Política

Combustível já chegou e o Governo diz que já tem fornecedor alternativo à Sonangol

Na sua página oficial no Facebook o Governo de São Tomé e Príncipe, reagiu com alívio, à chegada na tarde de segunda – feira, de um navio à baía da cidade de Neves, onde se localiza o reservatório da ENCO.

«O Governo São-tomense, liderado pelo primeiro-ministro Jorge Bom Jesus, informa toda a população residente em São Tomé e Príncipe, que o navio cargueiro African Pearl, carregado de combustível, chegou na tarde desta segunda-feira, 14 de Outubro, em Neves, onde decorre as operações de descargas e consequentemente o abastecimentos de diferentes bombas de combustíveis espalhados um pouco por todo o país», diz a mensagem do Governo.

Na sua comunicação nas redes sociais, o Governo não faz qualquer referência sobre a origem do navio. Não se sabe, se o navio veio de Angola, ou se veio de um outro país do Golfo da Guiné, já há algum tempo, se regista as operações de grupos privados da sub-região a abastecerem São Tomé e Príncipe de combustíveis e a cobrarem o serviço em dobras, a moeda nacional.

O importante para já, é que nas próximas horas, a crise de combustíveis que paralisou o país nos últimos dias, conhecerá algum alívio.
No entanto o executivo não parece ter controlo sobre as causas das sucessivas roturas de combustíveis registadas em São Tomé e Príncipe desde o início do segundo semestre deste ano. Daí que o futuro pode reservar mais roturas no stock da empresa ENCO.

O Ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas, e Recursos Naturais, detalhou as dificuldades que o próprio fornecedor tradicional de combustíveis tem enfrentado desde o ano 2017. Segundo Osvaldo Abreu, a petrolífera angolana Sonangol, tem feito racionalização de fornecimento de combustíveis também no mercado angolano.

«Dificuldades no seu próprio mercado para se auto-abastecer, e tem feito a racionalização de fornecimento no seu próprio mercado e em relação aos seus clientes, e a ENCO não foi excepção», frisou o ministro.

O Governo diz que está a viver «uma conjuntura única», por isso já começou trabalhar com fornecedores alternativos à Sonangol. «Esta conjuntura, levou o Governo ao mercado para encontrar outras parcerias para cobrir o vazio deixado pela Sonangol», pontuou o ministro.

Sobretudo depois da rotura de combustíveis registada no passado mês de Julho no mercado nacional, o governo diz que começou a arranjar novos parceiros. Parceiros novos e que cobram o fornecimento de combustíveis em moeda nacional, a dobra.

«A ENCO que é uma empresa da Sonangol, tem feito levantamento do mercado, e conjuntamente com alguns parceiros que nos procuram, e que orientamos para falarem com a ENCO, tem-nos permitido comercializar o combustível em moeda nacional para abastecer o mercado», anunciou o ministro Osvaldo Abreu.

Mesmo com as novas alternativas de fornecimento conquistadas pelo governo, o mês de Setembro, veio confirmar que não há fim imediato para a rotura de combustíveis no mercado nacional. O fornecimento ao país arquipélagico, confronta-se com muitos imprevistos.

«Houve negociações com pelo menos 3 empresas que estão no mercado. Fizeram propostas, houve intercâmbio de documentações, e com prazos para entrega que deveriam ser cumpridos até a semana passada. Infelizmente todas as propostas garantidas não chegaram ao nosso porto. Essa é a fragilidade que temos», detalhou o ministro Osvaldo Abreu.

Um quebra cabeças, que para o governo tem que ser resolvido com calma, tendo em conta «as fragilidades e vulnerabilidades do nosso país», concluiu o ministro.

Abel Veiga

    20 comentários

20 comentários

  1. Manuel do Rosario

    15 de Outubro de 2019 as 6:00

    Pelo menos 33 pessoas morreram na semana finda no Japão e 170 ficaram feridas, de acordo com o último balanço oficial, e 17 pessoas estão desaparecidas. Há 177 feridos e cerca de 370 mil casas ficaram sem electricidade, 15 mil sem abastecimento de água. Muitas pessoas foram salvas de barco ou de helicóptero – mas uma idosa que estava a ser retirada de via aérea de um local onde estava isolada, em Iwaki, na região de Fukushima, caiu de uma altura de 40 metros e morreu. A falta de combustível em menos de 5 dias num país insolar onde o abastecimento em mercadoria depende essencialmente do meio marítimo já constitui motivo para tantos alaridos e especulações sem tréguas. Vamos todos orar para que a democracia reconquistada não seja jamais recuada. Quantas escolas reabriram as suas portas no curso noturno e quantos alunos regressam as aulas para consolidarem os seus sonhos?

    • Generosa

      15 de Outubro de 2019 as 17:21

      Nao sou politico e nem vivo em Sao Tome. Sou economista e com o doutoramento na politica economica e financeira. Pelos indicadores, acho que este governo esta a fazer milagres. As dividas sao elevadas. Este governo dá graças com a entrada dos pagos que advêm actualmente da Rosema. Se o governo continuar assim os santomenses vao começar a sorrir no ano 2020.

      • Alligator

        16 de Outubro de 2019 as 8:03

        E que tal vir dar ca uma ajudinha com seu conhecimento, meu irmão?

        • Púmbú

          17 de Outubro de 2019 as 1:55

          Você é um daqueles que está precisando de chicote e palmatórias….

  2. Frederico Ferreira M. de Ceita

    15 de Outubro de 2019 as 7:28

    Não importa a moeda ou o fornecedor em causa em causa, o mais importante é a intenção do mais valia que coloca o comprador em vantagens.

  3. jordão fernandes

    15 de Outubro de 2019 as 7:46

    Meus Senhores
    Em quê consistiu toda a campanha feita aquando das eleições. Diziam que iriam resolver tudo, baixar tudo, criar postos de emprego jovem, eliminar pagamentos na saúde, pagamentos de passe para alunos etc. etc.. Então tomam o poder e começam a chorar que não têm isso, não têm aquilo, não podem fazer isto e aquilo?
    Estas promessas todas foram um conjunto de mentiras para chegarem ao poder?
    Depois o mais caricato é que em vez de governarem, pensarem na energia, nos combustíveis, na saúde na educação, estão 24 sobre 24 horas a pensarem no Patricio Trovoda. O Patricio Trovoada é que passou a ser a Grande Opção do Plano deste Governo. Então se acham que o Patrício é a prioridade, então convidam ao homem para vos ajudar.
    Já deram a prova da vossa mediocridade, e da vossa incompetência então têm que dar as mãos a palmatória e assumirem. Peçam ajuda por favor.
    Bem Haja STP

    • Generosa

      15 de Outubro de 2019 as 17:09

      Jordao Fernandes o teu o problema é frustraçao. Como acabou a mama nao podes dizer outra coisa. Achas que um governo com cerca de 6 meses uteis de vida pode fazer tudo que prometeu? A pagar o fardo de dividas deixadas pelo teu chefe Patrice Trovoada? Convenhamos

    • Seabra

      15 de Outubro de 2019 as 22:02

      …um pouco mais de reflexão e compreendera melhor. Creio que qualquer pessoa normalmente constituída entende rápidamente que a situação catastrófica política, social,econômica deixada pelo precedente governo ditador e larápio do Patrice Trovoada -ADI,não permite que em apenas 1 e até mesmo 2 anos tudo entrará em ordem e o funcionamento do país STP vai arrancar logo e bem….leva tempo e o povo deve apoiar o governo e não de tentar dar com ele no chão. Seja como fôr, o Patrice TROVOADA em STP NUNCA !

  4. Madiba

    15 de Outubro de 2019 as 8:50

    Nós, os santomenses temos o hábito de nos achar importantes. Até faz-me lembrar um programa televisivo português da jornalista Catarina também ela portuguesa «os príncipes do nada». Qual o mal de admitir a nossa realidade nua e crua. Não temos dinheiro nem diplomacia suficientes para resolver o problema de combustíveis. É só uma questão de mais alguns dias! E voltamos a presenciar situações que só tem paralelo com os anos 80, na era do partido único. Fico triste e solidarizo-me com os meus compatriotas políticos. Coitados!

  5. Crisotemos Café

    15 de Outubro de 2019 as 9:19

    O motoqueiros, fizeram tanto espectaculos, mas estes tipos pagam algum imposto? Eles só criam despesas ao Estado santomense. Partem as pernas e obraços, matam. morrem e causam danos aos terceiros, e os filhos da pta, ainda veem reclamar.
    Sacanas

  6. antonio joão

    15 de Outubro de 2019 as 10:55

    Ó sr. Manuel do Rosário. Sinceramente. Então o sr. acha que o povo não deve chorar a sua dor? o Sr acha que as pessoas merecem viver nessa situação. O Sr. deve ser um de aqueles do governo que não resolvem os problemas do País depois de terem feito tanta promessa e ainda acha que o povo deve ficar calado.
    O povo deve reclamar sim e sempre que não estiver satisfeito com as coisas. Agora o governo é que tem que ter cuidado quando promete mundos e fundos. Outra coisa é que ainda bem que há internet e facebook porque assim as pessoas são informadas sobre muita coisa que se passa no País e que a TVS, a rádio nacional e o tela non não informam porque já se viu que fazem propaganda ao Governo. Digo mais o povo está mais atento a cada promessa que o politico faz. Jamais enganarão o povo.

  7. Vanplega

    15 de Outubro de 2019 as 12:28

    O que mais mim espanta e, vicar sem saber que raios de acordos assinados com a Nigeria, sobre acordos de petroleo?

    Entao, nao temos menhum beneficio com este acordo? Que possa nos beneficiar?

    A final, quem ganha com isto?

    E preciso explicar-nos, now queremos saber, quem beneficia com estas acordos assinados?

    Tudo que estamos a passar e, culpa nossa, confiamos em politicos ladroes, desonestos, miseraveis, que vejam os seus e nao como um todos.

    A justica, que nao functional. Vem um Palermo de MIGBAI, chamar nos de preto e burros.
    O MIGBAI, o teu idoletrado (PINTA CABRA) deve ser julgado pelo mal que faz ao povo desta terra

  8. Smash

    15 de Outubro de 2019 as 15:36

    Continuem a comer camiões de gelado com a testa. Uma boa iniciativa para atender as necessidades. Mas adotar este modo de governação em modo MAYDAY não trará nada de benéfico ao povo… Ou seja estão a tapar o sol com a peneira ou estão a trabalhar para inglês ver. Se não há competência do ministro da tutela não vejo outra saída se não a sua demissão. O PIOR GOVERNO DE TODOS OS TEMPOS EM SÃO TOMÉ e PRINCIPE. Tenho dito.

  9. Urubu

    15 de Outubro de 2019 as 16:03

    Daqui a umas semanas, e se calhar junto às festas vamos ver o mesmo filme!

    O governo é que tem que prever as necessidades de combustível e criar depósitos de segurança para períodos com escassez de abastecimento, tipo falta de navios por mau tempo ou possíveis greves, tal como aconteceu em Portugal. Sei que as ilhas de Madeira e Açores têm reservas para 3 meses, isto é programar e gerir, qual a complicação.

    Ok, não têm kumbu nem depósitos, então o que fizeram nos últimos 44 anos!?

  10. Mepoçon

    15 de Outubro de 2019 as 20:53

    Está vangloria de governo é para calar a excitação popular. Quanto tempo vai durar o stock. Quem come fiado tem dias contados, quando fornecedor não vê as suas contas saladas. Andaram a brincar ao longo dos anos o resultado está a vista. Cuidado, porque o futuro está comprometido senão conseguir dar volta a situação.

  11. Carolina Sofia.

    16 de Outubro de 2019 as 6:41

    Alô STP! Alô STP! Notícia da última hora! Nos últimos 2 meses adivida de STP para com a ENCO subiu de USD: 150 milhões para USD: 180 milhões, segundo o jornal electronico angolano ANGONOTICIAS. Para JBJ a dívida e tá de 87 milhões. Para o Super Ministro a dívida e de 150 milhões e para os angolanos a dívida e de 180 milhões. Está escrito! Vão ler o referido jornal rapidamente antes de retirarem o artigo do ar. ROUBALHEIRA aos olhos nus! Quadrados, ladroes, imbecis, preguiçosos mentais e cheios de banga.

  12. Alligator

    16 de Outubro de 2019 as 8:16

    O outro ja havia prometido o Dubai, e viu-se o que viu-se, este prometeu transformar pedra em pão e agua em vinho, pelos vistos nada vezes nada, os seu “ministrozinho”, so sabe dar ao paleio e ir a comunicação social falar a “tôa”! Mas ate quando?

  13. WXYZ

    16 de Outubro de 2019 as 8:52

    Os novos fornecedores de combustível aceitam que a gente pague em Dobras!!??!!??!! Esquisito. Mas muito esquisito mesmo!! É bem possível que daqui a algum tempo teremos uma forte escassez das nossas também Dobras e consequentemente, graves problemas com os combustíveis.

  14. Boinal

    16 de Outubro de 2019 as 11:22

    ADI tem de voltar ao poder, com PT nunca faltou combustível.

  15. Zé de Neves

    16 de Outubro de 2019 as 12:47

    Filhotes, basta uma pesquisa no google com o nome do navio para se perceber que este navio saíu de Luanda. Ah pois é, está tudo lá. Porque nos andam a mentir ou a contar a história da carochina? De Luanda só pode ser a Sonangol, porque não há outra!
    Oposição anda a fazer o quê?
    Andamos a comprar combustíveis, portanto a paga-los – ou a assumir dívidas porque raramente os pagamos – a quem?
    É segredo?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo