Política

Golpe de CHEFE

Em Maio de 2017, quando tomou posse como Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e do Tribunal Constitucional de São Tomé e Príncipe, Manuel Silva Gomes Cravid, enquanto Juiz Presidente do órgão de soberania de poder judicial advertiu que os juízes não têm “CHEFE”, e por isso mesmo nunca devem agir segundo a vontade de um hipotético “CHEFE”.

«O nosso chefe é a constituição, são as leis e a nossa consciência. Repito, o nosso chefe é a constituição, são as leis e a nossa consciência…», declarou em voz alta e em bom som, o Juiz Presidente Silva Cravid.

No salão do Palácio da Justiça, o novo Juiz Presidente com os olhos fixos nos juízes, reforçou ainda que ««nunca devemos esquecer que somos independentes, e que devemos resistir e afastar de qualquer influência política, pública ou privada».

Desafio para desobediência à vontade do CHEFE, foi lançado aos Juízes e aos Tribunais. Mas, um ano depois, exactamente no mês de Maio de 2018, Manuel Silva Gomes Cravid, colhe as consequências do desafio lançado.

A maioria que idolatra o CHEFE alargou-se. Ficou maior. Até pessoas que antes pareciam não ser servos e servas do CHEFE, entraram em cena e começaram a se manifestar em veneração ao CHEFE.

O Juiz Conselheiro que se manifestou “rebelde” desde o dia da sua investidura, começou a pagar caro pelas suas declarações de desobediência ao CHEFE. ««Não se deve fazer politiquices com o sistema judicial, e por isso devemos agir em conformidade com a constituição e os princípios constitucionais, mormente o princípio de separação dos poderes e o respeito mútuo e recíproco pelos órgãos de soberania», havia declarado o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, em Maio de 2017.

O CHEFE ouviu e começou a agir. Com apoio dos seus novos e antigos súbditos, em Janeiro de 2018 tirou o Tribunal Constitucional (Tribunal Eleitoral) da alçada do Juiz  Presidente do Supremo Tribunal de Justiça. Processo legal definido pela Constituição Política, no entanto, contestado por vícios e irregularidades na eleição dos Juízes. São Tomé e Príncipe parece ser o único país do espaço lusófono, (excepção feita à Guiné Equatorial), em que todos os Juízes do Tribunal Constitucional foram eleitos como expressão da vontade de um e único partido, o maioritário do CHEFE.

Já em Fevereiro de 2018, o CHEFE baniu a presença do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça da Sala Vip do Aeroporto Internacional de São Tomé.

Em Abril, a maioria do CHEFE aprovou no parlamento a reforma da justiça. A maioria apoiada por novos servos e servas do CHEFE propuseram uma reforma da justiça em que os juízes passam a ser nomeados directamente pelo Governo.

Acção política e com apoio jurídico também único no espaço lusófono. Pois decretou o fim da independência dos juízes definida pela constituição política. Com a nova lei só poderá ser juiz quem o CHEFE quiser, e ser da sua confiança política.

O Juiz Conselheiro “rebelde”, que em Maio de 2017 garantiu que os juízes são independentes, ficou assim encurralado. Já com pouca margem de manobra, face ao cerco da maioria com apoio jurídico de novos servos e servas do CHEFE, o juíz “rebelde” sob pressão da justiça de um país amigo-Angola decidiu fazer justiça em relação à galinha de ovos de ouro(Rosema), que anima as finanças do sistema, tanto do poder como da maior força da oposição.

O Juiz “rebelde” estava entre a espada e a parede. A sua sentença já tinha sido escrita pelo CHEFE. Se não tocasse na galinha de ovos de outro do sistema, seria mais cedo ou mais tarde exonerado na base da nova lei aprovada pela maioria do CHEFE, que decidiu dar ao Governo o poder de exonerar e nomear juízes.

Se tocasse na galinha de ovos de ouro do sistema, a queda seria mais célere. Aliás, o Téla Nón sabe que em Dezembro de 2017, quando reacendeu uma polémica em torno da galinha de ovos de ouro, uma juíza da Corte na altura aborrecida com tal possibilidade de se tocar na galinha de ovos de ouro, teria advertido ao Juiz Presidente da Corte, de que ao tocar no caso da galinha de ovos de ouro, a casa da democracia (Assembleia Nacional), avançaria com um projecto para exonera-lo.

E assim foi…..O Juiz (rebelde), sem margem de manobra tocou na galinha de ovos de ouro….. o sistema parlamentar dominado pelo CHEFE agiu, exonerando todos os juízes que tocaram na galinha de ovos de ouro.

Os são-tomenses que não analisam o país segundo a orientação do CHEFE, não precisam de lupa para constatar que o acto da maioria parlamentar(ADI – MLSTP), viola a constituição política. O mundo também já percebeu que o sistema democrático são-tomense, está em fase conclusiva de uma subversão da sua ordem constitucional.

Antes havia separação de poderes e interdependência de poderes. Hoje, 28 anos após à instalação da democracia pluralista, tudo parece resumir-se à vontade de um CHEFE, venerado e idolatrado pelos seus servos e servas.

Téla Nón

    14 comentários

14 comentários

  1. JOAO CARLOS

    16 de Maio de 2018 as 14:34

    A Ditadura já está consumada, agora vamos ver quanto tempo ela durará e as consequências que dali advirão , aliás já se fazem sentir com os cortes constantes de eletricidade e o aumento da pobreza, os cidadãos sem perspectivas nenhumas de vida…. S. Tomé e Príncipe está neste momento no fundo do poço….

  2. JOAO CARLOS

    16 de Maio de 2018 as 14:40

    Importante será que todos os que não se reveem neste regime ditatorial e corrupto, estarem unidos em prol da nova luta de libertação….

  3. Oi

    16 de Maio de 2018 as 14:44

    Obrigada dr. Silva e tds juízes… Estou muito grata. Força. Povo vamos salvar a nossa democracia, nem que seja com violência…

  4. original

    16 de Maio de 2018 as 15:02

    Nem tudo está perdido porque ainda existe um Chefe Supremo que é dono disto tudo que actuará no momento certo, independente da nossa vontade.
    Deus tem poder sobre satanás.

  5. Vexado

    16 de Maio de 2018 as 15:28

    Servas e Servos…os Cervicais assim dizer!

    Identifica-los é muito difícil, todos são bufos, incluindo o Jonas Gentil. Quero ver os acórdãos do Tribunal Constitucional para compreender a obediência ao CHEFE.

  6. Maria Silva

    16 de Maio de 2018 as 16:34

    Já dizia o ditado ; quem não mata morrer, ou equipa que não marca sofre…….
    É inadmissível os atrevimentos deste pinta cabras juntamente com esses ladroes desgraçados dos chamados “ são Tomenses “ estamos feitos à bifes

  7. Xico Dende

    16 de Maio de 2018 as 18:17

    O Patrice acaba de comer um erro muito básico e dar um tiro no seu próprio pé.
    Eliminou um grande juiz, mas sem se ter apercebido, acabou de dar aos santomenses, um excelente candidato à Presidência da República.
    Queremos Silva como nosso Presidente já!!!

    • PUMBU

      17 de Maio de 2018 as 17:35

      Compartilho plenamente a sua conclusão.

  8. Carlos Santana

    16 de Maio de 2018 as 18:44

    Muito bem téla-non!
    Uma óptima retrospectiva.
    Mais não disse, do que toda a verdade.
    Obrigado!

  9. Francisco Ramos (PARDAL) BI 26649

    17 de Maio de 2018 as 0:42

    Meus caros concidadãos nunca devemos agarrar o gato selvagem na cauda ou nas patas. Devemos sempre agarrar no pescoço na parte dorsal e bem agarrado para ele ficar desmobilizado. Caso contrário o gato podemos ser arranhados com as suas unhas e ou sermos mordidos por esse gato. Os fazedores da justiça agarraram o gato selvagem na cauda ou na cauda. Como consequência o gato começou a fazer o que melhor sabe fazer: morder e arranhar. Os que já foram mordidos estão em casa muito mal. Os que ainda não foram mordidos sabem que isso vai acontecer e agora estão com medo do gato.

  10. WXYZ

    17 de Maio de 2018 as 1:53

    O Tela Non tentou fazer bonito mas ficou tudo sem piada. Ta tudo contra os factos. Esqueceste de colocar ali nesta sua ficticia cronica aquela famosa frase do silva “Deus perdoa eu nao”. Pra nao falar dos filmes que o mmo assistia: “O JUSTICEIRO” “ESTRELA NEGRA” “HOMEM NU COM FACA NO BOLCO”. O que demonstrava que o homem se posiciona acima de Deus. O individuo subiu pr ali ja com um sentimento de rancor e vinganca, sentimento xenofobo, de tribalismo, de pensar que ee mais santomense do que o actual primeiro ministro. “EPA! QDO EU CHEGAR LA VOU POR ORDEM NAQUILO PA”. Ee o que constatava se por ai qdo o mesmo sonha acordado no seio de colegas.

    • Orth

      17 de Maio de 2018 as 18:11

      O que está em causa não é o respeito à constituição? O sentimento de rancor ou qualquer outro sentido reprovável pouco ou nada importa. É repugnante pensar e agir atropelando a nossa constituição somente porque se acha uma pessoa, nesse caso o ex PSTJ, rebelde.
      Pensemos no país!

  11. Muita fe

    17 de Maio de 2018 as 21:53

    já está mais que provado que o actual 1º ministro é um tirano e ditador e quer controlar a justiça para perpectuar no poder a qualquer preço. A situação socioeconómico e política do país está cada vez pior com este gabonês maquiavélico que subiu ao poder para vingar-se.

  12. Ah S.Tomé

    18 de Maio de 2018 as 19:00

    A minha pergunta é a seguinte: Até quando é que o grosso dos São-Tomenses nacionalistas e descontentes com o actual sistema de governação se mantenha impávido e sereno perante todas as atrocidades que têm sido cometidas pelo Déspota Hitler e Estaline nas vestes Patrice Trovoada? Não é para darmos a este pseudodemocrático o prazer de agravar os conflitos que pode culminar no pior. Mas é urgente que a sociedade civil se organize para pôr um basta a tanta perseguição, discriminação dos ódios e desmandos deste (des)governante.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo