Opinião

O Filme

Instalado no meu lugar preferido estou a ver a repetição de um filme que, de quatro em quatro anos, anima a malta e faz vibrar os fervores de militância partidária, com consequências desastrosas para o país.

O MLSTP e a atual coligação apresentaram-se ao país, após as eleições legislativas recentes, com o propósito, reiteradamente verbalizado em múltiplas ações oficiais e não oficiais, aparentemente, de preocupação com a nossa sociedade no seu conjunto, independentemente das sensibilidades político-partidárias, geográficas, sociais ou de outra natureza.

Todavia, passados apenas três ou quatro meses de vigência governamental desta coligação e depois deste gesto inaugural, caricatural e panfletário, o filme repete-se, embora com personagens diferentes, com a mesma intensidade e dramatismo.

Já se começa a rasgar os discursos e os guionistas de serviço estão, neste momento, mais preocupados com os seus interesses particulares e partidários do que com os nossos interesses coletivos.

A emergência e aparente consolidação dos propósitos da atual coligação governamental, liderada pelo MLSTP, parece-nos configurar um ato apenas para alcançar, conservar e distribuir o poder entre os seus apaniguados e militantes e condenar o ADI a uma penosa travessia do deserto.

Não consigo descortinar, em termos de decisões políticas avulsas tomadas pelo atual governo, até agora, ou suportadas nos instrumentos de política económica do mesmo, aprovadas recentemente pela Assembleia Nacional, designadamente o Orçamento Geral do Estado, algo estratégico e estruturalmente pensado, concertado e concebido, que viesse contribuir para alterar, ainda que superficialmente, o quadro económico e social que vivemos.

Muito pelo contrário, o governo age, nalguns casos, aparentemente, com um propósito declaradamente negligente, do ponto de vista social, para não dizer outra coisa.

Num país em que o alcoolismo é um problema complexo e sério, tendo, a montante, causas estruturais como a nossa crise económica crónica, o desemprego e outros fatores que, desde tenra idade, contribuem, direta ou indiretamente, para desencadear junto dos jovens este apelo irresistível, com consequências sociais graves, como, por exemplo, o aparecimento e desenvolvimento de algumas patologias crónicas, acidentes de viação, a multiplicação de casos de violência doméstica, etc., um governo sério e responsável, que se declara defensor dos interesses do povo e, sobretudo, dos pobres, a primeira medida que toma é, exatamente, incentivar publicamente, através de decisões políticas, o consumo de bebidas alcoólicas criando condições para aumentar a sua importação e baixar o preço das mesmas junto do consumidor final?

Como é que eu, enquanto cidadão, posso acreditar num governo que procede desta forma e, todavia, declara-se, reiteradamente, defensor dos mais vulneráveis da nossa sociedade?

Sendo o alcoolismo um problema de saúde pública na nossa sociedade, quer queiramos ou não aceitar, o comprometimento de qualquer governo responsável teria que passar, necessária e primordialmente, a montante, por conceção e desenvolvimento de um plano, com contornos transversais de inclusão, que, contribuísse para minimizar a manifestação do referido problema, sobretudo no âmbito preventivo.

Aquilo que o governo faz é exatamente o contrário, ou seja, cria condições e convida os nossos jovens e a população em geral, sobretudo a mais vulnerável, a beber mais.  O senhor primeiro-ministro e o seu governo, com esta decisão, não estão a defender o povo nem o interesse dos nossos jovens, muito pelo contrário, estão a defender os interesses das suas clientelas partidárias, relacionadas com a importação e comercialização de bebidas alcoólicas no país.

Cada vez mais, como tenho reiteradamente escrito em artigos anteriores, constata-se, aos poucos, uma contradição entre aquilo que o senhor primeiro-ministro nos tem prometido nos seus discursos e as ações e decisões políticas que o seu governo toma ou publicita.

Outro exemplo desta constatação, é o que o MLSTP e a atual coligação estão a fazer, momentaneamente, em nome do combate à corrupção no país.

Sejamos francos, tal propósito, tem apenas, como preocupação fundamental aniquilar o ADI, os seus principais dirigentes e outros opositores políticos, da mesma forma que o ADI tentou fazer o mesmo, com os partidos da oposição, anteriormente, quando estava no governo.

A política está a transformar-se, paulatinamente, no nosso país, numa espécie de “guerra entre grupos de gangues identificados”, com chefes escolhidos para esta tarefa específica, de acordo com determinados perfis, ostentado, contudo, como adereço, um emblema partidário, mas cujo objetivo é, afinal de contas, a defesa intransigente de interesses pessoais e de grupos específicos.

O povo só aparece, como uma realidade abstrata, em discursos de ocasião e evocação política, para credibilizar esta espécie de “luta de gangues” que tem como objetivo assaltar o castelo de quatro em quatro anos.

Dai a necessidade de se falar do combate à corrupção ou, em alternativa, de uma suposta reforma da justiça, como o ADI fez anteriormente, como, também, no regime monopartidário, se falava de aparecimento de navios estrangeiros na nossa costa cujo objetivo era, supostamente, a invasão do país por mercenários.

Tudo isto tem ou tinha, em última instância, como finalidade, credibilizar o discurso político e permitir a adesão popular para um simulado programa de reforma para o país enquanto os “gangues” tomavam ou tomam conta da nossa casa.

É óbvio que este tipo de discurso ou decisão política, num país, por exemplo, em que a perceção sobre a corrupção é elevada, conduz a todos os tipos de manifestações e apologias de faca e alguidar.

Não me admira nada, pois, ouvir algumas pessoas, aparentemente bem informadas, declarar de forma ingénua, que o governo deveria, até, “suspender a democracia” para acabar com a corrupção no país como coisa que as duas coisas fossem compatíveis.

Não sabem elas, que, como afirmou recentemente a argentina, Delia Ferreira Rubio, que preside a ONG global Transparência Internacional, “…a corrupção espalha-se muito mais facilmente onde as instituições democráticas são fracas e, como temos visto em vários países, onde políticos populistas e antidemocráticos a usam como tema para tirarem vantagem pessoal e política…”.

É exatamente isto que este governo está a fazer, neste momento, infelizmente, e que o ADI fez anteriormente, e uma parte substancialmente da população, mal informada e esclarecida, nesta luta de “gangues”, acriticamente, esfrega as mãos de contente convencidos da bondade da iniciativa em causa. Eu já vi este filme no regime monopartidário, viu-o há quatro anos e estou a revê-lo agora, com nenhum entusiasmo mobilizador. A única coisa que mudou são os atores e os guionistas do filme.

A corrupção não é algo que se combate no país, somente verbalizando este propósito, de forma avulsa, detendo, posteriormente, num exercício de simulação hollywoodesco, alguns supostos prevaricadores do “gangue adversário”, para posterior apresentação como troféus de caça e satisfação do desejo de manifestação de faca e alguidar da clientela partidária.

É óbvio que não gostei da falta de transparência relacionada com o processo de suposto empréstimo, por parte do governo do ADI, contraído a um fundo privado internacional, no valor de 30 milhões de dólares, e escrevi vários artigos sobre este facto.

Mas, transformar este facto isolado, como suposta bandeira governativa de combate à corrupção no país, simplesmente detendo os opositores políticos, ao mesmo tempo que o próprio governo, em apenas quatro meses de vigência, manifestou, claramente, evidências contrárias ao propósito em causa, parece-me insólito.

Darei, por isso, apenas três exemplos destas evidências.

Em primeiro lugar, tenho dificuldades em compreender que o atual governo manifeste preocupação em combater a corrupção quando, implementa, logo no início do seu mandato, uma política de falta de transparência e de cultura de meritocracia na contratação de dirigentes e funcionários para a administração pública e empresas estatais minimizando a eficiência dos referidos serviços em detrimento do compadrio e do cartão partidário, quando todos os relatórios internacionais, neste âmbito, aconselham exatamente o contrário.

Em segundo lugar preocupa-me que o governo queira combater a corrupção e, ao mesmo tempo, manifeste, pouca ou nenhuma ambição em separar a administração da coisa pública dos propósitos ou ambições de natureza político-partidária, confundido e misturando os dois planos de intervenção, em total divergência com aquilo que as boas práticas de combate à corrupção recomendam, fazendo exatamente como se fazia no regime monopartidário, privilegiando a emergência de um partido-estado defensor dos interesses de clientelas partidárias, como a ministra do Comércio, Indústria, Turismo e Cultura sugeriu numa entrevista recente.

Em terceiro lugar preocupa-me que o governo manifeste uma vontade incomensurável de transformar os bens públicos em privados, cujo exemplo do arroz do Japão é o caso mais evidente, bem como declare o desejo inconfessável de centralizar competências constituindo-se, desta forma, num obstáculo à iniciativa privada sendo, com tal, permeável aos interesses de natureza partidária, cujo conteúdo da entrevista da atual ministra do comércio, Turismo, Indústria e Cultura não podemos ignorar.

Se o governo quisesse, de facto, combater a corrupção no país não deveria negligenciar estas evidências que o torna, primordialmente, num alvo frágil deste mesmo flagelo que nos garante querer combater.

É óbvio que isto só poderia acabar, como qualquer “luta de gangues” acaba, com o país e as suas instituições divididas ao meio.

De um lado, temos a claque de um “gangue” e do outro a claque de outro “gangue”.

De um lado temos o procurador da república revoltado com a polícia judiciária pelo facto de esta ter detido um dos supostos prevaricadores sem a sua autorização e do outro lado temos a representante da polícia judiciária enraivecida com o referido procurador que mandou soltar um dos supostos prevaricadores, numa guerra pública que deveria envergonhar qualquer Santomense.

De um lado temos o governo da república satisfeitíssimo com a detenção dos supostos prevaricadores e a comunicação social estatal transformada num autêntico tribunal e; do outro lado, temos o presidente da república fulo de raiva pelo facto de um dos supostos prevaricadores estar detido e zangado com a referida comunicação social estatal.

Isto fragiliza as instituições da república e mina a credibilidade de qualquer programa de combate à corrupção no país que, infelizmente, não existe. É impossível o combate à corrupção no país com instituições frágeis e o país dividido ao meio quanto a bondade deste propósito avulso e seletivo.

Como é que se pretende combater a corrupção no país ao mesmo tempo que, consciente ou inconscientemente, se faz de tudo para fragilizar e debilitar as instituições públicas, que, têm como função, exatamente, realizar este combate, num exercício de achincalhamento público entre elas que desonra qualquer cidadão nacional?

Nenhum empresário minimamente lúcido vai investir num país em que o próprio primeiro-ministro intitula o presidente da república, em discurso público, como sendo, aparentemente, “chefe de um gang” que, supostamente, defende prevaricadores corruptos ou; em alternativa, onde a chefe de polícia judiciária entra em guerra pública com o procurador de república, num registo de baixo nível, diminuindo a autoridade deste publicamente.

Este não é, infelizmente, um país sério para se viver e investir. Perdoem-me as pessoas de caráter, abnegação e resiliência que, todos os dias, dão tudo de si, estudando, investindo, trabalhando e esforçando para que o país progrida, mas cujo contributo negativo de alguns políticos, acaba por se transformar no maior entrave, para a mudança de paradigma, entre nós.

E é triste constatar tudo isto porque eu estava convencido, após a entrevista tresloucada da senhora ministra do Comércio, Turismo, Indústria e Cultura, que se tratava de um ato isolado da referida governante, reflexo da falta de bom senso da mesma aliado aos problemas de incompetência política e técnica, mas, tendo em conta que o senhor primeiro-ministro não censurou este ato da sua ministra e até, aparentemente, subscreve-os, só posso concluir que, com a manifestação deste último acontecimento, tudo isto começa a denunciar um padrão comportamental, do seu governo como um todo, onde predomina a confusão, o desrespeito institucional, a incompetência, a ofensa pública e o desvario. Bom exemplo que estão a dar aos nossos jovens! Estamos a transformar, neste delírio procedimental governamental, numa autêntica chacota internacional.

Adelino Cardoso Cassandra

    41 comentários

41 comentários

  1. É Preciso muita Paciência

    15 de Abril de 2019 as 15:53

    Isto mais parece uma república de doidos. Um primeiro-ministro a insultar o presidente. Um presidente exageradamente parcial no cumprimento das suas obrigações. Uma coordenadora da política judiciária que não conhece as suas funções e limites e que insulta publicamente o P.G.R. Uma sociedade que assiste a tudo isto entre um misto de indignação, surpresa e festa. Estamos lixados. É preciso muita paciência para aturar tudo isto.

  2. Só de graça

    15 de Abril de 2019 as 15:58

    O teu irmão faz o mesmo no Príncipe, dá tacho aos capangas os que não lhe apoia manda tirar lixo na praia. Vai passear Adelino… só vou lhe dar crédito quando fores crítico das porcarias que teu irmão tó zé cassandra faz na ilha do Príncipe.

    • Deixa Senhor Escrever

      15 de Abril de 2019 as 21:30

      Senhores e senhoras do MLSTP deixa homem escrever. Vocês estavão a dizer que o país tinha ditadura com Patrice agora estão a querer impedir o homem de escrever. Deixa homem escrever só. Dói muito eu sei que dói mas deixa homem escrever.

      • MIGBAI

        16 de Abril de 2019 as 11:26

        Grande Adelino Cassandra.
        Que nunca lhe falte a “tinta na caneta”, para continuar a presentear-nos com opiniões sempre realistas e acutilantes, sobre a nossa triste sina política, da qual não nos conseguimos livrar.
        Quando será que estas ilhas irão parir verdadeiros homens de Estado?
        Um grande abraço para si meu caro.

  3. Palhaçada

    15 de Abril de 2019 as 15:59

    Veja o filme no Príncipe também. Hipócritas

    • Florencio Pontes

      15 de Abril de 2019 as 21:11

      Deixa o senhor Adelino Cassandra escrever por favor. O vosso partido tem que habituar com críticas. Deixa o homem escrever, por favor. Vocês já fizeram muito mal a este povo. Tem que habituam com críticas. Na democracia todos tem direito a escrever e falar. Vocês do MLSTP estão habituados desde independencia com DITADURA. Por favor deixa o homem falar.

  4. MLSTP Novo

    15 de Abril de 2019 as 15:59

    Senhor Adelino Cardoso Cassandra toda a gente sabe que o primeiro-ministro não manda nada neste momento cá em S.Tomé. Quem manda no país é a velha guarda do MLSTP capitaneada pelos senhores Rafael Branco e Pósser da Costa. Todos os tiques do MLSTP antigo como o senhor falou está contido neste programa de paternidade que é uma autêntica camisa de força que o Jorge Bom Jesus nunca vai sair de lá. Ele está amarrado e totalmente cego, mudo e surdo como os 3 macaquinhos. Ele até para falar tem que pedir autorização a estes senhores. É triste mas é pura verdade. Portanto o primeiro-ministro não manda nada. É uma espécie de pau mandado que colocaram lá. Portanto não espera muito dele.

  5. Bãr

    15 de Abril de 2019 as 16:34

    É para isso que tomamos a independência. Sinceramente…

  6. Só Truques

    15 de Abril de 2019 as 16:48

    Muda os governos e tudo continua a mesma M…… Passam a vida a enganar este Zé Povinho que vai comer o pão que o Diabo Amassou. Políticos desenvergonhados que só estão preocupados com a boa vida deles. Este senhor primeiro-ministro colocou a mulher dele como chefe da ENASA, colocou irmãos noutras empresas. Depois aparece a falar de corrupção. Engana-me que eu gosto. Só quem não vos conhece. O ADI também fez das suas mas vocês são todos iguais. Só cai nos vossos truques quem quer.

  7. Vitalia Rosamonte

    15 de Abril de 2019 as 17:00

    Realmente este é artigo como muitos deles que tens escrito com muito saber e com muita intelectualidade.
    Focastes dois pontos que realmente estao a aumentar no nosso Pais.A Violencia Domestica e o Alcoolismo.
    A Violencia Domestica que ja antes so existia nas outras classes,infelizmente agora ja atingiu a classe Superior.

    O Alcoolismo tem sido um dos factores destruidores de varias familias,e infelizmente até ja se ve que ha muitas crianças que consomem bebidas alcoolicas sem
    Espero que haja mais accoes de sensibilizaçao nesses dominios.Bravo e parabens Adelino.

  8. mario mendes

    15 de Abril de 2019 as 17:24

    Meu caro Adelino Cassandra, subscrevo totalmente a sua preocupação este governo pensa apenas na perseguição para distrair as pessoas e promove o consumo de bebidas para que a população mais se distraia e não peça contas por aquilo que deve ser essencial numa governação. Estamos entregues a bicharada. Também eu já vi este filme.
    Ops dizem que este fim de semana o primeiro ministro esteve em algumas localidades do Distrito de Lobata e andou a distribuir dinheiro as pessoas e a fazer promessas…Enfim só com Cristo..

  9. salmarçal 2

    15 de Abril de 2019 as 17:28

    Eu não conheço, pessoalmente, o sr. Adelino Cardoso Cassandra.
    Todavia, eu devo dizer-lhe que sou admirador da sua qualidade intelectual(lucidez na escrita e clareza na ideia). eu subscrevo em completo a sua ideia exposta no presente texto.

  10. almeida silva

    15 de Abril de 2019 as 17:50

    Devias é dar lições e ensinar o teu irmao Tozé Cassandra, porque já são vários os indícios de corrupção lá no Príncipe.
    E já agora quando vais fazer um artigo sobre a corrupção na Região Autônoma do Príncipe?

  11. luisó

    15 de Abril de 2019 as 19:13

    Subscrevo na totalidade.

  12. Diáspora

    15 de Abril de 2019 as 20:03

    Tó Zé Cassandra seu irmão é um grande corrupto, Ditador mor persegue todos que não lhe faz frete. Critique o seu irmão também.

  13. Florencio Pontes

    15 de Abril de 2019 as 21:06

    Peço ao senhor Almeida Silva e outros por favor deixa este senhor Adelino Cardoso Cassandra escrever. Os senhores deviam ler o artigo deste senhor porque está lá muitas coisas que o povo de S.Tomé deve conhecer e refletir sobre elas. Eu agradeço este senhor pela coragem e nível que ele tem. Os meus parabens.

  14. Amar o o que é nosso

    15 de Abril de 2019 as 21:24

    São Tomenses é uma vergonha até agora!! Bebida é problema grave. Mulheres grávidas bebem, mulheres a amamentar bebem, profissionais de saúde que devem dar exemplo também bebem e passam mensagens erradas. Outro assunto :santola é arrogante quer humilhar o próximo. Pior que o tiro pode sair pela culatra pk são burros. Burro e arrogante! Falta humildade..Jorge Bom Jesus tem de ser ele próprio. Alia – se a boas pessoas. Tem na pessoa do procurador um jovem culto, cauteloso, profissional em vez de apoia lo, tenta afoga lo para acabar com pessoas sãs nos grandes cargos públicos. Ainda vão a tempo de mudar o cenário se quiserem. Primeiro Ministro faça a coisa certa por favor!

  15. Alerta

    15 de Abril de 2019 as 21:48

    Com tanta coisa para juventude e para pessoas idosas este governo vai escolher bebida para o povo. Sinceramente minha gente. Parece maldição. Quando diziam que o MLSTP queria matar o povo muita gente batia mão no peito. Agora estamos a ver quem de facto quer matar o povo. Com tantos acidentes de carro e moto no país. Todo dia hospital está cheio de gente que sofre acidente principalmente de moto. Eu só poço pensar que o governo quer matar o povo ou quer distrair o povo para andar a fazer das suas. Isto é muita falta de respeito para com este povo sofrido. Voces vão pagar isto um dia. Pode crer.

  16. Povo Pequeno Vai Morrer

    15 de Abril de 2019 as 22:32

    Estes políticos do nosso país vai matar este povo. Vamos morrer todos. Isto é muita maldade para com os pobres. Estáo a drogar o povo com alcool para distrairem o povo enquanto roubam.

  17. WXYZ

    16 de Abril de 2019 as 5:11

    Huuummmm!!!! Esta me parecendo que este jornal digital esta se metamorfoseando. De certeza que o Sr. Adelino Cassandra vai adquirir muitos novos adeptos e tambem ira ter muitos novos adversarios (diria ate inimigos). Mas; ainda bem que existe uma grande franja de Santomenses providos de bom senso que ja nao acreditam em nenhum desses tais “Grupos de Gangues” que se refugiam em partidos ditos democraticos e que so estao por ai so sugando os seus proprios conterraneos. E como se nao bastasse ainda temos os tribunais que colaboram com esses gajos. Ha que haver uma revolucao aqui nessa terra de forma arrasar com isso tudo. E sem falar de aparecimento cada vez mais de igrejas e mais igrejas como se de quitandas comerciais se tratasse. O nosso sistema de justica desde os servicos notariais ate aos tribunais vai com muita aldrabice.

    • Veterano

      16 de Abril de 2019 as 11:18

      Por aquilo que eu tenho visto parece-me que já começam a afiar as facas para matarem este senhor. Estas pessoas do MLSTP, algumas que eu conheço, não tem piedade nem boas maneiras. Eu vi com os meus olhos aquilo que fizeram logo depois da independência. Famílias inteiras foram perseguidas e tiveram que basar daqui de S.Tomé para estrangeiro. E a maneira como algumas delas estão a escrever aqui eu tenho a certeza que eles vaõ perseguir este senhor. Agora que alguns conseguiram seus tachos e estão a ganhar o seu cumbú a grande e francesa eles não vão perdoar ninguém. Este senhor só disse verdades e muita gente não gosta de ouvir verdades. Pensam que o país é deles e de mais ninguém.

  18. mario mendes

    16 de Abril de 2019 as 6:55

    A bebida é uma das causas do aumento da criminalidade no País. As pessoas bebem muito para agredir, violar, insultar..como é que não se vê que isto tem provocado problemas no País…e o senhor primeiro ministro vai a desejada e batelo distribuir dinheiro para as pessoas beberem mais….de onde vem aquele dinheiro…devia ser investigado.tenham santa paciência….

  19. mario mendes

    16 de Abril de 2019 as 7:12

    Esse primeiro ministro pensa que engana as pessoas com essas perseguições….muitas famílias foram desempregadas….o lema é camaradagem na nomeações…o arroz só serve para os de partido…. criticaram os outros com discurso e agora que estão no governo fazem pior….
    Estou aqui para ver….não tenho simpatia por partidos mas esse governo não tem por onde pegar…

  20. sol

    16 de Abril de 2019 as 8:30

    Cada um a sua maneira.-

  21. Farto de política sem escrúpulos

    16 de Abril de 2019 as 10:04

    Estou inteiramente deacordo consigo, admiro muito a forma como escreve, e tenho a certeza que no fundo o povo mais influenciável tem noção daquilo que se passa de verdade. O que também não consigo entender é o cargo da esposa do JBJ, que agora faz partes doa quadros dirigentes da ENASA, esse simples acto já é desrespeito para com os cidadãos, que sacrificam se estudando formações superiores e mestrados e nada conseguem, o único dinheiro que consegue se pegar é de 2 milhões a 5 milhões, enquanto que a esposa do JBJ nem ensino superior tem. O aumento da taxa de bebidas alcoólicas que intitulam de espirituais( seus feiti ceiros que usam o nome de Deus em vão no final de qualquer discurso/ a justiça divina acontecerá) vem a mostrar o quanto estão a lixar se para o povo, que acha esse gesto de louvar. Triste é a ditadura que vem se instalando aos poucos enquanto o povo esta totalmente dividido e os militantes preocupados com os seus tachos. Meu caro contínua escrevendo que nós apreciamos.

  22. Quintério

    16 de Abril de 2019 as 10:30

    Eu só peço a estes senhores do MLSTP para deixarem este senhor escrever sobre as coisas do país. Eu embora não vou para S.Tomé a muito tempo vou acompanhando as coisas da sociedade com os escritos deste senhor Adelino Cardoso Cassandra. Minha gente deixa o homem escrever por favor. Não começam a perseguir o senhor. É assim que vocês fizeram na primeira república com os resultados que a gente conhece. Deixem o senhor em paz, por favor. Se vocês não gostam do escrito dele paciencia. Mas, por favor não persegue o senhor. Ele tem o direito de defender o povo sim senhor.

  23. F.R.T

    16 de Abril de 2019 as 10:41

    É das coisas mais lúcidas que li ultimamente. Meus parabéns. Não vim nem quero discutir com ninguém e antes que me começarem a chamar nomes, como é hábito num suposto partido desde a independência nacional, vou já embora. Só digo ao autor da crónica que infelizmente não conheço e gostaria de conhecer, continua a escrever sobre o país e a nossa sociedade porque de certeza absoluta que nunca irá agradar a toda a gente, como se vê pelas reações. Um bem haja. Subscrevo atentamente.
    F.R.T

  24. Lourenço

    16 de Abril de 2019 as 10:53

    Isto está a transformar de facto numa “chacota internacional”. Grande filme que estão a nos dar depois de tantas promessas de lisura. O último a sair da sala apaga a luz e fecha a porta.

  25. Sartre

    16 de Abril de 2019 as 11:11

    Nos, aqui, no lugar, por acaso muito embebedados pelos ultimos acontecimentos, somos todos cegos. E o Sr Adelino Cassandra -instalado no seu lugar preferido, a ver un filme do que acontece no nosso pais- é como um espiritu santo o relator virgem que ve, conta e adivinha todo o que nos esta passando. Desde esse o seu lugar (o “meu lugar”) preferido é capaz de adivinhar que estamos numa “guerra de Gange”. Por Deus, Sr Adelino: somos cegos mas não bestas; não exgere nem nos confunda; em que lugar de essa “guerra de gangue” colocaría ao Governo Regional, si fosse o caso?

    No nos leve a caminhos que logo não explica bem e que utiliza para esconder o que realmente vivimos aquí todos os dias: Uma luta dos que perdieram o poder e que, pensando que ficariam muitos mais anos nele, não aceptam ter perdido a situação privilegiada e planificaram um caminho de luta politica baseada na falsedade, intimidação e finalmente o victimismo. Comezaram esta luta pensando que o Governo da NM ia caer facil, mas esta resultando que não e tanto assim. A luta pelo poder não é nada novo, e verdade, é um filme que retrata cuasi as mesmas coisas em todos os paises do mundo, com apenas matices, mas o discurso del PR a Nação (novedade no filme ignorada pelo o Sr Adelino) confirma esse “plano dos perdedores” que apunta a uma luta para desgastar e fazer caer o Governo “na secretaria”. O Pais esta ser Governado, com erros e com acerto, assim o sentimos os que estamos aqui, até os pobres (somos a maioria). Mas vemos algumas melhoras, temos esperança e damos crédito a actual PM. Podemos até errar. Mas amigo Adelino, não conta historias o filmes de “gangue”, do congtrario deberías dizer os nomes dos capos, de seus capitanes e ramificações, os ambitos de seus crimenes, as redes internacionais as que pertencem… Não exagera ne nos enganes, somos cegos mas no somos bestas. Nem os assuntos dos trinta milhoes são dossieres de “gangues”, mas devem ser esclarecidos e não omitidos.

  26. Mulata

    16 de Abril de 2019 as 11:33

    Contado não se acredita. Como é possível que um país que tem tantos problemas para resolver, desde bolsas de estudo para jovens, cadernos e materiais escolares, medicamentos, materiais para agricultores e outras coisas vai apostar na importação de bebidas para pessoas beberem. Credo Deus Pai Todo Poderoso. Eles querem matar este povo. Só pode ser. Quando eu ouvia algumas palayês dizer que existe políticos que quer mata povo eu e a minha tia ficavamos indignadas com esta malcriação e ignorancia. Mas agora começo a ver que de facto pode existir políticos com esta ideia macabra para eles poderem usufruir de tudo sem chatices e incómodo do povo. Dando bebidas ao povo e festas eles vão fazendo o que quiserem. Isto é muita maldade. S.Tomé quem te viu e quem te vê…

  27. Mistério

    16 de Abril de 2019 as 11:39

    Isto ultrapassa todos os limites de bom senso. Xiê. Querem matar o povo todo com esta vossa decisão? Tenham decência, por favor. Fui

  28. Cidadão de S.Tomé

    16 de Abril de 2019 as 11:49

    Em primeiro quero endereçar ao senhor Adelino Cardoso Cassandra os meus parabéns pelo artigo. Tiro o meu chapéu. É uma reflexão que todos deveriam ler e mesmo não concordando respeitar. O senhor que não tenha medo de alguns impostores que de certeza absoluta vão lhe perseguir, ameaçar e enxovalhar. Eu conheço este país e sei do que falo. Os meus parabens outra vez. Tenho dito.

  29. Gamboa

    16 de Abril de 2019 as 12:00

    Cada dia estes políticos me surpreendem. Isto até parece uma anedota. É para isto que o MLSTP queria ir para o governo? Sinceramente. Isto é cúmulo de tudo que eu já vi em S.Tomé. A única coisa que eu posso concluir é que querem matar este povo de vez. É muito triste e inqualificável. Sempre que o MLSTP vai para a governação só faz estas porcarias e maldições. Parece um partido que não gosta do povo. Que raio de coisa. Tenham ao menos algum decoro.

  30. Jovem Desiludido

    16 de Abril de 2019 as 12:07

    A única coisa que eu vou lutar até aos limites da minha vida é conseguir tirar os meus filhos e enteados deste país que está a transformar num inferno. Só peço Deus que eu consigo fazer isto. Isto é absurdo parece que querem mesmo matar as pessoas. Tudo o que este senhor Jorge Jesus andou a dizer era para enganar as pessoas. Eu bem dizia aos meus colegas que ele não ia fazer nada só queria enganar as pessoas. É frustrante a vida de um jovem neste país.

  31. mario mendes

    16 de Abril de 2019 as 12:15

    Não devemos aceitar ser enganados por essa corja de malandros…andam a brincar a governação e a promessa virou concretizações para os camaradas do partido….brincadeira…a mim não enganam…

  32. adalberto silva

    16 de Abril de 2019 as 12:59

    Sou do ADI.
    Nós prometemos fazer diferente e não fizemos. Fomos os primeiros a perseguir pessoas.A Lei da policia judiciaria nós é que criamos aprovado por nossa maioria parlamentar com José Diogo e promulgado por presidente Evaristo Carvalho.Nós cavamos a nossa própria sepultura.
    Agora estamos a beber do veneno que preparamos para a oposição na altura.
    Recordo que a oposição foi contra esta lei da policia judiciária. E nós insistimos.
    Vamos fazer uma oposição construtiva a ver se dentro de 4 anos voltamos ao poder.
    Mesmo assim nao vou sair do ADI.
    E se não mudarmos de estratégia…C’est fini como dizem os franceses.
    Jamais vamos ser poder nesta terra.
    Não vamos esquecer que Doutor nos abandonou e foi tratar de vida dele.Quem está a padecer somos nós.
    Vamos deixar de ser parvos.

  33. Povo Põe e Povo Tira

    16 de Abril de 2019 as 17:08

    Povo põe e o povo tira.

  34. Presente

    16 de Abril de 2019 as 17:10

    Brincadeira de mau gosto. Que raio de coisa é esta? Querem beber e morrer façam em vossa casa com os vossos militantes de partido. Isto é prioridade para o país?

  35. MIGBAI

    16 de Abril de 2019 as 17:10

    Minha gente eu escrevi isto num outro artigo sobre o mlstp, e vem agora muito a propósito. Contudo hoje aumentei o poema pois estava muito pequeno para tudo o que necessitava dizer.
    Aqui vai o poema para esse partido de ditadores, que nos prometeram a liberdade e logo nos presentearam com uma ditadura do proletariado e uma polícia política a CÍVICA que a todos perseguia e destruía caso não fossemos da mesma côr de pele.

    M
    L
    S
    T
    P

    M inha pequenina terra
    L inda como não há igual
    S empre repleta de gente banal
    T arados sexuais e mentais
    P alermas e muitos mais.

    M etida bem no meio do oceano
    L evas uma vida anormal
    S empre te impingiram o engano
    T arados sexuais e mentais
    P alermas e muitos mais.

    M as um dia irás acordar
    L avando as mágoas no amanhecer
    S empre virá quem teus olhos queira de novo fechar
    T arados sexuais e mentais
    P alermas e muitos mais.

    L uta companheiro
    I nventa formas de rebeldia
    B asta de tanto sofrimento
    e naltece os teus sonhos
    r enega aos teus opressores
    d iverge dos teus influenciadores
    a tira para longe os teus medos
    d eseja e luta pelo teu entendimento
    e nvia mensagens de revolta de noite e dia

    LUTA COMPANHEIRO!!!

    Não se deixem enganar meu povo, quem nasceu lagartixa como esse JBJ, nunca chegará a jacaré!
    Assim quem nasceu com os genes de ditadores nunca será democrático.
    Vivas para todos os partidos, excepto para o partido de repleto de ditadores que é o MLSTP.

    • Luxemburgue

      17 de Abril de 2019 as 0:35

      O Sr. age como dictador e fascista so falar de genes. Penso que tambem é nostálgico do colonialismo e… É seu problema. Que Deus lhe perdoe e le liberte de esse veneno.

      • MIGBAI

        17 de Abril de 2019 as 11:24

        Por favor Luxemburgue.
        Regressa à tua terra e terás uma visão real da mesma.
        Estás de barriga cheia, e como tal, nem queres saber de quantos sofrem diariamente as amarguras da (in)dependência forçada pelo mlstp e da ditadura imposta por essa canalha, que ainda hoje andam por aqui de bons carros e usando perfumes caros comprados na europa.
        Vem cá palerma palhaço, ver o que se está a passar em STP!!!

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo