Sociedade

Portugal entregou lote de reagentes ao sistema nacional de saúde

Reagentes são fundamentais para a realização de exames clínicos e laboratoriais. O sucesso de um diagnóstico médico depende muito dos reagentes. O sistema nacional de saúde, reclama ciclicamente pela falta de reagentes. Uma situação que põe em causa a realização de vários exames solicitados pelos médicos.

No quadro do projecto “Saúde para Todos” financiado pela cooperação portuguesa, acções foram desencadeadas para evitar a rotura no stock de reagentes no sistema nacional de saúde.

Nesta semana o embaixador de Portugal em São Tomé e Príncipe, Luís Gaspar, entregou ao Ministro da Saúde Edgar Neves, um lote de reagentes para as unidades distritais de saúde.

Uma nota da embaixada de Portugal, dá conta que a entrega dos reagentes, se enquadra «no âmbito do projeto “Saúde para Todos” – rumo à sustentabilidade, financiado pelo Estado Português, através do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP, e implementado pela ONGD portuguesa Instituto Marquês de Valle Flor (IMVF)».

A nota acrescenta que os reagentes entregues ao sistema de saúde de São Tomé e Príncipe, fazem parte do apoio aos cuidados preventivos e primários de saúde,
«habilitando assim as autoridades sanitárias distritais a fazerem o trabalho de primeira linha, antes dos pacientes recorrerem aos serviços do Hospital Central», sublinha a nota.

Segundo a embaixada de Portugal em São Tomé, a componente do projecto “Saúde para Todos” para fornecimento de reagentes ao sistema de saúde de São Tomé e Príncipe, «tem uma dotação global de 600.000€, correspondente a um financiamento anual de 150.000€».

Através do projecto  “Saúde para Todos – Rumo à Sustentabilidade”, a cooperação portuguesa diz que pretende contribuir para garantir, «progressivamente, que o sistema de saúde santomense se torne autónomo e sustentável».

O acordo em vigor entre São Tomé e Príncipe e Portugal, para execução do projecto Saúde para Todos – Rumo a Sustentabilidade, está orçado em 3.880.000EUR. O acordo no domínio da saúde inserido no programa estratégico de cooperação entre os dois países, preenche o período de 2017 à 2020.

Do valor total do projecto, a nota da embaixada de Portugal explica que «o maior investimento é feito a nível dos cuidados diferenciados de saúde, através das missões de especialidades. O projeto continua igualmente a apoiar os cuidados primários, como acima referido, bem como os programas nacionais HIV/SIDA e Tuberculose».

Abel Veiga

    Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo