Política

Ao décimo mês de mandato “JBJ” suspira de alívio

2 de Outubro de 2019, foi anunciado pelo Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus(JBJ), como sendo um dia histórico para o seu governo e para o país.

Histórico, porque conforme tinha sido previsto, na primeira semana do mês de Outubro, o Fundo Monetário Internacional(FMI), confirmou “Acordo” com o Governo são-tomense, para um novo programa de facilidade de crédito com duração de 3 anos.

«Foi um processo muito laborioso, e um diálogo difícil. O exercício dos últimos 3 anos foi um desastre. Por isso mesmo para negociar este novo ciclo, o aperto foi maior, com medidas mais gravosas», afirmou o Chefe do Governo.

Numa conferência de imprensa no Palácio do Governo, Jorge Bom Jesus, disse que «eu não dormia», por causa das preocupações com as negociações com o FMI. Sem o acordo de facilidade de crédito com o FMI, o Governo sentia-se bloqueado. A maioria das acções inscritas no Orçamento Geral do Estado para 2019, não teve acesso ao financiamento internacional.

«Muitos não nos davam muito tempo de vida. Alguns diziam que este governo não tem pernas para andar. Já andou 10 meses e está aqui de pedra e cal, contra tudo e todos…sobretudo os detractores» desabafou o Primeiro Ministro.

Com 10 meses de vida e quando faltam dois meses, para o fim do ano 2019, o Governo suspira de alívio. Só agora, com o aval do FMI, Jorge Bom Jesus e os seus pares estão em condições de executar a maior parte do OGE-2019.

Segundo o Primeiro Ministro, até Outubro, o executivo só conseguiu amealhar e executar 18 milhões de dólares, num Orçamento Geral do Estado, avaliado em 150 milhões de dólares.

«A partir de agora até Dezembro vamos receber muito mais do que isso. Com a finalização deste acordo, muitas portas vão se abrir», precisou.

O Chefe do Governo avançou algumas fontes imediatas de financiamento, que vão entrar em acção, como consequência do acordo de facilidade de crédito assinado com o FMI. «O FMI vai entrar com pouco mais de 2 milhões de dólares para já de imediato… já nas próximas semanas……Também Já começamos a acelerar os papeis para que possamos receber um pouco mais de 5 milhões de dólares do Banco Mundial. Em relação a União Europeia ainda temos cerca de 3,5 milhões de euros a receber. Em relação ao BAD, temos cerca de 15 milhões de dólares..portanto vamos trabalhar até o último dia de dezembro», detalhou Jorge Bom Jesus.

Um alívio que para o executivo reforça a confiança no futuro. «Hoje mais do que nunca este governo vê o futuro com confiança», pontuou Jorge Bom Jesus.

Futuro de confiança, que implica um presente de sacrifício para todos os são-tomenses. É a única forma para pagar e a bom preço, as asneiras que foram cometidas nos últimos anos, ou para ser mais preciso, pelo Governo do ex-Primeiro Ministro Patrice Trovoada.

Desequilíbrios macro-económicos, com a subida da inflação, a redução das reservas externas para menos de 2 meses de importação, dívidas ocultas equivalentes a 3% do PIB, etc etc.

Para resgatar a situação financeira do país, o FMI firmou com o novo governo um novo programa de apoio às reformas económicas e estruturais para os próximos 3 anos. O programa de facilidade de crédito está avaliado em 18,2 milhões de dólares.

Abel Veiga

    10 comentários

10 comentários

  1. LIBREVILLE

    4 de Outubro de 2019 as 9:33

    A espera de boa vontade dos outros é que se chama de economia robusta?
    Não me faz rir.
    O Orçamento mais magro de já tivemos nos últimos tempo é o de 150MEuros, que em nada ajuda para edificar o almejado economia robusta.
    De todas as ajudas anunciadas é um nada para as necessidades do pais, não cobre se quer o orçamento mais magro apresentado. Quanto isto, o povo continua na miséria, na fome, no desemprego. Sr. Primeiro Ministro e Ministro de Finanças não nos trata de parvos, por favor.

  2. Vanplega

    4 de Outubro de 2019 as 11:56

    Pois e, senhor 1 Ministro.

    10 moses de promessas nao comprida.

    10 moses, que a ministra de negocio estrangeiro, anda na 1 classe de tantas vigem que faz. Sem nunca retornar a sobra do dinheiro publico.

    E o mesmo MLSTP, depois do partido unico. Mesma desgraca de sempre, da muda nesta Republica das bananas.

    10 moses, que os jovens clamam pelo trabalho, nao pelo emprego.

    10 moses que os corruptos andaman solto e a gastar bem do povo e, outros escondem-se na assembleia do povo.

    10 moses senhor 1 ministro, que a vergonha nao acaba, que a injustica perpetua. Os teus camaradas que ja roubaram este pais, voltam a ocupar cargo de relevo.

    Senhor 1 Ministro, 10 moses de mentiras. Dei volta a capital do pais e veja as tuas mentiras.

    Caso queira que EU ti mostre, deixo mato de Batepa e indico-ti

  3. Martins

    4 de Outubro de 2019 as 12:22

    Bem dito
    O outro não pagava
    Este rouba
    Não sei qual a diferença

  4. Gentino Plama

    4 de Outubro de 2019 as 18:36

    Em resposta ao Sargento expulso das fileira do Exército português assumidamente ao serviço do Ex-primeiro Mistro para semear o terror no País, São-Tomé e Príncipe.
    O Santo Tomé Poderoso deseja que a prospeção de petróleo seja efetivado e, que, impera o bom senso na gestão de receita proveniente deste e, do seu derivado, em nome de cada um filho da terra.
    Que haja equidade na distribuição de receita, afastando liminarmente a hipótese de haver milhões para uns e os centavos para os outros.
    A considerada era de petróleo em São-Tomé e Príncipe, devido o falta deste, em face a inoperância de uma das maiores produtoras do mesmo produto, nunca será o motivo de conflito como deseja o seu patrão.
    Com o envolvimento do seu patrão na política do País, este passou a ser um Cancro que aos pouco e pouco vai fragilizando os órgão até a morte; isto é, ( minar o governo e provocar a sua queda)
    Aqui, Não; aqui, Nunca.
    Todos os filhos da Terra-mãe São- Tomé e Príncipe, devem dizer não aos que pretendem jogar baixo e inqualificável para atingir os fins.

  5. Coerência

    5 de Outubro de 2019 as 6:39

    Verdade seja dita, este executivo se diferencia do último, apenas e só num pouco de transparência, comunicação e informação da vida econômica do país. De resto, vamos ser francos, a corrupção aumentou muito na administração pública. O exemplo disso é o processo de colocação dos novos professores. Os vencedores do concurso, foram os últimos a serem colocados, alguns ainda estão pendentes. Tudo porque os deputados e políticos do MLSTP, fizeram -se de directores de escolas e ministros da educação e tomaram a diretiva de distribuir os horários primeiro para os camaradas, muito deles sem qualificação, enquanto os que esforçam-se para serem bons estudantes universitários e com diploma na mão estão pendurados. Isto é uma tristeza. A meritocracia deve ser o elemento chave num processo seletivo e não a camaradagem. Nisto o MLSTP, mesmo com novas caras no executivo, não mudou em nada, continuam a ser corruptos. Tente mudar isto JBJ.

  6. José Bastos Fonseca

    5 de Outubro de 2019 as 10:42

    Somando os 18 milhões que a peça diz já terem sido executados, com os “pouco mais” aqui ditos pelo Sr. Primeiro Ministro (2 milhões do FMI, 3 de Banco Mundial, 3.5 da EU e 18 do BAD) totalizo 43.5 milhões, apenas 29% dos 150 milhões que foram orçamentados para 2019.

    De onde é que virão os restantes 71%?

    São Tomé e Príncipe é pobre, não gera riqueza mas mesmo assim, há ABUSOS em certos ordenados praticados no país.
    Não faz sentido haver diretores a ganharem mais de 75 mil dobras.
    Não faz sentido haver empresas como a ENANA e outras que recebem receitas e não as entregam ao estado.
    Não faz sentido as horas extras que são paga em organismos estatais, onde se destaca as Finanças. Como é possível que alguém receba mais em horas extras do que nas horas normais, quando sabemos que muita gente nem trabalha 3 horas por dia?

    Há ainda muito para se fazer no país de formas a reduzir o orçamento público, porque já vimos que colocar 150 milhões num orçamento quando não temos capacidade de o financiar em 5%, é uma pura utopia.
    Os gastos devem ser cortados.

    Anté quê já êê, Santomé?

  7. Seabra

    6 de Outubro de 2019 as 21:15

    Já lá vão 10 meses , e sabemos que não é possível de mudar a situação política catastrófica deixada num estado CAÓTICO pelo expm Patrice Trovoada + ADI, em pouco tempo…salvo um MILAGRE. Mas estimo que há sectores que podem já mostrar uma mudança, tal como a justiça sãotomense, que continue parada e em disfuncionamento. Há dossiês que estão em stand by, como o do assassinato -crime do economista sãotomense Jorge Pereira dos Santos. A vagabunda desgraçada da sua expressão empregada, a criminosa Marlene e o bando de vagabundos que participaram nesta atroz execução organizada cujo o “mandatário” se encontra livre também, vivem em paz , a safada criminosa disfarçada em empregada de casa, MARLENE, faz feitiços para bloquear o avanço do dossiê porque ela é uma das responsáveis dessa tragédia. Nenhum desses individus, vadios, assassinos que executaram o Jorge Pereira dos Santos, vão escapar à justiça. A Marlene nem imagina o que lhe espera…do nosso lado, dos amigos e familiares do malogrado Jorge, também temos andado pelo mundo e confiando aos makumbeiros sobre este ASSUNTO dando o nome da Marlene e do bando dela. Veremos !

  8. Vem e vê

    7 de Outubro de 2019 as 12:16

    Haver vamos.

  9. Coladeira Quirita

    7 de Outubro de 2019 as 20:21

    Sr. JBJ! De o seu lugar ao comentarista deste artigo, o Sr. José Bastos Fonseca! Este comentarista e um verdadeiro patriota. Um iluminado que cenas suas brilhantes sugestões e sabe que medidas acertadas poderiam ser tomadas para salvar STP desta lama em que está mergulhada. Foram simples conselhos que indicam ao Sr. JBJ que caminho seguir e deixar de lamentações, atirando areia para os olhos dos mais desfavorecidos. Implemente tais conselhos, ataque os tais cancros que o Sr. certamente desconhecia e verá que nem será necessário recorrer as ajudas internacionais. STP pode ser um país auto-suficiente em matéria de recursos financeiros se for aplicada a filosofia popular santomense de “Anca Pequena, Cobo Piquina” Sr. JBJ, por favor não considere o comentarista JBF de seu detractor. Ele simplesmente quis lhe mostrar os cancros que o Sr. certamente desconhecia. Desde 1975 que não faltaram a mouse conselhos de pacatos cidadãos desconhecidos mas visionários. Mas infelizmente a avareza dos dirigentes em todas as esferas dos poderes em STP simplesmente os ignoraram para se proteger entre si. Essas “Quadradice” foram as causas das desgraças de STP. Feitas as contas a Dívida de STP para com o estrangeiro já ultrapassam os 750 milhões nestes 1o. Ano de governançao. Quadrados, impostores e cheios de banga.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo