Opinião

Os Aprendizes de Feiticeiro

O Governo escolheu, legitimamente, como bandeira para agitar, em prol da sua afirmação política, a temática da corrupção.

Não haveria nada a apontar se tal compromisso político, como tenho reiteradamente escrito em artigos anteriores, contemplasse, simultaneamente, um plano de intervenção neste âmbito que incluísse, entre outros:

uma reforma da organização e procedimentos no interior dos próprios partidos políticos, que suportam o referido governo e decidiram empreender este propósito, tendo em conta o seu papel insubstituível como centro específico de poder político de decisão, que permitisse maior transparência nos mesmos ao nível de financiamento, por exemplo, e acabar com os “banhos”;

uma reforma da administração pública que contemplasse objetivos para a sua maior transparência, despartidarização e eficiência produtiva;

um modelo de organização, avaliação e monitorização do funcionalismo público que contemplasse a ascensão na respetiva carreira privilegiando o mérito em detrimento do cartão partidário;

implementação de instrumentos de natureza legal e organizativa que permitissem a robustez e verdadeira independência do sector da justiça;

fortalecimento técnico, organizacional e procedimental, das instituições e estruturas, como Tribunal de Contas, a inspeção Geral de Finanças e outras que garantam a sua capacidade de operacionalização, controlo e auditoria das contas públicas e, sobretudo, prevenção e minimização de riscos de corrupção;

maior transparência, eficiência, funcionalidade e utilidade do conteúdo das Comissões de inquérito existentes na Assembleia Nacional sobre esta temática e controlo da atividade de fiscalização governamental neste e outros domínios;

criação de condições para a emergência de uma comunicação social estatal  livre, justa e plural que garanta a segurança e liberdade dos jornalistas e melhoria das condições de trabalho dos mesmos sem quaisquer pressões e, por último, criação de condições, paulatinamente, para a emergência de organizações da sociedade civil, em vários contextos comunitários, com autonomia organizacional e procedimental, que possam adotar mecanismos de análise, debate e fiscalização dos bens e despesas públicas.

É óbvio que só elenquei algumas medidas, neste âmbito, de acordo com a nossa realidade cultural, política e socioeconómica.

Não creio que exista pelo menos um Santomense, no interior do país ou na diáspora, que discorde deste combate e, eventualmente, destas medidas.

A pergunta que se coloca, então, é: por que razão, o atual governo, não tendo feito nada neste sentido, mas mesmo nadinha, continua a dizer e garantir-nos que está a encetar o combate à corrupção no país?

Ou melhor, por que razão o atual governo, tendo tomado decisões políticas que estão nos antípodas destes propósitos, como, por exemplo, a partidarização excessiva do funcionalismo público; a fragilização das instituições que deveriam combater a corrupção no país como a Procuradoria Geral da República; a partidarização da rádio e televisão públicas e, consequentemente, a neutralização do pluralismo político nestes meios de comunicação social e a transformação dos bens públicos em privados cujo exemplo mais prático é o de arroz do Japão, vem, contudo, numa verborreia inconsequente, garantir-nos que está a combater a corrupção no país? Que corrupção? A dos outros?

Só há duas ou três razões para este procedimento: uma atitude persecutória com o objetivo de fragilização dos opositores políticos ou personagens de que não gostam; mobilização de militância partidária em torno de algo fictício, imaginário ou abstrato como se fazia na primeira república ou, ainda, uma tentativa avulsa e inconsequente de quererem resolver um problema que não dominam ou que não têm consciência nenhuma de como se pode resolver.

Não haverá volta a dar: mais tarde ou mais cedo, como já está a acontecer, aliás, com a manifestação do problema do arroz do Japão e colocação de militância partidária na administração pública, o governo haveria ou haverá de se confrontar com os problemas que ele mesmo garante estar a combater.

Há, diga-se de passagem, neste contexto, um notável poema de Goethe sobre o imprudente aprendiz de feiticeiro que descreve, metaforicamente, de forma soberba, aquilo que está a acontecer no país neste âmbito que tentarei exemplificar abaixo.

Este poema conta-nos a história de um insensato aluno ou aprendiz de artes mágicas ou feitiçaria que, aproveitando-se da ausência do seu mestre feiticeiro e cansado das atividades domésticas, decide aplicar um feitiço, às escondidas, cujo processo ele ainda não dominava, para encantar a sua vassoura. Esta, por sua vez, começa a trabalhar ininterruptamente trazendo cada vez mais água para casa, com o objetivo de limpeza desta, até causar uma inundação. Desesperado, o aprendiz, resolve destruir a vassoura, com um machado, partindo-a ao meio. Por conseguinte, cada metade da vassoura transformou-se numa nova vassoura, com braços e pernas, trazendo o dobro de água para casa. Ou seja, tudo correu bem até que o referido aprendiz de feiticeiro percebeu que não sabia as palavras mágicas para fazer com que a vassoura parasse de trabalhar. No último momento, o mestre feiticeiro reaparece e resolve a situação criada que serviu como lição moral para o aprendiz.

É isto que estes aprendizes de feiticeiros do MLSTP, momentaneamente no Governo do país, estão a fazer que, de certeza absoluta, vai contribuir, no debate público que se está a produzir, para a multiplicação da publicitação de casos de corrupção que comprometem muitas figuras do próprio MLSTP, até pelo facto de todos nós conhecermos histórias, o percurso  político e de vida de grande parte dos políticos nacionais, sobretudo os do MLSTP, desde a independência do país.

Provavelmente, alguém (um mestre feiticeiro do MLSTP) terá que vir, mais tarde, em socorro destes aprendizes de feiticeiro do MLSTP no governo da república, para fazer parar os estragos que a vassoura fará, estando a trabalhar ininterruptamente, ao trazer, cada vez mais água para a casa provocando inundação.

Não posso deixar de ressalvar que gostei da fundamentação e brilhantismo, ao nível de conteúdo e forma, utilizado pelo Silvino Palmer, para, em contraposição, argumentar e rebater, ponto por pronto, todas as insinuações que o ministro Osvaldo Abreu e a atual Administração da AGER utilizaram, na comunicação social, para denegrir e manchar a sua imagem e, até, do próprio Tribunal de Contas, que auditou o processo de compra e venda do edifício para a sede da referida instituição.

Mais uma vez, em nome do referenciado combate à corrupção estão a fragilizar uma das instituições, neste caso o Tribunal de Contas, cuja função é, exatamente, minimizar a manifestação do problema da corrupção no país. É óbvio que a clientela partidária, pouco informada e esclarecida, nunca repara nestas contradições.

E já agora, se o objetivo principal é o combate à corrupção e punição dos prevaricadores, por que razão o senhor ministro Osvaldo Abreu e a atual direção da AGER não enviaram o relatório do referido caso para a procuradoria geral da república, solicitando investigação do mesmo e eventual punição dos referidos prevaricadores? Não! O objetivo importante é fazê-lo chegar à Comunicação Social, primordialmente, difundi-lo exaustivamente, sobretudo na comunicação social estatal e nas redes sociais, com o objetivo de humilhar os anteriores profissionais da referida instituição em nome do tal combate à corrupção.

Isto não se faz! Este processo tinha como única finalidade denegrir a imagem de alguém que, conheço, desde muito novo, ainda como estudante na Quinta de Santo António, cuja conduta é irrepreensível.

Silvino Palmer é relativamente mais velho do que eu e, ainda estudante na Quinta de Santo António, já era uma referência, para a generalidade dos estudantes do Príncipe que lá viviam. Referência não só no domínio académico, como social e ético.

É óbvio que ele, como qualquer outro ser humano tem defeitos, mas, do ponto de vista ético e profissional, é uma ave rara para aquilo que se transformou, momentaneamente, a nossa sociedade.

Eu não estaria a cometer nenhuma inconfidência se dissesse que, naquele contexto infantojuvenil da Quinta de Santo António, todos nós queríamos ser como Silvino Palmer em alguns domínios da vida, sobretudo académico e ético. Aliás, digo mais, eu tive algumas referências na vida, ao nível da relação com o grupo de pares, na adolescência, no contexto familiar, etc., que, eventualmente contribuíram para moldar, voluntária ou involuntariamente, a minha personalidade e caráter e não tenho pejo nenhum em referenciá-las. Nelas estão minha avó Maria Preta, a minha tia Lígia, os meus pais, o senhor Agostinho Fernandes (pai do anterior ministro das finanças Agostinho Fernandes) que era diretor do Lar dos Estudantes e, como não poderia faltar, Silvino Palmer.

Portanto, não aceito aquilo que estão a fazer com um dos melhores quadros que o país produziu, desde a independência nacional, por ressentimento, inveja, ódio ou outro problema qualquer. Aliás, vou mais longe, um país que desperdiça um quadro deste calibre, em detrimento de alguns desqualificados e incompetentes, como comporta o atual governo da república e alguns sectores da administração e empresas públicas, é um país que caminha para o desastre.

Este é um processo que começou com a ministra de Cultura, Comércio, Indústria e Turismo, contaminou o senhor ministro das Obras Públicas, Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Osvaldo Abreu, de quem, por sinal, eu retive, durante muito tempo, uma impressão muito positiva (provavelmente enganei-me) e já está a contaminar o senhor primeiro-ministro. Portanto, já não é um caso isolado e, aparentemente, só contamina os membros do MLSTP que fazem parte do referido governo.

O que me indigna é que depois de eu ter lido tantas coisas que indiciavam a prática de atos de corrupção por parte do senhor Osvaldo Abreu, designadamente o seu eventual envolvimento na criação de uma empresa privada do ramo de hidrocarbonetos em aparente contradição com a lei vigente na altura; a sua assinatura, segundo afirmou o anterior Diretor Executivo da Agência Nacional de Petróleo no “pior” Contrato de Partilha de Produção da Zona Económica Exclusiva, o bloco 2, com a SINOANGOL, empresa totalmente desconhecida no mundo dos petróleos e sem qualquer capacidade técnica e financeira para o propósito em causa; a alteração da proposta dos Estatutos da Agência Nacional de Petróleo, promovida pelo próprio, introduzindo nele clausulas que permitissem que o seu ramo de especialização – Engenharia Química – passasse a ser uma das condições para se ser Diretor Executivo da referida agência, etc., eu desvalorizei sempre estas e outras acusações, contra o próprio, até pelo facto dos promotores da acusação em causa limitarem tal registo ao contexto da comunicação social, sempre convencido que se tratava de um instrumento com propósito difamador, da oposição política, para prejudicar a carreira política de um jovem que estava a se impor, aos poucos, na política Santomense sobre o qual eu nutria algum respeito e, até, admiração. E, até, julgo ter elogiado, em artigo publicado neste mesmo jornal, a sua disponibilidade como protocandidato ao cargo de líder do MLSTP em disputa com Aurélio Martins e outra candidata que já não e recordo do nome.

Agora eu pergunto: por que razão fazer aos outros exatamente aquilo que, eventualmente, tenhas detestado que ti tivessem feito?

Se o propósito é o combate à corrupção, como têm reiteradamente propalado, não seria desejável que fosse o ministério público e, posteriormente, os Tribunais, onde a queixa deveria ser encaminhada?

O país está a viver dias conturbados provocado, voluntariamente, pelo próprio governo, de forma, aparentemente, incompreensível, embora precise, de facto, de reformas. É o próprio governo que, em vez de governar e reformar o país, tem criado dificuldades a si próprio, num exercício de automutilação que ninguém compreende.

O principal e único partido da oposição – o ADI – está numa situação complexa ao nível diretivo e sem capacidades de intervenção política concertada e minimamente organizada.

O Governo tem, por isso, um campo aberto para impor algumas reformas ao país, em situação de dominação plena, incluindo o propósito de um verdadeiro combate à corrupção e não aquilo que está a fazer neste âmbito.

A política é um âmbito de inovação e não somente de gestão. Não percebo por isso, estrategicamente, a importância desta afronta, sem qualquer sentido, repetindo todos os pecados que o anterior governo cometeu, aos opositores políticos, de forma seletiva e inconsequente. Isto não é política, mas qualquer coisa parecida com ela. O feitiço, como no poema de Goethe, pode virar contra o feiticeiro!

Adelino Cardoso Cassandra

P.S: Alguém que lida com estas matérias, tecnicamente acima de quaisquer suspeitas, após a publicação do meu anterior artigo, enviou-me uma mensagem, congratulando com o conteúdo do artigo em causa e acrescentando que o bem com maior peso nas nossas importações são precisamente as bebidas alcoólicas.  Como exportamos muito pouco, segundo o referido especialista nesta área, andamos a pedir dinheiro emprestado ao estrangeiro para importarmos e consumirmos as bebidas alcoólicas, ou seja, andamos a aumentar a nossa dívida externa e a comprometer as gerações futuras com o desenvolvimento de um “projeto” de formação de bêbados ou alcoólatras no país, com todas as consequências que tal acarreta, diminuindo os impostos sobre as referidas bebidas alcoólicas. Estamos no bom caminho!

    29 comentários

29 comentários

  1. Povo Põe e Povo Tira

    18 de Abril de 2019 as 10:52

    Se querem acabar com a corrupção deviam começar por prender e julgar todas estas pessoas desde a independencia que andaram a roubar bens do estado. Alguns tomaram roças grandes dos colonos. Outros tomaram casas e mobílias das roças. Outros tomaram terrenos em plena cidade. Outros assinaram contratos que prejudica país. Casas pré-fabricadas onde está? Negócio de petróleo? Onde é que está? Arroz de GGA? Onde é que está? Domínio 0399 do país? Onde é que está? Navios de pesca desviados? Onde é que está? Negócios de petroleo na Nigéria? Onde é que está? Querem mais?

    • MIGBAI

      19 de Abril de 2019 as 8:19

      M
      L
      S
      T
      P

      M inha pequenina terra
      L inda como não há igual
      S empre repleta de gente banal
      T arados sexuais e mentais
      P alermas e muitos mais.

      M etida bem no meio do oceano
      L evas uma vida anormal
      S empre te impingiram o engano
      T arados sexuais e mentais
      P alermas e muitos mais.

      M as um dia irás acordar
      L avando as mágoas no amanhecer
      S empre virá quem teus olhos queira de novo fechar
      T arados sexuais e mentais
      P alermas e muitos mais.

      L uta companheiro
      I nventa formas de rebeldia
      B asta de tanto sofrimento
      e naltece os teus sonhos
      r enega aos teus opressores
      d iverge dos teus influenciadores
      a tira para longe os teus medos
      d eseja e luta pelo teu entendimento
      e nvia mensagens de revolta de noite e dia

      LUTA COMPANHEIRO!!!

  2. geronimosousa44@hotmail.com

    18 de Abril de 2019 as 11:16

    Brutal, Adelino Cardoso Cassandra! Parabéns!!!!

  3. Bãr

    18 de Abril de 2019 as 11:19

    Eles não querem combater corrupção nenhuma. Estão só interessados em passar estas coisas na televisão para prejudicar algumas pessoas que eles não gostam. Uma coisa séria mesmo eles deviam enviar estes processos para tribunal julgar. Enfim mas é o país que temos e governantes que temos.

  4. Felisberto

    18 de Abril de 2019 as 11:21

    Este senhor Doutor Silvino não merecia isto. Eu conheço ele desde a muito tempo. É uma pessoa muito boa. Querem lhe prejudicar.

  5. 18 de Abril de 2019 as 11:24

    Este governo está muito lançado e vai bater com a cabeça na parede. haver vamos. Eu estou fora. Apoei de principio para eleger mas agora estou fora. Não estam a fazer nada e só a perseguir pessoas de bem e dexar corruptos do MLSTP na rua.

  6. Jato

    18 de Abril de 2019 as 11:25

    Estão todos bebados no governo.Só pode ser. Fui

  7. Militante

    18 de Abril de 2019 as 11:27

    Não faltou aviso. Escolheram este caminho sem necessidade. Alguns ca,aradas alertaram na reunião do partido que esta estratégia não era boa para imagem de credibilidade que o partido poderia dar. Alguns poderosos não aceitaram. Agora eu quero ver.

  8. Desconfiado

    18 de Abril de 2019 as 11:50

    Eu não consigo perceber esta estratégia que o governo está a usar. Querem combater corrupção e estão cheios de corruptos no governo. Querem melhorar a vida do povo e dão povo mais bebidas alcoólicas para o povo beber em troca de melhor saúde e educação. Querem juntar toda a gente e instituições do país para trabalhar em conjunto mas estão a dividir mais o país e as instituições. Presidente não fala com primeiro-ministro. Procurador não fala com chefe de política judiciária. Governo não fala com governo do Príncipe. Mas que raio de coisa é está. Foi para isso que foram para governação? Por favor se não sabem governar é melhor sairem e darem outros lugar. Assim não. Não me levem a mal.

  9. Perigo Constante

    18 de Abril de 2019 as 11:57

    S.Tomé e Príncipe esta a afundar. Não há nada a fazer. Cada um está a ocupar os seus lugares para sacar o mais possível que puder no governo antes que o barco afunda cada vez mais. A confusão toda está ai. Só não vê quem não quer ver. Não se compreende que um governo que tem tudo para trabalhar e alavancar o país está preocupado com coisas que eu não vejo como preocupar. Se existe casos de corrupção pega nele, analisa e envia para ministério público em vez de estar a maltratar as pessoas sem mais nem menos. Tanta chatice só de graça. Minha mãe dizia quando o saber é muito ele engana pessoas.

  10. wilsan ferreira lopes

    18 de Abril de 2019 as 11:58

    muito bom amigo ADELINO CASSANDRA,as suas intrevençoes tem muita logica, governo só a preoucupar, com actos que já passaram os seus camaradas dá mesma o piores, reparemos o arroz,é normal dentro do parlamento deputados da troika falar só de arroz com representantes de japao no pais

  11. Sankara

    18 de Abril de 2019 as 12:18

    O filme contra a corrupção que Adelino relata e soportavel, ta certo, e cada um fara a sua escolha e sua opinião. Eu penso que é simples demais o que ele diz, muito populista no sentido oportunista e apenas negativo. Agora, o filme de que pedimos dinheiro ao extranjeiro para importar bebidas e beber como doidos, e infantil demais, e tristemente desafortunado. Essas bebidas de que fala não estão ao alcance do povo, meu amigo. O povo se embebeda con bebidas que fabrica “no mato” e não com importacóes de boas bebidas (que o Sr tambem debe beber nesse lugar aonde vai a inspirarse para escribir) e nem com uma nova “Ley Seca” se resolve, não manipule as pessõas. Outra coisa é crear condições para que as pessõas vivam melhor, de seu trabalho, e tenha sempre algum tipo de protecção social ou manifestação de soliedaridade.

  12. Independente

    18 de Abril de 2019 as 12:25

    Senhor Adelino Cardoso Cassandra o que me espanta é que até pessoas que eu admirava na comunicação social por exemplo que sempre foram críticos do governo anterior e andaram a dizer que havia ditadura no país estão a fazer pior na TVS e na rádio nacional. Não existe coerencia e transmitem isto para o povo que já não é burro. O país vai andar nesta vira e canta o mesmo até um dia se Deus quiser. É muito triste. O primeiro-ministro com todo o respeito que eu tenho por ele não vai dar conta deste recado. Ele não aguenta isso.

  13. Folha Seca

    18 de Abril de 2019 as 13:10

    Muda governos continua tudo igual ou pior, o país não arranca nunca. Coitados dos jovens e crianças deste pobre país. Estamos lixados.

  14. Eu sou a mensagem

    18 de Abril de 2019 as 14:33

    Oh, rapazinho Adelino compreendo a sua frustração, mas pelo menos, dê um tempo e deixa o governo trabalhar. Deixa o governo trabalhar. Está toda a gente de olhos postos no governo e críticar o lado negativo deste governo. Não vamos puxar por lado algum. Em nenhuma parte do mundo existe governo perfeito ou mesmo santinho.
    Este governo tem pouco mais de 3 meses, e para analisá-lo temos que ter em conta que o país está de tanga. Não tenho partido e nem sou simpatizante de qualquer um. Respeito a opinião de cada um dos meus irmãos. O shr Adelino Cassandra fez um grande relatório, mas verifica se existe algo positivo que este governo já fez. São medidas importantíssimo de que o país precisa. O que estou muito convicto, é de que também venham cometer erros. É mesmo da governação. O que não devemos admitir é atos de corrupção e má gestão da coisa pública. Há quanto tempo está o seu irmão na ilha do Príncipe a governar? Pergunta-lhe se está tudo uma maravilha. Tenham a paciência e deixem o governo trabalho. SVP.
    Um bem haja a todos.
    Que Deus abençoe STP

  15. Separação de poderes violada

    18 de Abril de 2019 as 14:36

    Se realmente este governo de Jorge bom Jesus quisesse combater a corrupção fazia como João Lourenço em Angola começava do próprio partido o MLSTP.
    Um combate a corrupção em um pais não se esgota em perseguir e prender militante de um só partido o que esta acontecer em S.tome neste momento é uma perseguição política ou tentativa de aniquilação do ADI.

  16. mario mendes

    18 de Abril de 2019 as 14:52

    Como é que se pode combater a corrupção no País e outros problemas como os de criminalidade se o primeiro ministro anda em localidades a distribuir dinheiro para as pessoas beberem.
    O combate a corrupção deste governo é perseguir aqueles de que não gostam. Que não me venham dizer o contrário…
    Manchar o nome de Silvino Palmer de facto não se faz….Não se pode perdoar esse Osvaldo Abreu que também não é flor que se cheire….é muita maldade..
    Tantos bons quadros que foram humilhados nestes últimos meses…..
    Este governo é muito mesquinho…..

  17. Paulo Cruz

    18 de Abril de 2019 as 14:57

    Não me parece que o Osvaldo Abreu visou alguém, muito menos Silvino. Entendo, como ele fez parte da equipa, teve que responder.

    Mas, o meu amigo Osvaldo Abreu, que não é flôr que se cheira, deve ter mais calma. Blu Blu Blu Na sa luta Fa.

  18. Sankara

    18 de Abril de 2019 as 15:29

    Muito bom o listado do Sr Adelino para uma estrategia anti corrupção. Medidas que existem já, fiscalização, ley da finaciação dos partidos, democratização nos partidos, fortalecimento nas estructuras e instituições, comunicação social livre – agora bem livre-, etc… Mas então porque Adelino ve o filme do listado e não ve o filme dos “casos” de corrupção que este Governo encontrou e que varios d´eles ja estão nos tribunais e não “andam”? O Adelino tambem pensa que tem que ficar “adormicidos”? Sera que o Sr Adelino não save dessas coisas? O Sr Adelino parece que em seu filme não ve todo… Até não ve que estamos numa especie de Kaos porque, os que perdieram o poder, adoptaram esta estrategia de Fake News, insultos, esconder dossieres,sabotear congresos, ameaçar com atentar as familias dos que governan…Sera que o Sr Adelino no ve o não quer analiçar a complexidade da situação actual? Não acredito que não ve, não. Penso que ele fala apenas da prevenção cara ao problema da corrupção, o seu listado lida penso eu com a prevenção. Agora, por Deus, os “casos” que estão já nos tribunais tem que andar para ser exclarecidos e libertados de suspeitas os que nada tem que ver, pelo menos. Acaso no proximo filme do Sr Adelino temos outro listado de medidas ao respeito? Aguardemos… E que não seja só para para atacar o Primeiro Ministro com otro listado daquelo que supostamente não faz.

  19. maria da graça

    18 de Abril de 2019 as 16:39

    Sr. Adelino será que entendeu bem a mensagem que foi passada? Não tem que estar fora a dar o seu gosto à boca. Venha para cá trabalhar e dar o seu melhor se se acha o melhor. Ninguem falou do sr. Silvino. Sinceramente ele fez-se de vitima porque sabe que tem culpa no cartório. Mas que o edifício foi um mau negocio, foi. Sobretudo para quem diz que foi isto, aquilo e tudo espetacular. Que penúria? Por acaso o edifio no momento não serve para o objetivo pelo qual foi adquirido, sobretudo pelo montante oferecido. E se o estado fosse um estado o tribunal de contas teria que ser chamado, sim. Acha que o tribunal de contas fez o seu trabalho como manda a lei? Ou foram cambalacheiros? Os factos são reais. Se o sr. Silvino viu ferido a sua sabedoria porque corroborou sabe que existe um palco certo para ser exposto os tribunais. Não caia no erro de sair sempre em defesa daqueles que são seus amigos ou familiares. Tenho dito!

    • Liberdade de Falar

      19 de Abril de 2019 as 11:00

      Deixa o senhor Adelino Cardoso Cassandra escrever. Vocês já estão a censurar o senhor. Assim não dá.

  20. Amar o o que é nosso

    18 de Abril de 2019 as 16:57

    Realmente caro primeiro ministro deixa de ouvir a retaguarda do Mlstp. O pior erro que cometeram neste novo governo ao meu ver foi varrer as pessoas dos cargos e meter pessoal do partido. Bem pelo menos eu acreditava no JBJ. Não estava a espera disso…

  21. Primeiro- Ministro

    18 de Abril de 2019 as 17:28

    O problema é que governo não sabe o que deve fazer. Está completamente descontrolado e sem orientação nenhuma. Fala de corrupção e está cheio de corruptos no meio deles. Fala de saúde para os pobres e dá mais bebida alcoólica aos pobres. Fala em união e cria mais desunião. Minha gente para e pensa primeiro antes de falar e tomar decisões atoa.

  22. Militante Antigo

    18 de Abril de 2019 as 22:36

    Quem corre por gosto não cansa. Os da velha guarda avisaram estes miúdos do partido que não é assim que se faz as coisas. Alguns armaram-se em reformadores que já sabem tudo embora não tem experiência política nenhuma. O resultado está a vista de todos. O pior é que o próprio partido vai pagar caro esta brincadeira de meninos teimosos que querem governar convencidos que governar é uma brincadeira. Agora aguentem.

  23. Renato Cardodo

    19 de Abril de 2019 as 10:10

    Prezado articulista,
    Quero pensar que as suas inquietações sempre postulam interesse e vontade de mudar os velhos paradigmas que atravessam o país e enformam este miserabilismo e crónico atraso social,económico e financeiro que a todos nós interessados no seu combate amargura e dói e não passa.
    Concordo com boa parte das suas ideias e sugestões capazes de alterar esta miséria total e sem fim a vista.
    Em minha modesta análise venho dizendo que o problema está no Sistema de Estado/Sociedade criado ou mal copiado que os não políticos adotaram em nome do POVO para corromper e tratar do seu interesse e grupo associado.
    Acredito que talvez com a refundação deste Sistema Político/Socia/Economico/Financeiro é possível sairmos desta encruzilhada.
    Haverá outros caminhos….gostaria de os conhecer….

  24. Apelo de Amigo

    19 de Abril de 2019 as 16:19

    Jorge Jesus não tem alternativa. Eu acho que ele vai pedir a demissão. Tudo isto é muita areia para camioneta dele. Ele é meu amigo e eu já lhe disse isso. Ele devia desde o princípio não deixar que ninguém condicionasse ele para formar o seu governo. Em qualquer país acho eu que todo o primeiro-ministro deve ter a liberdade de formar livremente o seu governo para depois responder pelos erros. Agora o Jorge aceitou condições que hoje ele não sabe como dar a volta e está metido num grande trinta e um. Agora ele vai ter mesmo de baixar as calças . É uma situação muito complicada para ele.

  25. Angel Alison

    19 de Abril de 2019 as 16:45

    Sr. Silvino Palmer quanto custou o edificio?

    Quando foi comprado?

    Porquê o Sr. e os outros membros do Conselho não transferiram os serviços de Ager para este edifico, depois de mais de 6 meses de aquisição?

    A AGER está em condições de honrar com os compromissos bancários assumidos pela sua direção?

    Explica-nos “para que a nação santomense saiba….. sobre AGER”

    O Sr. também entrou na confraria dos aprendizes feiticeiros??? Kikkkkkkkk

  26. Corrupção Geral

    19 de Abril de 2019 as 17:18

    Vendem este país para estrangeiro. Eles cuidam melhor de nós do que estes dirigentes corruptos. O MLSTP é o partido mais corrupto que existe. Andam a comer dinheiro do povo desde a independencia. Estão todos ricos com quintas, roças, boas casas, empresas, bons tachos e estão a chamar outros corruptos.

  27. maria da graça

    21 de Abril de 2019 as 20:46

    (Adelino Cardoso), “aprendiz de feiticeiro” sr. Silvino enviou-te a carta confidencial da AGER? O que tens a dizer? Que tal? Diga-nos.Faz-nos uma resenha. Vai…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo