Economia

Baleias, golfinhos e tartarugas atrasam a BP na prospecção de petróleo em STP

A petrolífera britânica BP, que adqueriu direitos de exploração dos blocos 10 e 13 da zona económica exclusiva de São Tomé e Príncipe, manifestou esta quarta – feira, o seu compromisso em proteger o ambiente marinho do arquipélago.

Uma delegação da petrolífera britânica reuniu-se com o Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, e a saída do encontro, anunciou que os estudos sísmicos para prospecção de petróleo nos dois blocos, só começarão em dezembro próximo.

Tudo porque segundo Daniel Ndzi Shirmboh, porta voz da delegação da BP, a empresa está comprometida em proteger o ambiente de São Tomé e Príncipe, que conserva espécies de plantas e animais muitos endémicos e outros em vias de extinção no mundo. « Ainda não começamos porque queremos preservar o ambiente de São Tomé e Príncipe. Neste momento estão a chegar baleias e golfinhos nas águas nacionais. Por isso não podemos iniciar os trabalhos de sísmica. Os golfinhos vão migrar para outras águas no final de outubro. Por isso em Dezembro iniciaremos os trabalhos de sísmica no bloco 13», afirmou o porta voz da delegação da BP.

Para não incomodar o processo de nidificação das tartarugas, nem da desova de peixes que nesta altura migram pelas águas são-tomenses, a BP decidiu realizar os testes sísmicos sobre os dois blocos em duas fases. «Também soubemos que as tartarugas começam a desovar no ilhéu das rolas em finais de Novembro, e em Janeiro também estarão em nidificação na região da Cidade de Neves no norte da ilha. Por isso avançaremos 50% dos trabalhos de sísmica no bloco 13 que está mais próximo da ilha de são Tomé, e depois saltamos para o bloco 10 que está mais próximo da ilha do Príncipe», pontuou.

Segundo Daniel Ndzi Shirmboh, os blocos 10 e 13, estão localizados há 3 mil metros de profundidade. Os testes sísmicos para avaliar as potencialidades dos dois poços em hidrocarbonetos, vão durar 6 meses. Assim, só no segundo semestre do ano 2020, a BP, terminará os trabalhos de sísmica nas águas nacionais.

Actividade de prospecção de petróleo que pode abrir oportunidade de prestação de serviço por parte de empresas baseadas em São Tomé. «Se existirem empresas nacionais com capacidade de prestar algum serviço vamos contratar. Uma das nossas prioridades é a capacitação dos são-tomenses neste domínio», frisou Daniel Ndzi Shirmboh.

A perfuração dos dois blocos que se previa para este ano, fica assim adiada para 2020. Só depois dos testes sísmicos, começara a perfuração dos blocos. «Estamos a investir e acreditamos de momento que deverá ter petróleo», concluiu.

No encontro com o Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, a BP, analisou outros aspectos da sua responsabilidade social, assumida no contrato de patrilha de produção dos dois blocos.

Uma das responsabilidades assumidas pela companhia britânica, é de garantir o fornecimento de energia eléctrica ao país, com base na aquisição de geradores capazes de produzir 10 megawatts. O acordo para aquisição e instalação dos grupos de geradores de marca caterpilar, já foi assinado no mês de Agosto. «É um contrato chave na mão. O financiamento já está disponível. A duração é de 8 semanas. O relógio começa a contar a partir da próxima semana. Portanto os geradores devem estar aqui, nas próximas 8 semanas, a contar da próxima semana», explicou o porta voz da delegação da BP.

Ainda no âmbito do apoio social ao país, a petrolífera britânica, abriu um concurso público para as ong e a sociedade civil são-tomense, no sentido de apresentarem propostas, para executar projectos nos sectores da educação, ambiente, e acesso a energia renovável.

Abel Veiga .

    5 comentários

5 comentários

  1. S.Tome

    12 de Setembro de 2019 as 5:02

    Muito bom vendo desta parte, preservando animais únicos e em via de extinção.
    Mas se assinatura do contrato pressupõe fornecimento de energia, porquê não energia limpa em vez de giradores, que irão funcionar com água ( ou esqueceram que o primeiro ministro disse que preço de gasóleo vai subir) e para mais depois abri concurso fazendo referencia a eneegia limpa, gozo, concurso para sociedade civil, que não está preparada e que não saberá como apresentar candidatura, olha estamos atentos Governo, e tela non por favor, acompanhar esta notícia até ao fim,

  2. Ralph

    12 de Setembro de 2019 as 6:25

    Esta é a decisão correta, sendo inútil ter-se barris de petróleo e muita energia se não se tivesse um ambiente saudável no qual se pode desfrutar dessas coisas. É possível existir os dois em sinergia, mas apenas se as petrolíferas prosseguissem com cautela e sem demasiada pressa. Gosto também do objetivo da BP de treinar e capacitar trabalhadores locais.

  3. Zacarias

    12 de Setembro de 2019 as 8:50

    “com base na aquisição de geradores capazes de produzir 10 megawatts.”

    Parece que os Africanos em geral e santomense em particular, nada aprendem. Então, vamos assinar acordado para comprar geradores que nos vão obrigar a gastar milhares em dinheiro, na compra de combustível, na BP?
    Porque é que a BP não se propõe em construir centrais elétricas de energias renováveis em STP? Os europeus não são nada burros!

  4. Antonio Danqua

    12 de Setembro de 2019 as 8:59

    Neste aspecto deve-se +arabenizar a postura da Diretora das Pescas Aida Almeida que foi quem advertiu a petrolifera BP para se ter o devido cuidado com a flora e fauna maritima santomense.
    É assim que se deve acautelar em relação ao futuro do país , em relação a protecção do ambiente.
    Por outro lado, deve-se também felicitar todoo esforço do governo junto da BP, pois os responsáveis da empresa disseram ter encontrado da parte do Governo uma disponibilidade franca e aberta, preocupando-se fundamentalmente com as questoes de natureza social, desde logo a questão de energia, em que a BP vai financiarn5 novos grupos geradores, a questão das bolsas de estudo em que a BP se comprometeu em apoiar os estudantes bolseiros internos de STP, a construção de escolas e unidades de saude.
    Com seriedade e sem populismo, penso que o governo de JBL esta a dar sinais de responsabilidade.
    Esperemos que assim continue.

  5. MIGBAI

    12 de Setembro de 2019 as 15:55

    Meus irmãos.
    Nem imaginam como fico triste em ver tanta inocência da vossa parte.
    Abram os olhos por favor.
    A BP ainda não começou a prospeção, unicamente porque o preço do barril de grude está muito baixo e não compensa o investimento.
    Vejam o que aconteceu a outros países em virtude da baixa de preço do barril de grude.
    Olhem o que aconteceu à Venezuela, a Angola e outros países que cuja economia se sustentava unicamente no petróleo.
    Vejam meus irmãos a realidade e não se deixem enganar por quem tem muita experiência em enganar.
    Não podemos ser anjinhos.
    Temos que pensar, e saber pensar, ao nível dos europeus, e não ficarmos unicamente pela nossa ingénua incapacidade de ver mais longe, os motivos de lindos discursos.
    Temos que ter orgulho em sermos pretos inteligentes e perspicazes nas análises comportamentais e das conversas lindas que nos querem impingir.
    Meus irmãos, os da BP estão cagando para os golfinhos, baleias e tartarugas, o que lhes interessa, é unicamente atrasar o processo de prospeção até que os preços por barril sejam viáveis à exploração.
    Enquanto o barril de grude estiver abaixo dos 80 Dólares, podem acreditar que não é viável a exploração e ninguém vai gastar milhões para nada.
    Acordem por favor meus irmãos, não sejam ingénuos tipo crianças que ficam todas contentes com a possibilidade de receberem um doce que não existe.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo