Sociedade

Um Dividendo Natural para o Príncipe

Mark Shuttleworth, um investidor em projetos de conservação, ecoturismo e desenvolvimento social no Príncipe nos últimos 12 anos, delineou hoje uma nova iniciativa para partilhar os benefícios da conservação diretamente com os residentes da ilha.

Ele propôs um dividendo natural pessoal pago trimestralmente em dinheiro à população da ilha em reconhecimento do valor do ambiente natural único e biodiverso do Príncipe (uma Reserva da Biosfera da UNESCO desde 2012). O dividendo natural seria baseado na conservação e melhoria dos seus ecossistemas.

Após este anúncio, um período de consulta conduzirá a um plano finalizado, e o sistema de dividendos naturais está previsto começar em 2023 se for apoiado pelo povo do Príncipe.

Mark Shuttleworth – no púlpito numa sessão na ilha do Príncipe(Arquivo)

Um Dividendo Natural para o Príncipe
Benefício Económico Directo e Universal dos Recursos Naturais e Serviços Ecológicos Partilhados

Resumo da Proposta
Propomos a criação de um Fundo que pagará um dividendo natural em dinheiro ao povo do Príncipe a cada três meses, para reflectir o valor dos ecossistemas naturais locais.

Os recursos naturais pertencem legalmente à população de um país, e os benefícios desses recursos devem fluir para eles e para as gerações futuras. As espécies nativas – plantas e animais – também têm o direito de existir e de partilhar da abundância de um lugar.

Estes direitos estão em tensão uns com os outros. Deverá a actual geração de pessoas beneficiar à custa das gerações futuras e do ambiente? Como devem os direitos das outras espécies ser equilibrados com os direitos humanos? Como podem os benefícios abstractos como a conservação, recreação e beleza tornar-se benefícios concretos e tangíveis nas mãos das pessoas daquele lugar?

Reconhecemos os direitos das pessoas a fazerem as suas próprias escolhas sobre o seu próprio país.
Essas escolhas podem fortalecer os ecossistemas naturais, ou podem enfraquecê-los. Vamos calcular o dividendo natural através da análise dos dados que reflectem estas escolhas.

Vamos aumentar o dividendo natural da terra onde os proprietários, utilizadores da terra e vizinhos façam escolhas que fortalecem esses ecossistemas.

Aumentaremos o dividendo natural onde as pessoas se comprometam a longo prazo com a qualidade e disponibilidade dos serviços ecossistémicos, e reflectindo a capacidade dos ecossistemas de se repararem ao longo do tempo.

Aumentaremos o dividendo natural onde as escolhas criem ecossistemas maiores e mais contíguos que podem suportar teias de vida mais resilientes e complexas.

Algumas escolhas conduzem a resultados permanentes – eventos de capital. Podem explorar um recurso não renovável, fazendo com que este não esteja disponível para as gerações futuras. Minerar, construir uma casa, ou estabelecer uma quinta, e a sua localização, são escolhas de capital. Estas escolhas podem também aumentar o valor de um ecossistema. Empenhar uma região na conservação a longo prazo é uma escolha de capital.

Vamos criar um orçamento de capital como parte do Fundo, para fazer pagamentos únicos em dinheiro àqueles que fazem escolhas de capital que reforçam permanentemente os ecossistemas para benefício de todos.

As pessoas poderão receber dividendos naturais sem fazer qualquer trabalho, uma vez que isso reflecte a sua participação numa sociedade que faz escolhas para equilibrar as suas próprias necessidades com as da natureza.

Reconhecemos a necessidade humana de habitação, alimentação, água, trabalho, recreação, e actividade económica. Reconhecemos as necessidades de outras espécies de habitat, água, e espécies interdependentes.

Propomos um plano de zoneamento para maximizar tanto o valor do ecossistema a longo prazo para o homem e outras espécies numa base sustentável e renovável, como a capacidade da região para apoiar as necessidades directas da sua população. O nosso objectivo é dar às pessoas o máximo dividendo natural possível, como rendimento livre(?) que reflicta as suas escolhas, com o mínimo de perturbação.

Beneficiários

Todos os membros registados do sistema serão beneficiários.

A adesão é voluntária; não existe qualquer obrigatoriedade de participar. A adesão é gratuita, mas requer uma conta bancária local e informação actualizada para receber pagamentos.

Pode haver alguns critérios associados à adesão, que podem incluir idade, local de nascimento, local de residência, títulos de propriedade e utilização, ou outros factores. Aspiramos à participação universal, mas esperamos que ela seja alcançada por fases. Os critérios podem evoluir para reflectir a nossa capacidade de lidar com a escala de operação para uma dada base de membros.

Dividendo natural

O dividendo natural é um fluxo de rendimento para a população local que reflecte o valor dos serviços ecossistémicos renováveis na sua propriedade, no seu bairro e na sua região. Reflecte em dinheiro o valor que o Fundo atribui a benefícios abstractos. É um fluxo de rendimento que reflecte as escolhas ecológicas de um indivíduo enquanto parte interessada na sociedade, e as suas acções como proprietário de terras, concessionário ou residente.

O rendimento de dividendos naturais complementa a utilização económica da terra, para a agricultura ou outras actividades. A terra pode gerar valor tanto económico como ecossistémico.

Forneceremos um dividendo natural que reflecte escolhas detalhadas ao longo do tempo – da mesma forma que a agricultura biológica produz um valor acrescentado. Escolhas detalhadas poderão ter consequências ambientais mensuráveis reflectidas no dividendo natural.

Por exemplo, na agro-florestação, a diversidade de espécies de copa e a densidade de copa afectaria tanto os animais como os agricultores. Um dividendo natural mais elevado para uma maior diversidade de árvores e uma maior densidade nessa terra compensaria o agricultor pela sua escolha em preservar essas espécies, e a perda de produtividade económica devido à sombra. O dividendo natural deveria fazer escolhas ecológicas economicamente produtivas.

Aspiramos a reflectir o valor dos ecossistemas marinhos, mas inicialmente só teremos dados terrestres para análise, a fim de determinar o dividendo natural.

Tal como os investidores valorizam a certeza num negócio, nós valorizamos a estabilidade do ecossistema a longo prazo. Um ecossistema pode reparar-se a si próprio, se tiver tempo e o espaço, sem ser perturbado. Um ecossistema também pode ser enriquecido ao longo do tempo – criando teias mais complexas e resilientes de serviços e relações entre espécies.

Aumentaremos o dividendo natural onde houver a certeza a longo prazo de que os ecossistemas aí existentes terão a oportunidade de se aprofundar, reparar e fortalecer com o tempo. Quando as pessoas se comprometerem a deixar a sua terra à natureza por um período mais longo, aumentaremos o dividendo natural dessa terra para reflectir a certeza da reparação dos ecossistemas.

Uma área maior e contígua pode suportar ecossistemas mais ricos e complexos do que a mesma área, espalhada por muitos fragmentos. Reconheceremos a consolidação e agregação de ecossistemas naturais através do aumento do dividendo natural que flui de toda essa área. De forma inversa, estradas, edifícios, quintas e torres eléctricas fragmentam ecossistemas e reduzem a complexidade, resiliência e diversidade dos serviços que podem prestar.

A água é um recurso partilhado e renovável particularmente importante para os seres humanos e outras espécies. A actividade a montante tem consequências para o ecossistema a jusante. Para considerar um curso de água saudável e intacto, toda a área de captação acima desse ponto deve ser saudável e intacta. Daremos particular valor a áreas de captação de água inteiras, e aumentaremos o dividendo natural das mesmas para reflectir o estado e a certeza de toda a área de captação.

Certas áreas têm um potencial valor ecossistémico muito mais significativo. Cursos de água, estuários, mangais, praias, pântanos, recifes, falésias e áreas com condições raras ou distintas, tais como tipo de solo ou microclima, podem ser substancialmente mais importantes para determinadas espécies, ou para a biodiversidade como um todo. Iremos identificar estas áreas e reflectir um dividendo natural superior a partir delas.

Por vezes, as pessoas podem acelerar explicitamente a criação de ecossistemas mais fortes, através do reflorestamento e do seu retorno ao estado selvagem.

Estas escolhas activas aumentam o valor do ecossistema mais rapidamente do que simplesmente deixar a natureza a reparar-se a si própria. Representam investimentos de capital quando ligados a compromissos a longo prazo, pelo que pagaremos montantes de capital a equipas e indivíduos que reabilitem e se comprometam com a floresta nas suas terras, e aumentaremos o dividendo natural que dela resulta.

Onde a escolha for explorar permanentemente um recurso, de uma forma não renovável, isso representará uma retirada de capital da região. Reflectiremos isso numa redução do dividendo natural, reflectindo a perda permanente desse recurso e a sua capacidade de beneficiar as gerações actuais e futuras.

Algumas actividades, tais como a construção com materiais não renováveis, estão associadas a danos permanentes ao ambiente natural. Outras, tais como a construção em madeira, reflectem um impacto mais sustentável. Reflectiremos estas escolhas no dividendo natural.

Reconhecemos também que o ambiente regulador desempenha um papel significativo na saúde global dos ecossistemas naturais. As leis que regem a utilização de produtos químicos, por exemplo, e o grau de conformidade para com elas, definem o palco em que os ecossistemas naturais actuam. Reflectiremos as mudanças no ambiente legal e regulamentar no orçamento anual para o dividendo natural.

Para além dos serviços dos ecossistemas, valorizamos a estética do ambiente. A capacidade da região para atrair ecoturismo sustentável é aumentada se a área for apreciada pela sua beleza. Uma área suburbana com cobertura arbórea – um subúrbio frondoso – servirá mais espécies e será mais atractiva para os ecoturistas. Embora possa não ser um ambiente natural imaculado, ainda assim será reconhecido com um dividendo natural.

Os recursos naturais são limitados. Se houver mais pessoas para partilhar o recurso limitado, então cada pessoa deve receber menos.

Uma parte do dividendo natural deve ser partilhada por todos os residentes da área. Podem participar e receber pagamento, ou não. O seu pagamento reflectirá a sua quota parte como residentes do dividendo natural atribuído à sociedade em que residem.

Utilizaremos um sistema de zoneamento para calcular o dividendo natural, para reflectir as diferentes actividades ancoradas no terreno – habitação e recreio, subsistência, produção e conservação.

O sistema de zoneamento irá reflectir estas preocupações de larga escala, e também oportunidades para optimizar os benefícios tanto para o homem como para outras espécies, graças ao terreno e à história da região. Por exemplo, numa região zoneada para habitação, podemos identificar uma bacia hidrográfica que, se utilizada para horticultura biológica ou parque público em vez de habitação, geraria um dividendo natural para os proprietários, vizinhos e todos os residentes.

Alocação de capital

O Fundo manterá dois orçamentos anuais de financiamento separados – um para os compromissos de capital e outro para o dividendo natural. O orçamento de dividendos naturais será suficiente para satisfazer as necessidades previstas com base na metodologia de avaliação, dados actuais, e projecções para o ano.

Serão feitas deduções do orçamento de capital para reflectir acções, mudanças, escolhas, ou eventos que tenham impactos negativos permanentes ou a longo prazo sobre os recursos naturais partilhados da ilha. Por exemplo, uma nova estrada numa zona de conservação prejudicaria permanentemente os ecossistemas naturais à sua volta e, consequentemente, reduziria o orçamento disponível para compromissos de capital. A justificação para quaisquer deduções de capital será publicada trimestralmente.

Serão solicitadas propostas para iniciativas de capital. Por exemplo, uma comunidade poderá propor a reabilitação de terrenos agrícolas antigos na sua vizinhança, plantando uma mistura diversificada de espécies florestais, e comprometer-se a mantê-la inalterada durante um período de tempo. Um indivíduo poderá propor a mudança da sua casa de uma área zoneada para a horticultura para uma área zoneada para habitação.

Estas propostas seriam avaliadas e priorizadas, para maximizar o aumento do dividendo natural resultante para todos.

Por exemplo, se dois proprietários propõem ambos mudar-se para uma zona urbana, mas um está a sair de um ambiente estuarino raro e o outro de uma zona hortícola, o aumento do dividendo natural partilhado seria muito mais elevado em relação à proposta estuarina devido ao valor suplementar que atribuímos aos ecossistemas raros. Seria dada prioridade à opção de dividendos mais elevados, para benefício de todos os beneficiários registados.

Os pagamentos de capital iriam para aqueles que fizeram a mudança a longo prazo, e os pagamentos de dividendos seriam aumentados para todos. Os pagamentos de capital seriam suportados por um contrato que reflecte o compromisso de capital.

Quando são assumidos compromissos a longo prazo, estes serão controlados durante o período do compromisso. As regressões nos compromissos incorrerão em deduções significativas tanto do orçamento de capital como dos dividendos naturais para reflectir a importância de tais compromissos.

Distribuição de dividendos naturais

Cada dividendo natural individual é calculado separadamente para cada beneficiário e pago directamente ao indivíduo. Os pagamentos seriam acompanhados por uma declaração que mostra exactamente quais os factores que influenciaram o dividendo natural real pago no trimestre, e em que medida, juntamente com as formas como o dividendo natural poderia ser materialmente aumentado para essa pessoa especificamente, através de escolhas que ela poderia fazer ou nas quais ela é uma parte interessada.

Cada dividendo natural individual reflectirá as escolhas feitas por essa pessoa, pela sua família, pelos seus vizinhos, pelo seu empregador, por toda a região onde vive, e pelo país como um todo.

O dividendo natural em si seria calculado com base em dados trimestrais actualizados e no trabalho da equipa local de monitorização e avaliação. Se os dados necessários não estiverem disponíveis, então o fluxo de dividendos naturais seria pausado até que esses dados pudessem dar certeza dos factos.

Uma determinada área de terra irá gerar um dividendo natural baseado na sua zona, condição e utilização. Por exemplo, numa área onde a agro-florestação é possível, a terra com maior copa de árvores e densidade de espécies gerará um dividendo natural, a terra que for deixada em pousio gerará um dividendo natural mais elevado, e a terra que tiver sido sujeita a um programa de reabilitação florestal ainda mais. Se a área for parte de uma área contígua maior, o dividendo natural será maior. Se fizer parte de uma área de captação de água intacta, o dividendo natural será ainda mais elevado.

As condições negativas relativas ao plano de ordenamento, tais como o corte de árvores em zonas de agricultura florestal, a utilização de produtos químicos venenosos, ou lixeiras, reduzirão o dividendo natural.

Os impactos ecológicos não são contidos por linhas de propriedade. Os elementos negativos reduzirão o dividendo natural nas áreas à sua volta. Um proprietário de terras a jusante receberá um dividendo natural mais baixo se houver poluição a montante da água que corre através das suas terras.

O dividendo natural de uma área irá reverter a favor das pessoas através da sua relação com a terra. Parte dele fluirá para os proprietários ou concessionários, parte dele fluirá para os seus vizinhos. Alguns irão fluir para os residentes na zona habitacional, e outros irão fluir para todos os residentes.

A porção do dividendo natural que é atribuído aos residentes de uma região será dividida pelo número de residentes, quer sejam ou não beneficiários. Isto reflecte a limitada capacidade de carga e a natureza partilhada dos recursos naturais.

As escolhas ecologicamente prejudiciais em áreas sensíveis incorrerão numa maior dedução ao dividendo natural pago aos vizinhos, família, empregados, residentes regionais, e a todos os residentes.
Iremos avaliar pesquisas acerca dos resultados de programas especificamente projectados para apoiar mulheres, e considerar a alocação de uma porção superior do dividendo natural partilhado pelos residentes, às mulheres.

Se estes mecanismos levarem as pessoas, em média, a fazer escolhas que melhorem a saúde dos ecossistemas, então aumentará o dividendo natural total para todos através da consolidação e conservação dos ecossistemas naturais, restauração do habitat em áreas estratégicas, e escolhas colectivas e pessoais cuidadosas sobre onde as actividades têm lugar.

Governação e operações

Será feito um investimento significativo na governação e funcionamento desta iniciativa. Serão estabelecidas uma entidade internacional e outra local, que providenciarão supervisão e coordenação, e coordenarão os recursos humanos para implementar o programa.

O Fundo será gerido com dados e infraestruturas de acesso aberto sempre que possível.
A monitorização e a avaliação local fornecerão os dados em que se baseiam os cálculos do valor dos serviços ecossistémicos e o montante do dividendo natural.

Os dados e a experiência adquirida também informarão o contínuo aperfeiçoamento e melhoria de toda a iniciativa. Os factores que determinam o cálculo dos dividendos naturais devem evoluir ao longo do tempo através da iteração, à medida que novos conhecimentos e fontes de dados são encontrados.

Se quisermos encorajar as pessoas a fazer escolhas a longo prazo com base nesta iniciativa, teremos de construir confiança na durabilidade de quaisquer fluxos de rendimentos de dividendos naturais. Daremos orientações sobre a metodologia para criar certeza, com compromissos sobre o orçamento e a base de cálculo para o próximo trimestre, ano, ou no futuro, década.

Serão publicadas e fornecidas informações a todos os beneficiários sobre o cálculo do dividendo natural; os factores que aumentam e diminuem os fundos a distribuir; os orçamentos trimestrais, anuais e de período alargado; e todos os compromissos relacionados com o dividendo natural.

Será estabelecido um conselho consultivo comunitário de partes interessadas que incluirá representantes designados das regiões, do comércio e do governo.

Será criada uma entidade local para contratar com os beneficiários para compromissos a longo prazo e de capital. Um líder para esta entidade será baseado localmente, apoiado por uma equipa especializada em envolvimento económico e social, trabalho de campo ambiental, contratação e educação.

As funções remotas incluirão desenvolvimento de software, análise de dados, modelação matemática e económica, apoio académico, finanças, administração e comunicações.

Princípios de zoneamento

No esquema de zoneamento pretendemos maximizar o dividendo natural potencial para as pessoas da região, e minimizar a perturbação pessoal e institucional necessária para o conseguir.

Temos necessariamente de reflectir os padrões existentes e históricos de utilização da terra. Será perturbador para as pessoas mudá-los, mesmo que haja um retorno por fazê-lo. A floresta secundária leva muito tempo a tornar-se floresta primária. Quanto mais mudanças forem necessárias para alcançar um resultado, maior será também o custo do capital. É sensato estabelecer a direcção que mais poderia alcançar, para a maioria das pessoas e para a maioria dos ecossistemas, de forma mais eficiente.

Devemos também reflectir a própria geografia – as bacias hidrográficas e os cursos de água que derivam da sua topografia, os tipos de solo e características costeiras que originam da sua geologia, os padrões de chuva e microclimas que provêm dos ventos predominantes e da localização.

Este património cultural e natural é essencial para reflectir no plano de ordenamento.
Devemos também considerar a tecnologia e a capacidade disponíveis para satisfazer as necessidades da população – alimentação, energia, abrigo e emprego.

Estes determinam a eficiência da utilização económica da terra. Politúneis bem tratados irão cultivar culturas alimentares de forma mais eficiente do que a horticultura gerida de forma intermitente. As árvores de crescimento rápido produzirão mais carvão do que as espécies florestais de crescimento lento. As parcelas de permacultura produzem mais do que monoculturas.

É também necessário reflectir os custos e complexidades da prestação de serviços sociais e cívicos. A educação depende do transporte para estudantes e professores. A prestação de cuidados de saúde é mais fácil a nível central, mas também exige que os doentes se desloquem.

As condutas de água são caras e requerem manutenção – encurtar a distância necessária para transportar água limpa melhora a qualidade do serviço para a comunidade. As telecomunicações são também mais fáceis de fornecer em ambientes mais densos. As estradas são dispendiosas de manter. Os esgotos são difíceis de transportar de forma fiável.

É mais eficiente fornecer serviços cívicos a uma comunidade compacta. Uma comunidade compacta oferece também mais oportunidades sociais. Em todo o mundo, a urbanização está a acelerar numa base voluntária – a mudança para a cidade é um passo celebrado entre as novas gerações para o progresso social e económico. A densidade também cria desafios. Aumenta o preço da terra, altera a dinâmica social, e pode sobrepor-se à resiliência dos ecossistemas naturais à poluição.

Nesta proposta, apresentamos um esquema de zonamento para consulta. Reflecte uma primeira abordagem à análise geoespacial e a compreensão das condições históricas, geográficas, ecológicas e tecnológicas actuais, bem como o potencial de melhoria ao longo do tempo à medida que as pessoas fazem escolhas para melhorar tanto a produção como os ecossistemas.

Chamamos a atenção para quatro grandes categorias de uso da terra – habitação e recreação, alimentação e energia, agro-florestação e ecoturismo, e conservação. Dentro dessas amplas categorias reconhecemos a necessidade de uma estrutura detalhada baseada no terreno e solo, na história, e na riqueza dos ecossistemas e das necessidades económicas.

Esperamos que isto constitua uma componente primária do processo de consulta que se segue à publicação da presente proposta.

Para habitação e recreação reconhecemos tanto as necessidades urbanas como suburbanas, e espaços recreativos associados, tais como parques, praias, e instalações desportivas. Esperamos ver o valor imobiliário aumentar significativamente nas áreas de habitação, e proporíamos mecanismos para assegurar que os benefícios daí resultantes se acumulem amplamente na sociedade.

Para a alimentação e energia, reconhecemos tanto os padrões actuais de abastecimento, com a agricultura de subsistência e informal, como as possibilidades de uma horticultura mais estruturada. Será necessária uma análise detalhada para ganhar confiança na proposta final.

A eficiência é encorajada onde tanto os custos como os retornos são medidos. Ao reservar espaço dedicado à produção e fornecimento, e ao mesmo tempo fornecer um fluxo de rendimento monetário de terras em pousio e inactivas, esperamos encorajar investimentos partilhados e individuais em tecnologia de produção. Quer se trate de plantações sustentáveis de madeira para carvão vegetal, ou iniciativas de jardinagem comunitária, ou simplesmente forças de mercado em acção, o nosso objectivo seria permitir às pessoas beneficiar de uma maior eficiência na sua utilização económica e de subsistência da terra, aumentando assim o dividendo natural que também podem receber da terra que não exploram directamente.

Monitorização e avaliação

Um conjunto abrangente de dados de referência será gerado com base em levantamentos, mapeamento do sistema de informação geográfica (SIG) existente, e consulta.

O Fundo realizará regularmente um levantamento do uso do solo em toda a região. Esperamos ser capazes de identificar com precisão o uso do solo e a actividade económica, juntamente com as espécies de árvores individuais e a área do telhado das estruturas. A equipa local também trabalhará com a comunidade e os beneficiários para verificar os resultados da análise de dados.

Os inquéritos físicos repetidos serão realizados trimestralmente para detectar alterações que afectem o valor dos ecossistemas. A análise desses levantamentos será subcontratada a especialistas.

A modelação matemática, por pessoal e especialistas consultores, será utilizada para determinar os fundos a serem distribuídos como dividendo natural, reflectindo tanto as escolhas sustentáveis como não sustentáveis feitas na região. Procuraremos o contributo de ecologistas e economistas na iteração do modelo.

Filosofia

Esta proposta é inspirada e construída sobre uma série de ideias-chave. Reconhecemos que a economia pessoal é um motor principal das escolhas a nível individual, e procuramos ligar benefícios partilhados e abstractos à economia pessoal directa.

Estamos interessados no rendimento básico universal, e em explorar a relação entre os serviços ecossistémicos universais e a ideia de rendimento básico universal.

Estamos interessados em construir uma ponte entre realidades económicas muito diferentes. Por um lado, o Ocidente rico, que expressa uma paixão pela sustentabilidade, sensibilidade climática, desenvolvimento ecologicamente sensível.

Por outro, as comunidades economicamente mais desfavorecidas, mas que também têm ecossistemas intactos que poderiam ser protegidos.

Desafiamos os grupos que manifestam preferência por resultados particulares – turistas e interessados em ecologia, clima, equidade, desenvolvimento – a darem um valor firme às suas preferências e a transformá-las em benefícios directos para aqueles que podem influenciar esses resultados através de escolhas individuais e colectivas. Estamos interessados em perceber se podemos transformar uma visão moralista das escolhas – “as pessoas devem” – numa visão económica – “eu vou financiar isto”.
Da mesma forma, trabalhamos para construir uma ponte entre o curto e o longo prazo. A curto prazo, pequenas escolhas pessoais são baratas de redireccionar.

A longo prazo, as escolhas colectivas são muito difíceis de redireccionar. Se conseguirmos influenciar pequenas escolhas precocemente, poderemos orientar-nos para um melhor resultado a longo prazo.
Reconhecemos a resiliência da natureza, dado tempo e espaço para reparar e regenerar, e a engenhosidade dos humanos para encontrar eficiências na satisfação das suas necessidades num ambiente complexo.

Reconhecemos também o benefício dos serviços sociais da densificação e urbanização, e a importância da felicidade a par do desenvolvimento económico. Pensamos ser possível encontrar formas de optimizar as quatro medidas-chave – saúde do ecossistema, produção económica, serviços sociais, e felicidade.
A conservação estrita que proíbe o impacto humano nos ecossistemas é um instrumento essencial. No entanto, é simplista sugerir que ela pode ser aplicada numa parte significativa do mundo. Exploramos as escolhas que são feitas na fronteira entre áreas de conservação e áreas habitacionais, e se estas podem ser direccionadas em benefício de todos.

Grande parte do mundo está em tensão entre natureza e economia; talvez os mecanismos aqui propostos possam vir a ter interesse numa escala mais ampla.

É comum descrever a natureza como uma parte interessada, mas é uma que não tem voz, não tem voto e não tem poder económico. Aqui expressamos os interesses dos ecossistemas em termos económicos. Um dividendo natural é, em certo sentido, o aluguer, pago pelas outras espécies numa rede ecológica, aos seres humanos.

Existe uma falha de mercado com a natureza selvagem que é percebida como improdutiva, quando na realidade está a fornecer serviços ecológicos valiosos. É percebida como vazia, quando de facto está cheia de vida. É percebida como sendo livre de explorar sem custos. O nosso objectivo é tornar a natureza selvagem produtiva – gerando um fluxo de rendimentos. A exploração dessa natureza selvagem tem então um custo de oportunidade.

Acredita-se amplamente que ecossistemas saudáveis proporcionam benefícios aos seres humanos, sob a forma de água limpa, mitigação de cheias, e outros serviços. Aqui, tentamos tornar esses benefícios tangíveis para aqueles que vivem nas margens da economia.

Financiamento e sustentabilidade

Mark Shuttleworth fornecerá o financiamento inicial para um período piloto de avaliação, com um orçamento anual de dividendos naturais de $1-3 milhões USD para 3 anos. Se o projecto-piloto for bem-sucedido, há um elevado grau de certeza de que o financiamento a este nível continuará por vários anos.
Outras organizações e indivíduos poderão participar no financiamento futuro.

Isto poderia tomar a forma de contribuições pessoais dos ecoturistas que visitam o local, crowd-funding, subvenções institucionais, uma taxa de turismo, e muito mais.
English translation

A proposta sumária sobre a iniciativa pode ser encontrada também aqui em inglês português.

Fonte : empresa HBD

1 Comment

1 Comment

  1. Cantagalo

    27 de Julho de 2022 at 23:39

    Vamos analisar bem a viabilidade primeiro. Força

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

To Top