Opinião

EMAE está a faltar Dubai respeito

Nos meses de Abril e Maio de 2016, o “povo pequeno” assistiu nos telejornais da TVS a vinda de vários engenheiros portugueses da EFACEC para, segundo eles, analisarem minuciosamente todas pontes de saída da cidade capital à partir do Porto de Ana Chaves à Central de Sto. Amaro, porque a todo momento chegaria a S.Tomé três geradores de tamanhos jamais visto pelos São -Tomenses e cujo peso, de tão elevada quantidade de toneladas, qualquer ponte não resistiria e podia ceder, deitando assim para águas de bacalhau, um investimento de 5 milhões de euros que Patrice Trovoada (o salvador da Pátria) decidiu aplicar para acabar com o problema de energia elétrica de uma vez por todas, garantindo o início da construção do Dubai Africano.

Depois de todo trabalho preliminar de engenharia de alto nível internacional, eis que chegara o dia D.

No dia 18 de Maio de 2016, se a memória não me trai, o “povo pequeno” começou a ser bombardeado com imagens da TVS comunicando que finalmente já tinha chegado o barco que trouxera os famosos geradores gigantescos, jamais visto pelos São-Tomenses fazendo com que a segurança do Porto fosse reforçada para fazer face a alguma eventualidade de perigo, pela grande quantidade de gente que afluía ao local para ver com os próprios olhos e de perto, os geradores e os camiões de tamanhos extraterrestres.

Pela primeira vez depois de 41 anos, no dia 21 de Maio de 2016, depois de tanta ânsia porque o telejornal tardava de entrar no ar, o “povo pequeno” via nos ecrãs da televisão os objectos extraterrestres, de tamanhos tão grandes que era de de fazer perder fôlego.

Nas imagens via-se camiões transportando volumosos geradores, jamais visto em 41 anos de independência, escoltados por motos de batedores da Polícia Nacional, luzes pirilampo e sirenes ligadas com volume insurdecedor, motos de 4 rodas com Engenheiros da EFACEC a fazerem gincanas, carrinhas da Polícia repletas de Nindjas para enfrentar não sei que espécie de inimigo, carrinhas da CST carregadas de Engenheiros para garantir a ligação com satélite extraterrestre, ambulâncias cheias de médicos e enfermeiros para garantir os primeiros socorros, carrinhas da EMAE repletas de escadas e Engenheiros e técnicos para garantir não sei o quê, parecia até que o gerador tivesse vindo já a funcionar e havia que garantir o seu funcionamento ininterrupto durante o transporte até a central de Sto. Amaro.

A montagem do filme era tão perfeita que tudo estava a ser registado por um batalhão de cameramen da TVS, para garantir que nada falhasse e que a estreia fosse de tal forma retumbante e hipnotizante junto do “povo pequeno”,  já mirando as eleições de 2018.

Mas isso ainda não era nada.
O acontecimento mais arrepiante que se viria ver nos ecrãs da TVS era o mar de gente que nas bermas das estradas observavam incrédulos porque depois de 41 anos, finalmente apareceu um salvador da Pátria, um visionário vindo das terras Gabonesas. O único homem que tinha olhos para ver, o resto eram todos cegos, incluindo eu.

A euforia era tanta que alguns elementos do “povo pequeno” gritavam em voz ensurdecedora:
-Êêêêêêêh!
-Patríçu…Patriçu…Patriçu!
-Patríçôôôôôô…Patríçôôôôôô!
-Viva Patríçu!
-Já veio énérgiaaaaaaa!
-Viva luuuuuuuz êêêêêêh!
-Viva Patríçôôôôôô!
-Viva nós, Patríçu!

E logicamente, na sua casa de praia lá prós lados de Praia das Conchas, o Salvador da Pátria observava tudo no seu plasma gigante, ao sabor de champanhe e caviar, e não via a hora de entrar em cena para fazer ver ao “povo pequeno”.

Já no dia seguinte, sem mesmo dar tempo para que os geradores fossem descarregados das plataformas, a TVS voltava a ter dificuldades em pôr o telejornal no ar à hora habitual porque havia de mostrar, custe o que custasse, as imagens inéditas de Patrice Trovoada (o Salvador da Pátria), que de dentes abertos até às orelhas não cansava de vender a sua imagem com semblante de vitória pessoal, porque o Ministro Vila Nova não era tido nem achado, era uma gota de água no oceano.

Na rodagem do filme a TVS pôs os microfones à disposição de Patrice Trovoada para dizer o que quisesse e o tempo que quisesse.

Este, esfregando as mãos de alegria, viajou no seu blá-blá-blá habitual que nunca mais acabava, para no fim afirmar:
-Quérrru apuruveitarrrr esta oporrrrrtunidade parrrra aguerradecerr ao povo pequeno, purrrque é parrrra eles que trrrabalho, purrrque eles já sufêrrrrêram porrrr muito tempo, mas que tenham um bocadinho mais de pacência que eu lhes garrrántu que dentrrro de terrrrêz meses acabou parrra semperre o purrrubulema enerrrrgético em São Tomé e Perrríncipe.
-Quérrru também avizarrrr ao diretorrrr da EMAE que o perrrázu deve ser currrumprídu, purrrrque vou voltarrr aqui parrra inaugurrração dessa gigantesca obrrrra que custou aos cofrrrres do estado 5 milhões de eurrros.

Estávamos ainda em maio de 2016 e até à presente data, Agosto de 2018, Patrice Trovoada não voltou a pôr os pés na Central de Santo Amaro para inaugurar a entrada dos geradores em funcionamento porque vozes da própria EMAE dizem que afinal os geradores vieram com problemas Graves e eram de segunda mão.

O resultado neste momento no País é apagão total.

E assim vai o nosso Dubai Africano, com toda gente (mesmo os do ADI) a lamentar falta de energia nas ruas, em todo canto que é canto e nas redes sociais

Mas nem tudo ficou perdido porque há males que vêm por bem.
Se os geradores não garantiram o fim da crise energética em São Tomé, pelo menos uma coisa boa trouxe:
Pela primeira vez no mundo e em São Tomé e Principe depois de 42 anos, a central de Santo Amaro criou uma mina (poço) de petróleo onde o gasóleo sai do subsolo já refinado, pronto a ser usado nos motores diesel, sem necessidade de construir uma refinaria.
CASO ÚNICO NO MUNDO!

Caso também para dizer que depois de todo esse mar de propagandas de Patrice Trovoada (o Salvador da Pátria), a EMAE ESTÁ A FALTAR DUBAI RESPEITO e de que maneira.

São Tomé, só mesmo vendo para crer!
Uma autêntica República das Bananas!

Jess Flander

 

    5 comentários

5 comentários

  1. Cristina Maria Biscaia Dos Santos

    19 de Setembro de 2018 as 19:56

    Magnifico!!!!

  2. Cidadã

    20 de Setembro de 2018 as 8:51

    Sim Senhor Jess Flader… tu falaste e disseste.

  3. Afonso

    20 de Setembro de 2018 as 18:56

    Parabéns pelo artigo meu caro JessFlander.
    Gostei

  4. Felicio tavares

    20 de Setembro de 2018 as 18:57

    Grande artigo jovém
    É preciso have jovem com coragem e determinação

  5. Observador Atento

    24 de Setembro de 2018 as 8:35

    Excelente artigo! Mas quanto ao petroleo refinado pronto a ser utilizado sobre a forma de diesel nao acredito. Tenho que ver para crer! Nao vi isto em lado nenhum, mesmo nos paises do Medio Oriente (arabia saoudita etc…)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo