Sociedade

Pandemia da Covid-19 forçou a suspensão da greve no sector da educação

A greve desencadeada na última terça feira, pelo sindicato dos professores e educadores de São Tomé e Príncipe, foi levantada na quarta-feira, mesmo sendo 3 de Fevereiro, feriado nacional.

Desde as primeiras horas desta quinta-feira que os professores, educadores e milhares de crianças regressaram as escolas.

Gastão Ferreira(na foto), líder do sindicato dos professores e educadores, anunciou o fim da greve e apontou a pandemia da Covid-19, como sendo a principal causa do entendimento alcançado com o Ministério da Educação e Formação Superior.

«O que nos levou ao entendimento com o Governo é a questão da Pandemia. Se não fosse a questão da Pandemia, possivelmente as coisas não teriam o desfecho que tiveram…», precisou o líder sindical.

Com a Pandemia no centro das atenções, o sindicado explica que as negociações com os Ministros da Educação e Formação Superior e das Finanças, permitiram a identificação de algumas alternativas.

«Achamos por bem suspender a nossa greve, por vários motivos, e convictos de que a nossa luta não termina por cá», reforçou Gastão Ferreira.

Sindicato dos Professores e Educadores de São Tomé e Príncipe, suspende a greve mas mantém o slogan, «a luta continua».

Abel Veiga

    5 comentários

5 comentários

  1. José António

    4 de Fevereiro de 2021 as 8:42

    Força Professores
    Todos somos filho deste país. Não pode haver uns que são tratados como filhos legítimos e outros como enteados.
    Vai a EMAE, ENAPORT, ENASA, Aviação Civil, IMAP etc e vejam os chorudos de salários que são praticados por lá. Os Directores dão-se ao lucho de se Auto premiarem, alugando os seus carros particulares para as empresas ao preço de 100 euros diários, como é o caso de ENAPORT e EMAE. Vão lá e vejam.
    Os cálculos para a reforma na Segurança Social são feitos de acordo com a cor partidária. Os mesmos técnicos com a mesma categoria e mesmo ano de serviço, uns recebem 3 vezes mais do os outros.
    O país está mal e cada vez pior.
    Força Gastão

  2. Uma Pessoa que Ama STP

    4 de Fevereiro de 2021 as 15:03

    Mas afinal, fiquei sem saber exatamente porque é que eles suspenderam a greve? Conseguiram o que queriam ? Não entendi muito bem…

  3. Sem assunto

    4 de Fevereiro de 2021 as 16:11

    Hum!
    A mim cheira me intervenção da Unicef como sempre com projetos e verbas mesquinhas com o velho slogan em prol das crianças, ou negócios pessoais envolvendo as partes.
    Aos professores desolé, está classe está riscada e sempre estará, basta ver a política de recrutamento feito este ano, entraram no sistema milhares de pessoas sem nenhuma e qualquer qualificação, assim ninguém vos respeitará e vos dignificará.

  4. Manuel Queirós dos Anjos

    5 de Fevereiro de 2021 as 9:01

    Gastão, você não é sindicalista, mas sim politico e advogado do ADI. Durante o Governo de ADI, não mexeste uma palha. Nenhuma greve, nem foi feita, nem houve ameaças de Greve.
    Ficastes na tua toca. Mas tudo estava mal. A vida dos professores era difícil. Fizestes o teu jogo, porque te interessava.

    Agora, o que estás a fazer, numa atura que sabemos que é difícil para todos. Não há receitas, porque a economia está moribunda.

    Convença os professores que a situação não é da melhor? Porque não? Sindicalista responsável, deve agir com responsabilidade.

  5. Bom só

    5 de Fevereiro de 2021 as 10:33

    ummmmmm….tem coisa que desce e não bate bem…então mas desmobilizaram por causa do Covid como assim? Covid só aparece quando pessoa faz greve e desaparece quando estão presente a dar aula? mal explicado…ou quer dizer que alguém já recebeu qualquer coisa do Fundo Covid para mandar calar boca?atenção professores!!!não deixem sindicalista tomar conta de vossas galinha!Eles são politico!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo