Economia

Hotel de 30 milhões de USD vai nascer na Lagoa Azul

É um dos resultados do Fórum Empresarial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, realizado no início de Julho em São Tomé.

A Agência de Promoção de Investimentos que organizou o encontro dos empresários em São Tomé, anunciou que a Direcção Geral do Turismo conseguiu acordo com uma empresa da China, para construir um hotel na região da Lagoa Azul. «Um projecto foi aprovado. É a construção de uma unidade turística na Lagoa Azul», anunciou o Presidente da APCI.

Segundo Rafael Branco, o projecto inicial estava avaliado em 60 milhões de dólares. No entanto grupo privado chinês que vai construir o hotel na Lagoa Azul, reclamou que o espaço a ser concedido para erguer o hotel, não é suficiente para uma injecção de 60 milhões de dólares. «O Investidor considera que não há espaço suficiente para construir um hotel de 60 milhões de dólares, e considera que 30 milhões seriam suficientes», explicou.

Para além do projecto para construção de um hotel na Lagoa Azul, o forum de empresários da China e da CPLP em São Tomé, permitiu a ao empresariado são-tomense negociar com parceiros sobretudo da China, cerca de 30 outros projectos de investimentos. «Nosso sector privado sofre de várias limitações. Mas houve projectos muito bem apresentados, com os critérios exigidos. No entanto, um dia, não é suficiente para fechar um negócio», sublinhou o Presidente da APCI.

As empresas nacionais que partilharam projectos com as congéneres da China e da CPLP, continuam a negociar, as possibilidades de investimentos. «Tivemos conhecimento de alguns empresários que se manifestaram ter feito bom negócio, estando a decorrer as negociações entre as partes», acrescentou Rafael Branco.

A Agência de Promoção de Investimentos de São Tomé e Príncipe, foi instituída no ano 2012, mas segundo Rafael Branco, presidente nomeado em 2019, só agora está a dar os seus primeiros passos. «A agência não é ainda o que o país precisa. Precisa ser mais dinâmica, e que possa seguir os passos do investidor, e acompanhar o sector privado nas diferentes fases de implementação dos projectos», pontuou.

A realização do décimo quarto fórum empresarial China – CPLP, entre os dias 7 e 8 de Julho, foi o primeiro desafio da instituição. Mesmo assim deu nota positiva aos seus trabalhos na organização do Fórum que trouxe mais de 400 empresários, a maioria chineses, à descoberta das potencialidades de São Tomé e Príncipe.
Ainda para este ano, a APCI, pretende realizar mais dois fóruns empresariais em São Tomé. O Primeiro será com empresários angolanos e já está marcado para Setembro próximo.

Segundo Rafael Branco, em parceria com Portugal, também será realizado este ano um fórum entre pequenos e médios empresários de Portugal e de São Tomé e Príncipe.

Abel Veiga

    17 comentários

17 comentários

  1. Alligator

    26 de Julho de 2019 as 14:58

    Ver para crer, como Santo Tome!Apesar de não ver grandes beneficios, que a construção de um hotel possa trazer para o povo de STP, ainda mais sendo Chineses, pagando aos funcionarios salarios que não ultrapassam 800 a 1000 dobras.

  2. Pedro Costa

    26 de Julho de 2019 as 17:58

    Minha querida Lagoa Azul. Como era e como está!
    Se concretizar este investimento seria uma mais valia para o país e para a zona. No entanto seria bom que procurassem investimentos para termos bom hospital, boas estradas, bom saneamento (educar este povo neste contexto), e outros pontos de lazer, porque o turismo no nosso país não se incide só na construção de hotéis. Penso que que um país virado para o turismo precisa sim de alojamentos e outras coisas mais.
    Espero para ver porque de promessas já estou farto.
    Isto sim é para os privados e o estado tem de também fazer mais noutros campos. Não é ficarem a espera do dinheiro por baixo da mesa

  3. Lupuyé

    26 de Julho de 2019 as 23:58

    Tomara que não construam algo parecido com o “prédio” erguido perto da igreja da Conceição. Coisa mais feia e sem estética! Por outro lado e preciso que os nossos dirigentes façam com que os nativos tenham direito e acesso à praia. Ela pertence ao povo. Vamos fazer as coisas a pensar no futuro e no povo.

  4. Manuel do Rosario

    27 de Julho de 2019 as 2:03

    Muito boa aposta. Há países que sobrevivem quase exclusivamente do Turismo. O que é necessário de facto é materializar a obra de construção, alargamento e melhoria do nosso aeroporto, vias de comunicação e construção de um parque de estacionamento de transportes públicos organizados. Queria me referir ao parque de estacionamento dos autocarros. Como a nossa cidade já não tem espaço pode ser mesmo aí na zona de Gonga onde se pensa construir a nova cidade. Torna-se também importante fechar um pouco os olhos aos nossos parceiros financeiros que criam muitas dificuldades a qualquer governo aumentar salário na função pública e proceder está melhororia. Porque afinal, a nossa dobra só circula aqui mesmo.

    • Madiba

      9 de Agosto de 2019 as 9:13

      Estacionamento dos autocarros? Quais autocarros?

  5. Jacob

    27 de Julho de 2019 as 10:42

    Uma nota importante, o governo tera que exigir que as obras sejam de qualidade. Não quero pôr em causa a qualidade tecnica ou….mas é que ja viajei para vários países onde tive oportunidade de alojar em alguns hotéis Chineses com péssimas qualidade, mesmo nos Estados Unidos de América em plena Nova York existem alguns hotéis Chineses que não sei se até chamar de hotel. As empresas chinesas são conhecidas pela mal pratica de sob faturação. Está é a minha contribuição como filho da terra. Um bem aja

  6. José palhares de sousa

    27 de Julho de 2019 as 21:10

    Espero que nãq seja igual ao Centro Comercial Continental. Se for para isso, é melhor deixar como está

  7. Coerência

    28 de Julho de 2019 as 6:29

    É uma boa notícia. Agora a que se esperar pela sua materialização. No entanto, é importante o executivo fazer atenção á observação que o Jacob fez no seu comentário. Os chineses são campeões em manobras de sub faturação. Prova disso é o dito centro comercial continental, agora denominado supermercado continental, pois não tem qualidade nenhuma para ser centro comercial, que não tem estética nenhuma e de noite fica todo escuro sem uma lâmpada sequer para iluminar e embelezar a nossa capital.

  8. Zeca Conceição

    28 de Julho de 2019 as 15:33

    Meus caros, permitam-me dizer que estamos perdidos. Assim como foi em angola e em muitos países africanos, assim será em S. Tomé. “O modelo da ajuda da china é um problema que associado aos nossos corruptos incompetentes vai resultar num enorme falhanço” Os chineses dão empréstimos, e são eles mesmos a fazerem as obras, pagam muito mal aos nossos jovens que escravizam, não pagam impostos e concorrem em obras de construção em pé de igualdade com as as empresas locais, sendo que essas ultimas vão desaparecendo. Já têm uma pedreira na zona ôbô “área Protegida” Têm extração de areia em terra, e já estão a começar em boa entrada a extração de inerte “areão”. Maldito seja quem autorizou a entrada dos chineses

    • Reflexão

      30 de Julho de 2019 as 9:37

      Boa reflexão. Geralmente os Chineses oferecem com uma mão e outra fica para receber de volta. Não foi mal restabelecer a relação diplomática com a China. Mas com os Taiwaneses parece que a coisa era um pouco melhor tendo em conta o nosso nível de pobreza. Havia mais circulação do dinheiro. Maldita hora quando um só indivíduo tomou a decisão de romper esta relação.
      Eu como observador, já previa o nível de pobreza em que o país iria embocar com esta atitude.

      • Madiba

        9 de Agosto de 2019 as 9:18

        A pobreza com entrada da China em STP ainda nem começou. Quem viver verá!

  9. Tiberio

    29 de Julho de 2019 as 8:51

    Fórum empresarial China – CPLP, realizado entre os dias 7 e 8 de Julho de 2019 e hoje dia 29 de julho, e já têm projeto feito e orçamentado? Estranho!!!! Mais uma propaganda e parece que os nossos politicos não aprendem. Não sei porquê tanta pressa em fazer esse anuncio.

  10. Piukulância

    1 de Agosto de 2019 as 16:54

    E assim vamos andando e o povinho a ser lixado com f grande. Em cada investimento de chacha há apenas um punhado de gente a lucrar com isso, autênticos vendilhões da pátria
    Assim ate quando ?
    A independencia foi reduzida a isto?
    Misericordia!
    DEUS É GRANDE.

  11. Estrangeiro

    2 de Agosto de 2019 as 12:45

    Deviam ser muito mais cauteloso com investimentos chineses! Como ficou o centro comercial na cidade? A cidade de São Tomé beneficiou disto? Como será protegido o meio ambiente à volta da Lagoa Azul? Também durante a construção? E ainda mais, quem ocupará o hotel depois? Em Maputo, houve uma construção hoteleira há poucos anos por empresa chinesa (Maputo Gloria Hotel. De longe parece tudo de luxo, mas dentro nada funciona, a frente é um grande espaço de betão e pouca gente frequenta o hotel. Tres opinoes da Tripadvisor: 1) Limit your expectations, 2) Procurem outro, 3) Nada de Especial!). Pode muito bem acabar assim na Lagoa Azul. Afinal não é so construir um hotel, mas saber gerir. Ainda mais num local como Lagoa Azul.

    • Toni

      7 de Agosto de 2019 as 17:53

      Sim completamente de acordo com o seu comentário.

      Iniciou-se o novo colonialismo em Stp e eles nem perceberam ainda….

      O turismo em Stp não desenvolve com hotéis, desenvolve sim em criar ligações aéreas frequentes, ter segurança a nível de saúde através de clínicas devidamente equipadas, ter praias limpas e com areia, ter aeroporto condigno, ter energia, e muitas coisas mais…..

      Que serve este projecto, nada, e o mais certo não vai acontecer, porque Stp ainda é um regime comunista, em que as praias são do povo… acha que qualquer turista quer estar numa praia com o povo ao seu lado, jamais!!!!!

      Mas caso aconteça, vai ser um hotel Chinês, como em Angola, horrível…..

      Fui

  12. Madiba

    9 de Agosto de 2019 as 9:30

    Eu muito sinceramente só tenho a lamentar esta notícia. Ainda mais vinda da pessoa do senhor Rafael Branco. Para as pessoas menos esclarecidas, o senhor Rafael é das personalidades ou mesmo a personalidade com melhor currículo em todo S. Tomé e Príncipe. Mas como diz um amigo meu da Guiné Bissau, o africano quanto mais estuda fica ele mais preso à incompetência. Vejam si este projecto tem algum ingrediente para se acreditar. A ideia era 60 milhões de dólares, mas pela pequenês da área fica pelos 30 milhões!E mesmo assim, o senhor Rafael acreditou no projecto e veio ao público anunciá-lo. Deus salve S. Tomé e Príncipe e os santomenses.

  13. Mário Martins

    17 de Agosto de 2019 as 10:20

    É verdade que quem não arisca, não petisca. Necessário se torna adequar os projectos de forma inteligente para não compremeter o future. Já temos um espaço muito limitado de terra. Devemos construir sim Hoteis de luxos nos lugares dessas lindas e inegualáveis fazendas ou dependências das roças que estam em ruinas ou já destruidas.No meu fraco conhecimento nesta area, eu defendo a reabilitação das roças com components novos e modernos/ turismo rural de tipo único -S.Tomense. Nossa praias ou melhor, nossa orca maritime deve estar o mais natural possível em detrimento do que se vê por outras paragens. No que se refere a qualidade de construção Chinesa deixa muito a desejar. Poquê não ter construção europeia com dinheiro de Chineses.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo