Política

MP não arquivou o caso da EMAE que envolve milhões de euros e apagão geral

O Ministério Público de São Tomé e Príncipe, anunciou que deduziu acusação contra pelo menos um arguido no caso da manutenção dos geradores da empresa de água e electricidade.

O arguido agora acusado pelo Ministério Público na prática de um crime de administração danosa e outro de detenção de arma proibida, já se encontrava detido na cadeia central desde Maio passado por ordem do juiz de Instrução e em regime de prisão preventiva.

O Ministério Público de São Tomé e Príncipe conseguiu neste caso de gestão da EMAE , reunir provas suficientes que sustentassem a acusação. «No decurso da instrução preparatória foram efectuadas diversas buscas, inquiridas mais de 15 testemunhas e recolhidos dados bancários e uma vasta documentação tanto em suporte de papel, como digital», diz o comunicado do Ministério Público divulgado pelos órgãos de comunicação social do Estado.

Mário Sousa, que foi Director Geral da EMAE, empresa pública de água e electricidade, nos últimos 4 anos(2014 – 2018), é o único arguido a que o Ministério Público deduziu acusação, após as ditas investigações realizadas.

São Tomé e Príncipe, registou uma grande crise de energia eléctrica nos seis últimos meses do ano 2018. Uma crise de energia que assumiu contornos de escândalo depois das eleições legislativas de outubro de 2018. Apagão geral, provocou manifestação violenta da população de diversas localidades do país que ateou fogo nas ruas.

A crise sem precedentes de energia eléctrica, ocorreu 1 ano depois do então Governo numa montagem financeira conjunta com a EMAE, ter adquirido um grupo de geradores em Portugal no valor de 5 milhões de euros, e tendo baptizado o equipamento como “novo e salvador” da situação do país.

De repente os mesmos geradores novos, começaram a cuspir gasóleo e tornaram-se tecnicamente irrecuperáveis.

Abel Veiga

    5 comentários

5 comentários

  1. Coerência

    28 de Julho de 2019 as 6:45

    O título desta notícia deveria ser, “O MP deduziu acusação no caso da EMAE …”

    O país está a entrar numa fase em que a sociedade civil está bem atenta. Já estamos cansados de partidarismo. Os jornalistas também são submetidos a este escrutínio. Façam notícias com clareza e não para influenciar o leitor contra esta ou aquela instituição.

    De resto, o MP fez e muito bem o seu trabalho, se deduziu acusação é porque durante a instrução preparatória obteve meios probatórios susceptíveis de acusar o arguido.

    Cada um responde pelos seus atos, agora cabe ao acusado constituir advogado e se defender. Ponto final.

  2. Coerência

    28 de Julho de 2019 as 6:49

    Já então Telanon, nenhuma novidade sobre a demanda que opõe os juízes dos tribunais judiciais ao tribunal de contas? E sobre o caso que envolve o diretor do Instituto da segurança social, alguma novidade para ficarmos bem esclarecidos sobre o assunto?

    • Alligator

      29 de Julho de 2019 as 10:35

      Coerência, por estas noticias que referistes,podes esperar sentado, todos nos sabemos para que lado pende a balança do “Tela non”….

  3. Adeliana Nascimento

    28 de Julho de 2019 as 17:38

    Este MP, faz muito BôBô. Nem investigar conseguem

    • WXYZ

      29 de Julho de 2019 as 21:50

      A manchete em si é patética. E fez com que Adeliana Nascimento fizesse um mau comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo