Opinião

As três camisas de força impostas aos países do terceiro mundo (colonizados)

Ao ler o artigo: PNUD FINANCIA ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS, lembrei-me da declaração do Secretário-geral da UCCLA o sr. VICTOR RAMALHO, publicado no TÉLA NÓN.

Na referida declaração, em celebração do dia 25 de Maio, dia de Africa, lia-se: ”Há que, porém, fazer notar que as eleições democráticas em Africa estiveram longe de conduzirem à estabilização política dos países, como a realidade veio a evidenciar…Isto porque não se teve em atenção que a realidade diferenciada dos países não deveria, nem poderia, impor a transposição mecanicista da democracia, sem consideração pela especificidade concreta dos destinatários”.

Entretanto o sr. Secretário-geral da UCCLA deve ter.se “esquecido” que a “transposição mecanicista da democracia” a que se refere ,não foi feita ao acaso. A mesma resulta de uma estratégia previamente concebida e elaborada pelas potências dominantes, e a sua imposição a partir dos anos noventa do século 20, ficou facilitada pela unipolarização do mundo, com a queda do muro de Berlim e o desmoronamento do campo socialista. Ao longo da história mundial, durante séculos, as potências dominantes impuseram aos chamados povos do “terceiro mundo” três tipos de camisas de força, cujo objectivo principal é de assegurar o controlo das principais fontes das matérias primas, vitais para a sua sobrevivência.

As três camisas de força são: ESCRAVATURA, COLONIALISMO e DEMOCRACIA. A abolição da escravatura resultou essencialmente das mudanças históricas ocorridas nas potências dominantes, com a revolução industrial e o reforço do poderio económico da burguesia nacional, que não estava interessada no aproveitamento do trabalho-escravo, mas sim na compra da força-de-trabalho de homens livres completamente despojados de meios-de-produção.

Nas colónias os escravos-libertos passaram a trabalhar como contratados. Com o surgimento do campo socialista o mundo unipolar bipolarisou-se, favorecendo ,deste modo, a criação de condições objectivas e subjectivas favoráveis a intensificação da luta de libertação dos povos colonizados. As independências dos povos colonizados, num mundo bipolarizado, mergulhado numa luta hegemónica entre o campo capitalista e o campo socialista, foram motivos de sérias preocupações das potências hegemónicas.

As potências dominantes receavam que num mundo bipolar, os países outrora colonizados apoiados pelo bloco comunista, poderiam por em perigo os seus interesses vitais nas antigas colónias.

Perante uma tal situação, havia que agir rapidamente. Os sucessivos golpes de estado outrora utilizados contra regimes menos dóceis, já não davam garantias suficientes. Com o desmoronamento do bloco socialista foram criadas condições favoráveis para a imposição da terceira camisa de forças, a DEMOCRACIA.

Rufino d´Assunção Rosamonte

    7 comentários

7 comentários

  1. Boinal

    8 de Junho de 2021 as 5:49

    A democracia é uma camisa de forças??? :)Oh África! Para onde caminhas?

  2. Joel

    8 de Junho de 2021 as 9:03

    A pior colonização é aquela dos africanos contra os seus próximos através de perseguições, nepotismo e corrupção.
    São tome e principe não foge a regra.
    Nestes últimos 2 anos houve muito desvio de dinheiro público e a luta contra a corrupção tem servido apenas para os adversários.
    Neste aspecto o governo de Jorge bom Jesus tem sido um dos piores. Basta ver obras da marginal de mercado de Bobo forro que estão a ser executadas por camaradas.
    Reina no país a expressão “agora é a minha vez”.

    • Toni

      9 de Junho de 2021 as 20:08

      O facto é que os países regrediram economicamente e nas condições de vida para as suas populações após as independência, dá que pensar!!!

      Se calhar deveriam ter ido pelas autonomias!!! Porque o que criaram até agora é miséria, acho que não é culpa das potências ocidentais, mas sim da péssima qualidade dos governantes africanos.

  3. Matabala

    8 de Junho de 2021 as 13:20

    Caro cidadão. ..discordo. Temos de avançar em vez manter a situação como está justificando com colonização- desculpa que já não pega.
    No nosso caso ainda por cima não temos diamante, não temos petroleo que justifique , não temos ouro….mas temos CORRUPÇÃO E GANANCIA dos nossos governantes africanos que chega e sobra…estamos como estamos porque substituimos o colono branco pelo colono preto que revela ser infinitamente pior pois não tem compaixão por seu irmão de pele e nem amor na pátria que so finge ter no seu socialismo soviético onde só as elites comem e fazem mealheiro na Europa e o resto do povo na miséria ….praga para eles todos. E não vai pôr culpa no outro…ve exemplo de Ruanda e Paul Kagame…um bom lider é tudo o que Africa e africanos precisa…Não esses boneco de fato e gravata armado em socialista e luta de libertação, de conversa de escravo e de independência. ..tudo isso para enganar povo e manter ele na ignorância e dependente. Bandidos

  4. António cunha dos santos

    8 de Junho de 2021 as 14:26

    Grande análise senhor Rufino. Parabéns. Agora os nossos dirigentes é que têm que ter juízo, e trabalharem para o seu país

  5. Gregorio Furtado Amado

    8 de Junho de 2021 as 17:03

    É um raciocinio logico e fora de alcance dos que são pagos com o dinheiro que sacrificamos para pagar impostos, para andar a criticar só porque são pagos pra isso. Eu pergunto, quantas eleições que foram realizadas e que detectaram fraudes mas com a presença da comunidade internacional? Que decisão tomaram? A democracia é para fazer boi dormir para eles conseguirem os seus objetivos. Abaixo aculturação.

  6. SEMPRE AMIGO

    8 de Junho de 2021 as 17:28

    BOINA! JOEL!…Será que vocês conseguiram perceber o alcance do que leram??Se,por acaso, têm opiniões contrarias,exponham as vossas ideias.Não aproveitem, á despropósito,as oportunidades que o TÉLA NÓN simpaticamente nos oferece, para descarregar sobre terceiros as vossas reservas de fel….CREDO!CREDO! Até quando vamos ter que conviver com a ignorância?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo