Economia

Japão investe no comércio de Santolas em Neves e constrói escola na Ribeira Funda

O Governo do Japão apostou na ONG ADRA, para gerir as obras de construção da escola primária da Ribeira Funda. Uma escola de 4 salas de aulas, dois escritórios, dois armazéns , e duas casas de banho.

O centro de ensino, que deverá estar concluído dentro de 6 meses, vai evitar a deslocação das crianças da Roça Ribeira Funda, para a cidade de Neves no norte de São Tomé.

Maasaki Sato, embaixador do Japão para São Tomé e Príncipe, com residência no Gabão, lançou na companhia do representante da ONG ADRA, lançou as primeiras pedras que vão erguer a nova escola da Ribeira Funda. «Ao financiar este projecto o Governo do Japão espera melhorar o acesso ao ensino. O crescimento infantil saudável é um dos fundamentos mais importantes para o desenvolvimento sustentável, e é um desafio para o futuro do país», afirmou o embaixador nipónico.

As crianças da Ribeira Funda, reagiram com satisfação ao lançamento da obra, que começa a ser executada no mês de Novembro próximo.

Depois da Ribeira Funda, Maasaki Sato, deu um salto até a cidade de Neves, onde o Japão construiu a sede da Associação de Pescadores de Santola. A infraestrutura que foi apetrechada também com o financiamento do Japão custou mais de 115 mil euros. «É um projeto importante para nós, porque permite melhorar as condições de pesca, conservação  e venda de santolas», afirmou o Presidente da Associação dos Pescadores de Santola.

A infra-estrutura que doravante permite aos pescadores de santola, tratar e conservar o crustáceo, é composta por um secador solar, arcas frigoríficas, fogão a gás, e outros equipamentos. Conta também com uma cozinha, para permitir a venda de santolas ao público. «Melhora as condições de trabalho dos pescadores que se dedicam a captura de santolas. Aumenta a produção desta espécie marinha e a sua transformação, através deste centro. Este projecto demonstra o empenho do Governo do Japão na melhoria da segurança alimentar em São Tomé e Príncipe, no aumento da produção pesqueira, na criação de emprego e na luta contra a pobreza», pontuou o embaixador Maasaki Sato.

O Director Geral das Pescas, Pessoa Lima, recordou que os pescadores da cidade de Neves, dedicam a faina de Santola há mais de 10 anos. Agora têm as condições técnicas e infraestruturais, para produzir santola em boas condições higiénicas e co qualidade.

Santolas, é um tipo de crustáceo abundante apenas no mar que banha a região norte da ilha de São Tomé.

Uma espécie que alimenta o turismo na cidade de Neves. São dezenas de turistas que diariamente visitam Neves para saborear santola.

Abel Veiga

    1 comentário

1 comentário

  1. Zani

    28 de Setembro de 2018 as 17:21

    Obrigado Governo Japonês pelas ajudas e solidariedade de um povo guerreiro e resiliente a adversidades!
    O povo pequeno o maior beneficiario dessas ajudas! Agradece!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Recentemente

Topo