Vídeos

Crime ambiental no negócio de extracção de areia a troco de “pão com chouriço”

MANIFESTO SOCIAL Nº 08/2021 – CRIME AMBIENTAL NO NEGÓCIO DE EXTRAÇÃO DE AREIA A TROCO DE “PÃO COM CHOURIÇO”

Num momento em que globalmente se trava uma árdua luta contra as alterações climáticas, assiste-se em São Tomé e Príncipe diversas ações de destruição ambiental, passando por desflorestação, com abate abusivo e indiscriminado de árvores, queimada de lixo tóxico a céu aberto, exploração ilegal de areia, entre outros crimes ambientais. Essas ações têm causado de forma visível a alteração climática.

Exemplo disto são as chuvas torrenciais que, ultimamente, têm assolado o país, as devastações de áreas agrícolas provocadas por tempestades e vendavais, e a incursão do mar que tem destruído a superfície terrestre. Não obstante a proibição decretada pelas autoridades competentes, a areia é constantemente extraída aos olhos de todos, ganhando proporções gigantes e preocupantes.

Tudo isto perante um Governo que se mantém impávido e sereno, assistindo à destruição ambiental do país. A zona de Micoló é, entre muitas outras, um dos exemplos mais graves desta situação. O Observatório Transparência STP reitera que seu papel enquanto iniciativa civil, é o de questionar, alertar e contribuir para a defesa da legalidade, dos direitos fundamentais dos cidadãos, da transparência e melhor comunicação por parte dos decisores públicos, cabendo a estes, no âmbito das suas responsabilidades e funções, tomar as decisões com vista a salvaguardar o interesse público, no estrito cumprimento das leis em vigor e das regras da democracia que fundamentam o nosso estado.

São Tomé 26 de maio de 2021 Observatório Transparência STP + transparência > efetividade

    6 comentários

6 comentários

  1. Natureza

    28 de Maio de 2021 as 8:38

    Extracção de areia e corte de árvores abusivo e com pessoas ligadas a governo e deputados. E ainda há o despejo de lixo que as proprias câmaras de Cantagalo e Caue fazem directo para o mar …Também a luz do dia e a vista de todos…quando os de cima não dão exemplo e estamos num país sem rei nem roque é no que dá. …

  2. Ricardo santos

    28 de Maio de 2021 as 9:04

    Vi o vídeo e fiquei em choque com as imagens em micolo. É muito mais grave do que eu pensava. Aquela estrada vai desaparecer em breve.
    Estão a destruir este país.

  3. Anjo do Céu

    28 de Maio de 2021 as 10:00

    Só o Governo ke está a ver esta pouca ou muita vergonha impavido e sereno? Convenhamos.A população por exemplo de micoló ke qualquer dia pode uma tragédia como aconteceu em TSUnami e muitos tÊM CONTRIBUIDO PARA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL recebendo dinheiro em baixo da mesa e na calada da noite protegiam os infratores.
    Tanto dinheiro que departamento do ambiente recebeu através do Arlindo que nada fez vivendo a sua vida só com cartozinhas e País mergulhou mesmo no fundo do poço.Policia medroso de nao tomar medidas sérias pelo contrario contribuia com os infratores e deixar passasr carrinhas com madeiras enfim tudo em estilo de corupção activa.Militares de patente a frente de caminhao a defender seus interesses de possibilitar tirar arreias e ministério da agricultura adormecido nas florestas,enfim.Aonde vamos chegar com toda essa podridão que afecta o País levando a extrema pobreza????????????????????

  4. Pedro Costa 2

    28 de Maio de 2021 as 12:31

    Mas não há ordem neste país!?
    País tão pequeno e não se consegue controlar estas atitudes?
    Este país está à saque!

  5. SANTOMÉ CU PLIXIMPE

    28 de Maio de 2021 as 14:06

    Gostei das imagens, muitas delas são da época da governação do anterior governo…isso mesmo

  6. Muito grave

    28 de Maio de 2021 as 14:57

    Esse geronimo papagaio está a cometer crime ambiental. Quem vai acabar com esse pântano?
    Depois disso vão inventar projecto de milhões nao é?
    Mas queria perguntar onde anda o ministério público e o procurador geral?
    Ouvi dizer que esse empresário até ofereceu uma viatura nova a Jorge bom Jesus.
    Enfim que terra.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo