Política

Governo admite pedir a prorrogação do prazo para graduação de STP como país de desenvolvimento médio

Foi durante a visita do Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas Abdulla Shahid na última quinta-feira, que o governo anunciou as dificuldades de São Tomé e Príncipe, para atingir a categoria de país de desenvolvimento médio no ano 2024.

A graduação do país, para desenvolvimento médio foi um dos temas da reunião entre o Primeiro-ministro Jorge Bom Jesus e Abdulla Shahid Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, que pela primeira vez visitou em São Tomé e Príncipe.

No ano 2017 a ONU fixou o ano 2021 como sendo a meta para São Tomé e Príncipe ascender a categoria de país de desenvolvimento médio. No entanto o prazo foi prorrogado, porque o país não reunia condições em termos de indicadores sociais e económicos.

2024 foi indicado como o ano histórico, a meta estipulada pela ONU para o arquipélago ser graduado como país de desenvolvimento médio.

«Estamos a ser avaliados em função dos nossos indicadores sociais. Indicadores que foram sacrificados pela Pandemia», afirmou Jorge Bom Jesus, ladeado pelo Presidente da Assembleia Geral das nações Unidas.

A Covid-19 provocou baixa dos indicadores sociais. A caminhada para o desenvolvimento médio abrandou. «O governo e os outros órgãos de soberania, têm que se sentar para aferir da oportunidade deste processo e se estamos em condições de sermos graduados em 2024», precisou o primeiro-ministro.

Comunidades devastadas pelas enxurradas de 2021

Segundo Jorge Bom Jesus, para São Tomé e Príncipe a graduação como país de desenvolvimento médio tem mais desvantagens do que vantagens.

«Se formos graduados passaremos a perder os privilégios dos países menos desenvolvidos, em que temos tudo de borla, o afabal como dizemos, acaba. Naturalmente tudo isso tem que ser repensado, e feito em concertação», sublinhou.

São Tomé e Príncipe admite a possibilidade de pedir mais um alargamento do prazo. Possibilidade sugerida ao Estado são-tomense pelo próprio Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas Abdulla Shahid.

Pontes partidas e comunidades isoladas

As Nações Unidas, são também um dos principais parceiros do país na promoção e fortalecimento do sistema democrático. Jorge Bom Jesus destacou o apoio sempre presente da ONU durante os processos eleitorais.

«Os holofotes do mundo já estão sobre nós, porque temos as eleições já na vizinhança. Estamos a contar com o apoio incondicional das nações unidas. O país pela sua tradição democrática abriu as suas janelas para os observadores internacionais, para que tudo decorra de forma transparente», acrescentou o chefe do governo.

Democracia, desenvolvimento e combate aos efeitos das mudanças climáticas, dominaram a reunião entre o Governo e o Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Abel Veiga

6 Comments

6 Comments

  1. Andorinha

    22 de Agosto de 2022 at 9:28

    O Patrice trovoada com a sua política eficaz de desenvolvimento conseguiu que S.tomé consegue-se chegar um pais de crescimento médio, e na altura os camaradas acusaram o Patrice de fazer batota, mas não era batota.
    Nunca se viu no governo de Jorge Bom Jesus uma política de crescimento econômico estamos a assistir um governo sem estratégias e governa de improviso.

  2. Scorpion King

    22 de Agosto de 2022 at 11:57

    Se o estado não fosse corrupto, estaríamos a um patamar muito elevado, atendendo a dimensão geográfica do País.
    Do que me recordo, acho que o atual governo, é o pior que o STP já teve. No inicio vendeu-se ao Povo muitas ilusões, muitas promessas não cumpridas (para não dizer todas promessas)…
    Portanto, quando o governo começar a direcionar-se em prol do País, se calhar poderemos enxergar uma luz ao fundo do túnel no que toca a melhorias do País.

  3. Armindo Assunção

    22 de Agosto de 2022 at 12:56

    Camaradas o apoio não podem nem devem ser eterno isso para o nosso bem.
    Quando chega os apois da comunidade Internacional não 90% é destinado as compras de grandes a compra grandes automóveis e grandes vivendas.os camadas de conhecer Países com muito menos secursos que já deixaram de ter as mãos sempre estendidas.
    Continuamos com as nossas próprias mãos uma pátria renovada.
    Quando saí da casa dos meus pais eu sabia que podia dentro das dificuldades, me virar sozinho.
    Não seria responsável da minha parte estar um dia sim outro dia não as portas dos meus pais ora porque meu filho esta doente, não tem comida, e não tem material escolar.
    Sendo assim temos que virar.
    A comunidade Internacional não pode nem deve estar a tentar encher o saco sem fundo.
    Cumprimentos

    • Célio Afonso

      22 de Agosto de 2022 at 21:22

      Deus nos acuda!
      País em que meia dúzia de políticos se aproveitaram dos tachos para enriquecer enquanto povo vive na mais ptofunda miséria não tem condições para se ascender ao novel de desenvolvimento médio.
      Aprendam com C. Verde!

  4. Zé de Neves

    22 de Agosto de 2022 at 15:06

    “Não compensa desenvolver o país porque as borlas acabam”. Isto vindo da boca de um primeiro ministro do meu país. Vou ali vomitar e já venho…

  5. sol

    23 de Agosto de 2022 at 12:24

    Mais um caso. O carro que deram ao Tó Zé nem sei se pagou ou não o mesmo vendeu para seu amigo Bala. Esse é o País que queremos construir. Um carro novo que poderia perfeitamente servir a uma instituição. Oferecem carros novos por 50.000,00 outros por 30.000,00, francamente. Haverá mais revelações. Clamavam por falta de Juiz no Príncipe. Eis que temos um que veio a toque de caixa, sem casa e muito menos transporte para deslocar ao serviço e que o Governo Regional nem se preocupou em alocar que seja uma viatura temporária, enquanto isso diretorinhos de gabinetes com viaturas do Estado nos finais de semana na boa vida. Haverá mais revelações para breve, Campanha está a chegar.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top