Política

AEC do Kuwait substitui Feedback infra da Índia na modernização do hospital Ayres de Menezes

O Governo são-tomense através do ministro da Saúde Edgar Neves, assinou esta semana acordo com a empresa do Kuwait AEC – Abdumadi Engineering Consultalt, para realização de estudos com vista a definir o projecto de reabilitação e modernização do hospital Central Ayres de Menezes.

A empresa do Kuwait que passa a ser consultora na execução do projecto de modernização do hospital central, avaliado em 17 milhões de dólares, substitui a empresa indiana Feedback infra, que tinha sido contratada pelo anterior governo de Patrice Trovoada como consultora.

No ano 2018 o fundo Kuwait desembolsou 290 mil euros a favor da empresa Feedback infra pelos serviços de consultoria prestados no âmbito da realização de estudos para elaboração do projecto de modernização do hospital central Ayres de Menezes.

Mais tarde, com o governo de Jorge Bom Jesus, o Fundo Kuwait e o Governo são-tomense decidiram romper acordo com a empresa indiana Feedback infra, por alegado incumprimento dos compromissos assumidos, com vista a elaboração do projecto para modernização do hospital central. Mais ainda, o fundo Kuwait exigiu que o Estado são-tomense accionasse mecanismos que obrigassem a empresa indiana Feedback infra, a devolver os 290 mil euros que foram pagos, por serviço que segundo o Fundo Kuwait, não foi feito.

Tomás Vera Cruz, Presidente do Comité Director para modernização do hospital Ayres de Menezes, em entrevista exclusiva ao Téla Nón no passado mês de Março explicou a situação.

«A saída da Feedback infra, implica um recomeço de tudo. Vai-se abrir um concurso público para contratar a nova empresa de consultoria. A nova empresa de consultoria vai fazer toda fase de pré- construção marcada por elaboração do desenho do projecto, até o lançamento do concurso público para selecção da empresa que vai executar as obras de modernização do hospital», afirmou Tomás Vera Cruz, no exclusivo ao Téla Nón em Março de 2021.

Em 21 de Outubro de 2021, nas instalações do ministério da saúde, o Governo são-tomense assinou acordo com a nova empresa de consultoria para o projecto de modernização do hospital Ayres de Menezes.

Ali Ibashara, responsável da empresa AEC do Kuwait, prometeu celeridade no processo de elaboração do projecto de requalificação e modernização do hospital nacional de referência.

«Eu entendo a importância deste projecto para STP, já mobilizamos a nossa equipa de trabalho e da nossa parte faremos a entrega do projecto mesmo antes do prazo estabelecido contratualmente», afirmou o responsável da empresa de consultoria.

O Ministro da Saúde Edgar Neves defendeu a celeridade nos trabalhos, para o país ganhar tempo.

Afinal de contas, o acordo de crédito de 17 milhões de dólares para modernização do hospital Ayres de Menezes foi assinado no ano 2016. O ex-Ministro das Finanças Américo Ramos e as autoridades do fundo Kuwait foram os subscritores do acordo de crédito financeiro.

O actual governo teve que negociar com o fundo Kuwait a prorrogação da linha crédito para o ano 2025, tendo em conta que deveria expirar no ano 2020.

Para o ministro Edgar Neves trata-se de um projecto de salva vidas, mas também de promoção económica.

«Ultrapassa as barreiras do quadro sanitário, toca no desenvolvimento do país, no turismo e dão-nos a todos sinais de um futuro melhor», declarou o ministro da saúde, no acto de assinatura do acordo com a empresa de consultoria.

Conforme explicação dada ao Téla Nón pelo Presidente do Comité Director, Tomás Vera Cruz, em Março passado, após a realização dos estudos e a elaboração do projecto de requalificação e modernização do hospital. Trabalho que deverá durar 6 meses será então aberto, o concurso público para a contratação da empresa que vai executar a obra.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Sem+assunto

    22 de Outubro de 2021 as 14:03

    É dito em algures o seguinte: seria cómico se não fosse trágico!
    Vão passear! Não sentem vergonha ao fazerem este teatro?
    Todos os dias assinaturas para aqui e para ali, execução que interessa nada.
    O povo esta farto disto.

  2. José João Pinto

    22 de Outubro de 2021 as 14:32

    Mas o que é que NANA está a fazer atrás do Americo. O Pinta Cabra está ao lado? Porquê que não o filmaram?
    Boa questão

  3. Matabala

    22 de Outubro de 2021 as 15:01

    200 mil gastos com estudos com uma empresa indiana em 2017. Agora se diz 800 mil para estudos com outra empresa.
    Conta já vai em 1 milhão de dolar só em estudos? De 17 milhões – que diziam eles tinham desaparecido e até prenderam Américo – já passam a 16 milhões e quatro anos depois ainda não passamos da fase dos estudos? Mas ainda há dúvidas do nível de bandidagem desta gente da NM? Quem devolve os 200 mil já gasto? Porque demoraram 3 anos a procurar outra proposta para estudo? Porque prenderam homem? Porque raios eu ainda não tenho um hospital digno para mim e meus familiares e todos filhos da terra? Ganância vai vos matar..podem escrever

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo