Política

Governo e o Fundo Kuwait cortaram relação com a empresa Feedback Infra

Feedback Infra, é o nome da empresa indiana que foi escolhida pelo anterior governo de Patrice Trovoada, como consultora no processo de gestão e execução da linha de crédito de 17 milhões de dólares concedida pelo Fundo Kuwait, para modernizar o hospital central Ayres de Menezes.

No quadro da execução da linha de crédito, cujo acordo de concessão foi assinado no ano 2015, a empresa Feedback Infra recebeu 209 mil euros pelos trabalhos de consultoria prestados ao Governo santomense e ao fundo Kuwait.

Os 209 mil euros pagos pelo Fundo Kuwait à empresa indiana, estão na base do processo judicial que o novo governo de Jorge Bom Jesus, levantou contra o ex-ministro das finanças Américo Ramos.

Pois, o novo Governo ficou furioso quando recebeu uma nota do Fundo Kuwait, a pedir que o Estado satomense, pagasse os juros pelo desembolso do valor de 209 mil euros, no quadro da linha de crédito concedida para a modernização do Hospital central.

Nesta semana, o Governo de Jorge Bom Jesus, reuniu-se com Tomás Vera Cruz, o Presidente do Comité Director para reabilitação do Hospital Ayres de Menezes. À saída da reunião o engenheiro Tomás Vera Cruz, anunciou a decisão conjunta do Governo santomense e do Fundo Kuwait, de cortar relação com a empresa que já tinha beneficiado de 209 mil euros da linha de crédito.

«Foi avaliado o trabalho desta empresa globalmente ele não é satisfatório. Há uma série de aspectos que estavam no acordo entre o Governo e essa empresa, e que não foram respeitados. Foi uma decisão do Governo, e o próprio fundo kuwaitiano tinha muitas reservas sobre a continuação do trabalho com esta empresa», declarou o Presidente do Comité Directivo para reabilitação do Hospital Central Ayres de Menezes.

Tomás Vera Cruz, acrescentou que a empresa Feedback Infra entrou neste negócio por vontade exclusiva do anterior governo.

«Eles (Fundo Kuwait) também não estavam muito de acordo que o Governo continuasse com esta empresa. Isto porque esta empresa Indiana não estava na lista das 9 empresas que eles tinham submetido ao então governo, para seleccionar….», precisou.

O Presidente do Comité Director para reabilitação do Hospital Central Ayres de Menezes, aproveitou a ocasião para esclarecer ao país de que não há nenhum problema de corrupção em relação a verba de 209 mil euros que o fundo Kuwait pagou à empresa Feedback Infra.

«Não há nenhum problema com esta verba que foi paga a empresa. Para a empresa Feedback Infra, foram 209 mil euros. Valor equivalente a 1 ou 1,5% da verba total….. E como foi desembolsado, é sobre estes 209 mil euros que vamos ter que pagar os juros….», concluiu Tomas Vera Cruz.

Assim o  valor intacto de mais de 16 milhões de dólares, continua disponível para reabilitar o Hospital Ayres de Menezes.

O Presidente do Comité Director, reforçou a informação que já tinha sido dada ao país pelo ministro da saúde Edgar Neves em Agosto do ano 2020, após uma das primeiras reuniões de concertação sobre o Fundo Kuwait. .

Trata-se do sucesso alcançado pelo actual governo de Jorge Bom Jesus em prolongar a validade do acordo de linha de crédito.

Previsto para expirar em Dezembro do ano 2020, segundo as declarações do ministro da saúde em Agosto do ano passado, as negociações desencadeadas junto ao Fundo Kuwait, permitiram prolongar o prazo de validade do acordo de linha de crédito para finais do ano 2024.

Abel Veiga

    11 comentários

11 comentários

  1. Matabala

    19 de Março de 2021 as 8:38

    Correcção : o Governo na altura ficou furioso e mandou prender o sr Américo Ramos por causa dos 17 milhões que segundo eles tinham supostamente desaparecido…foi com esta justificação que prenderam homem e que na altura apresentaram ao povo. Não venham agora dar dito por não dito e tentar pôr areia nos olhos dos outros. Só depois do mal feito é que vem dizer que só saiu valor para empresa de estudo do projecto porque o Fundo do Kuwait veio publicamente dizer que dinheiro ainda lá estava a contrariar claramente a versão que o Governo na altura queria fazer passar. Essa empresa já não serve pois certamente camaradas querem por outra empresa amiga para porem a mão no pote de mel. Agora vem dizer que Fundo Kuwait também não dá muita credibilidade ao trabalho feito pela empresa anterior? Vocês querem ser desmascarado outra vez nas vossas mentira? Olhem que eles estão atentos as notícias e também tem internet para ler isto….País não anda por estas e outras entra governo novo e tira empresa que já recebeu dinheiro e fez trabalho para mandar para o lixo…200 e tal mil euros para o lixo? E agora querem outra empresa-dos amigos deles- para pôr mãos na trancha. Ainda dizem que país é pobre…com políticas e politicos com comportamentos de ricos…entretanto nós aqui desesperamos por novo Hospital…tempo a passar, dinheiro gasto, mais de dois anos depois ainda estamos na fase dos estudos…misericórdia!

  2. Mario Rosário

    19 de Março de 2021 as 10:01

    Vocês falam do sucesso deste Governo em relação a este fundo???
    Quê sucesso. DE prolongar o tempo que foi perdido pela incompetência deste Governo, com acusações falsas, em vez de dar continuidade ao processo e reabilitar um centro hospitalar que muita falta faz ao povo? Se vocês dizem que negociar mais alguns anos de prorrogação do prazo é um sucesso, o que é que vocês falariam do Governo que conseguiu negociar para que pela primeira vez S.Tomé e Príncipe pudesse aceder ao Fundo Kueitiano?
    O que este governo tem estado a fazer com este dossier, é um crime. Um crime contra este povo, pois o processo de reabilitação do hospital já devia estar bem avançado e só andaram e andam a perder tempo com politiquice.
    E agora que ficou comprovado que o fundo está lá e que ninguém utilizou de forma ilegal esta verba. O que é que pensam fazer com as pessoas que foram caluniadas. Vocês não vão pedir desculpas a estas pessoas???
    Sejam justos pelo menos uma vez na vida

    • Generosa

      21 de Março de 2021 as 18:12

      Eu quero saber se os 209 mil euros saíram ou não.Que trabalho é que foi feito com esse dinheiro se o próprio Fundo Kueitiano rejeita a empresa Indiana.Se vs são muito espertos, porquê que não procuram saber a verdade junto do Fundo? Ninguém acredita na vossa palavra porque vs estão todos frustrados contando que o vosso governo iria ficar 20 anos no poder, cometeram dívidas bancárias e o tiro saiu pela culatra depois de 4 anos.Agora só passam a falar com von

  3. SEMPRE AMIGO

    19 de Março de 2021 as 10:57

    Alguém afirmou,ecom razão, que,citando,”quando começa uma guerra a primeira vítima é a verdade”,fim da citação.Vamos por conseguinte refrescar a memória: Feedback Infra é uma empresa registada na INDIA,que ganhou o concurso e recebeu 209 mil euros pelos trabalhos de consultoria prestado ao Governo santomense e ao Fundo Kuwait.Até aqui,tudo bem…..Só que ,por coincidência, o conselheiro especial(ESTRATÉGICO) do senhor primeiro ministro Patrice Trovoada era também de nacionalidade indiana.

  4. Credo

    19 de Março de 2021 as 11:40

    Mais uma vez devo dizer que este governo preocupou mais com perseguição politica do que resolver o problema da reabilitação do hospital. Num país sério quem devia ir a cadeia são os que mentiram o puseram um inocente na cadeia.
    O dinheiro continua lá intacto e não há meio de resolverem a reabilitação.
    Credo políticos.

    • Generosa

      21 de Março de 2021 as 18:29

      Vs são mesmo estúpidos e incompreensíveis. Se a empresa Indiana recebeu desse dinheiro 209 mil euros o dinheiro continua intacto? Convenhamos. O governo reagiu porque recebeu a notificação para pagamento do juro da dívida porque já se tinha subtraído 209 mil. Sô parvo coloca-te no lugar do governo vs ingulia essa notificação sem procurar saber o porquê? Tenham paciência senão vão todos morrer com AVC.

  5. Ziaurmarx Fernandes

    19 de Março de 2021 as 13:17

    “Trata-se do sucesso alcançado pelo actual governo de Jorge Bom Jesus em prolongar a validade do acordo de linha de crédito.”
    Por favor melhora essa forma de fazer jornalismo, é obrigação do governo, não um favor.

  6. Jose Rocha

    19 de Março de 2021 as 14:43

    Gostaria de saber se, após as novas revelações, se esse tal Ministro das finanças, Osvaldo Vaz, que andou publica e reiteradamente afirmando que o dinheiro do fundo do Kuwait tinha desaparecido, ou seja, roubado pelo ex PM Patrice Trovoada, Américo Ramos e, em suma, delapidado pelo governo anterior, tem a hombridade de vir ao público, da forma que forma andou acusando, pedir desculpas pela tamanha desonestidade que teve para com os visados e todo o povo Sãotomense.

  7. Vexado

    19 de Março de 2021 as 17:41

    O actual Governo é culpado. Bastava chamar o conselheiro especial do Patrice que Américo ramos ia explicar bem as coisas. Outra pessoa chave neste processo é o ex director de gabinete das finanças, o tal Agostinho. Sabe de tudo, expreme o e vão ver o suco que sai daí.

    Tudo bandidos armado em Santos. Comeram dinheiro e estão fingindo de sérios. Chamam o indiano e o Agostinho. Eles explicam tudo.

  8. Andorinha

    19 de Março de 2021 as 19:27

    Todos nós estamos recordado o aparato que este governo vez com a queixa crime contra o Americo Ramos e Patrice Trovoada acusando-os de desvio de 17milhões do fundo do Kuwait os comissários do MLSTP nas redes sociais utilizaram esta mentira para denegrir e decapitar o Patrice Trovoada mas como o Patrice Trovoada é mais esperto do que toda nova maioria juntas a verdade Véio ao de cima e Jorge bom Jesus esta com vergonha.
    Os camaradas dando conta que a mentira dos 17milhões e 30 milhões foram descobertos agora falam de nota de 200 numa atitude desesperada de perseguir o Patrice Trovoada porque sabem que em um combate honesto com Patrice a nova maioria não aguenta.

  9. Generosa

    21 de Março de 2021 as 18:34

    Andorinha se o Patrice não tem culpa no cartório, vai buscar-lhe. Por que razão ele abandonou o País?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo