Política

Abrandamento da terceira vaga provoca baixa de vigilância contra a Covid-19

O governo decidiu baixar o nível de vigilância contra a Covid-19. A violência da terceira vaga da pandemia, entre finais do mês de Agosto e princípio do mês de Outubro, forçou o governo a recuar da situação de alerta para a de calamidade.

Na terceira vaga, o vírus SARS -Cov-2, infectou várias centenas de pessoas em São Tomé e Príncipe, com o registo de vários recordes de números de casos diários. A doença provocou também a morte de mais de 1 dezena de pessoas entre finais de Agosto e início de Outubro.

«Tem-se observado uma significativa diminuição dos casos de contágio pelo que o governo decide baixar o nível de vigilância contra a Covid-19, e decreta o estado de alerta em saúde pública por um período de 30 dias, ou seja, entre 1 e 30 de Novembro de 2021..», diz o comunicado do conselho de ministros.

A evolução positiva da situação de calamidade para a situação de alerta, é marcada pela flexibilização de algumas medidas preventivas.

O governo apelou a população a consolidar, os êxitos até agora alcançados na campanha de vacinação contra a Covid-19. No país que conta cerca de 200 mil habitantes, mais de 100 mil pessoas já foram vacinadas contra a doença.

Abel Veiga

    3 comentários

3 comentários

  1. Gilberto Pedroso

    1 de Novembro de 2021 as 8:59

    Obrigado Deus btodo poderoso, obrigado Governo pelos seus esforços.
    Mas mesmo asim governo tem que tomar medidas sérias porque na europa isto esta a aumentar e mesmo em Angola, país com o qual temos ligações aéreas, o numero de casos esta a aumentar e com novas variantes da Covid-19, variantes essas que ainda não temos em S.Tomé.
    Portanto a vigilancia deve ser de todos.

  2. José João Pinto

    1 de Novembro de 2021 as 15:46

    Muita baixa mesmo. Nós somos grandes brincalhões. Só festanças que já veem acontecendo. Só com Cristo REDENDOR.

  3. VAI+TU

    1 de Novembro de 2021 as 17:24

    Quantos testes fazem por semana?
    Nas áreas que tiveram casos deviam fazer teste na proporção de 1 para 10, fazem?
    Pelos nrs de testes que dão como feitos, maior parte são feitos aos passageiros de saída do País

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo