.

    – Você escolheu Patrice Trovoada, agora aguenta:
    – Explicar sem complicar:

    . O Patrice Trovoada deve:
    (Afriland -USD.834.451);
    (BISTP – USD. 10.421.805);
    (BGFI – USD. 2.902.790);
    (Ecobank STP – 2.726.150);
    ( Instituto Nacional de segurança Social, nem velhos ele perdoa – USD.287.512);
    (Banco Equador – USD. 301.806)

    Estes dados são incontestáveis e verdadeiros.

  9. Metido a Besta

    1 de Abril de 2018 as 18:33

    Nao me espanta nada que passa em Sao Tome nem no mundo dos politicos.Nao passam dos aventureiros com alguma experiencia profissional num e outro nem tanto e vao cuidando da vida deles e dos seus e o pais e povo estao cada vez pior.

    Jeus que cuida de pobres e o pais foi ele quem os criou enquanto que os politicos eventarem politica para legitmar tachos e saques.

    Importei 4 patetes de vinhos em box 5l que custaram €3600.00 incluindo o traporte e o Sr P Trovoada e o ADI imposeram um imposto de € 4.0000.00 mas do que custo e transporte de productos,

    Num pais onde o governo nao ajuda e diz que primeiro esta os agentes nacionais da para entender que tipo de governos temos.

    Eu vi a celebracao de acordo entre a Republica da India e Sao Tome com bebidas e copos e Sr P Trovoa quer condicionar quem deve fazer negocios bem aqueles que devem fazer uso das bebidas alcolicas.

    Portugues explorou mas tudo estava livre para quem quiser comprar ou negociar e fazer negocios.

    Nenhum pais de mundo democratico lesgila quanto cidadao e empresa tem seu produto no porto e qualquer lesgilacao sao publicada e tem um certo tempo para entrar em vigor.

    P Trovoada e ADI nao percebem e nao sao nada democratico e muito meno pessoas decente para exercer politicas, pese embora nao abundar decencia na politica.

    Pior quando sao acessessoria fica a quem de desehar, Ouvi as explanacao de Sra Advogada Celia Deus Lima concerne TC,

    Primeiro, uma coisa seria ser formada em direito e outra seria doutorada em direito constitucional,

    Como todas lecenciatura existem especialidade e ja esta na altura para os diton doutores e editor de jornais pararem de enfirar barretes ao cidadao meno atento.

    5 juizes para TC indegitado por um unico partido nem precisa ter um formacao academica para percebevalencia ambivalencia.

    P Trovoada e ADI podem esperar que eu vou regressar a nossa terra e dai ajustaremos as contas.

    Sao Tome & Principe nao tem dono e cabe aos cidadao todos contribuir para a reconstrucao do nosso pais e nao ser um partido nem homem algum que pensar a democracia para impor seja la o que fosse.

    • Metido a Besta

      4 de Abril de 2018 as 18:03

      Metido a Besta

      1 de Abril de 2018 as 18:33

      Nao me espanta nada que passa em Sao Tome nem no mundo dos politicos.Nao passam dos aventureiros com alguma experiencia profissional num e outro nem tanto e vao cuidando da vida deles e dos seus e o pais e povo estao cada vez pior.

      Jesus que cuida de pobres e o pais foi ele quem os criou enquanto que os politicos eventarem politica para legitimar tachos e saques.

      Importei 4 patetes de vinhos em box 5l que custaram €3600.00 incluindo o transporte e o Sr P Trovoada e o ADI imposeram um imposto de € 4.0000.00, mas do que custo e transporte de productos,

      Num pais onde o governo nao ajuda e diz que primeiro esta os agentes nacionais imponde;lhe imposto a 100% da para entender que tipo de governos temos.

      Eu vi a celebracao de acordo entre a Republica da India e Sao Tome com bebidas e copos e Sr P Trovoa quer condicionar quem deve fazer negocios e aqueles que devem fazer uso das bebidas alcolicas.

      Portugues explorou mas tudo estava livre para quem quiser comprar ou negociar e fazer negocios.

      Nenhum pais de mundo democratico lesgila quanto cidadao e empresa tem seu produto no porto e qualquer lesgilacao sao publicada e tem um certo tempo para entrar em vigor.

      P Trovoada e ADI nao percebem e nao sao nada democratico e muito meno pessoas decente para exercer e fazer politicas, pese embora nao abundar decencia na politica.

      Pior quando acessessoria fica a quem de desejar, Ouvi as explanacao de Sra Advogada Celia Deus Lima concerne TC,

      Primeiro, uma coisa seria ser formada em direito e outra seria doutorada em direito constitucional,

      Como todas lecenciatura existem especialidade e ja esta na altura para os dito doutores e editor de jornais pararem de enfiar barretes ao cidadao meno atento.

      5 juizes para TC indegitado por um unico partido nem precisa ter um formacao academica para perceber de ambivalencia.

      P Trovoada e ADI podem esperar que eu vou regressar a nossa terra e dai ajustaremos as contas.Eles e Deus quem havera de prevalecer?

      Sao Tome & Principe nao tem dono e cabe aos cidadao todos contribuir para a reconstrucao do nosso pais e nao apenas um partido nem homem algum que pensa impor a democracia a quem na os bajulam seja la o que fosse.

      Colianialismo, Gorgulio , Patepa e partido unico nao maniatou-nos e nao vai ser P Trovoada e ADI que escravisar nosso povo.

      Jamais seremos vencido

      2

      1

      Responder

      • Velho cliente

        6 de Abril de 2018 as 11:24

        Essa é uma brincadeira de mau gosto.

  10. Velho cliente

    5 de Abril de 2018 as 12:43

    Depois de lida a carta dos accionista do Banco Privado, vi que está havendo uma injustiça.Se houve uma injecção forte do capital no valor em Euro de 8,1 milhões ou seja STN 198,45 milhões, deviam reconsiderar a situação do Banco tendo em conta os salários dos funcionários públicos são avançados e não declarar falência.Gostaria que ponderassem bem essa situação e dessem uma oportunidade aos accionistas do BPSTP. Foi e é o meu Banco de preferência.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo