Sociedade

STP começa a envolver-se na limpeza do mar para Turismo ser futuro seguro

São Tomé e Príncipe começou a envolver-se na campanha mundial de limpeza do ambiente. A ONG TESE, é responsável pela campanha de limpeza do fundo do mar. Na última semana as praias Messias Alves e Picão, no distrito de Cantalago, foram alvo da limpeza, que junta a TESE e as comunidades piscatórias.

As populações das comunidades piscatórias da Praia Messias e da Praia Picão, abraçaram o projecto de protecção do ambiente marinho. Com apoio da ONG TESE os pescadores da região, querem proteger toda a zona costeira até o ilhéu Santana, como uma reserva marinha.

«As pessoas deitam o lixo na terra. Mas depois com as chuvas e enxurradas tudo vai parar ao mar. E isso é que é o problema tudo vai parar ao mar» alertou Carlos Albuquerque, mergulhador ao serviço da ONG TESE.

Carlos Albuquerque, é também biólogo. Depois da primeira acção de limpeza do fundo do mar, das duas praias que confinam com algumas unidades hoteleiras da Cidade de Santana, o biólogo da TESE, garantiu que a limpeza vai prosseguir.

«Isto vai nos permitir começar a limpar o fundo do mar em São Tomé e começarmos a recuperar um pouco aquela beleza natural que faz o argumento turístico destas ilhas», pontuou.

Os pescadores que habitam as duas praias, e os mergulhadores da TESE, retiraram vários tipos de resíduos do fundo do mar. O esqueleto de um crânio humano, também foi retirado do fundo do mar.

Garrafas de plástico destacaram-se por maior quantidade de resíduos retirados do mar. Plásticos estão a inundar mares e oceanos pelo mundo inteiro. «O lixo marinho representa um problema grave para essas espécies. Só para ter ideia uma colher de plástico provoca a morte de milhões de indivíduos de um peixe, e aos corais também», explicou Domingos Conceição, mergulhador e membro da associação dos pescadores.

A reserva marinha que envolve o ilhéu Santana, um dos pontos de desova dos peixes, deve ser protegida. «Essa limpeza representa um marco para este espaço e  principalmente o ilhéu Santana, porque é um local onde estamos a fazer todos os possíveis para ter uma reserva marinha em conjunto com os pescadores locais», concluiu Domingos Conceição.

Parceria entre as comunidades piscatórias do distrito de Cantagalo e a ONG TESE, limpa e protege o ambiente marinho na ilha de São Tomé.

Abel Veiga

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo