Sociedade

PR rezou na inauguração do edifício mais caro do país

Foi inaugurado esta segunda – feira, o edifício mais caro, construído com os fundos públicos, ou seja, com o dinheiro de todos os contribuintes de São Tomé e Príncipe.

Trata-se do novo edifício do Banco Central que custou mais de 17 milhões de euros. O Presidente da República Evaristo Carvalho, teve uma intervenção singular no acto de inauguração. Não discursou. Optou por um improviso em forma de reza. O Chefe de Estado preferiu citar as palavras do Bispo da Diocese de São Tomé, quando benzia o novo edifício do Banco central.

«Gostaria simplesmente de repetir aquilo que o Bispo da Diocese Dom Manuel António fez quando iniciamos……Que Deus abençoe este edifício, e a todos que nela se dispõe a trabalhar, ao serviço do país, São Tomé e Príncipe, e do povo de São Tomé e Príncipe. Muito Obrigado e declaro encerrada a nossa sessão», declarou o Presidente da República.

O novo edifício do Banco Central de São Tomé e Príncipe, foi inaugurado no dia em que a instituição celebra 27 anos sobre a sua constituição.

A construção do novo edifício do Banco Central, e sobretudo o valor envolvido, mais de 17 milhões de euros, valor que corresponde a quase 20% do orçamento geral do Estado são-tomense, gerou controvérsia política no país. Motivou também processos judiciais com base numa auditoria realizada à instituição.

Américo Barros, governador do Banco Central, fez questão de denunciar o caso na cerimónia de inauguração do novo edifício. «Este edifício custou ao Estado são-tomense e ao Banco Central, os olhos da cara. O que é de facto deplorável face a pobreza a que o país se viu relegado nos últimos tempos», pontuou o Governador do Banco Central.

Mesmo assim, o momento é de mudança, e o governador anunciou a inauguração de uma nova era sob o slogan “rumo à modernização”. «A inauguração deste edifício parece-nos ajustada a este propósito», acrescentou Américo Barros.

O Banco Central, diz que nesta nova era «rumo à modernização», uma das principais prioridades é dar resposta ao desafio lançado pelo Governo, no sentido de relançar o crescimento económico robusto.

Um desafio, que se assenta na transformação do país, numa placa de prestação de serviços de excelência, onde o turismo de qualidade assume destaque. «O banco central não se manterá alheio a este desafio», declarou.

O sistema financeiro nacional e a banca devem ser modernizados. «O banco central irá modernizar o sistema de pagamentos automáticos, da rede dobra 24, para introduzir o cartão de crédito com vista a sua internacionalização», sublinhou o governador.

Infraestruturas tecnológicas deverão dominar o sistema financeiro nacional. Banco Central pretende dinamizar o sistema financeiro, para galvanizar a economia, e satisfazer o sector do turismo. «Não há turismo de qualidade sem um serviço financeiro de qualidade. Com efeito os serviços turísticos são muito exigentes quanto aos serviços financeiros», reforçou.

Novo edifício do Banco Central custou caro ao país, mas a administração acredita que a infra-estrutura vai impulsionar um futuro rentável para o sistema financeiro e a economia nacional.

Abel Veiga

    12 comentários

12 comentários

  1. Vanplega

    26 de Agosto de 2019 as 19:59

    Mais uma caixa forte para roubar is pobres.

    Lembram dos outros bancos que fecharam, com dinheiro so pequenos e que, banco central, nao restituiu os valores aos depositantes.

    Rumo a mais roubo

  2. Caboverde

    26 de Agosto de 2019 as 22:00

    Parabéns a.tome e príncipes parabéns aqueles que ficaram ricos com a colaboração netrucao da referida infaestrutura

  3. Joni de cá

    26 de Agosto de 2019 as 22:04

    Safar o dia….

    Considero que o edifício está bem conseguido a nível de arquitetura e bem envolvido no espaço.

    Penso que Stp tem que modernizar as suas estruturas dentro das urgências e possibilidades existentes.

    Agora o problema é que esta estrutura vai ser ocupada por incompetência, e tendo em conta o que o Sr governador disse trata se de um comentário de alguém que deverá ser economista e pensa em safar o dia.

    Independente do custo do edifício, deveria pensar em estratégias, tal como anunciar que o antigo edifício poderia ser vendido ou concessionado a um grupo hoteleiro internacional para fazer um hotel de referência e de centro de cidade, tal como existe em qualquer cidade desenvolvida.

    Com isto recuperava receita, desenvolvia turismo e mantinha um edifício histórico de Stp.

    Como pensa em safar o dia, se calhar vamos ter mais um edifício moribundo dentro de pouco tempo, contudo, é verdade, esta a grande especialidade de Stp em manter o património. Se calhar pensam que os turistas gostam de ruínas e lixo.

    É possível terem um governador com esta mentalidade???

    Por estas coisas é que continuam com miséria para o povo….

    É só safar o dia….

    • jose

      27 de Agosto de 2019 as 22:01

      Edifício bem envolvido no espaço??????????????????

  4. Assim só já perdeu!

    27 de Agosto de 2019 as 6:55

    Os fotógrafos do nosso país, tem que ser um pouco mais criativos!!
    Já que estamos à falar de 17000000, poderiam tirar uma foto melhor e com mais qualidade. Até parece uma brincadeira essa foto que está aí. Nós que moramos fora do país, queremos saber também a localização se faz favor.

  5. WXYZ

    27 de Agosto de 2019 as 7:55

    Que manchete (título) esquisita? “Presidente da república rezou…” Não há nada de sensacionalismo nisto.

  6. Libreville

    27 de Agosto de 2019 as 15:12

    Deixamos de hipocrisia politica…
    País precisa de infraestrutura e investimentos de volto capaz de impulsionar a economia e o desenvolvimento do Pais…
    Estamos fartos de barracas e buracos na cidade de São Tomé…
    Povo de pequena mente, todo que o outro faz ou fez é motivo de relatos negativo…

    Deixamos de negativismo…

  7. Boa

    27 de Agosto de 2019 as 18:49

    Infraestrutura ousada e de muito bom gosto.Precisamos de mais obras dessas.

  8. Amar o o que é nosso

    27 de Agosto de 2019 as 20:08

    Bem, para um país tão pobre… Complicado

    • Boa

      28 de Agosto de 2019 as 5:58

      Pobre mas é preciso ter visão no futuro.Nao seria de bom tom estar sempre a construir algo para curto prazo.

  9. J. Fernandes

    27 de Agosto de 2019 as 22:24

    A maior pobreza esta na mente .
    pobreza do espirito …
    da forma que os jornalistas trabalham so demostra
    a tal pobreza afetando o seus profissionalismo .
    Ate aque fiqueee sem saber de que banco se Trata .
    que tipo de imagem podemos retratar o tal banco .
    A imagem dos nossos Gatunos ?…Esses todos nos ja conhecemos .
    Esses sao os nossos inimigos de estimacao !
    o que muita gente queria ver era mesmo era a imagem da construcao em se
    Sera que e preciso informar aos jornalista que eles tenhem que ser coerentes com
    o trabalho que fazem ?
    neste caso esta em caua a mente pequena em, prestar um trabalho com profissionalismo.

    Aconselhos os jornalistas a pensarem antes de postar um trabalho a nivel internacional

    .Pensar faz bem ao cerebro !
    Deixe de ser preguicoso ….
    Nos os utente nececitamos de mais qualidade .
    Nao me leve a mal , critica ajudanos a crecer .
    Por favor ! Crecem e aparecem…

  10. Frederico Ferreira M. de Ceita

    28 de Agosto de 2019 as 8:20

    Este edifício mais a sua gente para além da reza deviam tomar um banho espiritual de ética e deontologia profissional para varrer os vestígios de psico-corrupção, dos que primam pela esperteza e fecham a mente a sabedoria e a inteligencia. Ninguém é melhor que ninguém, apenas pode fazer a diferença e os santomenses deviam aprender com os seus erros

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo