Opinião

Corrijam-me se estiver errado!

CORRIJAM-ME SE ESTIVER ERRADO!

Qual é o Governo, dos mais poderosos aos mais fracos dos países do mundo, que estavam preparados para enfrentar com eficácia esta crise pandémica?
Devido a sua debilidade económica e financeira, São Tomé e Príncipe tem que contar com a ajuda dos parceiros bilaterais e multilaterais no fornecimento de testes, materiais e equipamentos laboratoriais e outros para o diagnóstico de prevenção da Covid 19, numa circunstância em que mesmo os países que nos ajudam estão com dificuldades para conter a doença, agravado do facto de os voos regulares estarem todos cancelados.
Não tenho informações privilegiadas, mas como cidadão atento, tenho acompanhado com muita atenção todas as medidas de prevenção e diligencias encetadas pelo Governo junto dos nossos parceiros, com vista a apetrechar o Pais de meios para a prevenção do Covid 19, mas devido as circunstancias referidas acima em que se vive atualmente no mundo, não tem sido nada fácil.
Por outro lado, a nossa realidade social, os hábitos da nossa população, as crenças, as condições habitacionais e outras, ainda complicam tudo.
Quem não sabe que o Governo tem feito tudo com ajuda da OMS e outras Organizações com vista a sensibilizar e esclarecer a população de que o vírus existe e é extremamente contagioso e há necessidade de se cumprir todas as orientações das autoridades, mas que ainda assim, a população teima em não obedecer?
Quem não sabe que a oposição está a fazer uma forte campanha antipatriótica de desinformação junto da população ao ponto de dizer que o vírus não existe, tudo para sabotar o trabalho do Governo?
Sendo assim, é justo exigir a este Governo mais do que tem feito?
Outro Governo qualquer faria melhor nestas circunstâncias?
Por que razão se vê a Covid 19 apenas um problema do Governo?
No meu artigo intitulado “Guerra Mundial não Declarada”, dizia que teríamos muitas dificuldades de controlar o vírus aqui no Pais devido as condições habitacionais dos nossos bairros populares. Não é por acaso que o Distrito de Agua Grande é atualmente o epicentro do foco de contaminação no Pais. É um problema que se afigura muito difícil e que sinceramente não tenho proposta plausível para o mal. Devemos todos debruçar sobre esse complexo problema com vista a se encontrar uma solução.
Não basta perguntar se o Governo tem feito tudo o que devia fazer. Acho que as críticas devem ser acompanhadas sempre de propostas para a melhoria do que se acha que está mal. Só assim é que estaríamos a contribuir e participar na resolução dos problemas.
Eu também tenho a perceção de que há muito mais infetados do que aquilo que se tem anunciado. Mas tenho que entender também que para que isso seja confirmado tem que se fazer testes e muitos testes. Ora, os testes são feitos em função das disponibilidades e capacidades que o Governo dispõe neste momento. Toda a gente sabe a dificuldade que se teve para se receber os primeiros testes rápidos no Pais. E a quantidade que se recebeu foi manifestamente insuficiente. O laboratório que foi fornecido pela OMS e que já havia sido adquirido há muito tempo só agora chegou ao país por falta de transporte. Por isso é que acho que a forma como foi dito, dá impressão que o Governo anda a esconder os dados reais de pessoas infetadas. É o que se ouve já por aí.
Neste momento da vida do Nação mais do que declarações públicas e críticas, o mais importante é darmos todos a nossa colaboração, porque esta em causa a nossa vida coletiva.
São Tome e Príncipe é uma Republica onde vigora um sistema de governo semipresidencialista de democracia representativa. O Presidente da Republica é Chefe do Estado e o Primeiro-ministro é Chefe do Governo. O Governo é o Órgão Executivo e Administrativo do Estado, cabendo-lhe conduzir a política geral do Pais. Sendo assim, nessa circunstância de uma crise pandémica que estamos a viver, o Presidente da Republica, sem interferir nas competências do Governo, pode e deve dar uma valiosa contribuição na resolução dos problemas, porque tem o espaço no âmbito da Lei para o fazer. Espera-se a mesma colaboração também dos Partidos Políticos, sociedade civil e toda a população em geral.
Temos exemplo de Portugal um Pais com o sistema de governação parecido com o nosso, em que tem havido uma valiosa colaboração entre o Presidente da Republica e o Governo. Em consequência disso, as coisas estão a funcionar bem no âmbito desta crise pandémica e com resultados muito satisfatórios para a resolução do problema, facto que granjeou o elogio da comunidade internacional. É notório também a colaboração do Líder do principal Partido da Oposição, PSD.
Por isso é que para mim, o problema não é uma questão de liderança mas sim do carácter dos políticos são-tomenses que terão que mudar a sua postura para que esse Pais saia do marasmo em que se encontra há 44 anos.
Já se experimentou vários modelos de entendimento politico aqui no Pais que não resultou. Alguém ainda se lembra do último Dialogo Nacional, realizado em Março de 2014, que se gastou tanto dinheiro para a sua realização? Qual foi o seu resultado prático? Qual foi o benefício para o Pais se a falta de entendimento continua? Teria havido falta de liderança?
Os políticos são-tomenses devem saber estar quando estão no poder e devem saber estar quando estão na oposição. A Lei define claramente o papel de cada um. Na minha opinião o Pais não precisa de nenhum Governo de Salvação Nacional como foi proposto. Eu vejo isso apenas como um expediente para se acomodar os maus perdedores que não se sentem bem fora do poder.

São Tomé, 29 de Maio de 2020
Fernando Simão

    18 comentários

18 comentários

  1. Pessoa

    3 de Junho de 2020 as 8:59

    Bem dito e visionado, e mais não digo..

  2. Mais Velho

    3 de Junho de 2020 as 10:06

    Senhor Fernando! Agradeço a sua disponibilidade para escrever e até se dispor para ser contrariado por aqueles que o desejam fazer, tendo em conta o conteúdo do seu texto. Este é um grande ato de cidadania. Desculpar-me-á, contudo, em contrariá-lo num aspeto que considero importante. O senhor ao longo do seu texto quase que pede ou sugere as pessoas que não critiquem e quando o fazem para apresentarem soluções para as críticas que fazem. Eu não posso concordar consigo porque isto é a antítese da democracia e da própria política. Nós não podemos andar a dizer e reclamar que as coisas estão mal no país, que os governos falham nos processos de governação, que os cidadãos não se interessam pela política e, simultaneamente, pedir ou sugerir que as pessoas não façam críticas ou quando as fazem terem necessariamente de apresentar soluções para atos de governação que criticam. Não creio que isso seja sensato nem responsável. A crítica em si é um ato de escrutínio público que a cidadania exerce sobre o poder político com o objetivo das coisas melhorarem e não quer dizer, necessariamente, que os críticos em causa tenham razão. Isto faz parte da democracia. Pensar diferente disto é mesmo que advogar um regime ditatorial. Nós não podemos advogar o pluralismo político, sob a qual assenta a nossa democracia, e no entanto estarmos proibidos de criticar as opções dos governos, quaisquer que sejam, ou sermos coagidos a fazê-lo somente mediante a apresentação de uma solução alternativa. Com todo o respeito eu não posso concordar consigo. A crítica em si também é uma forma de emitir opinião e não pode ser interpretado necessariamente como uma ausência de compromisso político para com o desenvolvimento da nação. Um exemplo: este governo na minha modesta opinião é fraco, constituído por algumas pessoas com um perfil pouco adequado para as atuais necessidades do país em diversas áreas que requerem reformas políticas profundas e o primeiro-ministro tem tido imensas dificuldades para o liderar e coordenar, tendo em conta os resultados que todos conhecemos. Esta é uma crítica que faço em função daquilo que observo da atuação governamental e dos problemas que existem no país e que estão aos olhos de qualquer cidadão. Pode haver pessoas que discordem deste meu olhar crítico mas não pode ser interpretada como uma crítica ilegítima nem tão pouco eu tenho que apresentar soluções que ajudem o senhor primeiro-ministro a fazer remodelações governamentais porque esta é uma competência exclusiva dele. Não sou eu que para além de criticar vou apresentar ao senhor primeiro-ministro uma solução ou alternativa de remodelação governamental. Este é um exemplo entre muitos outros que eu poderia contrariá-lo na fundamentação do se artigo.

    • Inconformado

      4 de Junho de 2020 as 11:20

      O senhor Simão só disse que em fase desta pandemia deve se ter um sentido de estado. Eu não vejo mal nenhum nisto. Você não chega nem aos calcanhares deste grande patriota. E eu estou fora de S. Tomé à 24 anos. Disse.

  3. Choro

    3 de Junho de 2020 as 12:32

    Senhor Simão Que se diga a verdade independentemente da doença toda gente sabe que o actual governo deu obras de passeio estradas pontes e mercado de Bobo forro aos seus amigos, camaradas e empresas de namoradas. É só corrupção.
    Com essas trapalhadas deve se criticar e muito bem. Aliás quando estavam na oposição criticavam tudo e até incendiaram a viatura de uma juíza.

    • Santomense

      4 de Junho de 2020 as 11:37

      Haverá momento para serem chamados a responder e justificar o que fizerem com o Dinheiro.

      É para isso que estão os deputados na assembleia, para fiscalizar as acções do Governo, depois de vencermos o COVID-19. O Momento agora é de união.

      Na Assembleia também podem propor acções para melhorar o que entendem que esteja a ser mal feito. Têm mecanismos para tal.

      Em vez disso passam o tempo a criar confusão por tudo e por nada, dificultando ainda mais o combate por si só já dificílimo, por todas as condicionantes sobejamente conhecidas e explanadas Sr. Fernando Simão.

      Torcem para que dê tudo errado e se esquecem que também podem vir a padecer desse maldito vírus, ou suas famílias.

  4. Pascoal Carvalho

    3 de Junho de 2020 as 15:09

    Caríssimo Fernando Simão.
    A qualificação do executivo, requer muito mais do que uma gestão epidérmica.
    Entretanto, falando pontualmente disso, facilmente se conclui que nenhum executivo faria melhor ou pior.
    Contudo certas falhas graves, eram e são perfeitamente evitáveis, até mesmo porque todos eles e especialmente este contou com o apoio generalizado e entusiástico da população que hoje lhes tem cobrado.

  5. Como será

    3 de Junho de 2020 as 16:06

    Ahhh. Meus irmaos, eles na altura que estavam na opisicao as criticas eram para ser feitas a todo custo, porque eles queria chegar onde estao na cadeira da governacao provando o mel, e agora ja nao aceitam criticas porque se consideram os melhores,os intocaveis, mas uma coisa é certa a politica feita em santome baseiam se muito em odios.rancores, recentimentos, ganancia dismedida, humilhacoes ,enquanto nao mudarem de mentalidade todos esforços para mudar o rumo do país sera nulo, na governação nao pode servista como oportunidades de vinganças daquele ou ,aquela.E quanto que o sr Simao no meu entender acha que nao deve ser feita, quero lhe perguntar o seguinte: o sr acha bom o nosso pais ter um sistema de saude precario que se hoje?Acha este papel ridiculo que santome vem fazendo com as colheitas de amosta de sangue levando nos outros países para ser testado? Todos os paises da Lusofonia tem o seu laboratório, fazem seus testes locais,e por outra acha que a sitiacao sanitaria do pais anda bem? E a critica nao deve ser feita? Para um cidadao que ama seu pais faz críticas,isto nao quer dizer que o cidadão deve dar propostas de como o governo ira conduzir o destino do país, mas tambem o governo pode fazer uma governacao livre,aberta onde a opiniao do cidadao tambem é auscultada e analisada. E para finalizar vejo que o sr Simao vem duma epoca em que santome era um pais invejavel para os que la visitavam,eu tenho saudades daquela epoca , onde o respeito,humildade e consideração fazia parte da populacao e dos dirigente deste pais. O pais esta no poço entao nao podemos so olhar, CRITICAR.CRITICAR sim .

  6. Andorinha

    3 de Junho de 2020 as 17:47

    O senhor Fernando Simão não consegue despir a camisola do seu partido este senhor não é mais patriota do que Pinto da Costa que criticou e bem este governo por falta de liderança e de estar sempre a improvisar não podemos estar a tapar o sol com a peneira e são vida das pessoas que esta em causa.

  7. Fuba cu bixo

    3 de Junho de 2020 as 18:35

    A crise da pandemia é mundial sim mas outros países prepararam para enfrentar a doença acontrario do Jorge bom Jesus que cruzou os braços não preparou nada e nem comprou nada para combater o Covid-19. O governo havia anunciado a compra de mil testes e ventiladores que estava em Portugal mas até agora nada.
    Quem esta a combater a doença em S.tomé não é governo são comunidades internacionais e os Chineses eu chego agora a pensar que quem esta a governar S.tomé são os Chineses
    Senhor Fernando Simão que diga ao Jorge bom Jesus que corona-vírus não é nenhum bebé como ele disse é sim uma doença assassina que anda a matar pessoas.

  8. Sempre atento

    3 de Junho de 2020 as 19:41

    Todos os políticos, (nos outros países) principalmente os que estão no poder decretaram quarentena para conter a pandemia com outras soluções para minimizar. Decretar quarentena e deixar a população fechado sem outras soluções de sustento não passa de ditadura. Um povo que vive dia a dia labutando para garantir o sustento da família e agora tem que estar confinado e ter um governo de mãos atadas. Tirem-me desse filme. Depois não quer críticas? Que Deus tenha misericórdia desse povo. A justiça virá e certamente não tardará.

  9. Inconformado

    3 de Junho de 2020 as 23:25

    Um grande patriota. Bom seria que houvesse muitos santomense assim.

  10. Inconformado

    3 de Junho de 2020 as 23:27

    Quero conhecê-lo quando for a S. Tomé de férias

  11. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    4 de Junho de 2020 as 13:00

    O homem falou da doença e não de obras…. choro tas a chorar as obras pk,,,,nao recebeste qual é o teu real problema, acho que a tua inveja vai te fazer chorar por muito tempo,

  12. Maria das Mercês

    4 de Junho de 2020 as 17:45

    Senhor Simão
    Este governo ainda que faça toda a besteira deste mundo o senhor é e será sempre o seu grande defensor.
    O senhor está a proteger o tacho do seu filho que está em Macau como representante do país e é normal, pois compreende-se.
    O senhor está a proteger os seus biscatos junto do governo e os biscatos dos seus entes queridos que não tem faltado e também compreende-se.
    No entanto, que houve erro na organização para o combate do COVID 19, houve sim. Somos uma ilha, e com uma boa organização, não tínhamos que passar pela mesma situação que os outros países que têm fronteira terrestre passaram. Podiamos ter nos protegido melhor.
    Mesmo se falhamos na organização e na proteção, poderíamos termos munido de um laboratório a muito tempo, sem esperar que os outros nos dessem. Tivemos dinheiro e suficiente para sermos dotado de um laboratório. Pois preferimos lançar os cem mil dólares para tapar buracos de passeios de S.Pedro, em vez de comprarmos um laboratório que custava menos.
    O problema deste governo, e de manter as mãos estendidas a espera que os ouros façam para o povo aquilo que é a responsabilidade do governo.
    Este Governo teve mais do que o tempo suficiente para ter acabado o mercado de Bobo forro que já tinha sido iniciado e muito bem por outro governo. Mas como durante a campanha, andaram a prometer ao povo que se ganhassem as eleições ninguém iria sair da rua e que ninguém iria para o mercado de bobo forro, então não fizeram nada e não deram continuidade as obras com desculpas descabidas. Depois da doença de COVID decidiram atirar o povo para este mercado um em cima de outro passando a ser o maior foco de contaminação por COVID 19.
    Isto é má fé e muita desorganização e desorientação.
    Então não venha com justificações e comparações descabidas. É verdade que a COVID tem matado em vários países, mas o impacto que temos estado a ter deve-se a desorientação, desorganização, burrreza, estupidez e falta de estratégia do governo.
    Que Deus salve o povo santomense

  13. SEMPRE AMIGOC

    4 de Junho de 2020 as 17:45

    De acordo com o conteúdo da exposição feita pelo Mais Velho(a?)Não é “huangando” flores é que prestamos um apoio válido ao Governo.Criticar não é condenar.O Governo deve estar atento ás opiniões criticas ao seu desempenho.Há um provérbio dinamarquês que diz:QUEM NÃO TEM ORELHAS PARA OUVIR,NÃO TEM CABEÇA PARA GOVERNAR.

  14. Luisa

    5 de Junho de 2020 as 2:22

    Publicar um artigo desta natureza é sinónimo de exercício de cidadania. É de louvar a iniciativa. Deve-se respeitar a opinião de cada um. Não sei se estou certo, mas julgo que o ator do artigo em questão, aparece como advogado de acusação daqueles que criticaram fraco desempenho do governo no combate a pandemia Covid19 e não só.
    Viva o pluralismo de opiniões!

  15. somos culpados

    5 de Junho de 2020 as 10:51

    Apesar da Covid 19 este governo é o pior que alguma vez tivemos em Sao Tome e Principe. Sem mando, sem estratégia ou plano de acção, pessoas fracas, privilegia os camaradas, incentiva o aumento da corrupção enfim só com Cristo. Ainda assim pensam que uns cabazes chegam para calar as pessoas. Haja paciência. Fui

  16. WXYZ

    8 de Junho de 2020 as 4:08

    “Quem não sabe que a oposição está a fazer uma forte campanha antipatriótica de desinformação junto da população ao ponto de dizer que o vírus não existe, tudo para sabotar o trabalho do Governo?” – CORRE! VEM DEITAR CULPA NA OPOSICAO! Quem disse que PT manipulou os testes que foram pa Gabao? Quem soltou gente do hotel miramar sem esperar pelos resultados? Quem permitiu que pessoas infetadas fossem pa Principe? Quem andou a mentir de que hospital tem condicoes minimas em termos de equipamentos de proteccao individual dos tecnicos de saude para fazer face a essa pandemia? Epa! Nao vale a pena enumerar mais e mais falhas porque nao haveria espaco para cabe las. Portanto. CONVENHAMOS OH SR. SIMAO! PROCURE SER IMPARCIAL NAS SUAS ANALISES.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo